11 abril 2017

Resenha - Escuridão Total Sem Estrelas


Título: Escuridão Total Sem Estrelas
Autor: Stephen King
Cortesia: Editora Cia das Letras / Suma de Letras
Skoob / Goodreads
Páginas: 392
Onde comprar: Saraiva / Submarino / Amazon

Vencedor dos prêmios BRAM STOKER e BRITISH FANTASY.
Na ausência da luz, o mundo assume formas sombrias, distorcidas, tenebrosas. Em Escuridão total sem estrelas os crimes parecem inevitáveis; as punições, insuportáveis; as cumplicidades, misteriosas.
Em 1922, o agricultor Wilfred e o filho, Hank, precisam decidir do que é mais fácil abrir mão: das terras da família ou da esposa e mãe. No conto Gigante do volante, após ser estuprada por um estranho e deixada à beira da morte, Tess, uma autora de livros de mistério, elabora uma vingança que vai deixá-la cara a cara com um lado desconhecido de si mesma. Já em Extensão justa, Dave Streeter tem um câncer terminal e faz um pacto com um estranho vendedor. Mas será que para salvar a própria vida vale a pena destruir a de outra pessoa? E, em Um bom casamento, uma caixa na garagem pode dizer mais a Darcy Anderson sobre seu marido do que os vinte anos que eles passaram juntos.
Os personagens dos quatro contos de Stephen King passam por momentos de escuridão total, quando não existe nada — bom senso, piedade, justiça ou estrelas — para guiá-los. Suas histórias representam o modo como lidamos com o mundo e como o mundo lida conosco. São narrativas fortes e, cada uma a seu modo, profundamente chocantes.










Escuridão Total Sem Estrelas é uma coletânea de quatro contos escritos pelo talentoso mestre do horror denominado Stephen King. Essas histórias nos mostram os piores lados do ser humano: vingança, cobiça, ganância e justiça. Presenciamos nas páginas protagonistas comuns presos em dilemas quando percebem que estão passando por circunstâncias muito ruins, nas quais não há a presença de uma ínfima luz. Cada conto possui seu significado especial, mas todos conseguem transmitir muito bem essa sensação de que não há saída e esperança.

1922 é o primeiro conto e é narrado como uma confissão do protagonista Willfred, na qual ele explica o porquê de ter assassinado sua esposa Arlette. Wilfred é um fazendeiro que ama o que faz e seu pior pesadelo é passar a viver em uma cidade. Sua mulher, Arlette, quer vender seus 100 acres de terra boa e também a amada fazenda do seu marido, e passar a viver na cidade. Como ele não concordava com à sua decisão, ela pretendia levar o filho deles Henry Hank, que como o pai, não gostava das pretensões de Arlette. Seu filho namora a Shannon, filha de um privilegiado fazendeiro vizinho chamado Harlan Cotterie. Por pura ganância, o assassinato de sua mulher acaba por deixar sequelas irreparáveis nas duas famílias.

"Se Deus recompensa pelas boas ações na Terra, então talvez Satã recompense pelas más."

Definitivamente, 1922 é o melhor conto de todos. Há a presença de uma mistura de vários gêneros nessa história, como terror, romance e thriller policial que funciona muito bem juntos. A ambientação da época contém todos os detalhes necessários e os personagens são únicos à sua maneira. Wilfred é um personagem cuidadoso que esperava se dar bem com a morte da esposa, mas o fato de seu fantasma atormentá-lo é uma reviravolta bastante elaborada, assim como todo o desenvolvimento da história, do início ao fim. O autor descreve algumas cenas que, em minha experiência, foram bem difíceis de absorver, mas isso só demonstra o quanto ele tem talento para a escrita e gênero.

Gigante do Volante tem como personagem principal a Tess, uma escritora de livros de suspense popular que se dedica a dar palestras remuneradas. Ela sempre vai dirigindo a esses eventos e quando opta por seguir uma rota diferente no caminho de volta, acaba passando por uma situação terrível: um pneu de seu carro é furado e um homem, simpático à primeira vista, se aproveita da oportunidade para estuprá-la. Por um milagre, Tess consegue sair viva disso, mas sabe que o Gigante continuará a praticar violência e matar outras mulheres, e como não consegue suportar a ideia da mídia divulgando que uma escritora de livros de mistério fora estuprada, passa a elaborar um plano de vingança.


Esse conto conseguiu me deixar tensa do início ao fim. O pior pesadelo de uma mulher é ser estuprada e no lugar da Tess eu iria imediatamente à polícia, sendo famosa ou não. Porém, gostei de o autor ter mostrado uma decisão diferente da vítima. Tinha muitas chances de dar errado, motivo que me deixou com uma aflição constante. Algo bem peculiar nessa história é que no meio do processo de execução do plano de vingança, a Tess exibe um comportamento estranho, no qual conversa consigo mesma usando conselhos de seu gato, GPS do carro e personagem de suas histórias. Devo dizer que eu não esperava nem um pouco pelo final atribuído ao conto, mas apreciei cada detalhe. Tess se mostra uma personagem corajosa e ousada, se tornando uma pessoa que foge completamente de sua personalidade, que é claro, acabou se modificando após o estupro.

Extensão Justa nos apresenta um personagem bastante invejoso. A vida não fora muito justa para o David Streeter: ele está com câncer terminal e espera por uma promoção no emprego há anos. Ao encontrar um vendedor suspeito que possui um negócio no qual vende extensões de qualquer coisa, incluindo partes do corpo humano, David aceita lhe pagar 15% de sua renda anualmente se o vendedor lhe curar do câncer. Depois de alguns dias, ele vê que o homem estranho cumpriu sua parte do negócio e está muito feliz com o milagre que lhe fora proporcionado. Porém, o mal que habitava nele teria que ir para algum lugar. Mais especificamente, para alguma pessoa...

Essa história nos faz refletir se vale a pena ir tão longe só para alcançar seus próprios objetivos. As consequências do acordo entre o vendedor e David são tão vastas que me fez parar para pensar se Extensão Justa seria realmente o nome apropriado, pois não vi nada de justo do que decorreu desse negócio. Será que a felicidade deveria cobrar um valor tão alto?

“Quando já se experimentou a coisa real, a fantasia não serve pra nada.“

Um bom casamento é o último conto e com certeza um dos melhores. Darcy Anderson possui um casamento bem sólido há 27 anos com seu marido Bob, um contador. Ela se considera uma mulher de sorte, já que eles mal brigam, além de manter uma relação bastante saudável e feliz mesmo depois de terem criado dois filhos, que hoje são adultos. Até que chega o dia em que seu marido está numa viagem à negócios e ela vai para a garagem procurar pilhas. Darcy encontra algo absurdamente diferente que comprova que seu marido não é o homem amoroso que ela pensava conhecer tão bem. Quando passa a ter consciência do que descobre, ela se vê presa em um longo dilema: o que fazer? Se suicidar? Contar a polícia? Ou o amor será o suficiente para preservar o segredo sujo de seu marido?

Esse conto é maravilhoso e genial. É muito comum ouvirmos casos reais de psicopatas e assassinos que tinham esposas e isso sempre nos faz parar para pensar: como a mulher nunca soube quem ele era durante esse tempo todo juntos? Pela ótica de Darcy, Stephen King nos mostra um lado da história que é difícil de contestar e que, na realidade, é impossível conhecermos e desvendarmos completamente uma pessoa.

A edição do livro está perfeita e o fato das bordas das páginas serem pretas contribuiu para dar veracidade ao título. A diagramação, a arte gráfica e até mesmo a revisão ortográfica estão excelentes. Sem dúvida, a editora conferiu ao livro um capricho cuidadoso. Alguns contos são em primeira pessoa e outros são em terceira, mas essa mudança não interfere em nada na qualidade de leitura. Escuridão Total Sem Estrelas entrou para os meus favoritos do Stephen King e com certeza o recomendo bastante.

11 comentários:

  1. Olá
    O autor sabe como fazer uma boa história e não tenho dúvidas de que esse título é uma excelente recomendação. Adorei poder conferir suas impressões, o que me deixou ainda mais instigada para poder ler também. legal poder ler sobre a reflexão que há nesse contexto e acho essa edição muito linda, especialmente pelas bordas das páginas serem pretas, é um diferencial e tanto né?!
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  2. Olá,

    Mês passado eu tive meu primeiro contato com o Stephen King por Misery: Louca Obsessão e adorei o seu trabalho. Agora estou louco para fazer a leitura de outras obras dele e me parece que essa pode ser a próxima, adorei os contos apresentados e os assuntos neles abordados são bem interessantes! ♥

    → desencaixados.com

    ResponderExcluir
  3. Oie! Tudo bem?

    Nunca li nada do King, mas sou fã dele mesmo assim! Tenho um livro dele aqui em casa e estou curiosa e ansiosa para realizar a leitura dele, sobre esse é a primeira resenha que vejo sobre e com certeza fiquei interessada como por todos os outros do autor! Espero conseguir ler em breve ele! *--*

    Bjss

    ResponderExcluir
  4. Olá! Sempre quis ler Stephen King, e após sua resenha, fiquei ainda mais instigada! Obrigada. A propósito, adorei a mesma. hahah Grande beijo!

    ResponderExcluir
  5. Olá!!
    Não sabia que esse livro era sobre contos,nunca li nada do autor mas fiquei bem interessada nesse livro e conhecendo um pouco de cada conto fiquei bem curiosa pra ler 1922.. dica já anotada!!!

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/2017/04/resenha-simplesmente-o-paraiso-quarteto.html

    ResponderExcluir
  6. Não li muitos livros do King, mas todos que li, amei fortemente, então, tenho quase certeza que vou adorar este aqui também. Acho que vou gostar muito deste último conto que você descreveu. Estou curiosíssima.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    li pouquíssimos livros desse grande autor que é o Stephen King e com certeza esse livro seria um que eu gostaria muito de ler um dia. Espero que seja muito em breve pois sua resenha aguçou meu interesse.

    ResponderExcluir
  8. Oii Amanda, como vai? Amei sua resenha <3 Eu nunca li nada do King mas tenho MUITA vontade de conferir as obras dele, especialmente esse livro, depois da sua resenha. Curiosa com esse conto 1922, adoro thriller, e se tem romance junto... já quero ler.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Eu ainda não li nada do King, mas tenho muita curiosidades em conhecer a escrita dele, e acredito que essa coletânea pequena de contos é um bom começo, já que aparentemente nos mostra o melhor de sua escrita. Adorei a sua resenha e fiquei bem curiosa para conferir esse livro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Oiee Amanda ^^
    Não sei se já conhecia esse livro, mas eu não tenho curiosidade de ler as histórias do King, então não me interessei totalmente. Ainda assim, parecem ser contos muito bem escritos e com personagens marcantes, e ver que você gostou tanto a ponto de favoritar deixou aquela sementinha de curiosidade...haha'
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oiee!!
    Até hoje só li a trilogia Mr. Mercedes do King, e amei! Até porque ela é bem mais um suspense policial do que terror...
    Senti um pouco disso nesses contos também, que se tratam mais de suspense, thriller, mas posso estar enganada.
    De qualquer forma, fiquei bastante curiosa, ainda mais com essa edição linda! Com certeza entra na minha lista de desejados...
    Um beijo

    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir