07 maio 2021

Resenha - Arsenè Lupin: O Ladrão de Casaca



Confesso que comecei a ler O Ladrão de Casaca, sobretudo, por causa da série da Netflix, Lupin. É uma série curta que vi em uma sentada, baseada no livro, e nos trejeitos do nosso protagonista: Arsene Lupin. Entretanto, ao constatar que o livro, na verdade, era um compilado de contos, senti que não seria uma experiência tão boa, e estava REDONDAMENTE ENGANADA (risos).

A história de como tudo surgiu é bem interessante. Leblanc formou-se em Direito, mas recusou um emprego numa fábrica aos 24 anos para ir à Paris seguir a carreira de jornalista. Nisso, foi muito influenciado por Gustave Flaubert (um grande amigo da família desde seu nascimento) e seu ídolo maior, Guy de Maupassant a escrever romances, contos e peças teatrais.

Entretanto, ao ver que sua renda não estava totalmente estável - apesar do sucesso com a crítica - seu amigo Pierre Lafitte o convidou a publicar uma ficção policial na revista Je Sais Tout. É interessante pensar que Arsene Lupin resultou de muito mais do que somente um vilão para o tão amado Sherlock Holmes; mais do que isso, é como Conan Doyle lidou com o sucesso imediato de Leblanc. Em um de seus contos, Sherlock Holmes foi citado, porém Doyle colocou Leblanc na justiça por apropriação do personagem; então, surgiu o ilustre Herlock Sholmes, arquinimigo de Arsene.

No primeiro de muitos livros da série, acompanhamos as primeiras aventuras de Lupin, e possivelmente as que chamaram mais a atenção do público na época em que foi escrito - A prisão de Arsène Lupin de 1905, como conto de estreia do personagem. No final das contas, o compilado conta com 9 contos muito bons, sendo uns melhores que outros, claramente.


Sinceramente, ver Arsène Lupin em diversos momentos me divertiu DEMAIS. Ele é protagonista, coadjuvante, narrador e posso até arriscar dizer que autor de suas mais famosas aventuras (se é que elas realmente existiram). Lupin é misterioso, engraçado, cortês e encantador; é a ameaça dos nobres, o terror da polícia francesa e o amante ingrato de sua plateia. É impossível não se apaixonar, nem que isso interfira diretamente na sua moral.

Vejo que o autor criou uma aura cômica em torno do personagem para fazer jus ao Robin Hood de Alexandre Dumas; possivelmente, um dos meus contos favoritos é O "Colar da Rainha", onde conta a história de um colar que foi roubado há vários anos numa família rica e ninguém sabe quem foi. A teia que é formada em torno do suspense é de excitar qualquer um, apesar de Maurice Leblanc ter um estilo totalmente diferente da rainha Agatha Christie. Leblanc é direto, sem reservas; rápido, cirúrgico em suas palavras. Quando sabemos da resolução, queremos muito mais, o que explica o sucesso imediato, tanto da série na Netflix, quanto dos livros publicados.

Outro conto favorito que posso citar aqui é O sete de copas. Li em uma sentada e fiquei chocada com a genialidade do autor de colocar uma trama tão complexa em um CONTO. Ele fala sobre um cara que mora numa mansão há poucos meses, e presencia, primeiramente, um assalto de mão armada à noite, sem ver o rosto de seu assaltante, e logo após um suicídio muito suspeito. Em ambos os casos, havia um sete de copas no local do assalto e da morte. A partir disso, deixo para a imaginação de vocês (risos)


Obviamente, não vou ser hipócrita e dizer que amei todos os contos. Não amei mesmo. Entretanto, tive que reconhecer que todos, sem exceção, te prendem do início ao fim. São bem escritos, bem traduzidos, e rápidos de ler. O livro todo é muito engraçado, e trata dos furtos com muita comicidade. Detalhe: todos eles são feitos contra famílias MUITO ricas, com STATUS. Por isso a comparação com Robin Hood; apesar de Lupin não ser um salvador da pátria, ele faz a justiça das ruas.

No conto O cofre de Madame Imbert sabemos um pouco mais sobre como tudo começou para Arsène, no ramo no qual quis seguir. É incrível que o nosso personagem não tem só momentos bons na vida; ele é crível, falho, e já apanhou muito na vida pra chegar onde chegou - o maior ladrão de toda a França.

Enfim pessoal, eu amei o livro e super recomendo pra todos! Essa edição da Principis está incrível, e com um preço top demais. Estou louca pelo segundo livro - Arsenè Lupin contra Herlock Sholmes, já publicado pela editora - e pra saber como esses dois vão se enfrentar, já que no último conto de Ladrão de Casaca (Herlock Sholmes chega tarde demais) só tivemos uma palhinha dessa relação. Leiam Lupin, e se puderem, vejam a série que tá super incrível também!!










Livro: Arsene Lupin: O Ladrão de Casaca
Cortesia: Editora Principis
Número de páginas: 192
Skoob
Onde comprar:  Amazon

 Arsene Lupin, que conseguiu ser mais famoso que seu criador, nasceu por encomenda do editor Pierre Lafitte ao escritor Maurice Leblanc. Este livro reúne as nove histórias: A prisão de Arsene Lupin, Arsene Lupin na prisão, A fuga de Arsene Lupin, O viajante misterioso, O 'Colar da Rainha', O sete de copas, O cofre de Madame Imbert, A pérola negra, Herlock Sholmes chega tarde demais inter-relacionadas, tais como foram publicadas na revista do editor Lafitte, Je sais tout.Quando Arsene Lupin é preso ao descer do navio em Nova Iorque, seu biógrafo já o acompanha, pois Watson sempre acompanhará Sherlock Holmes. A diferença é que aqui é o próprio Maurice Leblanc quem se transforma em personagem para contar as aventuras do protagonista de sua invenção.




06 maio 2021

5 Motivos para ler - A Terra Mágica de Euclides

 

Hoje trouxe para vocês os motivos que me chamaram atenção e do porque vocês deveriam dar uma chance para esse livro NACIONAL de FANTASIA, porque a história além de envolvente, tem uma trama muito boa que vocês precisam conhecer - Confira abaixo!!





1. Protagonista

Euclides não é um herói comum. Não é alto, forte ou popular e é isso que o torna único. Um garoto educado, que é viciado em ler e usa de seus conhecimentos para ajudar e estimular os amigos, vence diversas dificuldades próprias, como a timidez, amadurecendo e encorajando aos outros em momentos de terror, sem deixar se abater com pensamentos de desistência no caminho.


2. Personagens Secundários

Não posso deixar de falar de Aziz e Zaira que são muito mais que personagens secundários, são essenciais para completude da jornada. Além disso, as habilidades, a ironia e o senso de humor de Aziz não passam despercebidos e fazem com que a leitura seja muito mais agradável, divertida e envolvente.


3. O Enredo

É um livro que desperta curiosidade e revelam conhecimentos da cultura japonesa. É interessante perceber as diferenças nas comidas típicas, no fuso horário, na forma de escrita, crenças, animais e objetos que são para eles sagrados. Além disso, o enredo é repleto de ação, aventura e, claro, a beleza da magia fantástica.


4. Ambientação

A ambientação, embora no mundo real do Japão, o cenário vigora um ambiente ora tenebroso, num período de trevas, com monstros e pássaros de papel que podem rasgar sua pele, mas ora é de uma beleza extravagante e misteriosa, cheia de deuses enormes e maravilhosos hotéis e palácios.


5. Escrita Carismática

A autora faz você imergir totalmente no mundo do Japão, aprender diversas expressões e cultura do país, gerando maior interculturalidade, que é cada vez mais comum na era digital e globalizada.



04 maio 2021

Resenha - Traição - G.A.M.A. Livro 1



O livro conta a história de Angela Rufinelli, uma criança de apenas oito anos que perdeu os seus pais tragicamente. Foi no pior dia da vida dela que acabou conhecendo o homem que mudaria sua vida para sempre, Gabriel Leblanc, um jovem de 21 anos, com um futuro promissor. Esse homem, ficou marcado na vida de Angela como o seu anjo da guarda, e apesar de ela guardar essa lembrança dele, ao decorrer dos anos, ela precisou lidar com o processo do luto, o que foi muito difícil para a personagem.

Angela sempre se lembrou de Gabriel pelas suas características marcantes, seus cabelos cacheados que pareciam de anjo, seus olhos azuis, seu corpo bonito que chamava atenção. Mesmo durante o funeral de seus próprios pais, ela não podia deixar de notar toda a beleza que existia no garoto, e não demorou muito para que nutrisse algum sentimento pelo jovem.

Apesar de difícil, Angela contou com a ajuda do irmão Mateus para seguir em frente. Ele era mais velho que ela e assumiu a responsabilidade paterna da menina assim que seus pais morreram, e foi por esse motivo que o irmão preferiu mandar ela para um Colégio Interno para que pudesse ter um futuro e uma boa formação. Além de ser o responsável legal pela irmã, Mateus era sócio de uma empresa chamada GAMA, onde as siglas continham as iniciais de todos os seus donos, Gabriel, August, Matheus e Antônio, respectivamente.

E apesar das dificuldades, a vida de Angela e Mateus continuou e foi boa.  Ela cresceu, virou uma jovem mulher e após oito anos dentro do colégio interno, Angela finalmente voltou para a sua casa quando completou 16 anos de idade. Esse retorno marcou a vida dela, não apenas por poder voltar às suas origens, mas pelo reencontro especial que teve com o seu amor (ainda platônico e não superado) Gabriel.

Nesta época, ele não era mais um jovem e sim um adulto. Já estava na casa dos 29 anos, formado e tendo uma vida estável. Mas nem mesmo os compromissos de sua vida agitada foram o suficiente para fazer com que Gabriel não se interessasse por Angela. Apesar de muito mais nova, a jovem tinha se transformado em uma linda mulher

A partir desse momento, a história de romance começa a ganhar um novo sentimento mais aflorado e foi a partir da troca de olhares, os dois começaram a ter um romance e bem quente posso lhes adiantar (risos)

Gabriel se achava um completo pervertido por estar se sentindo atraído pela irmã de dezesseis anos do seu melhor amigo. Ele é frio e extremamente calculista e teve apenas relacionamentos superficiais que envolviam só sexo antes de conhecer Angela. Ele tentou por várias vezes esquecer os sentimentos e o tesão que tinha pela menina, mas qualquer movimentação entre eles, ele tinha vontade de agarra-la, mas ele sabe que não pode fazer isso. Por isso, ambos ficaram apenas em olhares durante pelo menos 3 anos.

O tempo passou e quando Angela completou 21 anos, ela foi estagiar na empresa em que seu irmão trabalha. Nesse meio tempo, muita coisa aconteceu, Gabriel começou a se envolver com Loreta, o seu casinho mais sério, enquanto a jovem Angela focou totalmente em sua faculdade. Para comemorar a contratação, Math resolve alugar um espaço numa boate para festejar o sucesso da jovem. E é justamente nesse local onde rola o primeiro beijo de Gabriel e Angela, e como diria o Gil do Vigor, a cachorrada foi firme.


Dentre os beijos, Angela percebeu que sempre esteve apaixonada por Gabriel, mas ela reconhecia o quanto mulherengo ele pode ser e em praticamente todos os momentos da trama, ela tenta fugir desse sentimento e da necessidade de ficar com ele, principalmente porque uma parte dela ainda é traumatizada por ter perdido pessoas muito importantes como os seus pais.

Gabriel força a barra com ela em vários momentos, e quando ela cede, é perceptível ver o quanto ele é ciumento e muitas vezes, controlador, principalmente por subestimar a inteligência de Angela. Mesmo quando rola o sexo e a entrega dos dois, ele ainda sempre tenta ser o dominador. Para a leitora aqui, nem sempre foi ruim (risos), mas ele soa muito machista algumas vezes.

Sem dar muitos spoiler, um segredo cerca todo o contexto do livro, e quando eu digo um segredo, ele é BEM GRANDE, de todas as formas imagináveis....e a Loreta? Bom, ela é uma das personagens que mais vai infernizar a vida desse casal até ela não aguentar mais.

O que acontece entre Gabriel e Ângela, no respectivo momento do livro é tão desafiador e ao mesmo tempo intrigante, que a gente não consegue parar de ler em nenhum momento. O crescimento de Ângela como mulher e dos dois como um casal, é algo bem fascinante, o que me dá ainda mais vontade de encarar os outros livros que estão pela frente.


Agora que você já leu até aqui, eu posso dar a minha opinião sobre o livro...

Particularmente eu sempre fui fã de um conto mais quente, sempre li livros como After, 50 tons de cinza, entre outros, mas fiquei extremamente surpresa com a construção que a autora conseguiu fazer na hora de escrever a história. E apesar de existir muitas partes de cachorrada, como o nosso vigoroso Gilberto diz, a construção também é feita por momentos de dor, raiva, muito romance e diversas brigas e é muito interessante observar o crescimento de cada um dos personagens durante a narrativa.

Nós conhecemos a Ângela ainda criança e é possível ver como ela muda durante todo o livro, seja em seu jeito ou na forma como ela vai ficando cada vez mais responsável consigo mesma, com os seus ideais e seus sentimentos.

Admito que teve algumas partes que me deixaram irritada, mas não de um modo ruim, pois mostra como a Paloma é uma escritora brilhante, porque, sim, nesse livro é MUITO POSSÍVEL você ir do amor ao ódio em coisa de um capítulo para o outro. É um mix de sentimentos durante todo o processo, e eu sei que isso vai pairar para os outros livros, PORQUE SIM, PESSOAL, TEM CONTINUAÇÃO E OS OUTROS DOIS LIVROS PROMETEM! Mas a resenha deles é só pra depois!!
 
Traição é um livro sobre amores de verdades que tem a capacidade de durar por uma vida, gerar outras e superar todos os medos e processos difíceis que precisamos passar durante toda essa caminhada que chamamos de destino.

E o plost twist desse livro? Como eu disse, é de arrepiar. Mas eu acho que já falei demais, né? Eu não posso contar o resto, vocês terão que ver no livro e compensa MUITO!









Livro: Traição (G.A.M.A. Livro 1)
Cortesia: Paloma White ( Autora Parceira)
Número de páginas: 290
Skoob
Onde comprar: Amazon

Angela tinha tido uma infância traumática, e uma adolescência sofrida que haviam deixado suas marcas nela. Agora trabalhando na empresa do irmão ela tenta seguir a vida.

Gabriel sabe que de todas as mulheres, Ângela é a única que ele nunca poderá ter. Ninguém nunca poderá dizer que ele não tentou.

Ângela sabe que Gabriel não é o homem ideal para ela. Mas bastou um momento juntos, e todos os planos foram desfeitos.

Atração além da razão leva os dois a viverem uma relação secreta e explosiva, carregada de ciúmes e possessividade. Mas , o passado traumático de Ângela, junto com a vida libertina de Gabriel, podem cobrar um preço muito alto.




03 maio 2021

Resenha - A Terra dos Loucos

 


Senhor Montes, rico e morador de uma cobertura em um apartamento para pessoas com dinheiro, vê aleatoriamente um dos comerciantes com quem tinha contato surtar e precisar ser contido. Isso, que no começo estava sendo falado por todos, debochado e passado até despercebido, foi o começo de uma decadência da humanidade.

De um dia para o outro, a televisão noticia mais casos como o acontecido e, logo, o caos se instaura por todos os lugares. Todos estão ficando loucos e em larga escala; não se sabe o motivo; não há tratamento; não há como prever até quando alguém ficará são. O medo e o instinto de sobrevivência são o que mais importa nessa sociedade colapsada.

Não querendo ficar sozinho, mas também não querendo bancar ninguém, Montes agrupa seis pessoas, também moradoras do apartamento, em sua cobertura, com a regra de que elas mesmas comprariam o que fossem consumir. Ele não agiu de boa fé, mas sim somente pensando em si mesmo e no seu medo de acabar sozinho, embora não aprecie a companhia dos demais.

A narrativa se desenrola seguindo esse grupo de sete pessoas, mas parece que apenas uma delas está preparada para ir ao extremo quando o assunto é viver, ou sobreviver. Loucura, caos, colapso... Esse é o momento mais do que ideal para alguém com uma mente e corações ruins extravasar tudo que tem de pior e realizar os mais sórdidos desejos de sua alma, porque ninguém se importa mais: os loucos não podem reagir, o governo e a polícia não mandam em mais nada, os inocentes ficaram desprotegidos.
 

"O que começou como um fenômeno isolado e sem nexo, tornou-se agora um verdadeiro caos que interferiria, de uma forma ou de outra, na vida particular dessas pessoas. Em primeira medida, foi-se admitida a internação dos que perdiam a sanidade e, se autorizado pelas famílias, a realização de estudos com os recém chegados nos manicômios."



[- Minhas Impressões -]

Até onde você iria pela sobrevivência e para manter sua sanidade? Até onde seria egoísta? Neste livro, vemos os dois extremos de uma luta pela vida em meio a cenas dignas de repúdio. Tudo é contado por um narrador que, embora seja em terceira pessoa, participa da trama se posicionando sobre os acontecimentos e falando diretamente com o leitor: em partes ele diz que não irá facilitar a leitura para o leitor, que não irá explicar tal e tal situação, também amplia e centra a narração quando convém ao momento, além de outras coisas. 

Esse estilo de narrador foi o que me chamou atenção no livro, pois ele tem um ar de deboche e por vezes soa engraçado ao narrar, mesmo que fazendo isso de forma séria. Ele não tenta ser imparcial em alguns momentos, principalmente quando aponta algum defeito na personalidade de um personagem. Ele critica, filosofa, se e nos pergunta sobre as características. Isso fez com que eu entrasse mais ainda na trama e nas reflexões que ele trouxe.


"Perdoem-me a velocidade com que as cenas finais estão sendo expostas. Na verdade pensei em fazer isso propositalmente, com a intenção de deixar a narrativa menos repetitiva, já que o sofrimento deles não é mais um mistério..."


A estrutura do livro é bem diferente do convencional que costumamos ler. Quase não há divisão de capítulos, os parágrafos são grandes e não há travessão nos diálogos, nem espaços ou muita pontuação. Isso parece estranho a quem nunca teve contato com esse recurso narrativo, porém, quem já leu Saramago irá se encantar com o estilo de escrita, bem parecido com o do autor português. Esse ponto não deve ser motivo de críticas, como por exemplo: dificulta a leitura. Na minha concepção, enriquece ainda mais a leitura! Pois assim somos levados a prestar atenção em cada parte, nos esforçar para entender quem disse o que, quem pensou o que e qual parte é do narrador, ao mesmo tempo que tudo isso se mistura de uma forma única. No começo, isso fica sim confuso, mas não desistam, logo a narrativa começa a fluir e você vai adentrando em um mundo novo e conhecendo um novo estilo de recurso literário.

A linguagem do texto é acessiva, mas também é rebuscada e, ao ler, senti que toda a escolha do léxico foi muito bem pensada para compor os parágrafos. Senti que o autor realmente teve uma preocupação muito grande com seu texto, pois não é fácil escrever narrativas como essa se valendo de recursos pouco utilizados, e as divagações do narrador foram sempre muito profundas e precisas, sem muita enrolação, mas com um peso grande.

O escritor domina muito essa técnica: fazer o texto ser denso e pesado e, ao mesmo tempo, não dar muitas descrições das cenas ou falar demais sobre certo assunto. O livro é bem curto, porém suas páginas foram tão bem utilizadas que foi o suficiente para completar a história e nos apresentar perfeitamente àquele mundo caótico.

Ignácio Montes é o personagem principal, é o único dos sete que possui nome e de quem sabemos um pouco mais e acompanhamos momentos antes de tudo colapsar. Sutilmente, o narrador vai inserindo informações sobre ele durante isso. Desde o começo senti que ele tinha algo errado, pois as pessoas pareciam não gostar dele e ele também não se dava ao trabalho de ser sociável e gentil. Vivia em sua bolha de dinheiro, até que, após os acontecimentos, cansou de ver de cima da sua cobertura tudo dando errado, ele precisava de companhia, então abrigou seis pessoas apenas para não estar sozinho. Porém, no que diz respeito a dinheiro, era cada um por si.
 

"Ignácio se achou na condição de opressor, mas se esqueceu que o caos fazia com que as pessoas desejassem mais sobreviver do que enriquecer, o que as torna iguais, exatamente como vieram ao mundo."


Senhor Montes começou a se mostrar uma pessoa com desejos obscuros, que foram ganhando mais coragem quando percebeu que o mundo estava decadente demais para se importa com seus comportamentos absurdos, o que deu vida a realização de seus maiores desejos inapropriados, principalmente, o sexual. Um dos passeios que ele faz, no começo, é uma ida ao manicômio, para ver o que estava acontecendo e encontrar uma mulher com quem ele havia conversado dias antes. Ao chegar lá, ele a viu e se sentiu no direito de tocar nela sem permissão apenas porque a mulher está louca e não luta contra o abuso. Essa é apenas uma das muitas cenas protagonizadas por esse ser desprezível, que me gerou revolta do início ao fim.

Sobre os outros personagens, pouco se sabe, apenas o que falam enquanto estão todos reunidos. Porém senti que isso não era relevante para a história, a relevância está justamente na interação entre todos eles e no que farão para sobreviver juntos e manter suas sanidades. Isso é muito bem explorado e conforme o caos aumenta vemos essas relações se estreitarem cada vez mais, porque alguns não estão dispostos a tudo por suas vidas. Ainda há compaixão, amor, empatia e a vida faz sentido enquanto houver a chance de serem salvos e encontrarem mais vidas. Porém, alguns extremos foram alcançados e muitos valores foram postos a prova.


Temos uma crítica bem grande às leis, ao papel do governo, a questão de médicos e como ninguém estava preparado para lidar com uma situação dessas. É interessante ver como tudo acontece, mesmo que vagamente, pois o narrador foca mais no grupo do que no contexto externo. Ainda assim ele retrata a violência de forma quase banal, mas se incomoda com isso e puxa reflexões. Vemos como a relação do homem com o poder gera um egoísmo, mas tudo se perde em momentos como esse porque o dinheiro não tem mais valor algum.

O maior ponto aqui é animalização do ser humano, que perde sua dignidade e entra em conflito entre a moral e o instinto de sobrevivência. Todos pensam em si, mas esquecem-se dos loucos e de como estão sendo tratados de forma desumana. No começo, temos um manicômio, camisas de força, quarentenas, que logo não se sustentam mais.

Passamos a decadência total, ao machismo, presente em qualquer sociedade e muito mais em uma que regrediu ao estado primitivo, ao abuso sexual, aos mais pobre que precisam roubar e então se instaura um cenário de guerra: lutas, mortes, crimes impunes... Portanto, há muito gatilhos aqui, mas todos são colocados com um propósito e o narrador jamais deixa de fazer reflexões acima disso, levando os leitores a mesma coisa.

O que no começo víamos de forma rápida, mais para o final é explorado mais: o que aconteceu com os loucos? De que forma continuar sobrevivendo? Foram partes angustiantes demais, que aumentaram ainda mais a tensão sentida durante todo o livro. Nesse momento, o narrador passa a ampliar o espaço de sua narração, fazendo com que a gente entenda a gravidade da situação.

Outro recurso que gostei muito foi o narrador dar possibilidades de interpretar um mesmo fato, mas não dizer qual a certa. Isso faz a gente ficar pensando e pensando em todas elas e quais são mais plausíveis.

Um dos dilemas presentes aqui, que não poderia faltar devido à temática, é o eterno questionamento sobre Deus. Os personagens se questionam muito do que seria certo ou errado na visão de Deus, além de, claro, se perguntarem sobre a vida: o que nos faz viver é o medo da morte ou sobrevivemos pela esperança da vida?


"Enquanto muitos delineiam suas vidas, em busca do prazer, será que só não o buscavam por terem a sensação de saúde quando o alcançavam? Será que todos buscam a felicidade simplesmente por ela estar desassociada da morte?"


A leitura foi ficando cada vez mais intensa e, no final, teve uma carga pesada demais. Não sei se fiquei horrorizada com os fatos, ou se não me surpreendeu devido ao contexto, mas que eu não esperava por um final daqueles eu não esperava. Foi duro, cruel, difícil, muito difícil de se ler e pensar. Embora eu esperasse por algo daquele tipo, achei que a morte foi algo leve demais, enquanto nos olhos de outro a vida seria uma injustiça. Foi quase engraçado pensar que se viu uma escapatória de pecados na morte, pensando em um Deus, dadas as circunstâncias.

Enfim, esse livro me surpreendeu do começo até o final. Eu gostei do tema, não só por estarmos vivendo uma pandemia, mas a questão da loucura foi interessante de ser abordada, mesmo que mais por cima. No final, os sãos são os verdadeiros loucos. O estilo de escrita do autor é fantástico, diferente, o livro é muito bem revisado, pensado e composto. Eu acabei lendo em mais ou menos quatro dias, porque, por mais que seja pequeno, tem uma carga pesada forte que faz a gente pensar muito.

Apenas achei o tempo da narrativa confuso, não consegui me localizar muito bem, mas isso não fez tanta diferença pra mim. Também senti falta de falar mais sobre o que aconteceu com o governo, explicações, sobre outras pessoas também, porém entendi que a proposta não era essa.

Eu recomendo, sim, esse livro para todo mundo, para que abram seus horizontes em novos tipos de escrita e para temas que são importantes e diferentes dos retratados popularmente. Nele contém muitos gatilhos, assuntos fortes, mas são necessários para se discutir a humanidade desumana. Será que não estamos quase vivendo nela?


"Talvez seja necessária uma dose de loucura para compreender a vida..."










Livro: A Terra dos Loucos
Cortesia: Honorário Batista ( Autor Parceiro)
Número de páginas: 161
Skoob
Onde comprar: Amazon

O haras Setti sempre foi a maior paixão da determinada Dandara. Para a domadora de cavalos, o amor pela natureza e o contato com os animais está acima de todos os outros prazeres da vida. Ela só não contava que uma herança a coloca frente a frente com o milionário Miguel, que tem planos maiores que podem destruir o lugar. Quando essas duas personalidades se encontram de maneira explosiva, antigas tensões podem se revelar, e uma competição sem limites pode transformar a vida de todos que os cercam.

Do ódio ao amor, um grande embate parece estar a duas esporas de distância





30 abril 2021

Dia de Quotes - Traição (G.A.M.A.)




"Fiquei sentada em um canto, enquanto as pessoas perambulavam pela casa. Alguns parentes distantes que eu nunca tinha visto e amigos estavam ali para uma última despedida. Eu continuava sentada, ouvindo os cochichos intermináveis. Os pés se arrastando devagar para nos fazerem barulho."

"Nunca pensei que trazer um filho no mundo pudesse assustar tanto."

"Eles se foram e eu fiquei de pé, no meio do estacionamento, sem saber oaonde ir ou o que fazer, completamente perdido."

"Pensava nele como Josh Hollyway, cabelos castanhos, olhos verdes bonitos...Só de olhar para ele, você sabe que está encrencada."

"Eu não conseguia comparar Gabriel com ninguém, só com um anjo, de tão lindo que ele era: alto, quase um metro de noventa, poucas fotos dava pra ver bem os olhos dele, mas eu sabia que eram de um azul intenso como safiras..."

"Estava com tanta saudade de Ângela e não queria pensar em Antônio e Marcelo com ela, ainda mais depois que o ouvi chamando-a de deusa dourada - ela era ma deusa dourada, mas era a minha.''

"Nos beijamos no vão da porta aberta, como se não nos víssemos há anos."

"É tudo que mais quero. Se você disser sim, eu vou ficar com você."



27 abril 2021

Resenha - Quem Sou Eu?





- O livro possui gatilhos para pessoas sensíveis; também não é recomendado para menores de 16 anos, por conter violência explícita e conteúdo sensível. -

Livros como Quem Sou Eu? me deixam intrigada pela mente do autor. Sinceramente, fazer uma história com uma protagonista feminina que temos sentimentos de amar e odiar não é pra qualquer um. Somos apresentados à Annie, primeiramente fugindo de algo que não sabemos até o final do livro, e logo após, perdendo a memória e tendo que descobrir quem é e por que estão atrás dela.

Annie é uma personagem controversa; em muitos momentos da história - contada hora pela visão dela do presente, hora com um narrador observador, contando o passado em pequenas doses, pra nos deixar curiosos e intrigados - ela se mostra como uma mulher odiosa, com vários segredos e tendências maléficas. Entretanto, em outros, acabei passando o famoso pano, porque muita coisa ali tinha fundamento, e não podemos julgar quando não passamos pelo mesmo.

A narrativa é rápida e os capítulos são curtíssimos; eu simplesmente devorei o livro em 2 dias (risos), então pra quem gosta, é um prato cheio. Tanto Annie Duval, nossa personagem principal, quanto os secundários, são dignos de revolta e suspeita. A trama é bem amarrada, e não posso falar tanto do plotwist para não estragar a experiência de ninguém. Só fiquem com a ideia de que você vai se surpreender, seja com o começo, o meio, ou mesmo o fim. O livro te prende, e faz você querer ler mais e mais.

"O passado poderia ser um livro com muitas páginas em branco, mas o presente certamente seria uma única página escrita com a verdade, com o desejo de vingança. Estava em minhas mãos reescrever a minha história, redesenhar o tipo de pessoa que eu queria ser."



 Logo no começo, a médica que atende Annie diz que sua perda de memória é total, porém não definitiva; ou seja, em algum momento, as lembranças viriam, seja em doses, ou mesmo de uma só vez. Não vou contar como isso aconteceu, mas achei a resolução boa, e coerente; acontece num momento crucial da história, e gostei que não foi algo do nada, infundado.

Não sei como lidaria se perdesse a memória, sinceramente. Gostei muito da proposta, mas é angustiante ver alguém sem saber quem é; em uma cena, ela não sabe nem mesmo como é sua aparência, e isso me deixou bem angustiada. Por isso, não recomendo o livro para menores de 16 anos, ou mesmo para pessoas sensíveis. Wellington Budim escreveu o livro com o intuito do choque; no prefácio, é explicado o porquê disso. Creio que muitos assuntos foram bem explorados, e não ficou nenhuma ponta solta; é um thriller alucinante, que te amarra do início ao fim.


"O desespero nos faz perder a noção do perigo"


Gostei bastante também da ação e das reflexões na história. No final das contas, sabemos realmente quem somos? Ou precisamos passar por situações extremas para descobrir? Annie nos ensina a temer tudo e todos, e desconfiar até do seu amor maior. O desespero muda as pessoas, e fazemos qualquer coisa para salvar nossa pele, mesmo que isso signifique colocar a vida de alguém em risco, ou até mesmo na mira da morte.

Outro ponto positivo que posso destacar são os personagens secundários, e seus respectivos papéis na trama. Franklin, Augustus, Dolores, Carla, Enrico... todos eles tem Annie em comum, e todos eles têm motivos de sobra para querer a cabeça dela. Há uma amizade interessante no livro, e achei que, com um acontecimento da volta da memória de Annie, o autor iria estragá-la; mas, graças aos céus, tudo correu bem, e ele não força a barra na hora de escolher o culpado.

Provavelmente, minha única ressalva é com a referência escolhida para a resolução do suspense. Achei algo muito bem feito, mas parecido demais com a pegada do autor Raphael Montes. Pra mim, que leu um dos livros deste, não fiquei tão surpresa quanto gostaria, e isso fez eu tirar meia estrela do livro. Mas não tira o brilho da obra nem um pouco; creio que o choque que aconteceu em muitos momentos, tenha feito eu gostar tanto do livro.


"É impressionante como, mesmo depois de mortos, estamos tão suscetíveis à violação."


Portanto, super recomendo a leitura para quem está procurando uma história rápida, cheia de intriga, momentos eletrizantes e um ótimo suspense. Agradeço, primeiramente, à Sil por me passar esse livro, e posteriormente, à The Books Editora por ter colocado cortesia para nós, do blog. Espero que tenham gostado, e leiam mais nacionais!






Livro: Quem sou Eu?
Cortesia: Editora TheBooks
Número de páginas: 226
Skoob
Onde comprar: Amazon

Quando Annie Duval despertou com seu corpo coberto de ferimentos, e suas mãos sujas de sangue. Não imaginara que seus problemas estavam apenas começando.

Uma mulher que não conhece seu passado.

Uma tentativa de assassinato.

O que realmente aconteceu? Quem era ela?

Quando não se tem um passado, o presente pode ser ainda mais assustador.

Em quem confiar quando todos podem ser suspeitos? Para onde ir, se nenhum lugar é seguro?

Em seu segundo suspense, Wellington Budim, transformou a Serra da Cantareira em palco de um dos mistérios mais intrigantes. “Quem sou eu?” vem com uma dose de intrigas e segredos. Onde ninguém é bem o que aparenta, e todos podem ser culpados.

Assim como “Teu Pecado” seu romance policial de estreia, ele surpreende o leitor com muitas reviravoltas e uma narrativa de tirar o fôlego.



26 abril 2021

Resenha - Atração Proibida



Kim e os irmãos precisam se mudar após alguns acontecimentos ruins onde moravam. Sendo de família bem simples, todos se surpreendem quando um homem com muito dinheiro solicita a guarda, ainda mais que não sabem qual a relação dele com a família. Na nova casa, Kim encontra Annie, a filha do homem misterioso, e a relação dos dois inicia conturbada e assim segue, até que a situação começa a virar e o ditado de quem odeia, na verdade ama, nunca fez tanto sentido para os dois. Porém, ele não pode causar intrigas com o pai da menina, já que não quer prejudicar seus irmãos, e logo ele e Annie descobrem que o amor proibido dos dois não só é proibido por isso, mas por outros fatos do passado de Kim.






Nesse livro, então, iremos acompanhar a história dos dois adolescentes Kim e Annie, ambos moradores da mesma casa, mas que não têm uma relação muito boa por conta de inúmeros motivos. A narrativa é em primeira pessoa e alterna entre os dois, então temos uma percepção bem direta e completa dos sentimentos, reações e emoções de cada um deles, o que é passado de forma bem intensa para o leitor. 

Além deles, temos outros personagens secundários, mas eles não chegam a protagonizar muitas situações, servindo mais para apoiar a história e o passado de Kim, porém, senti que houve alguns momentos onde eles, no caso irmãos de Kim, entraram em cenas dando uma "dica" ou "letra" para algo que está acontecendo por baixo dos panos e não será abordado aqui, mas talvez mais aprofundado em um próximo livro.

Kim foi um personagem difícil para mim porque ele é um pouco agressivo, sarcástico e impulsivo, mas, ao longo da leitura, percebi que ele tem um bom coração, mas está tão perdido em seu próprio passado que isso o acaba engolindo. Totalmente ao contrário dele, Annie é mais inocente, sentimental e ambos foram criados em mundos totalmente diferentes, já que ela é de família rica e boa e ele é de uma família desestruturada e pobre. Portanto, um choque muito grande entre eles, que os levou a terem brigas por anos, se provocando, mas, como sabemos: quem odeia, na verdade, ama.
 

"Ter Annie perto é como ter um doce e não poder comê-lo, apenas sentir o cheiro e saborear com a hipnotização do desejo e da tentação. Comecei a cada briga me aproximar mais, percebendo o efeito aumentar a cada passo de aproximação, mas nunca foi algo parecido como hoje."


Como citei, os personagens são, na grande maioria, adolescentes e, sendo assim, não poderiam faltar cenas onde eles fazem coisas de adolescentes. Festas, irresponsabilidade, drogas e outras situações permeiam pelo livro, mas isso não chega a ser o foco, apesar de ser importante para a construção dos personagens. Com isso, percebemos que alguns não são tão inocentes quanto parecem e outros estão envolvidos com algo muito maior do que pensamos quando iniciamos a leitura.

O livro é muito mais do que parece no início.

Temos as consequências desses atos sendo mostradas; um pai que educa os filhos de forma bem diferente, pois acredita que cada um deve achar seu próprio limite; cenas quentes quase explícitas; assuntos tabu; a destruição que um amor pode causar em um adolescente; realidades distintas em contraste: um muito bruta e triste, com perdas na família e um peso enorme, e outra mais leve, onde levam a vida como uma curtição.

Se eu escolhesse algo para definir esse livro seria, com certeza, plot twists! Comecei a ler pensando que seria mais uma história normal de romance proibido, pensando que seria por um motivo banal, mas acabou que o motivo foi bem grave, a relação dos dois foi extremamente intensa e explosiva do início ao fim e fiquei em choque com o que sucedeu entre os dois ao longo dos capítulos. Annie também não é nenhuma santa e, por seu pai e sua família ser importante, ela já enfrentou problemas com pessoas que eu nem sonhava que poderiam aparecer nesse livro.

Foi uma surpresa atrás da outra, chegou um momento do texto onde tudo foi sendo revelado e não tive nem tempo para digerir direito o que me atingiu com força! Foram assuntos fortes mesmo, envolvendo inclusive mortes.


No começo, havia muitas lacunas sobre o passado de Kim, sobre ele, o que aconteceu entre ele e Annie, porque a família dele se separou, o que drogas, personagens secundários e tudo têm a ver um com o outro, mas eu estava apenas ansiosa para saber logo, o que, lógico, a autora não revela, já que precisa desse suspense no livro. Algumas informações foram jogadas muito rápido, mas, conforme fui lendo, as partes iam sendo preenchidas e o sentido ia sendo criado, unindo tudo ao fim da história.

Apesar de ter gostado de tudo, preciso apenas citar que me incomodou o fato de ter sido inserido o assunto das drogas, mostrar um pouco das consequências, mas, para mim, pareceu que isso se perdeu ao longo da trama, sendo deixado de lado e nem explicado desde quando usam, por que, como largaram, o que não acontece de forma muito rápida com quem usa drogas muito seguido. Queria que essa parte e a dependência tivesse sido mais desenvolvida, porém entendi que o foco era a história de Kim e Annie, e que isso era apenas parte dessa história. Também iria amar se, nos próximos livros, a história do pai e tio de Annie fosse explorada, porque isso aparece de forma muito rápida, mas é extremamente importante e interessante, me deixou curiosa.


"Eu vi dor nos seus olhos, e vi o que vejo nos meus quando me olho no espelho: culpa. Eu apenas queria saber o porquê que ele sente isso."


Eu gostei muito da escrita da S.Hayden, ela é simples e os capítulos são curtos, o que deixa a leitura muito rápida. É o tipo de livro que facilmente pode ser lido em um dia, não só por isso, mas também pela angústia de saber o que vai acontecer nos capítulos seguintes. Há uma tensão que paira do início ao fim da leitura, que me deixou presa à história. Então acredito que, se você curte um romance intenso, com assuntos polêmicos e momentos quentes, esse livro é para você! 

O desfecho foi impactante e inesperado, com mais plot twists ainda, fazendo tudo ter sentido, e o epílogo abriu brecha para um problema maior ser resolvido.









Livro: Atração Proibida
Cortesia: S.Hayden (Autora Parceira)
Número de páginas: 226
Skoob
Onde comprar: Amazon

Um homem perdido, que contém no passado, um segredo que o atormenta e faz perder o sono. O faz sentir ódio de si mesmo. Até que sua mente foi tomada por ela.

Uma mulher, que por mais que suas ações demonstrem como ela ainda é uma menina, seus desejos são intensos e suas emoções adormecidas até ele.

Dois corações com sentimentos intensos e proibidos. Onde o ódio e o amor andam de mãos dadas, capaz de transformar tudo em uma forma turbulenta de amor. Será possível dois opostos, dois sentimentos, transformarem duas pessoas perdidas em uma só? Será o amor capaz de trazer perdão para esses dois corações atormentados? Será que conseguirão viver esse amor antes da vingança de Cambridge chegar até eles?




 

23 abril 2021

Resenha - Amor de Perdição

 


Um amor intenso e proibido. Dois jovens que farão de tudo para ficar juntos, não importando as consequências. Esse é o ponto de partida dessa história cativante, que me arrancou suspiros e algumas lágrimas.
 
Simão é filho do juiz da cidade de Viseu. É um jovem com temperamento explosivo que acaba se envolvendo em diversas brigas e confusões. Por causa desse seu temperamento ele acaba sendo desprezado por sua família. Sua mãe não demonstra qualquer carinho por ele e seu pai declara abertamente sua antipatia pelo filho.

No entanto, quando Simão conhece Teresa, ele se apaixona à primeira vista e, a partir daí, muda completamente sua vida. Ele se torna um rapaz sério, focado nos estudos, pronto para formar uma vida ao lado da sua amada.

Mas nada é fácil como parece. As famílias de Simão e Teresa são inimigas há anos, e nenhuma delas aceitará facilmente este amor.

Quando o pai de Teresa descobre sua paixão pelo filho de sua maior inimizade, ele decide que a melhor forma de acabar de vez com esse romance é casa-la com seu sobrinho, Baltazar. A partir daí se travará uma luta pelo coração e pela mão de Teresa, que acabará levando a caminhos inesperados por todos os envolvidos.

 



[- Minhas Impressões -]

Amor de Perdição é um daqueles romances clássicos que nos fazem ficar apaixonados pelos personagens e torcer por eles a cada página. O romance tem alguns traços bem dramáticos no seu desenvolvimento, mas nada que tenha tirado meu encantamento pelo livro.

Os personagens como um todo são muito profundos e únicos. Cada um deles tem uma personalidade muito bem construída e instigante. É como se eu soubesse exatamente o que eles estavam pensando e como agiriam nas situações do livro, de tão bem escritos que eles são.

O personagem de Simão apresenta um desenvolvimento muito grande no livro. Ele começa como um jovem inconsequente, que deixa se levar pelo seu gênio irritadiço, mas acaba se tornando um grande homem, honrado e merecedor do amor de Teresa. Além disso, ele se torna empenhado nos estudos e faz de tudo para se tornar um bom homem, para que possa dar a Teresa tudo que ela merece. Eu amei ver essa transformação do personagem. Comecei achando que iria me irritar com ele durante a história, mas depois que ele conhece a nossa mocinha ele muda completamente.

Além disso achei que o autor soube tratar essa mudança do personagem de uma forma muito natural e que fez sentido na história. Ver como ele tinha um amor tão puro por Teresa que era capaz de fazer qualquer coisa para ser merecedor dela. Gostei que ele não deixou simplesmente de ser quem ele era, mas apenas aprendeu a usar toda a sua energia para conseguir aquilo que ele queria. Ele não deixou de ser impetuoso e de fazer as coisas que tinha vontade, mas ele passou a ter um propósito maior nas coisas que fazia.

No entanto, minhas favoritas mesmo foram as personagens femininas. E se um livro quer me ganhar é só me dar personagens femininas que eu possa me inspirar e admirar. Tanto Teresa quanto Mariana (filha de um camponês que ajudará Simão na luta por seu amor) são personagens fortes e decididas. O que definitivamente não era o que eu esperava de um livro escrito em 1861.

Nessa época era comum que as mulheres fossem descritas como frágeis e submissas. E se elas aparecessem em alguma trama, era apenas em papéis secundários ou para servir aos homens. Mas não neste livro. Elas sabem exatamente o que querem e não poupam esforços para fazer valer sua vontade.

Teresa, apesar de ter sido criada cheia de mordomias, em momento nenhum se mostra mimada ou fútil. Ela irá contra seu pai, negando-se a fazer sua vontade se casando com outro homem. Ela tem certeza do que quer e por nenhuma pressão ou chantagem emocional abandonará seus sentimentos ou suas crenças. Apesar de eu não me identificar muito com a nossa protagonista, eu consegui entender e gostar dela. Ela não era só mais uma menina rica que não ligava para nada além dela mesma. Ela se importava com os outros e sabia o que queria da vida.

Já Mariana foi criada de maneira completamente oposta. Vinda de família muito simples, ela trabalhou desde cedo e era responsável pelos cuidados com a casa. Por isso, ela não mede esforços para ajudar Simão e demonstrará uma força de caráter sem igual durante toda a narrativa.

A briga entre as famílias traz um elemento policial e de ação para a obra. Acredito que ela que acrescenta esse “toque especial” à história que a faz deixar de ser uma simples história de amor, para transforma-la em uma história épica, que atravessou gerações.

Nem o pai de Teresa, nem o pai de Simão aceitam o romance do casal. Eles são inimigos jurados e farão de tudo para que eles não fiquem juntos. E, por causa disso, vão acontecer vários desencontros entre os apaixonados, fazendo com que seu amor seja cada vez mais difícil.

Eu achei que essa briga entre as famílias “deu uma movimentada” no livro. A cada cena de encontro às escondidas deles eu ficava nervosa por eles, com medo de que alguém fosse aparecer. Isso prendeu mais minha atenção na história e fez com que eu torcesse mais pelos personagens.

E antes de encerrar essa resenha eu preciso ainda falar dessa edição incrível lançada pela Faro Editora. O livro está muito caprichado, com algumas ilustrações de tirar o fôlego. Além disso, a diagramação está muito confortável, com margens espaçosas e um tamanho ótimo de letras.

Recomendo demais essa leitura!



Citações:



"A liberdade do coração é tudo."

“Amou, perdeu-se e morreu amando.”

"O pior é a saudade, saudade daquelas esperanças que tu achavas no meu coração.”

"Pode haver um sentimento tão intenso pelo qual vale arriscar a vida."








Livro: Amor de Perdição
Cortesia: Faro Editorial
Número de páginas: 226
Skoob
Onde comprar: Amazon

Um homem perdido, que contém no passado, um segredo que o atormenta e faz perder o sono. O faz sentir ódio de si mesmo. Até que sua mente foi tomada por ela.

Uma mulher, que por mais que suas ações demonstrem como ela ainda é uma menina, seus desejos são intensos e suas emoções adormecidas até ele.

Dois corações com sentimentos intensos e proibidos. Onde o ódio e o amor andam de mãos dadas, capaz de transformar tudo em uma forma turbulenta de amor. Será possível dois opostos, dois sentimentos, transformarem duas pessoas perdidas em uma só? Será o amor capaz de trazer perdão para esses dois corações atormentados? Será que conseguirão viver esse amor antes da vingança de Cambridge chegar até eles?







21 abril 2021

Dia de quotes - Atração Proibida


Confira alguns Quotes sobre esse Romance explosivo, intenso, com cenas quentes e principalmente com muitas reviravoltas que irá te prender durante a história até as últimas páginas! 



"Pego minha pequena mala, e por fim, a única foto que restou da nossa família completa. Olho uma última vez para algo que eu tive e que jamais terei novamente: uma família completa e feliz. Saio pela porta carregando apenas dor e algumas lágrimas ainda não derramadas."

 

"O fato é que não consigo parar de olhar para ela, todo ar do ambiente parece ter mudado, ficado tenso."


"Faz algum tempo que você não ultrapassa seus limites, não quero que esconda nada de mim. Foi nossa promessa, lembra? [...] Quero saber o que te aflige. Você é meu anjo, minha luz que me guia na escuridão, mas você só será a que ilumina se não deixar a escuridão roubar seu brilho."


"Tem algo que me enlouquece profundamente, me deixando tão puta que eu poderia te enforcar por me causar isso. É tão arrebatador e rápido que me puxa e eu não consigo ir contra, não importa a força que eu use. E me faz sentir tão errada e furiosa..."


"[...] Mas, algo mais evidente do que isso, é que eu fiz a única coisa que prometi não fazer: machucá-la."


"Meu pai me contou em partes sobre o que aconteceu em Londres com Kim e seus irmãos, e do motivo que pegou a guarda deles."




20 abril 2021

Resenha - Enlaçado pela Cowgirl


Dandara tem 6 meses para colocar o rancho em ordem e garantir que nada mude e que seus animais e funcionários estão seguros. Miguel tem 6 meses para se adaptar, ou suportar, a vida longe da agitação da cidade grande e perto daqueles que a muito tempo ele passou a nutrir receio. 

Urbano e rural se misturam em uma história de tirar o fôlego e de derreter os corações. O resultado? Só lendo para descobrir. Vem comigo saber mais sobre esse livro que tem um pouco de tudo na medida certa!



Ela é uma jovem livre e determinada, apaixonada por seus cavalos e com um dom para domá-los, ela dedica seus dias aos animais e seus projetos no rancho. Contudo, quando alguém de seu passado é posto de volta em seu caminho tudo passa a correr risco... Será que ela conseguirá manter para si tudo aquilo pelo qual se dedicou a vida inteira desde que seu tio ficou doente ou se verá perdendo tudo?



“Venero os cavalos desde pequena. São fortes, velozes, repletos de emoções e muito inteligentes. Arrisco dizer que eles têm mais humanidade que um bando de brucutus por aí.”


Miguel é o típico playboy da cidade grande. Empresário de sucesso, ele não faz ideia do porque seu tio, agora falecido, o obrigou a ir até o antigo rancho onde passava sua infância para a leitura do testamento. Com grandes planos para o lugar, ele acredita que será fácil aumentar e criar um resort naquele lugar... ou pelo menos era o que achava até reencontrar Dandara.


“— Num sou de quem me quer, sou de quem eu quero ser, e faço porque posso. E tá pra nascer homi que vai mandar em mim.— respondo dando um sorrisinho.”


Formando um verdadeiro cabo de guerra, ambos passam a trocar farpas enquanto tentam cumprir as exigências deixadas no testamento. Com personalidades fortes, nenhum vai dar paz ao outro, mas acostumada a domar até mesmo o Garanhão mais difícil vai descobrir que a Cowgirl não está para brincadeiras...

Amor e ódio se misturam em meio aos dias desses dois jovens que são tão diferentes, mas que podem acabar por descobrir que no inesperado é que as melhores coisas acontecem. Mas será que eles serão capazes de enxergar o que estava na frente deles o tempo todo? Quem será que irá ceder primeiro: cidade ou campo?


“Amar alguém é pura contradição, é sofrer e gostar da sensação, é sorrir e ao mesmo tempo se perguntar o porquê de tudo isso. É querer correr para longe, fugir e nunca mais retornar. E principalmente é querer matar o cidadão que lhe arranca a paz em alguns momentos, mesmo que depois de alguns segundos ocê já o ame novamente.”


Em meio a situações de arrancar gargalhadas e suspiros o leitor é convidado a descobrir mais sobre a vida, a respeitar mais os animais e a se divertir com as inúmeras peças entre dois jovens que são muito diferentes, mas parecem se encaixar perfeitamente em suas diferenças! 




[ - Minhas Impressões - ]

Enlaçado pela Cowgirl é um daqueles livros leves e divertidos perfeitos para que você leia em uma tarde enquanto relaxa ou em um momento em que você quer esquecer de todas as coisas ruins que estão acontecendo ao redor. Leve, clichê, mas nem por isso menos divertido, essa é uma história que você ri, se apaixona, suspira, e se diverte muito com dois protagonistas completamente opostos, mas que acabam se mostrando ideais um para o outro.

A personagem Dandara é uma típica menina de fazenda, com sotaque bem destacado e logo de cara você vê que ela é uma mulher forte, sem medo do trabalho e extremamente responsável. Apesar de meio moleca em suas atitudes, ela é uma protagonista que ao mesmo tempo em que é jovem, também é extremamente “pé no chão” quando precisa. Com um coração maior que ela, essa protagonista se vê em situações difíceis e em meio a riscos de perder o que mais ama por ser incapaz de se manter inerte em meio as injustiças ou daqueles que precisam de ajuda. E a ligação dela com os cavalos é algo incrível de acompanhar, é impossível não sentir o amor que um tem pelo outro mesmo em meio a páginas de papel. Muito bem construída, eu senti que realmente estava lá nas páginas e a conhecendo de verdade como se ela fosse uma amiga e não apenas uma personagem, o que só demonstra o talento da autora.

Miguel é o típico playboy da cidade. Acostumado a ter tudo e todas, esse empresário não consegue enxergar a beleza que o campo pode propiciar, mas que se vê obrigado a viver no meio dele para garantir o lugar deixado pelo seu tio. Contudo, apesar de ser a representação típica de um clichê, ele consegue se destacar e ganhar nossos corações aos poucos conforme vai aprendendo mais sobre essa nova realidade que ele se viu obrigado a encarar. Sem falar que o jeito meio bad boy romântico e preocupado é impossível de resistir (risos). Ele é um protagonista que não surpreende por ser diferente, mas sim pelas atitudes e personalidade se tornando mais um acerto da autora.
 


A edição criada pela Editora Coerência é aquela pela qual é impossível não se ver encantado. Com uma capa que tem tudo haver com o conteúdo da obra e com cores harmônicas e belas, esse livro é aquele que o leitor logo de cara se vê atraído e desejoso de tê-la em sua estante como num caso de amor à primeira vista.

Antecipando ao leitor o que esperar, a obra já mostra desde o início sobre o que se pode esperar em suas páginas e não desaponta em momento algum. Sua diagramação simples, mas com detalhes na medida certa, Enlaçado pela Cowgirl surpreende a cada página por sua sutileza nos detalhes que agregam ao enredo o toque certo. Com uma revisão muito bem feita, erros quase não são encontrados durante a leitura que passa sem interrupções ou falhas que a atrapalhem. Além disso, essa obra pode ser tanto encontrada pelo leitor no formato físico quanto digital, não deixando a desejar em nenhuma delas.

Muito bem escrito por A.K. Raimundi, essa é uma obra que te leva a acompanhar o crescimento dos personagens ao longo da trama, ao mesmo tempo em que te arranca o fôlego nos momentos mais intensos entre eles e ao longo de suas descobertas sobre si, mas principalmente sobre a vida e os animais. Clichê, mas nem de longe igual a muitos, essa é uma história que faz jus ao seu gênero. Com uma escrita leve, fluida e muito envolvente é impossível se manter inerte ao longo dos acontecimentos!

Sem deixar pontas soltas, essa é aquela obra que você já sabe o que esperar e mesmo assim ainda se surpreende e se apaixona pelos acontecimentos ao longo da trama. Divertido, irreverente, e com características próprias que acalenta e traz conforto e esperança como nenhuma outra. Com ensinamentos importantes, a autora leva você a se apaixonar não apenas pelos laços entre pessoas, mas também pelos animais - e confesso que é muito lindo de ver (ou ler, no caso).

Leiam, essa é aquela obra que você não sabe que precisa, mas que te deixa mais leve e com mais esperança na vida e no amor.








Livro: Enlaçado pela Cowgirl
Cortesia: Editora Coerência 
Número de páginas: 386
Skoob
Onde comprar: Amazon

O haras Setti sempre foi a maior paixão da determinada Dandara. Para a domadora de cavalos, o amor pela natureza e o contato com os animais está acima de todos os outros  prazeres da vida. Ela só não contava que uma herança a coloca frente a frente com o milionário Miguel, que tem planos maiores que podem destruir o lugar. Quando essas duas personalidades se encontram de maneira explosiva, antigas tensões podem se revelar, e uma competição sem limites pode transformar a vida de todos que os cercam. 

Do ódio ao amor, um grande embate parece estar aduas esporas de distância




14 abril 2021

Resenha - MARCADOS



Antes de iniciar a resenha é importante salientar que o livro tem vários gatilhos, de estupro a uso de drogas e preconceitos, então analise bem se você está preparado para essa leitura. Recomendação: +18

A resenha de hoje é do livro Marcados, do autor Caio Rossan. Um livro de estreia dele, que demorou anos pra ficar pronto e só por isso já merece ser lido. Aqui ele nos trouxe um thriller cheio de segredos, conspirações, com personagens adolescentes e em construção da própria identidade.



A história começa com Calila, personagem central do livro, sendo obrigada a deixar a cidade onde cresceu e indo em direção a cidade fictícia de Alto Cedro. Calila é muito jovem, um menina como qualquer outra, cativante, cheia de incertezas e com um humor irônico que eu adorei. O motivo dessa mudança é uma morte e uma herança, e o que há por trás delas é bem macabro, algo que Calila e os cidadãos de Alto Cedro demorarão a descobrir.


" Ela quer te proteger, mas alguém naquela cidade, na escola... alguém vai falar com você o que aconteceu naquela casa".


Obrigada a deixar família, os poucos amigos e a cidade que está habituada, Calila, uma garota negra, se encontra com pensamentos a mil e extremamente preocupada em como será recepcionada na nova cidade e na nova escola, o ILMA. Ela tem seus medos e anseios e não é por menos. Mudanças despertam em nós sentimentos variados e no caso dela não seria diferente, se os adultos sofrem, imaginem os adolescentes que têm os sentimentos a flor da pele.


" Não porque Orvalho me oferecia algo de bom, mas porque eu estava com medo - eu estou assumindo isso para você e se alguém souber foi você quem contou- do desconhecido, do novo".


O ILMA é uma escola modelo, tradicional, de referência e valor histórico na cidade de Alto Cedro. Calila consegue uma vaga na tão renomada escola e lá ela faz amizades, entende e se surpreende com sua dinâmica. Sem escolha, uma vez que não tem para onde correr, ela busca o seu espaço e tenta se manter discreta e invisível o máximo que pode, o que acaba sendo impossível devido aos acontecimentos sérios ocorridos na cidade e no ILMA. Uma onda de assassinatos ocorrem por lá e principalmente com alunos da escola o que faz Calila, e nós leitores, a nos perguntarmos a que ponto esses crimes estão ligados e o porquê deles. Até onde o ser humano é capaz de chegar para se proteger e se vingar?

" Às vezes, se a pessoa é doente não precisa de motivos. Não motivos que os outros possam compreender".



Marcados é um livro cheio de acontecimentos e muitas reflexões, a narrativa em primeira pessoa nos permite estar mais próximo de Calila e da visão que ela tem de si mesma, do que ela espera do mundo e das pessoas a seu redor. Calila nos mostra que todos somos falhos em vários momentos da vida, seja nas escolhas erradas que fazemos, seja no que acreditamos, no que esperamos do outro. Há pessoas boas que fazem coisas ruins e pessoas ruins que fazem coisas boas. E há aquelas que são simplesmente más.


" A verdade pode causar dor para mim e também para você".


Uma série de acontecimentos fará Calila rever suas concepções e seu modo de agir, em quem e no que acreditar. Mortes estão acontecendo e amigos estão morrendo como se fossem insetos e ela não descansará até descobrir o porquê dessas mortes e como acabar com elas. Tudo e todos passam a ser suspeitos e caberá a Calila a desvendar quem está por trás disso tudo. Com a saudade no peito, o medo na alma e a revolta da mudança, Calila irá descobrir o que realmente tem valor na vida e o que merece nosso tempo, nossa gratidão, nosso respeito e a nossa luta.


" O fato é que eu não sabia quando os abraçaria novamente. Quando poderíamos sorrir dos nossos próprios erros ou quando faríamos planos para o futuro".


Marcados é apresentado com um romance policial, mas aqui tem mais thriller que romance (risos). Uma morte atrás da outra, suspeitos que mudam a todo momento e você fica igual a Calila sem saber em quem e no que acreditar, e nós leitores, juntamente com a personagem, passamos a elaborar várias suposições e conspirações para descobrir o culpado e suas motivações para os crime.

Aqui percebi que vai muito além do thriller e isso é um fato. Ele soube abordar temáticas sérias e muitos importantes a todos, mas principalmente para os adolescentes. Os romances são apenas um detalhe e a meu ver não foi o foco da história, os crimes e mortes trazidos aqui têm uma mensagem para o leitor e mexe até mesmo com o psicológico. 

Além disso, nos proporciona muitos sentimentos e sensações durante a leitura levando você a vivenciar realmente cada emoção. Nessa obra você vai rir, sentir raiva, ficar descrente e surpresa. Os assuntos abordados nos faz refletir em como somos moldados pelas pessoas e ambiente ao nosso redor. 

O autor trouxe também para nós uma variedade de personagens e digo isso tanto na quantidade quanto na personalidade e diversidade deles. Um livro cheio de representatividade feminina, com personagens obrigados a tomarem escolhas boas ou ruins, justificáveis ou não. Relações de poder e interesses estão bem presentes na leitura também. A busca da própria identidade e do conhecimento de si, da sexualidade, bullying, medos, descobertas íntimas e de mundo. A representatividade que Calila traz transcende a cor da pele e estilo do cabelo. Ela quer e pode se afirmar e reafirmar quantas vezes forem necessárias, o que nos mostra como devemos acreditar em nós mesmas sem julgamentos pré-concebidos e que é permitido mudar. Mudar é evoluir e Calila foi obrigada a mudar de uma forma bem dolorosa.


" Pela primeira vez nos últimos anos eu estava preocupada com a opinião alheia como se eu estivesse dominada pela angústia em encontrar uma sociedade na qual eu pudesse habitar sem retaliações".


Os personagens secundários da história não deixam a desejar e cada um mostra o seu melhor e pior lado, e faz todo sentido, já que são humanos, e com eles aprendemos que nem todos são de todo o mau ou de todo bom. Ou será que algumas pessoas são só más? Deixo aqui a reflexão. Por falar nos personagens cada um trouxe, a sua maneira, uma mensagem para a história, onde aprendemos com eles que somos uma caixinha de surpresa e o resultado vai depender dos nossos interesses e no que acreditamos.

A escrita do autor é direta e fluída o que te faz ler bem rapidinho. Algumas descrições, na minha opinião pessoal, não precisariam estar no livro, assim como alguns fatos que achei desnecessários, o que por vezes me confundiu, mas nada que incomode ou atrapalhe a leitura. Eu adorei a construção da personagem Calila, uma menina peculiar, com humor de arrancar algumas risadas durante a leitura e de uma força genuína, até mesmo nos momentos de insegurança.

A obra traz como referências o folclore brasileiro que contribuiu e muito bem para composição da história. Foi muito bom reler uma parte deles, a maneira como foi realizada a relação entre os crimes e o folclore, gostei muito. Um ponto que amei de verdade foram os avatares dos personagens, parabéns por isso. Assim a gente consegue dar um rosto para cada um deles e se aproximar mais ainda dos personagens.

Temos aqui um ótimo suspense, com surpresas estarrecedoras no final, com uma narrativa mais intensa nas páginas finais e descobertas de causar repulsa em qualquer ser humano. Foi incrível acompanhar evolução de Calila que nunca mais será a mesma depois desses acontecimentos. Ela está marcada para sempre. E essas marcas farão Calila olhar a vida com outros olhos.


" Eu não posso me mudar sempre que tiver que enfrentar um problema".







Livro: MARCADOS 
Cortesia: Caio Rossan ( Autor Parceiro)
Número de páginas: 274
Skoob
Onde comprar: Amazon

 Você conhece realmente quem está ao seu lado? Quem é bom e quem é mau?
Forças antagônicas farão Calila perceber que interesses pessoais movem a natureza humana. Interesses nem sempre nobres. Luto, problemas financeiros, longe dos amigos e uma relação conturbada com a mãe. Novata na cidade de Alto Cedro, sem apoio da polícia, sob o risco de ser silenciada e sem saber em quem confiar, Calila se sente impelida a desvendar quem está por trás de misteriosos assassinatos ligados a uma escola tradicional. Calila jamais será a mesma. Nem você. Todos estão Marcados.

"Marcados é o livro de estreia do escritor Caio Rossan. Livro que levou cerca de 20 anos entre as primeiras escritas e este momento especial, que é o de sua publicação. Caio fez um trabalho excepcional que encantou a todos que já tiveram o privilégio de ler e se deixar enredar pelo texto. Texto que é um primor por sua agilidade, clareza de construção, com personagens que parecem estar ao seu lado, tamanha a verossimilhança da trama e de suas construções. Os eventos que acontecem em Alto Cedro (cidade fictícia, localizada na Bahia) não deixam dúvida: ninguém está a salvo, qualquer um pode ser vítima desse assassino que é muito mais que um matador; existe um cérebro, um plano por trás de tudo.




12 abril 2021

5 Motivos para Ler - MARCADOS


Olá, gente. Como vocês estão? Quem aí gosta de 5 motivos para ler? Hoje é dia. O livro da vez é Marcados, do autor Caio Rossan, e sem mais delongas, vamos ao que interessa. Espero que gostem e que esses motivos despertem o interesse da leitura.





1. Suspense nacional

O livro escrito por Caio é um suspense que envolve adolescentes, uma escola e uma história do passado com consequências sérias e desastrosas. Uma rede de mentiras e segredos que levam a vários assassinatos e a alguns suspeitos que só serão revelados no final. Tenso.


2. 20 anos

O livro, Marcados demorou 20 anos para ficar pronto. Isso mesmo que você leu, 20 aaaaanos. Só por isso já merece ser lido.


3. Representatividade

Marcados traz muita Representatividade feminina, sexualidade, anseios, dúvidas e medos, tudo isso compõe o enredo do livro, e os temas abordados foram bem trabalhados na trama, de forma harmônica e que te leva a algumas reflexões durante a leitura.


4. Calila

Calila é a personagem principal da história e que rouba a cena com seu jeito de ser, tem um humor irônico e que eu amo em personagens. É uma menina mulher que vale a pena conhecer. Porém, o melhor de acompanhar a história dela é ver a sua evolução, que depois de tudo o que é obrigada a passar, por erros do passado que nem eram seus, ela irá mudar para sempre.


5. Criatividade

Caio, autor do livro, foi bem criativo na sua narrativa. Trabalhando conjuntamente o suspense com o folclore brasileiro , ligando personagens e fatos, pensamentos e ações que só uma pessoa criativa é capaz de fazer. Elementos do passado e presente conectados de maneira incríveis.




Criatividade, Representatividade, Personagens e suspense você tem de sobra nessa história. Lembrando que o livro é para +18 e tem gatilhos. Se decidir ler, vá com moderação (risos). Espero que tenham gostado. Até a próxima.


08 abril 2021

Resenha - A Saga Draconiana - Sophie Dupont e o Drakkar de Prata



O livro tem início com a personagem Sophie Dupont, uma adolescente de dezessete anos que começa contando um pouco sobre sua vida e adoção quando tinha somente dez anos. Depois de perder os pais adotivos em um acidente de carro em que sai completamente ilesa, Sophie vai morar com os tios Walter e Anne e os primos Alexa e Jackson em uma pequena cidade chamada Siete Pasos.

A adaptação não está sendo fácil para Sophie, mas o relacionamento dela com a prima sempre foi muito bom e isso é o que a ajuda a suportar sua nova realidade. Por conta disso, ela aceita sair com a prima, o namorado dela e mais um amigo para um encontro, organizado por Alexa. Só que as coisas não saem da forma que sua prima havia planejado, já que, ao ficar sozinha por um momento com Ralph, namorado de Alexa, as coisas saem de controle e Sophie acaba precisando de ajuda, O que a faz conhecer Adrian, um jovem quieto, distante, calado e considerado retardado pelos outros jovens do local.

Depois de receber a ajuda de seu salvador, Sophie o encontra novamente, só que dessa vez em um Shopping e, ao voltar com ele de carona para casa, ambos se deparam com a casa dos seus tios completamente em chamas.

Apavorada, Sophie tenta fazer algo para ajudar a conter o fogo, mas Adrian parece saber de algo muito sério, pois acaba convencendo-a a sair do local o quanto antes, pois Sophie foi descoberta por inimigos que ela nem faz ideia que existem. Mesmo com medo e sofrendo pelo terrível destino de seus tios, Sophie decide ir com Adrian, desde que ele lhe conte o que sabe. E então Adrian lhe revela algo que a deixa completamente desnorteada: Sophie é metade humana e metade dragão, mais conhecida como Drakkar e que os inimigos, seguidores de Fraener, um Drakkar Imane, estão atrás dela porque descobriram seu paradeiro e querem lhe fazer mal.

Eles fogem e, com a ajuda da poderosa Bo, ambos convencem Sophie de que ela só estará segura se for viver no Instituto,um lugar em que poderá aprender mais sobre si mesma, sobre seus verdadeiros pais e sobre seu poder, conhecido como "elemento", que até então ela nem imaginava possuir.

O elemento trata-se de algo muito poderoso que todos os Drakkars têm, e que cada um desenvolve de maneira extraordinária. São vários os elementos, como Trevas, Ar, Luz, entre outros que torna os Drakkars pessoas muito habilidosas e perigosas, dependendo de como será usado esse poder.

Logo que chega ao Instituto Sophie faz amigos que se tornam muito especiais para ela, mas também se vê diretamente envolvida em uma guerra e sendo caçada pelos seguidores de Fraener, que não desistiram de libertar  seu líder, mais conhecido como o Lorde dos Dragões.

Uma batalha sangrenta e de muitas perdas se inicia. Será Sophie e seus amigos capazes de impedir que o mal triunfe?


A leitura me surpreendeu de forma bastante positiva, visto que eu não tenho o costume de ler o gênero. Saí completamente da minha zona de conforto e me deparei com uma história muito bem construída, com personagens interessantes, coerentes e que me cativaram logo no começo da leitura.

O autor me levou para dentro do livro onde me deparei com um universo sedutor, com personagens metade humano e metade dragão, cheios de habilidades e poderes que deram uma dinâmica muito rápida à história. Os desdobramentos e revelações a cada página prenderam minha atenção e me fizeram vivenciar juntamente com Sophie todas as descobertas, aventuras e perigos que ela teve que enfrentar. Eu gostei demais da adrenalina nas cenas de perseguição, principalmente nos embates entre o bem e o mal e todas as lutas que aconteceram. Todas foram muito bem descritas, a ponto de eu fechar os meus olhos e poder imaginá-las perfeitamente em minha mente. Foi algo realmente muito bom!

A leitura fluiu maravilhosamente e eu nem senti o tempo passar, quando dei por mim, já estava terminando de ler. Cheio de acontecimentos, reviravoltas e com direito a um romance bem fofo entre Sophie e um personagem muito especial, a história me cativou e prendeu minha atenção. O final foi algo que me fez desejar ler ainda mais, porque a história parece estar longe de ter um fim, já que haverá outros livros depois deste. Mas isso é assunto para outra resenha.

Eu não conhecia a escrita do autor A. G. Olyver e nunca antes havia lido algo na literatura voltado para o universo dos Dragões e não fazia ideia do quão interessante e prazeroso ler sobre pode ser - desde que o autor escreva algo que realmente prenda a atenção do leitor. E foi justamente isso o que aconteceu comigo. Li, gostei e o parabenizo pela sua linda obra, resultando em um ótimo livro que me conquistou.







Livro: Sagra Draconiana - Sophie Dupont e o Drakkar de Prata
Cortesia: A.G.Olyver ( Autor Parceiro)
Número de páginas: 346
Skoob
Onde comprar: Amazon

O que você faria se, depois de anos vivendo em um sonho lúcido, acordasse para uma realidade surpreendente? O que faria se soubesse ser dependente dos Antigos Dragões?

Sophie Dupont descobriu da pior maneira. Obrigada a fugir para salvar sua própria vida, mergulhou em um mundo fantástico, habitado pelos seres mais incríveis que ela jamais imaginou existir: Os Drakkars, filhos de Dragões com seres humanos.

Em meio às descobertas, romances e aventuras, Sophie entenderá que sua existência não é um acaso, mas uma jogada inteligente do próprio destino, cujos efeitos afetarão todo o futuro da humanidade.




Instagram

I Love My Books - Blog Literário . Berenica Designs.