24 julho 2017

Resenha - Desintegrados




Título: Desintegrados #2
Autor: Neal Shusterman
Cortesia: Novo Conceito
Páginas: 416
Skoob
Onde comprar: Amazon

A Fragmentação tornou-se um grande negócio com poderosos interesses políticos e corporativos em jogo. O governo não quer apenas continuar com ela, como também expandi-la. Cam foi feito inteiramente com as melhores partes de fragmentados e, tecnicamente, ele é um garoto que não existe. Um verdadeiro Frankstein do futuro, que luta para encontrar sua identidade e se questiona se um ser como ele pode ter alma. Quando as ações de um sádico caçador de recompensas ameaçam a causa de Connor, Lev e Risa, o destino de um deles é ligado ao de Cam. A aguardada sequência de Fragmentados desafia a suposição de onde começa e termina a vida e o que realmente significa viver.








Se você ainda não leu o primeiro livro, clique aqui, pois contém Spoilers 


Em Fragmentados, acompanhamos três estórias de jovens que estavam prestes a passar por um processo terrível, sem qualquer chance de escolha. Connor, Risa e Levi se tornaram fugitivos, e na época, precisariam se manter longe do governo até os 18 anos, para não mais fazer parte desse processo. Isto porque no primeiro livro, Neal nos apresenta um mundo completamente novo. Que em meio a guerra decidiu criar a chamada Lei da Vida. O mais contraditório é que eles eram contra o aborto, mas a favor da fragmentação, em que os jovens considerados "desajustados" tinham seus órgãos retirados e doados para "um bem maior".

"Ele controla as próprias emoções, escondendo-as atrás de um sorriso." 

Sendo assim, o Neal precisou dar respostas para que pudêssemos entender o desenrolar dessa sociedade, mas com novos personagens que de fato nos surpreendem e mais uma vez nos chocam. Starkey, Miracolina e Cam tem suas vidas cruzadas, apesar de serem diferentes. Satark fugiu da fragmentação e agora está perambulando pelas ruas para sobreviver, mas ele sabe que este é um futuro muito incerto e o Connor (mais velho) terá um papel fundamental nisso. No entanto, Miracolina é uma jovem revoltada porque ela sabe que sua missão como dizimo,salvar o seu irmão, mas é interrompida por uma série de fatores, que nem mesmo ela sabe se valera a pena.

E a essa obra acrescento o Cam, um "superhumano" formado a partir das partes de outros humanos. Sim, é um monstro superdotado, mas que tem seu destino ligado a milhares de pessoas, que dependem totalmente da sua vida. Porque ele foi criado para fins lucrativos, e nessa obra o que mais nos choca é como os Órgãos humanos são usados para satisfazer o ego de outrem. Cabe a cada um deles se unir para combater essa lei terrível. Essa não é uma distopia, é "A distopia" e o Neal nos mostra que "brincar de Deus" não é coisa para todo mundo!


Sou completamente apaixonada pela escrita do Neal e fascinada pelas suas criações. Seu mundo é cheio questões polêmicas e ao mesmo tempo nem tão distantes da nossa realidade. Afinal, o tráfico de órgãos humanos é bem presente no mercado negro, nós apenas não voltamos nossos olhos a pesquisar sobre o assunto. Outra questão bem complexa é como uma sociedade como essa é contra o aborto, mas a favor da fragmentação e tirar o poder de escolha de outra pessoa. É terrível.

A continuação é inovadora e o acréscimo de novos personagens dão uma vida a mais.  Nossa, o Cam foi um dos que mais me surpreenderam. Primeiro, porque ele é feito das partes para compor um todo. O jovem é superdotado, uma máquina. Mas, ao passo que o conhecemos nós entendemos que ele é tão humano quanto os outros.

"A triste verdade sobre a espécie humana, a garota percebeu depressa, é que as pessoas acreditam no que ouvem. Talvez não da primeira vez, mas, na centésima vez, a mais maluca das ideias simplesmente se torna fato."


Stark e Miracolina são personagens que divergem o tempo todo. Um foge da fragmentação e o outro quer correr para ela sem piscar os olhos. Como pode? Há fatores culturais muito fortes que são bem respondidos para se entender o por que Mira deseja cumprir a sua missão como dizimo. No livro essa palavra remete a "doar" a sua vida em prol da vida de outrem, que precisa. Mas isso significa perder a sua. Você faria isto? Fiquei o tempo todo pensando se eu daria a minha vida para salvar a vida de quem amo, mas eu teria que renunciar a minha vida para isso. É tão forte e complexo que nos final me senti egoísta por não aceitar este tipo de coisa.

Os personagens do primeiro livro estão sim maduros, e agora tem responsabilidades. Uma delas é comandar uma legião de jovens rebeldes, o que não será nada fácil. Porque a guerra em Heartland dividiu a sociedade em dois lados: Pró-vida e Pró-escolha. Ambos divergem e convergem em diversos momentos. Além do mais, a narração em terceira pessoa causa um efeito único, porque conseguimos acompanhar cada passo das personagens sem que as suas emoções interfiram em nossa opinião.

"- Uma nação de adolescentes zangados, sem trabalho, sem estudo e com todo esse tempo livre nas mãos? Pode apostar que estou com medo e você também deveria estar..."

O Neal é o tipo de autor que te faz prestar atenção nos pequenos detalhes, refletir sobre eles e comparar com o nosso próprio estado atual e as formas de governos. Em todos eles "a escolha" ou a chamada democracia ainda sim é algo tão distante que nos deixa chocados. Ele é o cara! E me fez entender que é possível para o autor tudo é possível. Inclusive mexer com todos os sentidos do nosso corpo.

E mais uma vez, a Novo conceito revisa muito bem sua edição e cria uma capa sombria que se liga ao teor e ambientação desse segundo livro. Somado a distopia brilhante, esse livro tem tudo para virar filme. É impossível ler a obra em mais de um dia, porque ficamos tão vidrados para saber mais e mais que em poucas horas o terminamos. Então se você é fã de distopia como eu, Jogos Vorazes e Divergente não chega nem perto da sociedade e do governo criado pelo Neal.


PARTICIPE !! SE INSCREVA !!!



12 comentários:

  1. A escrita desse autor parece bem animadora e a criação desse mundo e da sociedade parece levar a tantos pensamentos sobre a nossa realidade que fica algo bem interessante de ler. Achei legal esse negócio dos órgãos humanos na história, de como tratam isso e os negócios bizarros que fazem. A criação de alguém com partes dos outros chama atenção e por tudo que a história brinca deve ser bem louca essa ideia. E de ver que são contra o aborto por exemplo e a favor de tirar a escolha das pessoas já dá pra ter uma ideia das loucuras desse pessoal.
    Achei interessante esse paralelo entre Stark e Mira, pois deram um exemplo e tanto de como essas ideias são cheia de lados ruins e lados bons, uma coisa que fica um tanto difícil saber o que é certo ou errado ao que parece... Um querendo fugir e o outro correndo pra tal fragmentação e os motivos deles...é uma coisa bem complexa mesmo. Deve ser legal ver isso na trama.
    Acho que no fim das contas iria gostar de ler essas histórias. Parece que a trama vai ganhando uma graça e tanto.

    ResponderExcluir
  2. Amanda!
    Acredito que esse exemplar serve apenas de ligação entre o primeiro e o último, onde as expectativas baixam e não esperamos muito do próximo, mas ainda assim quero ler, porque tenho esperança que o terceiro livro seja como o primeiro: perfeito! Se não fosse pelo fato da fragmentação.
    Geralmente acontece do segundo livro não ser tão bom, mas pelo visto, você gostou muito e achei interessante saber que os protagonistas do primeiro, amadurecem e tem grande responsabilidade agora e tem a inserção de novos personagens.
    Desejo uma ótima semana!
    “Demore na dúvida...E descubra a sabedoria que insiste em se esconder na ausência de palavras.” (Padre Fábio de Melo)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  3. Oi Amanda, tudo bem?
    Menina a premissa destes livros é tão incrível que eu to morrendo de vontade de lê-lo. Essa questão das pessoas serem contra o aborto, e a favor da fragmentação me lembra muito a questão que temos hoje em dia, onde as pessoas são contra o aborto e a favor da pena de morte. A cada resenha eu fico mais animada para fazer esta leitura. Adorei a resenha, explicou bem esse segundo livro, mas não deu spoilers.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Pulei algumas partes da resenha pra não pegar algum possível spoiler rs
    Essa questão do carinha ser todo fragmentado, alá Frankstein, chamou muito a minha atenção. UAU!!! E ainda ter sua parte humana. Que criação interessante hein! E ainda ele acabar se ligando a outros personagens e tudo mais. Parece ser uma história e tanto. Com personagens bem desenvolvidos e uma história bem envolvente. Uma aventura e tanto!!!
    Acho que consegui entender um pouco do que essa obra retrata e espero conferir o primeiro em breve. Nunca li nada do autor, mas sua animação e resenha me contagiaram!
    Beijos
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  5. Olá !!
    Gosto bastante de distopia e saber que é ainda melhor que Divergente me deixou super curiosa.

    Li só um pouquinho da sua resenha para não pegar nenhum spoiler hahaha mas pelo que eu pude entender que é uma obra e tanto !
    Claro que vou dar uma conferida !
    Bjo

    ResponderExcluir
  6. Gente, que livro!
    Quando li o primeiro, Fragmentados, terminei a leitura de queixo caído e querendo uma continuação.
    Neste ano, li "Desintegrados" com certo medo, achando que não seria tão bom quanto o primeiro e me surpreendi! Achei ainda melhor! Também fiquei surpreendida com o Cam e concordo que os novos personagens apenas conseguiram tornar a estória mais complexa! Bom ver também como os personagens "antigos" crescem ao longo do segundo livro, se mostrando bem mais maduros e centrados. A junção dos personagens "velhos" e "novos" também deu muito certo (como Levi e Miracolina)
    Também fiquei fã do autor, acredito sim que ele faz uma crítica aos governos atuais através de todos os detalhes e do conceito de democracia apresentado no livro! Estou roendo as unhas para ler o terceiro livro!!!

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Nunca li esses livros, mas gostei bastante da premissa.
    Adoro livros surpreendentes e que nos envolvem.
    Com certeza vou anotar essa dica <3
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi, logo quando eu descobri o gosto pela leitura e principalmente por distopias eu encontrei essa é tive um primeira impressão boa, fui ler uma resenha - na época eu li uma e só - e ela era super negativa, e eu desisti.
    Não li essa de agora mas fui ler a do primeiro, e que book trailer é aquele?
    Tô com raiva e um pouco de medo também :'(
    Mas essa sua resenha renovou a vontade de ler, já tô arrependida das oportunidades que eu tive de comprar e não comprei.

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Não tinha conhecimento desse livro, a história realmente é assustadora é terrível, uma cidade onde é proibido o aborto mas pode matar as pessoas para tirem os órgãos, qual seria a lógica disso?! A história tem uma premissa muito boa, uma forma de mostra os personagens como sobrevivem a essa lei. Realmente vale a pena conhecer essa trama muito mais.

    ResponderExcluir
  10. Oi Amanda ;)
    Confesso que li a resenha por cima, pois não li o primeiro livro ainda e quero muito ler logo!
    A trama do livro parece super envolvente, e os personagens cativantes, o que me deixa mais louca ainda pra ter o livro em mãos e começar logo a ler :P
    E acho que não vou me decepcionar, já ouvi falar muito bem da escrita do Neal... espero amar gostar quanto você! E sendo distopia com esse enredo bem diferente, com certeza vou amar o livro e a trama!
    Adorei sua resenha, parabéns!!!
    Bjos

    ResponderExcluir
  11. Oi.
    Perfeita resenha, parabéns.
    Sinceramente não lembro de conhecer essa série, mas achei a premissa muito interessante. Gosto de distopia, quando oferece uma trama bem desenvolvida e estruturada. E esse enredo me deixou bem curiosa! Gostaria muito ler, pois com certeza vou me envolver muito e adorar essa leitura.
    Obrigada pela dica.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oi Amanda,
    Fui fisgada por essa trama após ler a resenha do primeiro livro, achei o enredo genial e impactante. O que mais chamou a minha atenção são as reflexões geradas por essa história, as questões pra lá de polêmicas que o autor trabalha são mais do que criticas a sociedade, é uma forma nua e crua de questionar as ações do ser humano.
    Quero muito ler o primeiro livro, e gostei de saber que em Desintegrados a trama ganha um novo personagem. Achei o Cam muito intrigante por ele ser um fragmentado e ter essa ligação com os outros personagens, fiquei curiosa para saber qual é o seu verdadeiro papel em tudo isso.
    Beijos

    ResponderExcluir