05 maio 2017

Resenha - A Espada de Vidro




Título: A espada de vidro
Série: A rainha vermelha #2
Editora: Cia de letras
Skoob / Goodreads
Páginas: 496
Onde Comprar: Amazon / Saraiva

Se sou uma espada, sou uma espada de vidro, e já me sinto prestes a estilhaçar.
O sangue de Mare Barrow é vermelho, da mesma cor da população comum, mas sua habilidade de controlar a eletricidade a torna tão poderosa quanto os membros da elite de sangue prateado. Depois que essa revelação foi feita em rede nacional, Mare se transformou numa arma perigosa que a corte real quer esconder e controlar.
Quando finalmente consegue escapar do palácio e do príncipe Maven, Mare descobre algo surpreendente: ela não era a única vermelha com poderes. Agora, enquanto foge do vingativo Maven, a garota elétrica tenta encontrar e recrutar outros sanguenovos como ela, para formar um exército contra a nobreza opressora. Essa é uma jornada perigosa, e Mare precisará tomar cuidado para não se tornar exatamente o tipo de monstro que ela está tentando deter.








Resenhas anteriores:

A rainha vermelha #0.5 - Coroa cruel
A rainha vermelha #1 - A rainha vermelha


Apôs escapar por pouco das mãos de Maven e da Rainha Elara, Cal e Mare estão com a Guarda Escarlate. Tudo o que ambos sabiam sobre Maven se mostra errado, o irmão afetuoso, o futuro noivo companheiro e uma pessoa integra. Cal enfrenta o inferno apôs ter seu corpo controlada pela madrasta e matar o pai. Antes herdeiro do trono, agora assassino exilado e inimigo da corte. Mare também enfrenta grandes problemas. Vermelha de nascença e poderosa como uma prateada, seu próprio povo a teme, e só lhe resta encontrar pessoas como ela, e seu irmão Shade, recém descoberto vivo. O comando da Guarda discorda, sangues novos são problemas e devem ficar longe, mas Mare impetuosa e decidida resolve fugir com Cal, Kilorn, Shade e Farley nessa busca por seus iguais. Ela só não contava que Maven sabe onde cada sangue novo está.

"Nos últimos dias, acordei numa cela de prisão e depois num trem. Agora num barco subaquático. Onde vou acordar amanhã?"

Numa busca implacável Mare e seus companheiros precisam achá-los antes que Maven os encontre pois o destino seria morte. A cada um novo sangue novo resgatado, outros são encontrados mortos, e entre os corpos, Mare encontra mensagens doentias de Maven. Abalada e ainda mais determinada, ela começa entender aquilo que é. Cal precisa decidir em qual lado ficará, vermelhos ou prateados, e no final de tudo isso, seus sentimentos por Mare podem ser abalados.



[- Minhas impressões -]

A espada de vidro começa exatamente onde A rainha vermelha terminou, e quando digo isso é no meio de uma fuga e muito sangue. Foi bem frenético e não estava preparada pois tinha lido seu antecessor a quase um ano e tinha muita coisa que não lembrava. Mas apôs estar inteirada novamente na estória, a leitura fluiu maravilhosamente bem.

Uma das coisas que mais me incomodaram no livro anterior foi a escrita superficial da autora e falta de originalidade da estória. Isso com toda certeza foi diferente nesse volume. É notável o madurecimento da autora, tanto na maneira de conduzir a estória, como também em criar um mundo que faz jus a proposta imposta no livro anterior. Em contrapartida a protagonista conseguiu ser ainda mais irritante.

Mare fica totalmente egoísta e se sentindo superior, o pior era que ela realmente acreditava naquilo que pensava. Um exemplo disso são as 100 páginas iniciais com ela dizendo que é importante e sua vida necessária. O egoismo dela chegou a tal ponto que se algum personagem desabafava sua dor, de algum modo, ela revertia para si mesmo com pensamentos do tipo "Eu bem entendo", "A Mare do passado já passou por isso" ou "Eu não sou mais a mesma assim como ele". Pra mim, de todos os desenvolvimentos possíveis que ela poderia ter tido, se sentir superior era o menos provável.

"Se sou uma espada, sou uma espada de vidro, e já me sinto prestes a estilhaçar."

Mas nem tudo é ruim, Cal por exemplo, mostra uma faceta diferente. Vemos o jovem príncipe deixando de ser um príncipe e viver em meio aos vermelhos. Nesse meio ele pode ver como os vermelhos de fato enxergavam os prateados, e também sentiu na pele o que Mare sentiu por ser diferente. Maven é pintado como um rei tirano no começo da estória, mas nesse ponto eu ainda o via como o cara aliado e afetuoso do livro anterior. Isso mudou totalmente com as atrocidades infringidas por ele. E não foi pouco, foi um rastro de sangue deixado para torturar psicologicamente seu irmão e Mare. Não pude mais negar que ele realmente era cruel.

O que mais me chamou atenção foi a descoberta de sangues novos. São habilidades que até mesmo os prateados desconhecem, e também, são mais fortes que eles. Senti uma pegada meio X-Man na busca de Mare por seus semelhantes, são pessoas que podiam mudar sua aparência, ter a pele impenetrável, ou até mesmo, matar com o pensamente. Ao mesmo tempo que era divertido essas descobertas, era também angustiante porque o perigo sempre estava a espreita ameaçando toda e qualquer esperança que eles ousassem ter. O enredo inteiro tem essa pegada, e como sempre, o final é tão impactante como no seu antecessor.

Dessa vez não temos de fato um romance. Mare e Cal se aproximam e sabem que se amam, mas não demostram isso pela natureza das situações. E convenhamos, foi bem melhor não ter cenas de romance pois quebraria totalmente a tensão que a autora pôs na estória, quem sabe no próximo livro isso possa ser encaixado de forma que não comprometa o desenvolvimento, mas por hora, achei sensato e adequado essa decisão.

"Ninguém nasce mau, assim como ninguém nasce sozinho. As pessoas se tornam más e solitárias, por escolha e circunstância. Esta última você não pode controlar, mas a primeira... Mare, temo muito por você."

O livro físico em si está maravilhoso. Seguiu o padrão do primeiro com a capa metalizada e relevo na coroa e título. A diagramação está perfeita com letras e espaçamentos para uma ótima leitura. Acho super legal a editora incluir um marca páginas do livro na aba posterior, desse jeito todos que adquirem o exemplar o possuem, mas confesso que morro de dó de destacá-lo (risos).

A espada de vidro me surpreendeu bastante e isso se deve ao fato de ter odiado o primeiro livro, quase desisti dessa continuação. Foi bem gratificante ler uma obra que cresceu tanto. indico muito para aqueles que assim como eu, acharam o primeiro livro razoável e ainda mais pra quem quer conferir uma estória onde podemos ser imersos nas páginas. A leitura é eletrizante e os acontecimentos chocantes. Vale muito pena continuar e não vejo a hora de ver o que mais a autora tem mais a oferecer.


5 comentários:

  1. Tenho os primeiros livros dessa série adquirido, porém ainda não li, pois confesso que não tenho muita paciência em esperar o lançamento da continuação, que geralmente demora para ser publicado. Enfim e uma pena que o primeiro livro tenha sido superficial, e com uma trama uma quanto não original, mas que nessa continuação a estória tenha amadurecido, e apresentado personagens envolventes, e com algumas revira voltas.

    ResponderExcluir
  2. Poxa! Eu não li o primeiro livro e achei que seria bom... mas você disse que odiou e achou superficial, dei uma desanimada. Como esse é a continuação, eu li meio por alto com medo de spoilers, rs, mas acho que você foi bem honesta na resenha e nas suas impressões. Eu tenho muitos problemas com personagens rasos, então agora estou dividida entre ler ou não. =(

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Oi Stefani!! Eu não li A Rainha vermelha, mas sempre tive curiosidade porque achei a sinopse legal, mas fiquei impressionada vc ter continuado com a leitura, mesmo tendo odiado o primeiro livro. Não sei se teria essa força de vontade hehehehe mas que bom que foi uma surpresa positiva! Adorei a resenha!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Stefani!
    Discordarei de você apenas no fato de não ter gostado de A Rainha Vermelha, quando li, achei uma das melhores distopias.
    E saber que nesse livro a autora amadureu e modificou o perfil das personagens e ainda incluiu os sangues novos, mostrando que não apenas Mare é diferente, mas que tem outros, deve ser bem empolgante.
    Preciso ler essa continuação.
    Desejo uma ótima semana!
    “Conhecer os outros é sabedoria. Conhecer-se a si próprio é sabedoria superior.” (Lao-Tsé)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  5. Hey! Não sabia que Coroa Cruel era 0.5, achava que vinha depois de Espada de vidro rs. Enfim, é complicado quando demoramos a ler continuação porque demoramos mesmo a lembrar em que ponto paramos e o que estava acontecendo.
    Olha, primeiro livro que eu vi que se livrou da maldição do segundo volume, viu? Em geral o primeiro é bom e a continuação é ruim :P legal saber que a autora soube se aprofundar nessa obra e que não teve foco em romance, afinal distopia não precisaaaaa de romance!
    Tomara que a finalização da trilogia/série seja boa pra você! Beijos

    ResponderExcluir