30 maio 2017

LUZ, CÂMERA E AÇÃO [33]


Título: O Som do Coração
Data de Lançamento: 06 de Outubro (Mundial)
Direção: Kirsten Sheridan
Elenco: Jonathan Rhys Meyers, Freddie Highmore, Keri Russell, Robin Williams
Gênero: Drama/Romance
Duração: 1h 54m
Música composta por: Mark Mancina
Roteiro: Nick Castle, James V. Hart
Autores: Nick Castle, Paul Castro                      

Evan Taylor (Freddie Highmore) é resultado do encontro casual entre um músico e uma violoncelista. Criado em um orfanato e dotado de um dom musical impressionante, ele se apresenta nas ruas de Nova York ao lado do divertido Wizard (Robin Williams). Contando apenas com o seu talento musical Evan decide usá-lo para encontrar seus pais.


Lyla Novacek (Keri Russell) e Louis Connelly (Jonathan Rhys Meyers) tem algo em comum - a música, e esse é o ponto de partida para uma aproximação instantânea que resulta em algo a mais depois de um breve encontro. Ela, uma violoncelista talentosíssima, boa filha, que faz sempre o que todos esperam dela, inclusive o pai.

Lyla ama o que faz, mas ao mesmo tempo se sente soterrada pelas cobranças feitas por seu pai exigindo que ela se dedique cada vez mais à profissão e seja a filha perfeita.

Louis Connelly é um jovem músico e vocalista de uma banda que tem como guitarrista seu irmão mais velho, Marshall. Juntos com a banda os irmãos tocam pelos bares de Nova York. Então, em uma noite, após a apresentação de Lyla  em um concerto e de Louis e sua banda em uma casa noturna, os dois se conhecem e se encantam um pelo outro.





O que tinha tudo para ser um romance normal como outro qualquer se complica depois que o pai de Lyla interfere na relação e, a partir daí vem muito sofrimento para ela.

Aquela única noite de interlúdio amoroso tem como consequência uma gravidez. Após tantos anos longe de Louis por conta de seu pai, Lyla ainda é uma mulher jovem, porém muito sofrida já que em seu coração existe um vazio por conta da "perda" de seu filho em uma armação orquestrada pelo próprio pai. Ela e Louis não se veem  há mais  de dez anos. Sua carreira como violoncelista é abandonada e ela se torna professora particular de música.

Louis também abriu mão de sua carreira e trabalha em uma grande empresa, metido em ternos caros, mas com o coração saudoso de uma época em que cantava e tocava na banda. Seu coração ainda pertence àquela linda jovem que conhecera há mais de dez anos. Então ele decide que ainda há tempo para encontrá-la e parte em busca de seu paradeiro.

Lyla por sua vez  ao ficar sabendo do ato vil praticado contra ela por seu próprio pai enfim encontra um sentido para sua vida, ir em busca da verdade que a separou durante tanto tempo de seu filho.


Voltamos então a Evan Taylor/August Rush (Freddie Highmore). Vivendo em um orfanato desde o seu nascimento, Evan é um menino muito sensível, doce e terno, que tem na música a grande inspiração de sua vida. Ele tem certeza que através da música encontrará seus pais, e por isso todo o som que ele ouve, seja uma bola quicando no chão, o barulho do vento, o canto dos pássaros e etc. Tudo é motivo para ele criar a música dentro de si mesmo. Partindo disso, ele vai em busca dos pais.
Chegando a Nova York, a Big Apple, ele se assusta  com a imensidão da cidade e conhece Wizard,  (Robin Williams), um aproveitador e aliciador de crianças que moram nas ruas. Ao se dar conta do talento de Evan ele acredita que irá ganhar muito dinheiro às custas do garoto, e decide mudar seu nome para August, pois assim ninguém o encontrará.

Por algum tempo August/Evan aceita a situação, mas em seu íntimo ele não consegue deixar de lado a certeza de que encontrará seus pais somente através da música, ou melhor, da sua própria música.
Evan é um menino prodígio, e tendo a música vibrando dentro de si de uma forma única e singular ele compõe sua própria música e consegue que ela seja executada pela grande e renomada Escola de Música Juilliard, acreditando que seus pais o ouvirão de onde quer que eles estejam e o encontrarão, mas Wizard não está disposto a perder sua "galinha dos ovos de ouro" e fará de tudo para impedir que o menino consiga seu intento. Só que ele não contava com o som do coração, aquele chamado visceral do amor e do sangue que é capaz de superar os maiores obstáculos e unir os corações há muito separado. E quando Evan se liberta de sua influência e consegue estar presente no momento em que os músicos estarão tocando sua música o milagre acontece. Tudo aquilo que ele sempre sonhou que aconteceria está bem diante dele, e por mais que ele tenha imaginado, a realidade se faz mais sublime e bela do que qualquer suposição.



[ - Minhas Impressões -]

Eu me lembro de ter chorado bastante ao assistir esse filme da primeira vez, por causa da estória em si. Eu já havia me tornado mãe à época e pensei que se minha filha fosse tirada de mim por qualquer motivo que fosse, eu não mediria esforços para encontrá-la. Então, todas as vezes que eu o assisto ( que não são poucas) me emociono.

O filme me toca por vários motivos, um dos quais já mencionado acima. Mas vou enumerar aqui o que mais me emocionou na estória:  Primeiro: O desempenho e atuação de Keri Russell como uma mãe que sofre pela ausência do filho é muito convincente. Eu me vi sofrendo junto com ela.

O que é Freddie Highmore ainda criança, com aquelas covinhas lindas e aquele enorme talento? É realmente impressionante o quanto esse menino (hoje um jovem rapaz) é bom no que faz.
Eu queria poder abraçar seu personagem e dizer que tudo iria ficar bem e que ele conseguiria encontrar os pais.

Jonathan Rhys Meyers além de lindo é muito bom ator e nesse filme ele deu um show de interpretação! E canta muitíssimo bem!

É muito gostoso poder rever o inesquecível e saudoso Robin Williams, que é um dos melhores atores que eu já tive o prazer de ver atuar. Pena que ele não esteja mais entre nós.

E por último: O filme é belo de uma maneira simples. Ele flui sem se prender muito ao drama, já que nós podemos ver a estória através do ponto de vista do Evan pois ele se torna  meio que o narrador de sua própria história, tornando-a muito mais atrativa e interessante.

Acredito que de tudo que assistimo podemos tirar alguma lição ao final, e com esse filme não foi diferente para mim e também não será diferente para todos àqueles que já o assistiram e que ainda o assistirão. Ele me ensinou que nós não podemos desistir dos nossos sonhos e que devemos seguir em frente com fé acreditando que somos todos muito capazes.
O filme conta também com uma trilha sonora maravilhosa com nomes dos grandes compositores de música clássica de todos os tempos. Esse repertório me agradou muito, já que sou uma grande fã e adoro filmes que tem em seu repertório esses sons não muito comuns em filmes contemporâneos.

Eu encaro esse filme como uma grande lição de vida.







Participe! - Já está valendo!









3 comentários:

  1. Olá. Nunca assisti a esse filme, mas já ouvi falar. Amo amo amo o Freddie Highmore, ele é simplesmente brilhante como ator. Vou colocar na minha lista pra assistir quando tiver tempo, rs.

    ResponderExcluir
  2. Kaline!
    Nem fale... a cada vez que assisto esse filme, choro baldes.
    Acho o filme de uma sensibilidade fora do normal.
    Os pais são músicos e o filho tem o 'dom' de ver música em tudo e o melhor, é que ele não se deixa abater pelas situações difíceis que passa, está sempre disposto a ajudar com toda sua ingenuidade...
    Acho perfeito!
    Desejo uma semana tranquila!
    “Uma pergunta prudente é metade da sabedoria.” (Francis Bacon)
    Cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  3. E a primeira vez que vejo falar sobre esse filme, e me encantei por essa estória, primeiro pela forma como de modo geral a forma como o personagem vive e luta por encontra por seus pais, e algo que envolve em assistir a trama, outro ponto, e o fato dos atores de entregar de corpo e alma a essa atuação, fazendo com quem nos telespectadores sentimos a realidade da emoção que eles sente. Amei sua resenha, e fiquei com uma grande vontade de assistir ao filme.

    ResponderExcluir