últimas resenhas

Resenha: Arquidata - A Dama da Espada e o Segredo do Medalhão



Livro: Arquidata: A Dama da Espada e o Segredo do Medalhão
Autora: Raquel Cassiano (Parceria)
Páginas: 333 páginas.
Editora: Chiado
OndeComprar: Amazon

Sinopse: A jovem Gaia Nadima, pode-se dizer, não teve muita sorte na vida. Ainda criança, foi encontrada no mar sem nenhuma lembrança de quem era, de onde vinha ou de como chegara até ali. O nome que, supostamente era seu, estava num lenço encontrado em suas roupas, do qual ela nada sabia. Acabou sendo deixada em Aura, uma cidade pequena, mas muito inquieta. Enviada ao orfanato local, a menina sem memória tem de se adaptar as condições quase sub-humanas de sua nova vida atendendo aos desmandos da Senhora Oliver, a dona do lugar. Uma mulher que apesar do nome doce, era tão amarga quanto fel. Ranzinza, rude e mesquinha ela dedicava seus dias a fazer da vida dos internos um inferno. Gaia, como árvore no deserto, sobrevive ao descaso e amargura da velha senhora. Seu prêmio? Trabalhar, como criada, na escola de Vale Verde, a única da cidade. Lá, mais uma vez, ela se depara com humilhações e maus tratos, até que conhece Meredith Walorne, uma professora destemida e misteriosa que fará sua vida pacata e sem expectativas tomar um rumo inesperado.

"E se, estas duas palavras aparentemente insignificantes, nada diziam por si só, mas quando colocadas no início de uma frase, dentro da cabeça de Gaia, representava o nascimento de uma ideia brilhante, mas naquele dia, elas pareciam estar fadadas a morrer no minuto seguinte".


Gaia era uma doce menina, mas, não se recorda do seu passado, não conseguia lembrar de onde vinha e nem tão pouco quem ela verdadeiramente era. Foi encontrada sozinha, acompanhada por um lenço, esse a qual estava escrito o seu nome. O seu nome era a única coisa que ela sabia sobre si mesma. Ao ser resgatada, foi levada para um orfanato.

A senhora Oliver, proprietária do orfanato era uma mulher rude, de difícil convívio, usava as crianças que estavam no orfanatos para ter estabilidade financeira. Diferente do que Gaia pensou, ela não estava sendo acolhida para viver bem até descobrir a sua origem ou relembrar alguns momentos de sua vida e sim para ser escrava da temida Oliver. Ela fazia com que todos obedecessem suas regras, impondo punição severa a quem contrariasse ela.

No orfanato, Gaia fez amizade com Nyssa, que tornou-se sua melhor amiga, por isso Nyssa deixava bem claro em suas falas com quem elas estavam lidando, a senhora Oliver não tinha pena de ninguém. E utilizava até mesmo alguns deles para ir para uma casa de fins sexuais. Ela oferecia as meninas mais formosas para Madame O’ del, a cafetina da cidade, porém, essa oferta acontecia somente quando elas atingiam a idade de dezesseis anos, que era considerada maioridade na cidade.

Marcus, era um menino que vivia debaixo das ordens da senhora Oliver, no entanto, diferentemente dela, ele tinha sentimentos, então se pudesse protegeria todos do domínio de Oliver.


Nyssa segue caminhos distintos de Gaia, devido a um acontecimento surpresa. Gaia mesmo tendo a chance de partir do orfanato escolheu ficar para não prejudicar a amiga, caso ela fosse encontrada. Posteriormente ao acontecimento, Gaia sofreu violência, porém, mesmo que a dor física estava diminuindo sua força até mesmo de permanecer em pé, permaneceu sem derramar uma lágrima sequer. Ela queria se demonstrar forte o tempo todo, mesmo que em diversos momentos se sentia fraca e confusa pelo rumo a qual a sua vida estava tomando.

Ao completar dezesseis anos, a senhora Oliver decidiu vender Gaia, ela foi comprada por um ótimo valor, esse a qual possibilitou novas oportunidades na vida de Gaia. A menina já havia se tornado uma moça e passou a perceber que tinha comportamentos diferentes que poderiam ajudar pessoas e a si mesma, de certa forma, entendeu a sua mudança de comportamento como um dom que havia se enraizado nela.

Ao ser encaminhada para uma escola, chamada Vale verde, encontrou o mesmo cenário anterior que vivenciava no orfanato. Entretanto, naquela escola, uma professora chamada Meredit, ao se aproximar dela, Gaia sentiu algo familiar, mas não sabia o motivo. No entanto, certo dia, Gaia recebe uma missão de entregar um colar a um determinado homem, devido a turbulência a qual Meredit foi exposta, então, ela decidiu confia o colar nas mãos de Gaia que a levou ao encontro das respostas das inúmeras perguntas a qual estava fazendo desde o dia que reconheceu que não sabia nem mesmo quem ela era.


"Teria descoberto de onde vinha? Quem era? Talvez nunca tivesse a resposta".

A capa do livro condiz com o desfecho do enredo, a diagramação é simples, há erros gramaticais e ortográficos notáveis durante alguns trechos. A leitura é de fácil compreensão, a escrita não fluiu tanto tanto quanto eu esperava, foi um pouco cansativa, demorei bastante tempo para concluir a leitura, embora os capítulos sejam curtos. O livro é dividido por capítulos, contendo 35 capítulos com títulos. O livro traz mensagens importantes, como por exemplo: o valor de uma amizade, assim como Nyssa e Gaia eram amigas, de modo que Gaia queria que Nyssa fosse feliz, mesmo que isso custasse a sua própria dor.

A forma a qual Gaia permanecia sendo ela uma boa pessoa diante do comportamento das pessoas do orfanato e do colégio que eram ruins, demonstra claramente que não devemos mudar a nossa essência, mancha-la com a maldade, por causa das coisas ruins que as pessoas fazem conosco, alguns podem até perder a sua essência, mas nós não devemos perder a nossa e sim cultiva-la. Sendo o melhor, mesmo recebendo o pior.

Além disso, traz a ideia da busca pela compreensão de quem somos, Gaia, questionava constantemente quem ela era e foi um processo lento para que ela pudesse descobrir, isso demonstra que, quando temos desejo de conhecer quem somos e quem podemos nos tornar, devemos ter a sabedoria de aceitar os processos que farão parte dessa etapa de conhecimento, pois são eles que manterão as nossas raízes intactas.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário