06 novembro 2018

Resenha - Elantris


Título: Elantris
Autor: Brandon Sanderson
Cortesia: Editora LeYa
Páginas: 575
Skoob
Comprar: Saraiva / Amazon
Elantris era a capital de Arelon: colossal, linda, radiante e repleta de seres benevolentes que usavam suas poderosas habilidades mágicas em benefício de todos. Mas, há dez anos, uma maldição misteriosa devastou Elantris e os corpos de seus habitantes – que agora vivem a decrepitude em intensa dor. Uma grande história de fantasia, mistério, romance, humor, disputa religiosa e conflitos políticos que demonstra por que Brandon Sanderson tem sido considerado, inclusive pelo mestre George R.R. Martin, um dos grandes autores de fantasia épica da atualidade.




Livros de fantasias únicos sempre deixam aquela tensão no ar, pois na maioria das vezes a história fica incompleta. E como sou uma leitora voraz do gênero, mesmo querendo realizar a leitura tinha meus receios. Mas não é que a fama do Brandon Sanderson faz jus a sua escrita?! Elantris é um livro que veio para te conquistar do início ao fim.

Elantris, capital de Arelon, há 10 anos atrás passou por evento que destruiu todos os elantrinos — espécie de humanos deuses que possuíam poderes, eram quase imortais e altamente adorados — denominado Raod. Até hoje, pessoas que passam pela Shaod — a transformação para ser elantrino — sofrem da maldição que em vez de transfigurá-los em seres imortais incríveis, os tornam pessoas de aparência horrível, fracos e que agonizam. O príncipe herdeiro Raoden é tomado pela Shaod. Jogado na Elantris destruída, ele descobre que nem tudo é como aparenta ser.


Simultaneamente Sarene — noiva do príncipe Raoden e filha do rei de Teod — decidi ir à Arelon antes da data do casamento para conhecer seu futuro esposo. Entretanto ao chegar, é recebida com a notícia de que Raoden morreu. Suspeitando dessa morte, vendo um certo líder religioso de Fjorden, Hrathen, ganhar cada vez mais espaço, e captar que o rei Iadon possui uma posição do trono instável, ela decidi tomar para si a intenção de fazer Arelon ser um país melhor.

Raramente tenho medo de ler livros calhamaços, por isso fui com tudo ao iniciar. Desde a sinopse temos um chamariz que desperta o interesse do leitor, porque praticamente ela nada releva. E a medida que as páginas vão passando e entendemos melhor seu desenvolvimento, é de ficarmos de queixo caído com a quantidade de informações e detalhes que o autor agregou. Nada é demasiado. A certeza que uma mera frase pode mudar tudo mais a frente é realidade, e isso só faz o enredo ficar mais compacto. Soube-se trabalhar uma construção de ideias sem igual, e isso é o que mais me encantou.

"Nunca se considerara uma pessoa especialmente alegre. Aqui em Elantris, no entanto, Raoden se pegara reagindo ao desespero com otimismo desafiante. Quanto pior as coisas ficavam, mais determinado ficava em enfrentá-los sem reclamar. Mas a alegria forçada cobrava seu preço." pág. 159

Brandon Sanderson não somente cria um universo. Nos passa os detalhes de modo claro, seus planejamentos são uma incógnita e tudo que precisarmos para o entendimento geral teremos noção. É fácil imaginarmos como seria aquela realidade e nos inserir no meio. Saio de boca aberta com a qualidade da escrita, da evolução dos personagens, das reviravoltas expostas e como tudo se interliga. Por possuir diversos pontos de vistas, de termos noções das aventuras em diferentes locais, ficamos sabendo de tudo que ocorre paralelamente. Fico impressionada que quando sabe-se conduzir esse recurso, tudo deslancha.

E o que mais me choca também é a qualidade dos personagens. Temos um leque amplo de pessoas importantes, e não se engane querendo enquadrá-los como boas ou ruins. Uma das suas revelações é justamente "brincar" com a nossa opinião sobre cada um deles. Quando uma guerra específica eclode, essas características se perdem, e quem considerávamos que poderia ser o maior "vilão" torna-se algo completamente diferente. O meu favorito não poderia ser diferente de mim, então é a Sarene, que demonstra ser uma mulher a frente da sua época e de extrema relevância em todo o andamento. Apesar de discordar de algumas ações sua, dou o braço a torcer por tudo que ela apresentou. Difícil não simpatizar, e principalmente, torcer para sua felicidade — o romance em nenhum instante se sobressai da fantasia.


Geralmente livros com grande número de páginas tem maiores chances do autor enrolar no meio. E aqui isso não ocorre. Preste atenção nas situações formadas e nos os acontecimentos, que no final todos elos serão ligados. Sei que geralmente deixamos passar um ou outro durante, no entanto enfatizo que às vezes o que nos passa em branco torna-se fundamental no final.

E falando nele, sai maravilhada. Tinha uma pequena expectativa do que poderia resultar, porém a maneira como foi exposta é brilhante. Tanto o planejamento dos protagonistas quanto ao nosso vai ao chão porque toma-se um outro caminho inesperado. Eu saio contente por ter realizado a leitura.

Um adendo bacana de se falar é que a fantasia é muito própria. Temos terminologia, locais, elementos próprios que fortalecem o plano de fundo. Particularmente não lembro de ter visto nada igual no mercado. Para aqueles que querem algo único, temos uma excelente escolha com Elantris. Ele possui glossários e um mapa para nos ambientarmos da melhor forma.

"— Sarene — Roial prosseguiu, suavizando a voz — Não pedimos sua liderança. Você abriu caminho e assumiu o controle. Agora que fez isso não pode simplesmente nos abandonar por causa de sentimentos feridos. Quando se a autoridade, deve-se estar disposto a aceitá-la sempre, mesmo quando não se está muito interessado nela."

De uma forma geral, cai na obviedade o fato de que recomendo. A mistura do fantástico com teores políticos e religiosos formam algo completo, raro de se encontrar em volume único — inclusive em trilogias/duologias porque às vezes o autor não consegue nos apresentar o proposto. A forma como somos absorvido para o conteúdo é orgânica e rápido de acontecer. Temos uma obra que agrada as fãs do gênero.

Na parte física, só entendi a intenção da capa no final, rs. Ela é representativa por tudo que ocorre, contudo passamos mais da metade do conteúdo sem compreensão total. A diagramação é limpa e espaçada, sendo confortável de ler. Como falei anteriormente possui um glossário e um mapa no final do exemplar que auxiliam. A narrativa é feita em terceira pessoa por vários pontos de vistas onde os mais recorrentes são da Sarene, o príncipe Raoden e o fjorden Hrathen.


Depois de tomar um baque com o quão adorei Elantris, já tenho a intenção de ler outros volumes do autor — enfim Mistborn será desenterrado da estante rs. Espero que tenham gostado!


Inscrições Abertas - Participe !

11 comentários:

  1. Amei sua resenha. Li esse livro alguns anos atrás, mas ainda o considero um dos melhores livro de fantasia que já li, fugindo da mesmice. Também gostei de Mistborn, e gostei muito também, mas Elantris ainda é meu queridinho desse autor.

    ResponderExcluir
  2. Eu geralmente não gosto de fantasia mas como você disse que é livro único e também é do Sanderson, eu acho que vou dar uma chance porque se tem algo que esse homem sabe fazer é construir um universo e desenvolver as personagens.

    ResponderExcluir
  3. Não sou uma entendedora de fantasias, mas adoro o gênero e vira e mexe, acabo dando um jeito de incluir um livro sobre o tema nas minhas leituras!
    Não conhecia este livro,mas a princípio tudo nele é meio que perfeito!Título,capa e sinopse se encaixam perfeitamente e lendo a resenha, a gente entende que o autor criou realmente um mundo à parte,com seus personagens únicos e essa inserção de todos no enredo(acho isso particularmente fabuloso, pois não há desmerecimento de ninguém)
    Gosto também quando o enredo faz o leitor entrar no cenário e só os bons livros conseguem isso!!!
    Com certeza, vai para a lista de desejados!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Estou começando a ler fantasia, então ainda sou bem seletiva.
    Esse não me desperta interesse.
    Fico feliz que tenha sido uma calhamaço bem desenvolvido e que tenha te surpreendido positivamente.
    Realmente é ruim quando a história fica faltando algo, mas o autor soube conduzir.
    Mistborn já me chama atenção, tenho curiosidade para saber mais sobre ele.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Carol.
    Eu AMO fantasia e estou doida para ler Elantris.
    É algo bem raro livro de fantasias ser volume único e fiquei bem feliz em saber que o autor souber desenvolver muito bem a história. Mesmo sendo um calhamaço (também não tem receios de ler calhamaços, na verdade ADORO rs) parece que o autor não enrolou a história e sim fez descrições que são necessárias para um melhor entendimento mais à frente na história.
    Gosto muito quando os autores criam mundos novos, com terminologias, cenários e trama inéditas *-*
    Depois da sua resenha preciso do livro para ontem!
    Super ansiosa para conhecer a escrita do autor e espero gostar tanto quanto você.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá Carol,
    É natural encontrar críticas políticas em livros de fantasia, mas nesse caso, o que me chamou atenção foi a religiosa, olha, esse ponto me deixou bem curiosa, e mais ainda, sabendo que poderíamos comparar os acontecimentos do livro, com fatos reais. Acho bacana demais quando os autores se utilizam de enredos originais, como esse, para fazer essas críticas.
    Fantasia não é o meu forte, fico perdida com tantas informações, mas não nego, só de ler a resenha percebo que temos uma história e tanto, não só original, mas que faz o leitor ser absorvido.
    Gosto de livros com vários pontos de vistas, permite que conhecemos os personagens a fundo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá! Eita, como fã assumida do gênero fantasia, no momento estou no chão por simplesmente não conhecer esse livro e já fiquei aliviada em saber que é único (coisas de quem tem uma fila imensa de leitura pela frente). É muito interessante quando o autor consegue detalhar tão bem as cenas que nos vemos inseridos na história e pelo visto apesar de fantasia os personagens são bem reais, afinal não ficam só no bom ou ruim, mas sim no misto dessas duas características.

    ResponderExcluir
  8. Caroline!
    Confesso que não conhecia o livro e nem o autor e bom conhecer um pouco mais sobre ele e a obra.
    Fico feliz em ver que favoritou, porque é uma fantasia bem estruturada, elaborada, completa, além da relação dos personagens, isso é muito bom.
    Bom ver que apesar de ser um livro grande, o autor não enrolou para 'encher linguiça', tudo escrito foi pertinente.
    Adoro livros com magia.
    Gostei demais, parece ser um livro bem completo e tem de tudo um pouco.
    Quero ler.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Que livro interessante..É muito raro eu ler livros de fantasia, mas tenho essa curiosidade em conhecer esse gênero. Gostei muito do livro, tem uma premissa ótima e um mundo diferente e incrível, fiquei imaginando esse mundo enquanto lia resenha, espero ler em breve.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  10. A capa já me conquistou. Nem me recordo de livros de fantasia que vieram em um volume só, geralmente os autores gostam de estender por livros e livros. Que bom que o autor soube aproveitar cada página e não enrolar, sendo criativo na construção do enredo e personagens. Fiquei muito curioso para fazer a leitura.

    ResponderExcluir
  11. Oi, Caroline!
    Não curto livros com teorias políticas e religiosas, e/ou conflitos políticos, por isso não leio todas as fantasias que surgem, mas é um gênero que eu gosto, Elantris apesar de possuir características que não aprecio parece ser uma fantasia DAQUELAS, sem falar que é um livro único o que eu acho bastante positivo... Então, se eu tiver a oportunidade de ler esse livro vou arriscar a leitura sim.
    Valeu pela dica! Abraços.

    ResponderExcluir