Resenha - Um CEO Sedutor

10 junho 2021

 


O mundo deu todos os motivos para que tudo desse errado na vida de Richard e Elise, mas isso não os impediu de consquistarem um espaço de prestígio na vida. Ele leva uma vida de milionário, com todas as mulheres aos seus pés, mas, no fundo, seu passado ainda o atormenta e isso faz a vida dele um pouco triste, já que precisa conviver com as consequências de seus atos, que nem mesmo o monte de dinheiro ajudaria.

O acidente que colocou em jogo a vida de seus pais e irmã ainda pesa em sua consciência e ele não quer aceitar perdão, porque não se acha digno. Então acaba vivendo uma vida de aparências: por fora, o poderoso chefe de muitas agências, elegante e sério, por dentro, ainda o cowboy que saiu da fazenda de sua família, quando jovem, totalmente humilhado.


Elise acaba de perder o emprego, porque sua empresa foi comprada por um grande CEO, e está mais do que revoltada com a vida. Sem os pais, com a irmã morando em outro país, ela só tinha uma pessoa a quem confiar sua intimidade: Gordon. Porém, ao ir contar sobre a demissão, ela o flagra com outra mulher e isso destrói o resto de relacionamento que os dois de fato nunca tiveram. 

Em uma estrada, um pouco bêbada, na noite de Natal, ela agora está duplamente irritada, pelos dois acontecimentos no mesmo dia e por não ter ninguém além de seu cachorro.

Para melhorar a situação, seu carro estraga, mas na mesma rota que Richard resolveu fazer para ir ao rancho. Ao vê-la em uma situação cômica e tragíca, resolve ajudá-la. Mesmo com todas as tristezas, Elise ainda assim mostra seu humor sarcástico e muito ácido, que de imediato conquista Richard. O que era para ser apenas uma carona, virou um jogo de sedução, no qual ele está totalmente preso.
 

"Algum dia aquela culpa iria embora? Percebia que a culpa não era uma coisa fácil de se extinguir. A culpa podia ser algo devastador. Duas enormes pedras em nossos pés que nos impediam de seguir."




[- Minhas Impressões -]

Esse é o segundo livro da Chris que eu leio e me surpreendi ainda mais com a qualidade de escrita dela. Embora na Amazon conste como mais de 600 páginas, isso não deve ser motivo para não embarcar nesse romance: a escrita é super leve, com diálogos que prendem e cenas muito bem construídas, que não tornam a leitura cansativa e ainda nos faz querer saber mais a cada capítulo, passando rápido.

O livro começa 16 anos antes, com o jovem Richard Dawson narrando em primeira pessoa um momento inusitado, que quase acabou com um espancamento até a morte. Cidade pequena, as informações correm rápido e não demorou para que ele se tornasse uma "vergonha", ou pelo menos ele se denominava assim.

Após isso, seu desejo é suprir tudo que sua família precisa e restaurar a honra deles, por se culpar demais. Nessa cena já vemos a personalidade dele, o quanto ele estava sofrendo por ter sido usado sem ter se dado conta e o quanto isso o afetou e decidiu seu futuro: iria para fora da cidade pequena e só voltaria quando pudesse ser superior. E nada de relacionamentos mais, não se deixaria ser seduzido outra vez. 


Anos depois, continuamos no ponto de vista de Rick e aí, sim, temos uma boa dimensão do que ele se tornou: rico, sedutor, poderoso, mas triste e solitário. Ele quem se coloca nessa posição, não se permitindo um recomeço, assim como sua irmã teve após tudo que aconteceu. Ele ainda não supera e nós, leitores, ficamos chocados quando vamos descobrindo o que aconteceu no passado deles. Tudo o tornou amargurado, um homem de personalidade forte que não gosta de ser contrariado, mas, ao mesmo tempo, ele não é uma pessoa ruim, pois sempre trata todos com respeito e faz de tudo pela felicidade da irmã.


"Éramos apenas eu e a solidão no topo da minha torre de vidro e aço em plena Austin Street. Aquele lugar era meu orgulho. A sede da minha corporação em Houston."



Então os capítulos seguem, sem uma ordem certa, intercalando entre os pontos de vista dele e da Elise. A cena de encontro dela com Rick foi uma das melhores cenas que já li, porque foi extremamente visual e eu amei a personalidade dela! O jeito como ela é irritada, impulsiva, briguenta, tornou ela única, porque ficou muito característico e presente do início ao fim do livro. Ela também tem problemas com o passado, além dos problemas atuais de desemprego e estar endividada, porém não perde a pose e, mesmo se achando doida, tenta seguir um outro rumo. Naquele instante, na estrada, ao se encontrar com Rick, seu rumo já estava totalmente traçado, assim como o dele.

Os dois personagens principais são reais, divertidos, parecidos e diferentes ao mesmo tempo. Enquanto Richard sente a culpa o dominar e o cansar, Elise borbulha raiva e vive a vida intensamente. Mas os dois têm que mostrar uma vida de aparências, e ela não sabe se chora, odeia ou ignora os sentimentos por ser conhecida como durona, assim como ele precisa parecer um homem de sucesso sempre e, por isso, a fuga para o rancho naquela noite de Natal que o fez se encontrar com Elise.


Atração à primeira vista, os dois não podem negar o poder da conexão que tiveram imediamente. Relacionamento não era o plano de nenhum deles. Elise também tem um trauma grande quanto a ser usada e sente medo de se entregar novamente e acabar magoada. Eles parecem apaixonados antes mesmo de Richard sair do carro e encontrar com ela, porque ele se admirou com a cena que estava vendo, e logo os diálogos com flertes começaram, mostrando muita química entre os dois, além de que eles têm o mesmo tipo de humor e desgraças.

O único problema é que Richard conheceu ela vestido de cowboy e agora ela acha que ele é simplesmente isso, quando, na verdade, ele é a razão da desgraça dela também. É engraçado demais quando eles resolvem ficar perto e conversam sem dar nomes, porque ela fala em acabar com quem demitiu ela e ele, entendendo, concorda e começa um jogo com ela, levando na brincadeira.


"Vou odiar esse Dawson! Esse diabo que me deixou desempregada! Que ele chore litros quando enfiarem o peru de Natal nele!"



As cenas são demoradas em alguns momentos, muito bem descritas sem causar cansaço. O grande ponto dessa história, para mim, foram os diálogos! Foi por eles que os dois contaram suas histórias, mostraram a personalidade e tudo mais, não por um simples relato do narrador que já entrega tudo de cara. Vamos descobrindo as coisas que aconteceram bem aos poucos, o que vai gerando mais e mais curiosidade. Alguns momentos são extremamente intensos, eróticos, sensuais sem ser de fato sexo, apenas pela sensação que os diálogos criam, com ambiguidades e mistérios. É quase como estar assistindo a um reality show! De tão confortável e gostoso de ler as cenas deles.

Vamos vendo como os dois tentam resistir, o quanto Richard não aceita ser rejeitado, o quanto ela quer, mas não tem coragem. É legal demais as reflexões em volta disso, sobre estar com um desconhecido, num primeiro momento, por quem se sente extrema atração. Eles vão e voltam em encontros explosivos, criando mágoas e orgulhos feridos, inclusive porque a situação acaba invertendo: ele acha que ela é muito rica e ela acha que ele é muito pobre, coisa que ele não tolera: pessoas esnobes que diminuem pobres, já que ele foi um. Porém, toda essa bagunça vai ser colocada no lugar e então eles precisarão enfrentar o poder da verdade e decidir realmente o que irão ter.


O momento da descoberta deles foi muito esperado por mim e não poderia ter sido melhor, foi engraçado e, claro, com muitos gritos e xingamentos, totalmente Elise sendo Elise. O contraste entre os dois é incrível e isso é legal: geralmente temos o homem como o explosivo, pegador, CEO que humilha, mas aqui não, aqui é Elise quem manda mais do que Rick. Amei essa inversão! Além de que a declaração de paixão aqui é feita também fora do convencional.

Eu realmente amei a Elise, porque várias vezes ela conta algo e depois se contradiz de forma humorada, é desastrada, tem um humor ácido e não se deixa vencer, ela aguenta tudo que precisa mesmo estando fragilizada. Os momentos mais intensos do livro, fervorosos, são pelo ponto de vista dela, o que mostra que ele é claramente mais contido. Uma das minhas cenas favoritas foi quando ela reencontra alguém do passado dele e essa mulher tenta falar mentiras e jogar Elise contra Rick, o que acaba não dando certo e quase vira uma briga muito feia, porque ela não é de deixar barato.


"Não era muito do meu feitio. Elise Jordan tinha fama de não ter coração. Era só fama, claro. Meu coração batia absurdamente descompassado agora. Não era fácil manter minha fama de durona, quando no fundo eu era uma descompensada [...]"



Gostei muito da aproximação dos dois, de como foram naturalmente se abrindo um com o outro e compartilhando os passados traumáticos, como a tensão sexual entre eles é forte em todas as cenas, que vezes são sérias e outras safadas, mas sinceras. Não há uma enrolação, como costuma ter em outros livros, nem negação de um amor, por mais que eles não quisessem, ou machismo da parte dele, embora ele pense nela de forma muito safada, mesmo assim, não a invalida como mulher, admira. 

A autora também escreve cenas quentes muito sensoriais, intensas de ler e, ao mesmo tempo, carinhosas, porque ele se preocupa com ela e quer descobrir e respeitar todas as barreiras que ela tem, assim como derrubá-las, claro.

A questão do passado também foi bem forte, um momento bonito e humanizado onde eles falaram sobre luto, consequências e perdas, criando laços um com o outro antes de algo de fato acontecer. Nosso cowboy é extremamente paciente e isso é muito admirável nele, isso que me fez gostar bastante dele. Ele não é arrogante, não houve um momento em que pensei algo ruim dele!


Além disso, temos algumas questões importantes trabalhadas. A primeira é as pessoas geralmente acharem que uma mulher conquistou uma ótima vaga de emprego por estar dormindo com o chefe, algo totalmente idiota e que invalida todo o estudo, preparação e carreira dessa mulher, tão competente ou mais do que quem fala isso. É triste ver a personagem se preocupando com essas coisas e quase deixando de aproveitar a vida. Outra é o machismo, que não está no cowboy, mas está no Gordon. Não satisfeito de Elise o ter flagrado, ele resolve agir contra ela em outro momento e acaba preso, mas logo é solto: a impunidade do sistema que não protege as mulheres!


O livro foi realmente muito bom pra mim, me surpreendeu por eu conseguir ter lido rápido e pela história ser realmente uma daquelas que a gente pega e não quer largar mais. O final foi quase uma redenção pra todos, o que achei bem legal porque retomou pontos da vida de Richard que ele se sentia culpado e agora não mais precisava se sentir assim e Elise também teve seu momento de paz interior. Um romance intenso, com cenas quentes muito interessantes e, principalmente, respeito e cumplicidade.







 

Livro: Um CEO Sedutor
Cortesia: Christine King (Autora Parceira)
Número de páginas: 754
Skoob/Amazon

Richard é um CEO irresistível, um poderoso homem de terno exalando uma sexualidade selvagem, que lutou duramente para construir seu vasto império, e se tornou tão duro quanto a vida foi com ele. Ele estava acostumado a ter todas as mulheres que quisesse, mas as coisas mudam totalmente quando conhece Elise, uma linda jovem inexperiente e orgulhosa.

Com seu jeito espontâneo e divertido, Elise vai mexer com a cabeça de Richard, e ele irá perceber que não será nada fácil conquistar essa garota.
Ele fará de tudo para conquistá-la, até se fingir de pobre se precisar. Tentando seduzir essa adorável garota cheia de segredos, ele se verá inesperadamente seduzido, sentindo uma estranha e profunda conexão.

Nesse jogo de sedução, nesse duelo de egos, eles perderiam o coração.




Postar um comentário

Licença Creative Commons
O site I LOVE MY BOOKS por Silvana Sartori está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Por isso, qualquer contéudo aqui presente como resenhas, fotos e Colunas publicadas são exclusividade. RESPEITE e NÃO COPIE, pois PLÁGIO é CRIME!


Instagram

I Love My Books - Blog Literário . Berenica Designs.