07 julho 2017

Resenha - Casa Das Fúrias #1



Título: Casa das Fúrias #1
Autora: Madeleine Roux
Editora: Plataforma21
Páginas: 352
Skoob
Onde comprar: Saraiva / Amazon

Louisa Ditton não tem pra onde ir.
Logo que chega à Casa Coldthistle, entretanto, a jovem nota algo estranho. O misterioso proprietário do lugar – o sr. Morningside – proporciona a seus hóspedes não um simples lugar para dormir, mas o temido descanso eterno. Numa espécie de tribunal sombrio, o sr. Morningside e a criadagem executam sua justiça obscura àqueles que vivem impunes, e Louisa será obrigada a fazer parte desse grupo de impiedosos justiceiros.
Diante disso, a jovem começa a temer pela vida de Lee. Ele não é como os demais hóspedes: carismático e gentil, o rapaz desperta nela o ímpeto de salvá-lo do julgamento iminente. Porém, nessa casa de mentiras e putrefação, como Louisa poderá saber quem carrega a verdade? Estamos no século XIX. Sozinha e com medo, Louisa acaba de escapar do terrível internato inglês onde repressão e castigos dolorosos eram a principal lição. Assim, quando encontra uma idosa que lhe oferece emprego em uma hospedagem, Louisa acha que finalmente está segura.









Uma obra única que nos instiga do início ao fim. Sombrio, assustador , original e incrível. Uma narrativa que nos mostra que pra termos a chance de um futuro é preciso se aceitar como somos e encarar a dura realidade dos fatos.

Após fugir do internato que seu avós a colocaram , onde sofria constantes agressões e terríveis castigos, Louisa Ditton se vê finalmente livre daquele inferno e recomeça sua vida em uma cidade da Londres do século XIX. Os seus trabalhos de vidente não rendem muito, mas é o suficiente pra mantê-la viva, e depois de ser acusada de ladra na cidade, sua única saída é aceitar o trabalho que uma velha senhora lhe ofereceu na Casa Coldthistle, e por isso, sem ter para onde ir e nem como escapar de seus acusadores, ela decide partir para essa pensão com a velha.


Ao chegar na casa e receber suas tarefas, nossa protagonista começa a perceber coisas estranhas naquele lugar, a primeira delas é que a velha senhora que a conduziu até lá, pois agora era uma jovem governanta, muito rígida por sinal, e que o proprietário da pensão esconde um mistério por trás do seu belo rosto jovem.

Em uma noite ela sobe até o último andar da casa afim de encontrar algo valioso e se depara com vão vazio e ...um livro. Ela não aguenta a curiosidade e toca no livro, então seu braço é agarrado por uma sombra que a aperta com força no mesmo instant, então sua primeira reação é correr desesperadamente. A partir desse curioso evento, as verdades sobre a Casa Coldthistle começam a se revelar e Louisa descobre que os trabalhadores daquela pensão, são também uma espécie de justiceiros das trevas e que ela está presa a esse lugar por ter tocado no livro e sobrevivido.

Sob o comando do sr. Morningside, dono da pensão, os criados não somente cuidam do bem-estar dos hóspedes como também cuidam de suas mortes.

Louisa descobre que cada pessoa que vai se hospedar na Casa Coldthistle, não vai para lá por acaso: eles são estranhamente atraídos pelo livro que ela tocara na outra noite. Segundo o que o sr. Morningside disse, cada hóspede daquele lugar é um criminoso e por isso irão todos morrer e pagar por seus crimes. Toda a segurança que ela achou que teria, foi esquecida há muito tempo e agora o medo a assombra mais que tudo.

Enquanto ela presencia a morte de alguns dos hóspedes, ela começa a questionar se tudo o que lhe foi dito não seria mesmo verdade e se por trás daquelas poses de boazinhas, cada pessoa daquela pensão não escondia algo obscuro em seus atos.

Aos olhos de Louisa, o único naquele lugar que tem o coração gentil e puro, e certamente não deveria estar ali, é Lee um jovem rapaz que ela conheceu no caminho pra a Casa Coldthistle, onde ele se hospedou com seu tio, porque ele só podia ser um equívoco do sr. Morningside e agora ela precisava dar um jeito de fazer alguma coisa para salvar sua vida. Frente a uma morte prestes a acontecer e maiores mistérios a serem revelados, ela não sabe em quem pode acreditar no meio das tantas mentiras e da escuridão que cerca aquele lugar.

"Toda reação ruim, todo ato hostil precisava ser justificado. Mas eu sabia que não era bem assim - algumas pessoas eram simplesmente más. O mundo poderia ser cruel e injusto, e, quanto antes eu aceitasse essa ideia, mais rápido aprenderia a sobreviver."



[- Minhas Impressões -]

Esse é o primeiro livro da Madeleine Roux que leio, e vou logo dizendo que esse é um livro maravilhoso! O li em menos de um dia , e já anseio pelos próximos livros da série.

A autora, ficou muito conhecida , recentemente , pela série Best-seller "Asylum" e desde que tomei conhecimento da série fiquei curioso para ler e acabei por ler esse antes, o que só me deixou ainda mais curioso para ler a primeira série da autora , principalmente por que todos os livros já foram lançados e não foi preciso ficar esperando por um ano a continuação (graças aos deuses literários).

Louisa é um personagem que carrega uma forte carga negativa do seu passado, pois sempre fora desprezada e rejeitada por todos inclusive por sua família. Eu já gostei dela desde o início por que sabia que ela iria crescer durante a narrativa, e foi exatamente o que aconteceu.

Infelizmente os traumas que sofremos durante a vida nos acompanham até o fim dela, e toda dor e solidão sofridas por Louisa a impediram de criar qualquer tipo de laço afetivo, e isso muda quando ela conhece o Lee.

É tão incrível quando encontramos alguém que nos faz conhecer algo que antes não conhecíamos ou tínhamos perdido a fé que pudesse existir, alguém que nos faz acreditar de novo. Lee é essa "ponte de salvação" que faz Louisa acreditar na amizade e , pela primeira vez , se sentir aconchegada e segura ao lado de alguém em que possa confiar.

É incrível presenciar o nascimento de um sentimento tão lindo quanto a amizade e a forma como os dois vão se conhecendo e ganhando um ao outro que é simplesmente maravilhosa!

"Seria essa a sensação de ter um amigo de verdade? Se importar com alguém a ponto de quase esquecer o próprio bem-estar e a própria felicidade?"

Uma coisa que não esperava encontrar nessa obra, e que me surpreendeu muito de forma positiva, foi o processo de auto-aceitação pelo qual a protagonista passa, e que não se conclui nesse primeiro volume (ou seja ela ainda não aceitou ser o que é).

Conhecer a nós mesmos é extremamente necessário e nos amar como somos , imprescindível para darmos algo de valor para o próximo. Afinal como podemos amar o próximo, ajudar a outrem se não nos amarmos e nos ajudarmos antes? A auto-aceitação não é um processo fácil, seja por cor de pele, forma do corpo, orientação sexual , altura , peso , e tantas outras coisas que eu poderia citar, mas que são de igual importância e que muitas vezes são diferentes de tudo aquilo que nos é imposto. Se auto-aceitar é muito necessário para romper com todos os rótulos e padrões que a sociedade nos impõe e que precisam ser desconstruídos cada vez mais, pois cada um de nós é especial e importante cada a um da sua maneira. E não é preciso seguir uma lista padronizada para ser feliz e ser amado e ser aceito por ninguém.

Quero dizer que o processo pelo qual a Louisa passa, é uma questão de auto-aceitação extraterrena, mas que nos permite refletir sobre o quanto nos aceitamos e o quanto de nós mesmo escondemos e esquecemos por julgar como "errado" ou "fora do padrão".

É muito engraçado como às vezes podemos ser inocentes e acreditar que todas as pessoas são boas e nunca nos farão mal algum (grande ilusão).

Durante a narrativa, nos é apresentado "inocências" que foram brutalmente arrancadas, e algumas que ainda persistem em existir diante de toda crueldade existente no mundo. E diante disso a possibilidade de encontrar alguém confiável diminui muito, mas que é recompensado com uma lealdade sem igual quando encontramos a pessoa certa para confiar. Esse é um dos dramas que a protagonista sofre: muitas mentiras e a necessidade de encontrar a verdade e de alguém confiável para ajudá-la nesse processo.

O mal pode estar camuflado de bondade e gentileza muito próximo de nós, e para sobreviver no meio de tanta falsidade e enganação precisamos identificar onde está a verdade.

Os personagens secundários são muito bem construídos e a maioria deles permanece na história até o fim. Cada um tem seu papel bem definido na trama, e no final temos uma surpresa com um deles o que foi bem legal, pois nos mostra a força da infância e da amizade verdadeira.

O universo no qual se passa "Casa das Fúrias" é completamente único! E apesar de sombrio e um tanto assustador, o enredo é muito cativante e nos faz pensar muito sobre a escuridão que pode existir em cada um de nós.

A parte gráfica está incrível ! A capa muito bem feita e completamente condizente com o enredo, a diagramação está perfeita e com um espaço especial para os capítulos com um toque sombrio muito bem criado. Existe alguns desenhos na obra , para ilustrar algumas partes de um livro que Louisa usa durante a história e enriquecem ainda mais a beleza física do livro.

"Casa das Fúrias" foi uma leitura surpreendente, assombrosa e encantadora. Com um enredo bem construído e uma trama inigualável, Madeleine Roux nos apresenta uma história sobre a escuridão que nos prende a cada capítulo, e nos fazer deixar de dormir para ler.


PARTICIPE !! SE INSCREVA !!!




14 comentários:

  1. Oi Wesley !
    Nunca li nada do autor e sua escrita parece ser verdadeiramente assustadora !!
    Louisa parece ser uma garota que sofreu muito com os obstáculos de sua vida mas não se deixou abalar e se tornou uma garota muito corajosa .Gostei muito de Lee a quero saber como Louisa vai ajuda-lo ..

    Gostei bastante do enredo e espero gostar tanto do livro quando você !!

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Tinha achado que esse livro era muito terror pra eu ler. Não costumo gostar desse tipo de leitura. Não que seja ruim, mas sou uma medrosa mesmo xD
    Mas até que o livro parece muito mais interessante. Achei legal esse negócio da personagem e da auto-aceitação, da amizade que desenvolve e de como ela vai tendo uma mudança ao longo do livro. Poder ver a personagem crescendo é legal. Torna a leitura mais significativa, ainda mais pelos traumas que ela tem.
    Esse negócio da inocência perdida e o que falou sobre a gente pensar que ninguém pode nos fazer mal é uma grande verdade. A gente costuma pensar que as pessoas são boas mesmo, mas nem todas são não é? O mal sempre pode estar a espreita. E confiar depois disso é muito difícil.
    Parece que o livro pode até trazer umas reflexões legais ao leitor.

    ResponderExcluir
  3. Italo!
    Uma das características da autora é justamente trazer à luz, a obscuridade dentro das pessoas e as atitudes erradas que podem tomar.
    Ninguém é só bom ou s[o ruim, todos temos os dois lados e cabe a nós, através de nossas atitudes, deixar um lado florescer mais que outro.
    É tenebroso nos confrontarmos com nossos defeitos, mas é preciso e acredito que o livro mostra exatamente isso...
    Um maravilhoso final de semana!
    “Não saber é o que torna nossa vida possível.” (Lya Luft)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi.
    Ainda não tive a chance de ler nada da autora. Mas quero muito ler a série Asylum! Tenho apenas um livro, mas pretendo completar a coleção e dar inicio a leitura.
    Já fiquei muito animada com a premissa de Casa das Fúrias! E por tudo que você comentou, na sua ótima resenha, tenho certeza de que será uma leitura fantástica. Ansiosa!
    Obrigada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Desde que soube sobre esse lançamento já o coloquei na minha lista de desejados!
    Amei a série Asylum (apesar de ainda não ter lido o último livro), achei a narrativa da autora muito interessante, que nos fazer ficar grudados na estória.
    Pelo jeito, o sucesso se repete nessa nova série! Gosto de enredos com auto-aceitação das personagens e com o crescimento das mesmas, que aqui vai continuar talvez no segundo livro da série.
    Outro fato que gostei na resenha é como os traumas vão sendo trabalhados e como a inocência vai sendo perdida, tudo situado em um ambiente sombrio e assustador. Definitivamente, meu gênero preferido!!

    ResponderExcluir
  6. Espero que o meu primeiro contato com a escrita da autora seja tão animador como foi o seu.
    Primeira resenha que leio sobre a obra e confesso que fiquei super curiosa para conhecer as aventuras de Louisa.
    Essa questão de a história ser meio sombria, mas ao mesmo tempo conseguir nos passar algumas lições, referente a auto-aceitação, me chamou bastante a atenção.
    Me parece mesmo ser uma trama muito bem desenvolvida! Espero conferir em breve.
    Beijos
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  7. Oii Wesley!
    Não sabia que esse livro vai ser uma série! Na verdade, jurava que era livro único. Aliás, nem tinha me ligado que era a mesma autora de Asylum. Devo dizer que gosto muito da premissa de Asylum, já esse no entanto não tanto. Achei muito bacana esse suspense e o mistério sobre o lugar assim como os personagens, principalmente o sr. Morningside. Além claro, do objetivo deles em matar os hóspedes e a dúvida de Louisa em acreditar se é verdade a justificativa de que todos esses hóspedes seriam criminosos e deveriam pagar por isso. Achei maravilhoso que a autora, mesmo nesse ar sombrio da história, trouxe através de Louisa uma mensagem de auto-aceitação. Assim como um processo de amadurecimento, em que Louisa não é mais tão inocente e no meio de tantas mentiras precisa encontrar alguém em quem confiar (talvez Lee, nunca se sabe).
    Apesar de tantos pontos positivos e pela recomendação, acho que não faz bem o estilo de livro que gosto de ler. É questão de gosto mesmo, mas talvez eu mude de ideia.
    Ótimas leituras pra você!
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  8. Olá Italo ;)
    Vi o livro quando a editora estava divulgando o lançamento dele no facebook e me interessei muito em ler, a premissa é super instigante e diferente, acho que vou adorar!
    Adoro livros sombrios assim, e que bom que o livro tem essa originalidade. Não sabia que era um livro de época, mas gostei desse fato.
    Tenho muita vontade de ler Asylum, e agora A Casa das Fúrias, já ouvi falar muito bem da autora.
    Espero me surpreender positivamente como você com a leitura, estou ansiosa para ler o livro! Adorei a resenha ;)
    Abç

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Tenho muita curiosidade pra ler os outros livros da autora, mas ainda não tive coragem hahaha
    A premissa é muito cativante, mas esse tom sombrio que o livro possui me assusta. Mas isso é algo que eu quero melhorar porque realmente quero ler os livros da autora <3
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Já havia visto a capa deste livro nas redes sociais, mas esta e a primeira resenha que leio a respeito desta obra, e confesso que me surpreendi, pois apesar da trama ser sombria e aterrorizante, ainda sim aborda temas como aceitação, como mesma disse, para amar o próximo primeiro precisamos amar a nos mesmo, e das inocências das quais nos são arrancados, já que podemos encontrar o mal em qualquer lugar. Por esses fatores, me interessei pela leitura da obra.

    Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, para participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Italo, tudo bem?
    Que premissa mais intrigante. Nunca tinha ouvido falar sobre este livro e já quero ler. Gosto de livros que tragam assuntos que nos façam refletir sobre as coisas, e é bem legal acompanhar o amadurecimento de uma personagem, principalmente em um momento de aceitação de si. Adorei.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi Italo,
    Confesso que nunca tinha visto falar sobre a série Alysum, o mesmo vale para a autora, Madeleine Roux era até então um nome desconhecido para mim. Que grata surpresa essa resenha, achei a sinopse do livro bem intrigante, e após conhecer um pouco mais do que o livro traz eu fiquei super interessada em ler essa série. A trama, além de ser sombria e assustadora, é muito original mesmo, todo esse mistérios que envolve o livro e a casa em si me deixaram curiosa para conhecer esse enredo criado pela autora.
    Adoro história que nos permitem acompanhar no decorrer da narrativa o amadurecimento dos personagens, e essa jornada de auto-aceitação da Louisa e principalmente a construção da confiança e amizade com o Lee acredito que proporcionará uma leitura envolvente e cativante.
    Vou querer ler sim, mas vou aguardar o lançamento dos demais livros da série, prefiro iniciar a leitura quando todos já estiverem publicados ;)
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Pensei que o livro fosse um terror bem assustador, a história é realmente interessante, tem uma premissa muito boa. A personagem me fez sentir mal por ela vive sozinha sem nenhuma família do lado e apesar de estar passando tudo isso com ela, eu acho que ela não roubou!
    Amei a trama, com certeza um terror leve de se ler.

    ResponderExcluir
  14. Oi, não conhecia o livro e confesso que não leio muito por medo. A capa já me faz pensara em milhares de coisas e sombras também.
    Pela resenha dá pra ver que tem muito mais, aceitação, uma amizade, mas ainda não me convenceu, talvezona quando todos forem lançados.

    ResponderExcluir