30 dezembro 2016

Resenha - Revival


Em uma cidadezinha na Nova Inglaterra, mais de meio século atrás, uma sombra recai sobre um menino que brinca com seus soldadinhos de plástico no quintal. Jamie Morton olha para o alto e vê a figura impressionante do novo pastor. O reverendo Charles Jacobs, junto com a bela esposa e o filho, chegam para reacender a fé local. Homens e meninos, mulheres e garotas, todos ficam encantados pela família perfeita e os sermões contagiantes. Jamie e o reverendo passam a compartilhar um elo ainda mais forte, baseado em uma obsessão secreta. Até que uma desgraça atinge Jacobs e o faz ser banido da cidade.
Décadas depois, Jamie carrega seus próprios demônios. Integrante de uma banda que vive na estrada, ele leva uma vida nômade no mais puro estilo sexo, drogas e rock and roll, fugindo da própria tragédia familiar. Agora, com trinta e poucos anos, viciado em heroína, perdido, desesperado, Jamie reencontra o antigo pastor. O elo que os unia se transforma em um pacto que assustaria até o diabo, com sérias consequências para os dois, e Jamie percebe que “reviver” pode adquirir vários significados.


Título: Revival
376 páginas || Skoob || Editora: Companhia das Letras || Onde comprar










Durante os anos 60 na cidade de Harlow, Jamie Morton tinha apenas 6 anos quando estava brincando com seus soldadinhos de brinquedo na entrada de sua casa, no momento em que uma sombra, que o acompanharia pelo resto de sua vida, apareceu pela primeira vez. Charles Jacobs é o novo reverendo da Igreja que, inicialmente, ninguém leva muito a sério, já que o homem tem apenas 25 anos. Mas, aos poucos, Charles passa a ganhar cada vez mais público com seus sermões exultantes. Jamie começa a compartilhar uma ligação com o reverendo e não demora para que se tornem inseparáveis, especialmente porque Charles Jacobs, além de possuir muita fé, revela um grande fascínio pelos fenômenos da eletricidade e encontra várias formas de utilizá-la para ensinar lições da Bíblia às crianças ao mesmo tempo em que consegue entretê-las. Além disso, foi justamente por meio dos poderes secretos da eletricidade que Jacobs realizou um milagre, devolvendo a voz de um dos irmãos de Jamie, que havia sido danificada por causa de um acidente.

Tudo estava indo perfeitamente bem, as pessoas frequentavam cada vez mais a Igreja e todos da cidade adoravam encontrar o reverendo e sua família, composta por sua bela esposa Patsy Jacobs, que todos os meninos desejavam secretamente, e seu filho querido Morrie, que conquistava até mesmo os irmãos de Jamie. Até que, em um dia que deveria ter sido como um outro qualquer, um acidente trágico ocorre com a família de Charles e esse acontecimento faz com que ele perca toda a fé, incluindo os próprios ensinamentos que pregava.

Como consequência, o reverendo realizou aquilo que Jamie e seus irmãos passaram a chamar de o Sermão Terrível, no qual Jacobs convocou todos para irem à Igreja, um lugar que esperavam ouvir coisas relacionadas à Bíblia e a esperança, e não foi bem o que aconteceu. Charles Jacobs afirmou insistentemente que, em troca da fé, as pessoas não receberiam nada, e revelou aos presentes várias tragédias que comprovavam os seus argumentos. Só porque Jacobs perdeu a fé, as pessoas ali presentes não precisavam necessariamente concordar com aquilo que foi dito. O problema é que aquelas palavras do Sermão Terrível atingiram Jamie com um grande impacto e, desde aquele dia, deixou de acreditar em Deus também.

“Estava petrificado. De horror, sim, claro. Eu tinha apenas nove anos. Mas também sentia uma exultação incontrolável e incipiente, um sentimento de que finalmente alguém estava me dizendo a verdade jamais revelada.”

As pessoas da cidade de Harlow estavam tristes pela grande perda de Charles Jacobs, mas após aquele dia fatídico, concordaram em expulsá-lo, tendo em vista que tudo aquilo que foi afirmado por ele deixou claro que não havia mais lugar para o ex-reverendo na Igreja. O menino Jamie era o único que não concordava com a decisão de Charles ir embora, mas não pôde fazer nada quanto a isso e reprimiu em seu coração a promessa de que ambos se encontrariam novamente, com a ajuda do destino. Mal sabia ele que, no futuro, se arrependeria amargamente de ter permitido que Jacobs modificasse suas crenças e entrasse em seu caminho.


Que livro genial! Não consigo encontrar palavras que sejam suficientes para expressar o quanto eu amei esse livro, e tendo em vista que foi o Stephen King quem criou essa incrível história, eu realmente não poderia esperar menos. Tenho um grande fascínio por sua escrita envolvente e cheia de suspense, e amo a maneira que molda seus protagonistas, que faz com que o leitor se apegue a cada detalhe de suas vidas, de cada membro de sua família, traumas, medos e lembranças. Foi exatamente dessa maneira que me senti com Jamie Morton, pois o autor possibilita que o leitor consiga acompanhar todo o seu crescimento e experiências de uma maneira que todos os sentimentos do personagem consigam chegar até a nós.

Se eu pudesse escolher apenas uma palavra para definir Revival, com certeza seria desesperança. A habitual esperança que encontramos nos desfechos de outras obras do autor não se encontra aqui, e acho que é justamente isso que faz com que Revival seja tão aterrorizante em alguns aspectos, e, se tratando de uma história de suspense, é um excelente ponto positivo. O final é bastante surpreendente e gostei bastante, é um tanto quanto difícil não se sentir ao menos um leve amedrontamento com tudo que ocorre na história.

Sentimos medo junto com o protagonista, torcemos para que ele seja capaz de impedir as atividades perigosas de Charles Jacobs e é impossível não se entristecer com as tragédias que passam a rondar a sua vida. Com a escrita em primeira pessoa sendo conduzida por Jamie, o leitor vai absorvendo os fragmentos de sua vivência que oscilam entre a infância e velhice e é maravilhoso presenciar seu amadurecimento, sem deixar de lado as suas características intrínsecas. Acompanhamos toda a sua trajetória de vida: a primeira namorada, a descoberta de seu talento para a música como guitarrista, a dificuldade para lutar contra o vício em heroína e, é claro, a sua curiosidade e preocupação em relação as pesquisas de Charles sobre a eletricidade, que nunca parecem ter um fim.

“De vez em quando – principalmente ao falar dos poderes curativos da eletricidade -, ele tinha algo no olhar que não parecia normal. Nada muito diferente da expressão do então reverendo durante o sermão em que disse adeus ao emprego em Harlow.”

Eu adorei o Charles Jacobs. Esperava que ele se tornasse um vilão todo diabólico depois de perder a família, se transformasse em uma pessoa detestável. Felizmente, não foi dessa forma que o autor desenvolveu o personagem. Apesar de ter deixado a fé de lado, o seu hábito de ajudar as pessoas não muda e é isso que faz ser fácil gostar dele, mesmo com suas ações gerando efeitos colaterais em muitas pessoas e até causando a morte. Charles é extremamente encantado pela eletricidade secreta, é um personagem que chega a ponto de fazer vários experimentos para estender o seu conhecimento, e é perceptível que o autor realizou pesquisas interessantes para estruturá-lo. Gostei dele por causa do talento do autor de explorar e dissecar o ser humano em suas histórias, nos mostrando tudo que ele é capaz de fazer e as consequências horríveis disso.

A diagramação está incrível e realmente não tenho pontos negativos a ressaltar. Eu amei a capa! Ela é holográfica e ao movimentarmos, visualizamos os raios percorrendo as letras, produzindo um efeito incrível. A fonte para a leitura está ótima e não encontrei um único erro de revisão. É claro que não poderia deixar de recomendá-lo, é o tipo de livro que fica marcado em nossas memórias durante um bom tempo, e Stephen King provou com essa história que conhecimento demais nunca é bom e há certas coisas que não devem jamais serem descobertas se quisermos manter uma boa saúde psicológica. Eu me sinto imensamente grata por fechar o ano com essa leitura. Leiam!


15 comentários:

  1. Oi Amanda,
    Acho a capa desse livro incrível, principalmente pelo efeito laminado.
    Nunca li nada do King, muito pelo medo que posso vir a sentir. Mas sua resenha me deixou bem curiosa para conferir esse livro em especial.
    Além também de o autor tocar em um ponto delicado que é a fé e a perda dela diante de alguma tragedia. Sempre que acontece algum coisa muito grave as pessoas ou dizem "Se Deus quis assim..." já outros se perguntam e passam a questionar Deus por isso.
    Acho que King consegue trazer o assunto a tona e ainda colocar um elemento que torna sua obra unica.

    Bjs,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Nossa que animação para uma resenha em? Eu tenho muita votado de ler algo desse rei da Porra toda, mas nunca dá certo e olha que não é por falta de livro pois eu tenho Misery em casa. Eu já li uma outra resenha desse livro e a mesma foi bem positiva. Enfim,;espero ter a chance de ler algo dele e quem sabe até esse título, pois tem uma premissa e um recebimento legal. Até mais ver
    Bjks

    ResponderExcluir
  3. A capa desse livro é linda, e eu nunca li uma obra do Stephen King, porém já li várias resenhas e a maioria são só elogios ao autor. Enquanto a obra, adorei sua resenha e fico feliz que você tenha percebido o crescimento de Jamie, deve ter sido bem legal ver todo esse desenrolar, dando possibilidade ao leitor se apegar aos personagens. Quanto ao Charles, que tragédia e tanto, e não é de estranhar ele ter perdido a fé, são poucos que não perderia, mas ainda bem que ele não ficou uma pessoa amarga. Gostei bastante, e acho que essa vai ser a primeira obra de King que eu irei ler.
    Trouxa do Livro

    ResponderExcluir
  4. Amanda, que resenha incrível você fez! Conseguiu citar bem os pontos da leitura, e me deixou com aquela vontade enorme de ler a obra. Confesso que nunca li nenhum dos suspenses ou livros de terror do autor, mas fiquei extremamente inclinada a iniciar por Revival. Apesar de ser uma obra que dá desesperança, e já temos muito disso na vida real, acredito que vai ser uma leitura incrível!
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  5. Eu admito que o King realmente tem uma genialidade impar, mas eu não consigo gostar das histórias dele. Aliás não só dele mas de alguns autores aclamados pelo público. Estou colocando a culpa em mim mesmo e no gênero literário que eu não gosto. Beijos

    ResponderExcluir
  6. Não tenho vontade de ler livros do Stephen King, e o motivo principal é isso deles fazerem a gente sentir medo junto com o protagonista, algo que realmente não me atrai. Além disso, acho que ia ficar entediada com essa coisa da eletricidade. E ainda tem essa questão do vício, esses vícios em drogas quando abordados em livros me afastam da leitura, não tenho nenhuma tolerância nem nos livros nem na vida real quanto a isso.

    ResponderExcluir
  7. Não tenho vontade de ler livros do Stephen King, e o motivo principal é isso deles fazerem a gente sentir medo junto com o protagonista, algo que realmente não me atrai. Além disso, acho que ia ficar entediada com essa coisa da eletricidade. E ainda tem essa questão do vício, esses vícios em drogas quando abordados em livros me afastam da leitura, não tenho nenhuma tolerância nem nos livros nem na vida real quanto a isso.

    ResponderExcluir
  8. Realmente qualquer livro que Stephen escreve é sensacional, e este livro com este ar sombrio e cheio de coisas obscuras me deixa ainda mais instigado.
    É um gênero que gosto muito de ler, e esse ar de desesperança passado por você, me deixou curioso para ver como o enredo se desenrola.

    ResponderExcluir
  9. Esse ano eu tenho uma meta de ler ALGUMA COISA DESSE HOMEM. Quero começar com Joyland, em seguida revival e novembro de 63 que são os que mais me chamam atenção e não passam das 1000 páginas haha. Eu cansei de ser a moça que não leu nada do King. Eu acho a capa de revival maravilhosa e parece uma leitura que eu vou curtir muito.
    wwww.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  10. Eu acho essa capa a coisa mais linda, super impactante. E falar que um livro é genial logo faz meus olhos brilharem. Eu li apenas um livro do King, sabe? Foi Desespero e eu li quando tinha uns 15 anos, nem.lembro direito. Mas em breve lerei Cujo e quem sabe mais pra frente eu não venha a ler esse? Fiquei curiosa com essa desesperança aí...

    Beijo

    ResponderExcluir
  11. Olá Amanda!
    Eu ainda não i nada do autor, mas fiquei super intrigada com a história dele. Realmente tem pessoas que depois que sofrem traumas perdem a fé em Deus, acho isso normal pois a mente humana trabalha de várias formas. Acho que eles não deveriam tê-lo expulsado, mas sim mostrado o que é o amor de Deus, mas enfim isso também acontece com muita frequência. Adorei o enredo e vou anotar a sua dica e ler assim que puder.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  12. Olá Amanda,
    Até hoje li dois livros do King, se não me engano, e todas as leituras foram extraordinárias. Gostei de saber que você não tem pontos negativos para apresentar sobre essa história e que você definiria como desesperança, achei isso muito interessante.
    É muito legal saber que você sentiu medo pelos personagens.
    Espero ter a oportunidade de ler esse livro em breve.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  13. oi Amanda, tudo bem?
    Revival é um dos livros que eu mais vejo comentários quando de trata do King. Eu ainda não cheguei a lê-lo, mas pelo tanto que falam, uma hora acabarei cedendo.

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Amanda, não dei nada por esse livro por causa da capa (não sei porque). Sou louca para ler os livros do Stephen King, pois todos falam muito bem dele e acho que esse é um ótimo livro para eu começar. Adorei a história desse livro e estou super curiosa sobre o desfecho dele.
    Dica mais do que anotada.
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Oi Amanda, tudo bem?
    King é maravilhoso né? ele é meu autor preferido e fico muito feliz em ver que você gostou desse livro, é um dos que eu não li ainda e sua resenha me animou tanto! a trama é muito convincente e adoro essa pegada de mistério que ele envolve suas histórias. Adorei!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir