13 abril 2017

Resenha - Willow

Título: Willow
Autora: Julia Hoban
Editora: LeYa
Páginas: 352
Skoob / Goodreads
Onde comprar: Amazon / Saraiva

Sete meses atrás, em uma noite chuvosa de março, os pais de Willow acabaram bebendo muito durante o jantar e pediram a ela que guiasse o carro até em casa. Por uma fatalidade, Willow perdeu o controle do veículo e seus pais morreram no acidente. Consumida pela culpa, Willow deixa para trás sua casa, amigos e escola e, enquanto tenta retomar a relação de afeto e companheirismo com o irmão mais velho, secretamente bloqueia a dor da perda cortando a si mesma. Mas quando Willow encontra Guy, um rapaz tão sensível e complexo quanto ela, mudanças intensas começam a acontecer, virando seu mundo de cabeça para baixo. Contado de modo cativante e doce, Willow é um romance inesquecível sobre a luta de uma jovem para lidar com a tragédia familiar e com o medo de se deixar viver uma linda história de amor e cumplicidade.










Willow era uma garota como outra qualquer. Tinha uma rotina normal, ia para a escola sem pensar em como se comportar, passeava após as aulas ou fofocava pelo telefone com sua melhor amiga, suas maiores preocupações ou tristezas eram com as matérias escolares ou coisas fúteis do tipo... Mas isso foi até ser tocada pela morte.

Willow considera ser a assassina dos pais por estar dirigindo quando o fatídico acidente aconteceu, e o pior de tudo: ela própria se culpa pela tragédia.

O livro é narrado em terceira pessoa e descreve apenas os cenários de Willow, então nos é apresentado seus sentimentos e ponto de vista, o que não abre muita margem para os personagens secundários por causa dos bloqueios sociais que ela possui. Conhecemos os outros personagens por meio dos diálogos que ela o segue manter.


[ - Minha Impressões - ]

Após terminar a sinopse, fiquei meio receosa quanto a leitura do livro. Quando se trata de um enredo em que o personagem principal - ou até mesmo algum secundário - sofre com qualquer tipo de transtorno, fica complicado opinar sendo leigo no assunto. Eu, por exemplo, não tenho nenhuma experiência pessoal para comparar ou até ter uma base sólida, então minha interpretação pode divergir das demais e até mesmo da correta.

O que me deixou abalada com o livro, foi a saída que Willow utilizou para se privar da dor e sofrimento causados pelo luto. Ela se autoflagela usando lâminas (pelo que entendi é daquelas de barbear, que se coloca numa navalha) e se corta na parte do corpo que estivesse mais acessível no momento em que precisasse.

"Finalmente (...) sua mão se fecha em um metal liso. (...) Ela arregaça as mangas. A ferida feita pela lâmina mata o ruído."

Sinceramente, não sei bem como expressar o que senti ao me deparar com um ato desse, pois como já disse, nunca sofri uma perda tão devastadora para conhecer o nível de tristeza ou desepero. O ensinamento que pude perceber no livro, é que não podemos julgar nem apontar o dedo, porque cada um reage de uma forma a determinada situação e por mais que se simule ou imagine, ninguém sabe como irá reagir até que sinta a experiência na pele. O máximo que se pode fazer - e o mais correto - é aconselhar a buscar ajuda profissional, pois é uma forma de doença que precisa de acompanhamento e dar apoio emocional.

A história é envolvente, cativante e de certa forma abre nossos olhos para uma realidade que pode estar bem debaixo do nosso nariz e a gente nem sonhar com algo dessa magnitude.

O ponto chave e a (BENDITA!!!) luz no fim do túnel é quando Guy aparece na biblioteca da universidade onde Willow trabalha, três tardes por semana. Dizer que eu amei ele, seria o eufemismo do ano! Apesar de ser um rapaz de apenas 18 anos, Guy é dono de uma maturidade que não achei em diversos personagens mais velhos e tem o caráter forte, mesmo às vezes ter demonstrado ser tão vulnerável. Porque também é impossível estar 100% ok o tempo todo, né gente? Ainda mais com a carga emocional que ele próprio se dispõe a carregar...

O relacionamento desenvolvido entre Willow e Guy foi algo crescente e natural, nada corrido ou forçado. E tudo se inicia através de um simples e inocente debate sobre um livro que ambos apreciam quando os dois estão nas estantes da biblioteca.

"– Você conhece este livro? Quer dizer, você já leu Tristes Trópicos? – ele pergunta enquanto tira o livro das mãos dela.
– Sim, algumas vezes, na verdade – Willow diz após alguns segundos.
(...)
– Eu nunca encontrei ninguém que já tivesse lido este livro! – Guy parece impressionado. – É incrível, não é? – ele diz enquanto folheia as páginas."

O que achei bonito na relação deles foi que Guy, em momento algum, forçou a barra com a Willow. Ele tentava apresentar novas alternativas para ela sem se impor e sim estando ao seu lado. Ele foi tão paciente e cativante, que Willow se abriu como nunca tinha feito com ninguém antes, e assumia coisas que eram desconhecidas para ela mesma até o momento, pois o único que descobriu e que sabe sobre a autoflagelação, é Guy.

Para entender melhor, a Willow se fechou para o mundo exterior e evitava ao máximo qualquer interação com as pessoas, e graças ao Guy, sua gama de amigos se alargou e recebeu Laurie e Chloe. Mesmo sem saber dos segredos que Willow carrega, as duas são simpáticas, acolhedoras e as únicas que ela consegue lidar sem - muitos - constragimentos, coisa que ela não conseguia evitar com as demais pessoas. A única exceção a regra é Carlos, atendente na biblioteca junto com ela. Não há intimidade o suficiente para se chamarem de amigos, mas ela não se sente desconfortável na presença dele.

Outro ponto importante, é o relacionamento de Willow com seu irmão, com quem foi morar depois do acidente. David é 10 anos mais velho que ela, é casado e tem uma filhinha de 6 meses. De um jeito estanho, eles não tocam no assunto "morte dos pais", que só é evitado porque David sempre se esquiva ou muda de assunto. Eles se tratam com distância, respostas monossilábicas e indiferentes.

"Grite comigo. Bata-me. Faça qualquer coisa. Mas pare de ser assim! Pare de agir como se nada tivesse acontecido! Pare de agir como se você estivesse bem com tudo isso!"

Willow acredita piamente que está atrapalhando a vida de seu irmão, que ele a culpa por toda a tragédia e que já não sente mais amor por ela.

"E ela está particularmente envergonhada por achar que comprar um livro para David o faria amá-la novamente."

"Wilow coloca uma das mãos sobre a boca. Ela está perto, perigosamente perto de desmoronar. Se alguma coisa pudesse fazê-la sentir o horror absoluto, a dor de sua situação, seria isso – a certeza de que perdera o amor de seu irmão para sempre."

Willow tem medo de deixar seus sentimentos assumirem as rédeas da situação pois ela pode não ser forte o suficiente para se impedir de sucumbir ao sofrimento. Coisa que ela teve uma base de comparação com seu irmão, quem encontrou em momentos de puro abandono durante a madrugada em sua cozinha.

"Ela não está tão assustada agora, apenas boquiaberta. Impressionada, ao contrário de como ficara da última vez, por quão forte ele deve ser para poder suportar tanta miséria."

"Ela sente um leve conforto pelo fato de seu irmão ser capaz de sentir esse luto. Assim, ele nunca terá que recorrer aos remédios a que ela recorre, que ele tem uma reserva inesgotável de força que o permite chorar de tal forma.Não, ela mesma está longe de ser assim tão forte."

Enfim, mesmo com a hesitação inicial, todo receio que senti foi por água abaixo durante o desenrolar da história. O ponto negativo e o único para mim, foi o final. O finalmente mesmo. Lógico que nem toda história vai ter seu final clichê "e viveram felizes para sempre" escrito e escarrado, mas senti falta de um desfecho mais consistente. A autora deixou subentendido que Willow tomou sua decisão, porém a segunda alternativa permanecia bem aberta também. Enfim, não foi o final perfeito nem esperado, mas o livro no geral me agradou muito, muito mesmo e o achei  surpreendente e emocionante.

"– Willow – Guy morde seus lábios. – Eu sou seu namorado agora – (...) – Essa caixa de lâminas não pode mais ser sua amante, não importa o quanto elas estiveram presentes aí para você no passado."

Não é um livro muito extenso nem arrastado apesar de, às vezes, eu querer pular partes - por pura ansiedade - pra saber o que realmente acontece com a Willow. A leitura é fluída e a escrita de fácil entendimento, sem aquele excesso de palavras bonitas mas rebuscadas. Li o e-book e nele não encontrei erros de revisão. Houve muitas repetições da expressão "Quer dizer" por parte dos personagens, como se estivessem indecisos sobre o assunto. Me incomodou um pouco, mas não ao ponto de atrapalhar a história.

Recomendo a leitura para quem deseja sair um pouco da rotina e conhecer novos cenários e temas. E pra quem já curte a temática, é uma boa pedida!

Beijos e até próxima, na semana que vem...
XOXOXO


44 comentários:

  1. Olá Jessica!

    Adorei a resenha, esses quotes então, me deram vontade de ler esse livro.

    Eu amo clichês haha

    Beijão,
    www.cretinaliteraria.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Os clichês tem um espaço considerável no meu coração viu! E é impossível não ama-los! Espero que a leitura te agrade assim como me agradou. Bjs!

      Excluir
  2. Ola
    Eu não conhecia esse título, mas fiquei bem curiosa a respeito da premissa, e amei os quotes também. Gostaria de saber mais a respeito da ambientação e personagens, e até sobre esse final ao qual você comentou. São elementos que chamam a minha atenção!
    Beijos, F

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!!!
      Esse livro foi uma novidade para mim, pois eu não esperava toda a carga que ele carrega. Obrigada pelo comentário e espero que goste da leitura assim como eu!
      Bjs.

      Excluir
  3. Oi, Jéssica!
    Já tinha visto esse livro por aí, mas nunca tinha parado para dar uma olhadinha.
    Uma pena o final não ter te agradado de todo, mas o livro parece bem interessante. Willow parece uma protagonista que vai me conquistar e me deixar emocionada. Guy parece muito fofo! Mas confesso que estou com medo de ler e não curtir esse final. Espero ter a chance de ler um dia.
    Obrigada pela dica!
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      O final foi o único ponto negativo para mim. Mesmo com algumas atitudes que a deixam "chata", é completamente compreensível as ações da Willow, dado seu histórico de vida. O Guy é o ponto mais alto, totalmente apaixonante. Espero que o livro seja agradável para você. Obrigada pelo comentário... bjs!

      Excluir
  4. Hm... esse tipo de final não me agrada. Esses dias terminei um livro e precisei voltar pra ver se tinha deixado passar alguma coisa. Acho que, em alguns momentos, essa pode ser uma leitura meio pesada né?! Mas que bom que o romance foi construído de forma natural, acho muito ruim quando forçam esse tipo de coisa nos livros.
    A história não chamou muito a minha atenção, então acho que não leria agora... E preciso dizer que achei essa capa bem feinha haha.

    ourbravenewblog.weebly.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Acho que sou muito fã dos finais "Felizes para sempre"... Não consigo parar kkkk
      Mas o livro no geral é muito bom e envolvente. Espero que no futuro você dê uma chance. E essa capa é bem esquisita mesmo.
      Bjs!

      Excluir
  5. Oi. :)
    A premissa é maravilhosa, fiquei curiosa pra saber o final desse romance.
    Gosto de ler algo do gênero, onde o amor chega pra ajudar a superar tudo, o que é sempre algo bom.
    Parabéns pela resenha.
    Blog As Meninas Que Leem Livros
    Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      É uma história muito envolvente. E esses assuntos sempre mexe com nossos sentimentos. Espero que goste...
      Obrigada pelo comentário!
      Bjs!

      Excluir
  6. Ai Jessica, super te entendo sobre querer pular partes por ansiedade. Sou dessas, mas nunca tenho coragem de pular. Fiquei bem curiosa coma Willow e quero ler o mais rápido possível.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né Ivi? A curiosidade é sempre maior que a ansiedade, então não consigo. hehehehe
      Que bom que gostou da resenha e espero que o livro te agrade assim como me agradou...
      Bjs!

      Excluir
  7. Olá, acredito que essa seja a primeira resenha que leio desse livro, ele traz uma temática forte, que não sei se é o que procuro no momento, mas acredito que seja bom haver um livro que fale sobre a autoflagelação, para que mais pessoas possam conhecer o assunto e entender que é uma situação onde a pessoa precisa de ajuda especializada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente Mari. Não é uma leitura leve, mas não chega a ser pesada ao ponto de te fazer dar pausas para conseguir respirar. O importante no tema abordado é justamente nos fazer prestar mais atenção ao nosso redor e talvez conseguir identificar alguns sinais, o que pode ser crucial para socorrer/ajudar as vítimas. Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  8. Oi, tudo bom?
    Eu sempre sofro quando o livro todo é lindo, perfeito, mas não tem final! Tem gente que gosta de poder imaginar o fim que quiser, mas eu sempre quero respostas exatas do autor, rs. Então deixarei passar a dica pra não passar raiva ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é xará! Rsrs
      Me sinto um pouco "roubada" quando acontece isso no final. Mas gostei muito da leitura sabe. Valeu a pena e consegui relevar a falta numa boa...
      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  9. Oie!
    Confesso que li esse livro ha algum tempo, e não lembro de todos os detalhes da trama. Preciso ler novamente para lembrar tudo o que acontece. Adorei a sua dica, pois fiquei curiosa para lembrar a trama. Vou voltar a ler.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A releitura é muito importante para conseguirmos captar detalhes perdidos ou então apenas para relembrar a trama. Bom saber que a resenha despertou sua vontade em reler...
      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  10. Olá! :)

    Nunca tinha visto nada sobre esse livro e achei a premissa bem interessante!

    Adoro livros com essa temática pois gosto de leituras diferentes, com temas impactantes que me acrescentam algo !

    Adorei a resenha!

    Beijos!
    Jess
    www.pintandoasletras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essas temáticas diferentes sempre carregam aprendizados valiosos... Fico feliz que gostou e agradeço pelo comentário!

      Excluir
  11. Olá!
    Primeiro: Adoro essa capa, segundo: a sinopse me pegou, terceiro: sua resenha acabou de me convencer que quero esse livro pra mim! Gostei muito da trama e fiquei curiosa com todo o desenrolar dela. mesmo sabendo que o final não te agradou o bastante.
    Abs
    Nizete
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nizete!
      Que bom que gostou!
      Esse livro é daqueles que nos prende mesmo, sabe? Teve o ponto negativo, mas talvez sua opinião seja diferente da minha... Uma boa leitura, e obrigada pelo comentário!

      Excluir
  12. Olá!! :)

    Eu não conhecia este livro mas ainda bem que gostaste de fazer a leitura assim tanto! Deixaste-me curioso com isso...

    Bem, acho ótimo que o leitor fiquei tao agarrado, ansioso por saber o que acontecerão com a protagonista...

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É curiosidade que não acaba mais rsrsrs.
      É uma boa leitura e que agrada.
      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  13. Oi! Parece ser uma história bem emocionante. Dificilmente saberemos exatamente o que uma pessoa passa para tomar certas atitudes. As vezes a única coisa que podemos fazer é tentar se colocar no lugar do outro e respeitar sua decisão.
    Adorei a resenha! Dica anotada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Sim, essa mensagem é passada com força. É importante ajudar as pessoas que passam por traumas e não julgar ou se afastar. Isso pode agravar a situação e chegar ao ponto de causar uma tragédia maior...
      Espero que goste da leitura e obrigada pelo comentário!

      Excluir
  14. Oi, é a primeira vez que tenho contato com essa obra e com o que ela trata, mas confesso que me interessei bastante por trazer uma temática tão diferente assim e tão pesada, mas essencial que se fale. Eu posso dizer que entendo um pouco desse sentimento, e me identifiquei um pouco com a história, já tive contato com isso anteriormente e por isso me faz ter um conhecimento um pouco maior. Com toda a certeza não é um livro banal ou simples para ser lido de qualquer forma, mas acredito que é um que muita gente deveria conhecer para tentar entender um pouco sobre como se sentem aqueles que sofrem! Acho que mesmo o final estragando um pouco (porque eu realmente odeio quando o autor não consegue encerrar a obra definitivamente seja da forma que for), ainda sim é uma leitura válida e que quero fazer o mais breve possível. Obrigada mesmo por falar sobre essa obra e contar sobre o enredo e sobre suas impressões. É extremamente importante que mais pessoas fiquem sabendo sobre! Parabéns pela resenha <3
    Um beijo
    www.brookebells.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Me senti lisonjeada com seu comentário! Rsrsrs
      Mas esse foi o motivo principal que escolhi para fazer a leitura. O tema é muito importante e crucial mesmo... A mensagem de alertar as pessoas que isso não é uma brincadeira nem palhaçada, está presente e a senti marcante na leitura.
      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  15. Oii, tudo bem?
    Não conhecia a obra e quando vi o título pensei que era um livro sobre a filha do Will Smith, ahahaha. Ele tem uma temática bem forte (apesar de eu achar um pouco clichê), mas parece ser muito bom!
    Gostei da dica, anotadinha aqui.
    Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paula!
      Nossa, jamais pensei que alguém teria um pensamento desses kkkkkkk
      Enfim, fico feliz que gostou da dica e que a tenha anotado. Obrigada pelo comentário!!!

      Excluir
  16. olá, Jessica. Achei a premissa interessante,mesmo nao sendo um gênero que estou habituada em ler sempre... sobre o lance de se cortar, bem... já vi pessoas próximas a mim fazendo esse tipo de coisa [alunos], realmente é complicado lidar com essas coisas...
    já tinha ouvido falar do livro,mas nao sabia praticamente nada a respeito dele, mas sua resenha me deu mais interesse pra fazer a leitura...
    bjs ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maria!
      Eu não tive nenhuma experiência com alguém próximo a mim, mas só pude supor que deve ser doloroso. A força para ajudar deve ser algo espontâneo, espero.
      Tomara que você goste da leitura... Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  17. Eu já vi esse livro algumas vezes, e apesar de achar a capa linda, nunca parei pra saber do que se tratava. Lendo suas impressões, fiquei bem angustiada. Sou professora, e já tive casos de alunos que se cortavam, e te digo que não é nada agradável. Entendo quando você diz que é complicado dar uma parecer sem entender do assunto. Mas infelizmente a leitura não me atraiu.

    ;D
    Nelmaliana Oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que pena não é uma leitura que tenha te agradado, mas obrigada pelo comentário!!!

      Excluir
  18. Olá, Jessica

    Não conhecia o livro. Achei sua resenha bem explicativa, mas não me interessei muito pela história. Achei a parte da autoflagelação muito pesado, não gosto de nada do tipo, sabe? Mas creio que acompanhar o crescimento dela e sua relação com o irmão seja interessante, mas não é algo que me chame tanto a atenção no momento.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tamires!
      É uma leitura que precisa estar bem até mesmo para entender a mensagem passada... Que pena não te atraiu, mas muito obrigada pelo comentário!!!

      Excluir
  19. Oie! Tudo bem?

    Bem no inicio que eu havia começado a ler esse livro era um dos que eu mais queria realizar a leitura, mas o tempo passou e deixei de lado, mas agora olhando sua resenha, senti vontade novamente de conhecer a história dessa obra, vou tentar ler ela em breve!

    Bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia sim Nay... É uma leitura, de certa forma, gratificante. Vale a pena!
      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  20. Oi Jessica, como está?
    Primeiro, a sinopse do livro me deixou bem triste. Nunca é fácil perder alguém, ainda mais de um modo tão horrível.
    Segundo, a tua análise foi bem contundente e profunda. É difícil olhar para a situação da Willow e não ficar com o coração na mão imaginando o que ela fará, ainda mais quando ela se sente consumida pela culpa. Uma situação muito parecida com a de um jogo que estou jogando, em que uma das personagens, a Futaba, perdeu a mãe quando essa se matou se jogando de uma ponte.
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://rillismo.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Renata!
      Sim, a estória deixa um aperto no peito por causa do que acontece, mas é cativante também. Você torce para que a Willow consiga superar tudo.
      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  21. Oii Jessica, tudo bem? Gostei muito da resenha! Já vi esse livro em algum lugar antes, mas essa é a primeira resenha que leio sobre ele. Achei a premissa mega instigante, e por essa capa (que eu não gostei) eu não imaginava se tratar de uma trama tão delicada. Já quero ler!!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa deixa um pouco a desejar mesmo né? Kkkkk
      Mas aquele ditado "Não julgue um livro pela capa" se encaixa perfeitamente aqui. É uma leitura que vale muito a pena!
      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  22. Olá!
    Eu não conhecia essa história, mas achei muito interessante. Eu gosto de ler livros que trazem os dramas de um personagem, porque muitas vezes me faz refletir bastante. Essa coisa de se cortar é realmente muito tenso de ler. Eu li um livro que trazia uma personagem secundária que se cortava e eu fiquei muito pensativa sobre as cenas. Fiquei curiosa para saber dessa relação da personagem com o irmão, queria saber porque ele a trata assim, se ele realmente a culpa pelo acidente. Essa capa chama muita atenção, eu amei. Dica anotada!
    Beijos,
    Nay
    Traveling Between Pages

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nay!
      Esses livros que nos levam a refletir é sempre bem vindos pra mim também. E Willow mostra que a gente, às vezes, não demonstrar um sentimento, pode gerar uma reação negativa no próximo...
      Muito obrigada pelo comentário!

      Excluir