08 maio 2017

Resenha - A Febre do Amanhecer


Título: A Febre do Amanhecer
Autor: Péter Gárdos
Cortesia: Cia das Letras
Skoob / Goodreads
Páginas: 248
Onde comprar: Submarino / Livraria da Folha


Julho de 1945. Miklos é um jovem húngaro de 25 anos que sobreviveu ao campo de concentração e foi levado para a Suécia para recuperar a saúde. Mas logo os médicos o desenganam: ele tem os pulmões comprometidos e conta com poucos meses de vida. Miklos, porém, tem outros planos. Ele não sobreviveu à guerra para morrer num hospital. Após descobrir o nome de 117 jovens húngaras que também se encontram em recuperação na Suécia, ele escreve uma carta a cada. Uma delas, ele tem certeza, se tornará sua esposa. Em outra parte do país, Lili lê a carta de Miklos e decide responder. Pelos próximos meses, os dois se entregam a uma correspondência divertida, inusitada, cheia de esperança. Baseado na história real dos pais do autor, A febre do amanhecer é um romance vibrante e inspirador sobre a vontade de amar e o direito de viver.









A Febre do Amanhecer poderia ser só mais um romance pós-guerra, mas entre todos os elementos que o tornam único, é preciso começar ressaltando que ele surgiu de uma história verídica, muito próxima do autor que o escreveu:

“Meu pai e minha mãe se corresponderam durante seis meses, até se casarem em Estocolmo. Eu não soube da existência dessas cartas por cinquenta anos. Depois da morte de meu pai, minha mãe, quase como num gesto casual, estendeu-me dois maços de cartas, um amarrado com uma fita azul; e outro, com uma fita escarlate. Passados dez anos, escrevi a primeira versão deste romance.”

Depois de sobreviver às crueldades do holocausto durante a Segunda Guerra Mundial, Miklós Gárdos, um húngaro de apenas 25 anos, se vê internado em um hospital de uma aldeia chamada Lärbo, na Suécia, por danos causados pela tuberculose em seus pulmões. Seu médico, Lindholm, não lhe dá mais do que sete meses de vida pela frente e não há nada mais que a medicina possa fazer por ele.


No entanto, o diagnóstico de Miklós não o impede de ir atrás do seu sonho de um dia se casar. Ele escreve cento e dezessete cartas à mão e as envia para todas as mulheres que nasceram na mesma região que ele e se encontram em acampamentos hospitalares na Suécia de acordo com o Escritório Sueco de Registro de Refugiados.

Lili Reich, com 18 anos, era uma dessas cento e dezessete mulheres. Por causa de uma crise renal, ela é internada pouco depois de receber a carta de Miklós, que a princípio tinha ignorado. Judit, uma de suas duas amigas ao lado de Sara no acampamento, acaba levando a carta junto com suas coisas e a convence a respondê-la como um gesto de solidariedade.

- Quantas responderam?
- Dezoito.
- E agora você vai trocar cartas com as dezoito?
Meu pai cutucou o bolso no qual escondera a carta.
- Ela é a verdadeira.
- Como você sabe?
- Apenas sei.

Daí em diante, acompanharemos as várias correspondências entre Miklós e Lili, as visitas de um ao outro e o surgimento de um amor que passará por inúmeros desafios e será vítima da inveja. Tudo isso acompanhado de um retrato comovente que nos mostra as marcas e consequências que a guerra deixa na vida das pessoas.




[ - Minhas Impressões - ]



Foi ótimo ter lido A Febre do Amanhecer durante os dias frios que decidiram se aventurar na minha cidade, pois este é um livro que precisa ser acompanhado de um chá quente para aquecer o coração. É um romance lindo, descontraído, tocante, diferente de todos os que eu já li com a temática “pós-guerra”, e o fato de ter um fundo de verdade só o torna ainda mais especial.

- Qual é mesmo sua profissão, Miklós?
- Eu fui jornalista. E poeta.
- Ah, um engenheiro da alma. Bonito.

A narrativa é escrita em primeira pessoa, o autor nos conta a história de Miklós sempre se referindo a ele como “meu pai”. Isso passa uma sensação de intimidade com a família e fez com que eu me sentisse ainda mais envolvida com a história deles. Os capítulos são curtos, temos muitos personagens divertidos aqui. Eu revezava entre rir e ficar aflita com os acontecimentos, ainda mais com certo personagem forçando as coisas a darem errado, a leitura passou em um piscar de olhos.

Apesar do foco do livro ser aquele período da vida dos personagens, inevitavelmente nós temos a menção de como a guerra afetou a vida deles, suas opiniões políticas e religiosas, a vida das pessoas envolta deles, assim como a busca pelas suas famílias e a descoberta do que aconteceu com elas, a angústia de não poder voltar para casa... Tudo isso retratado com uma sutileza que não diminui seu impacto.


A edição da Companhia das Letras está um amor, os detalhes remetendo às cartas e a textura da capa são apaixonantes. Ele é leve, a diagramação está confortável e ainda traz alguns trechos das cartas em itálico; não encontrei nenhum erro de revisão. Li algumas entrevistas do Péter falando sobre o processo de escrita e o passado dos seus pais que me fizeram gostar ainda mais do livro. Esta é uma história marcante, digna de ser favoritada, que eu convido todos a conhecerem e se emocionarem junto comigo.



Participe! - Já está valendo!



24 comentários:

  1. Já estou apaixonada por esse livro antes mesmo de ler. <3
    AMO histórias de guerra, especialmente se são verídicas, e essas histórias de amor da época em que os casais trocavam cartas e só se viam de tempo em tempo são uma coisinha linda. Já sei que vou amar.

    Adorei a sua resenha! <3

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Luana!
    Vários pontos chamam minha atenção para a leitura desse livro: primeiro por ser um livro ambientado na pós-guerra, período que gosto muito, depois por ter cartas, assunto que sempre me atrai em livros e ainda por ser um romance narrado possivelmente pelo filho de um dos protagonistas.
    Deve ser uma leitura fascinante.
    Desejo uma ótima semana!
    “Conhecer os outros é sabedoria. Conhecer-se a si próprio é sabedoria superior.” (Lao-Tsé)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Ola
    Como ainda nao tinha lido nada a respeito desse livro? Ja sabia que ia gostar da trama só de visualizar a capa, ler o título e ainda mais após finalizar sua resenha. Me interessei em especial pela parte da história verídica e do pós-guerra e suas consequências, mas todos os outros elementos se mostram bem convidativos. Com certeza gostaria de poder conferir também.
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  4. Oie, tudo bom?
    Gente, uma história pós guerra já me ganha a atenção, pois normalmente são carregadas de cenas emocionantes. AInda mais sendo verídica, esse livro já foi pra minha lista da amazon na mesma hora. Espero ter a oportunidade de ler em breve!

    ResponderExcluir
  5. Tenho uma super queda por livros que aborda histórias que se passam na época da guerra, e quando isso afeta a vida das pessoas, mexendo emocionalmente com todos. Vejo que a narrativa da estória nos envolve muito com os personagens, principalmente por da ao leitor um ar de proximidade com o que estão vivendo. Me surpreendi e muito com sua resenha, e por isso já quero adquirir logo essa obra.

    ResponderExcluir
  6. Olá, mais um livro que traz uma temática interessante e que promete emocionar bastante. Não conhecia o livro e nem tinha visto resenhas sobre ele. A sua resenha me instigou a fazer a leitura, gosto de livros desse gênero e com toda certeza embarcarei nessa leitura. Parabéns pela resenha! Bjo.

    ResponderExcluir
  7. Ual que bacana ser uma história verídica, acho que nunca li um romance assim, e não sabia da existência desse. Sem sombra de dúvida vou ler, obrigada pela indicação e parabéns pela resenha e o blog (achei lindo seu blog).

    ResponderExcluir
  8. Oi Luana, o título e a capa não me chamariam a atenção, mas a sua resenha me deixou curiosa em função da questão da guerra e da intimidade entre pai e filho. Quero conferir.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Eu adoro historias que passam na Segunda Guerra Mundial, mas ainda não li nada cujo o contexto seja um pós-guerra e esse me parece um belo enredo para iniciar. Eu gostei muito da trama , e por ela ter essa questão das correspondências me chama muito a atenção, pois curto bastante isso e certamente irei procurar saber um pouco mais sobre a obra. Beijos do Wes ^^

    ResponderExcluir
  10. Oie! Tudo bem?

    Não conhecia a obra e muito menos o autor, mas achei a capa dela linda demais! Sobre a história em si acredito que por agora não irei realizar a leitura do livro não, uma porque dificilmente leio esse gênero e outra porque agora estou procurando outros tipos de leitura!

    bJSS

    ResponderExcluir
  11. Oie amore,
    Não curto histórias desse gênero, mas vendo essa coisa de trocas de cartas me chamou bastante a atenção... acho que vou dar uma chance!
    Adorei sua resenha!


    Beijoka!

    ResponderExcluir
  12. Nunca ouvi falar no livro, mas suas impressões me deixaram super curiosa pra conferir esse livro, ainda mais abordando a Segunda Guerra Mundial, que é sempre um tema que gosto bastante de ler.
    Bacana que tem bastante sutilezas, mas que não diminuem o impacto!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  13. Olá!! :)

    Eu confesso que não conhecia este livro mas ainda bem que gostaste de fazer a leitura! :) Fiquei com vontade!! hehe

    Bem, acho ótimo que fale dos efeitos da guerra nas personagens também, e que a narração seja em primeira pessoa! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bem?
    No geral, não me interesso por esse gênero. Mas sempre dá para abrir uma exceção, né? Já me encantei pela sinopse, depois descobri mais alguns detalhes da história e fiquei mais interessado ainda. Achei muito legal o fato de abordar alguns temas sobre a guerra, mesmo se passando depois e tudo. Adorei sua resenha.
    Até mais o/

    ResponderExcluir
  15. Oi, concordo com você, o fato de o livro ter esse toque de verdade, torna uma leitura mais tocante. Eu gosto muito de livros que se passam nesse tema, acho que nos ensinam a ver como é de fato passar ou estar numa guerra e nos faz tomar consciência dos horrores disso.

    www.porredelivros.com

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    Fiquei encantada pela premissa do livro e pela sua resenha. Jamais poderia imaginar uma obra assim olhando só a capa, mas adorei conhecer um pouco mais dessa história. Com certeza lerei, e seguirei sua dica de ler num dia frio, acompanhada de uma xícara de chá.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. Oie!
    Eu ainda não conhecia esse livro, mas achei a história interessante. Com certeza, vou precisar ler esse livro naquele momento em que estiver inspirada, pois sei que vou me emocionar muito.
    Uma ótima dica! Adorei saber mais desse livro!
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  18. Oie...
    Acho que todo mundo já deve saber da minha paixão por histórias narradas na época da Segunda Guerra Mundial, considero-as sempre leituras enriquecedoras e mostram as atrocidades que o ser humano são capazes de fazer na luta pela sobrevivência ou por pura ganância.
    Gostei muito de sua resenha e mais ainda dessa edição da Cia das Letras! Espero poder ler em breve ;)
    Bjão

    ResponderExcluir
  19. Olá!
    Eu não sou muito fã de livros ambientados em época de guerra, porque os fatos históricos me deixam entediada, mas pelo que eu percebi lendo sua resenha, a história vai muito além disso é questão guerra fica em um segundo plano. Fiquei curiosa para saber como vai ser o desenrolar dessa história de amor nesse ambiente caótico de guerra. Obrigada pela dica!
    Beijos,
    Nay
    Traveling Between Pages

    ResponderExcluir
  20. Olá Luana,
    Quanto amor num livro só, hein?
    A capa não chega nem perto de descrever a história, que em muito me agradou. Os personagens parecem ter sido bem construídos e achei muito legal os diálogos que você trouxe através dos quotes.
    Vou tentar comprar meu exemplar pra ontem.
    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Ai que maravilha! Dey muita vontade de ler.

    ResponderExcluir
  22. Oie, tudo bem? Adorohistórias passadas na época da guerra. De alguma maneira mexem demais comigo, sempre me emociono, mas gosto. E ficar sabendo que é baseado em histórias reais me deixou mais curiosa ainda. Espero ter a oportunidade de lê-lo logo.

    ;D
    Nelmaliana Oliveira

    ResponderExcluir
  23. Nem conheço este livro mas já me apaixonei por ele depois de tua resenha!
    Livros que são retratados em romances de guerra em geral mexem demais comigo.
    E sou viciada em escrever cartas
    Saber que o mikos sonha em se casar e faz isto.me deixou mais encantada por este livro!
    Capa maravilhosa
    Espero muito poder ler o mais breve possível .é que ele tenha um final feliz e vença toda a inveja que vc citou

    ResponderExcluir
  24. Que coisa mais linda!
    Não conhecia esse livro e confesso que à primeira vista ele também não me chamou a atenção, mas foi só começar a ler a resenha e descobrir que tem relação com o holocausto pra ficar interessada na hora.
    Parece uma história de amor muito triste mas também bonita. Imagina, entre todas as mulheres que responderam as cartas, ele "saber" quem era a verdadeira mulher da vida dele? aaaa, no fundo acho que todo mundo sonha com esse tipo de coisa ♥
    Adicionei na minha lista e espero amar tanto quanto você!

    ResponderExcluir