20 dezembro 2016

Resenha - Magônia


Uma fantasia original com ótimos personagens, complexidade emocional e um universo fantástico. Aza Ray nasceu com uma estranha doença incurável que faz com que o ato de respirar se torne mais difícil. Aos médicos só resta prescrever medicamentos fortes na esperança de mantê-la viva. Quando Aza vê um misterioso navio no céu, sua família acredita que são alucinações provocadas pelos efeitos do medicamento. Mas ela sabe que não está vendo coisas, escutou alguém chamar seu nome lá de cima, nas nuvens, onde existe uma terra mágica de navios voadores e onde Aza não é mais a frágil garota enferma. Em ''Magônia'', ela não só pode respirar como cantar. Suas canções têm poderes transformadores e, através delas, Aza pode mudar o mundo abaixo das nuvens. Em uma brilhante e sensível estreia no gênero young adult, Maria Dahvana Headley constrói uma fantasia rica em nuances e cheia de simbolismo.




Título: Magônia #1

308 páginas || Skoob || Editora: Grupo Editorial Record || Onde comprar










Aza Ray está prestes a completar 16 anos, só que não é uma garota qualquer: ela possui uma doença rara que a impede de respirar direito. Os seus pulmões não são capazes de compreender o que é oxigênio, de modo que seja necessário sempre manter a densidade do oxigênio menor para que ela continue viva. Aza tem um histórico marcado por hospitais e, para ela, a morte não é um assunto que assusta, apesar das pessoas ao seu redor estarem evitando o assunto. Sua doença é tão rara que tem o seu nome, Síndrome de Azaray, então o fato dela ter sobrevivido até aqui já é algo digno de se celebrar, visto que em todas as ocasiões que os médicos estabelecem um tempo de vida, Aza continua a ultrapassá-lo. Porém, dessa vez disseram-na que o momento inevitável aconteceria quando completasse 16 anos, e, apesar das vitórias anteriores, Aza Rey já não tem mais confiança de que será capaz de sobreviver dessa vez.

Além do apoio de seus pais e irmãzinha, Aza sempre pode contar com Jason, seu único e melhor amigo desde os 5 anos de idade. Jason é fascinado por coletar informações e, como Aza vive enfiada nos livros e tem o costume de passar muito tempo na biblioteca, os dois acabam tendo várias coisas em comum. Ele está sempre presente na vida de Aza e sabe tudo o que precisa ser feito quando ela precisa retornar ao hospital.

“Preciso morar em cômodos livres de poeira. Isso é uma realidade desde quase sempre. Quando nasci, era saudável e teoricamente perfeita. Quase exatamente um ano depois, do nada, meus pulmões pararam de entender o que era ar.”

Num dia qualquer na sala de aula, Aza Rey observa o céu da janela e algo peculiar lhe acontece: vê um navio no céu e escuta um assovio, chamando-a pelo nome. Seus pais associam o evento à febre de Aza, enquanto Jason acredita que isso tenha acontecido por causa de uma informação que ela leu e que ficou armazenada em seu cérebro, afirmando que a alucinação se originou daí. Jason lhe diz que ao pesquisar, acabou encontrando relatos sobre Magônia, que tem muitas semelhanças com aquilo que Aza presenciou naquele dia, já que se trata de um povo que vive no céu e que certa vez, caíram na Terra e se afogaram com o ar. Aza Rey passou os últimos 15 anos se afogando com o ar, então é claro que não pôde evitar notar uma familiaridade estranha ao ouvir aquilo.

Pouco tempo depois, aparecem muitos pássaros de várias espécies em seu gramado, e um deles acaba entrando na boca de Aza Rey, indo parar em seu pulmão. Isso além do fato de ele falar! Nesse momento, Aza sabe que a hora fatídica chegou e que não há nada que possa fazer para impedir seu destino. Ela é levada na ambulância com sua família e Jason e, no caminho, acaba perdendo a consciência. 

Só que Aza Rey não imaginava que ali não era o seu fim e que durante toda a sua vida tinha estado com a família errada e no lugar errado. Ela acorda e percebe que está em Magônia, num navio com uma tripulação estranha e com uma capitã chamada Zal que se diz ser sua mãe, além de presenciar criaturas híbridas de humanos com pássaros, baleias-tempestade, morcegos-vela e canwr. Sua aparência muda radicalmente e lhe dizem que isso acontece porque em sua vida na Terra, Aza estava sobrevivendo por baixo de outra pele. E o mais absurdo disso tudo: a capitã Zal afirma que os magonianos precisam de Aza, que ela nunca fora humana e que nasceu para cantar, com a ajuda do pássaro que se aninha em seu peito.

“Ainda não me encaixo. Meu coração está metade na Terra, metade nas nuvens. Ainda sou diferente de todo mundo. Ainda não existe um lugar ao qual pertenço.”

Várias questões vão sendo formuladas na mente do leitor. Será que ela será capaz de ajudar a sua tripulação com sua canção poderosa, que nem sabia existir, com o objetivo de exterminar a fome provocada por aqueles que vivem na Terra? Aza conseguirá se adaptar àquele novo mundo, enquanto morre de saudades de sua família e de Jason, que pensam que ela está morta? O que seriam os Sopros, que sua tripulação tanto teme e evita falar a respeito? Por quê mesmo seu coração pertencendo a Jason, Aza sente uma forte ligação com outro garoto? Ela se sente cada vez mais perdida sem saber de onde pertence, porém, no decorrer de sua trajetória, irá se deparar com piratas, Sopros, batalhas, tubarões-tempestade e segredos da Capitã que irão lhe deixar ainda mais confusa.

Fazia um bom tempo que estava desejando esse livro, pois achei a premissa da obra bastante original e nunca havia conhecido uma história similar. Apenas a ideia de um mundo em que há um povo navegando pelo céu já me conquistou. A escrita da autora é fluída, nos proporcionando perspectivas de Aza Ray e também de Jason, em primeira pessoa. Gostei bastante da maneira que a narrativa vai se desenrolando, pois é o tipo de escrita que permite que conheçamos as personalidades únicas dos dois personagens.

“Na Terra, nunca estava no controle de nada, nem mesmo de meu próprio corpo. Mas, aqui, sou importante. Aqui, sou a única capaz de fazer isso, essa coisa difícil; o que vai salvar meu povo.”

De todos os personagens, acredito que é difícil não gostar do Jason, o melhor amigo e possível pretendente de Aza Ray. Ele é carismático, inteligente e faz tudo que estiver ao seu alcance por ela, seja para encontrar uma cura de sua doença única ou para localizá-la nas nuvens, mesmo que para isso seja necessário quebrar todas as leis possíveis. Adorei a Aza também, mas houve momentos em que ela tomou decisões impensadas mesmo estando desconfiada, e, se tratando de uma personagem inteligente, esperava um pouco mais dela.

"Preciso achar o navio de Aza. Sei aonde está indo. Acho que sei, mesmo que tudo que saiba, tudo que realmente saiba desde que tenho 5 anos, é que Aza é meu universo.”

A diagramação está ótima, adorei essa capa que retrata tão bem a nova realidade de Aza Ray e não tenho pontos negativos a ressaltar sobre a edição do livro. A fonte e o espaçamento estão agradáveis, minha leitura foi em e-book e não encontrei erros de revisão ortográfica. Magônia é uma história de fantasia encantadora e a recomendo para todos que apreciem o gênero.


16 comentários:

  1. oLÁ Amanda
    Eu tenho muito interesse em ler esse livro, desde que li a primeira resenha, especialmente por ser um gênero que chama muito a minha atenção. Os elementos parecem ser intrigantes e fico curiosa em relação aos personagens e ambientação de forma geral. Adorei poder conferir suas impressões a respeito, o que me deixou ainda mais motivada, preciso confessar. Espero poder ler logo também! Ahh acho essa capa maravilhosa ♥
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Olá,

    Eu sou louca para ler esse livro, justamente porque quero conhecer Magônia e ver qual o papel da Aza nesse reino encantado. Aliás, achei intrigante ela ser de outra espécie e ter um pássaro no peito, isso me traz algumas reflexões bem interessantes. A história parece seguir um rumo muito bom e sua resenha me deixou ainda mais animada pela leitura.

    Abraços,
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
  3. A premissa desse livro é bastante inovadora e, embora eu esteja numa vibe de YA e romances de época, me chamou bastante a atenção toda essa descoberta da Aza sobre sua nova realidade. Fiquei curiosa sobre como ela lidou com esse novo mundo e nova família e como é viver lá nas alturas.
    Ótima, resenha, beijos!

    ResponderExcluir
  4. Olá, realmente é uma premissa totalmente original! É um livro que quero ler, pois achei super interessante essa mistura de fantasia com Sick-lit e a ideia navios voadores e de híbridos de humanos e pássaros. Gostei muito da resenha e certamente lerei quando puder.

    ResponderExcluir
  5. Olá!! :)

    Eu já ouvi falar bastante deste livro!! :) mas nunca li e tenho muita curiosidade!! :) Bem, eu acho essa capa algo de maravilhoso!! :)

    E tal como tu considerei original! Ainda bem que não te desiludiu e que existem personagens dos quais e difícil não gostar! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    A capa do livro é um show! Achei interessante a sinopse ao ler sua resenha parece ser muito bom, apesar de ser fantasia, mas acredito que o drama vale a pena arriscar ler.
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Oi, Amanda. Eu já tinha lido uma resenha sobre esse livro, mas cada vez mais fico cheio de vontade ler essa estória, afinal já fiquei encantando pela resenha e pelo enredo. A capa é realmente muito bonita.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
  8. Oie Amanda.
    Ainda não conhecia esse livro, mas a sinopse é bastante interessante.
    O enredo parece realmente instigante e fantasia é um gênero que tenho lido ultimamente e tenho gostado do q venho lendo. Acredito q com esse não vai ser diferente. Sua resenha despertou meu interesse. Parabéns
    Bjo

    ResponderExcluir
  9. Oi, Amanda

    Eu acho esse livro a maior viagem! Hahahah
    Navio navegando no céu, híbridos de passaros, gente se "afogando com o ar"... a autora estava inspirada! Hahahaha
    Tenho vontade de conferir pela originalidade da narrativa e espero poder fazer isso ano que vem.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá, realmente o enredo do livro é bastante original, sempre é bom encontrar livros que fogem dos clichês. Jason é um personagem apaixonante, que pela sua resenha traz bons momentos de amizade e de um romance doce no meio dessa fantasia. Sou apaixonado por fantasias, e esse povo vivendo nos céus me deixou ainda mais animado pela leitura.

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Acho que compraria esse livro só pela capa e pela sinopse, que são maravilhosas. Adorei também essa ideia de um povo morando no céu, acredito que seja o que mais me chamou a atenção nessa obra e saber que ela é extremamente fluída e que os personagens te conquistam, principalmente o Jason, me fez colocar o livro na minha lista de leituras.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oi Amanda,
    Não curto muito livros de fantasia, mas, pelo pouco que conheço, nunca vi nenhum livro fantástico que se passa no ar e achei isso bem interessante. A protagonista parece ter uma respiração igual a passarinho e achei um ponto super positivo.
    Acho que seria um livro - de um gênero que não curto muito - que daria uma chance.
    Gostei muito da sua resenha.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  13. Oi Amanda, tudo bem? Eu achei a premissa original mesmo! Confesso que quando comecei a ler me animei mais pois achei que se tratava de um drama mesmo, mas quando vi que se tratava de uma fantasia, achei interessante tbm. Embora não esteja entre as minhas preferências literárias, um enredo inovador é sempre instigante! Bjossss

    http://porredelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Adoro fantasia e, apesar de já ter lido muitos livros do gênero, quando li Magônia realmente encontrei um diferencial, não me lembro de nada parecido, contando a história de um povo que vive no céu, mas que depende da Terra para seus recursos. O Jason foi com certeza meu personagem preferido, e a Aza dá mesmo umas vaciladas, mas pelo menos achei que ela se redimiu... Hehe...

    ResponderExcluir
  15. Olá,

    Lendo sua resenha, notei que já havia lido outra resenha sobre e não sabia o nome do livro. Eu ainda não decidi se quero ou não fazer essa leitura. Gosto de fantasia e gosto ainda mais de conhecer novas histórias, porém teve alguns pontos na premissa que não me atrairam. Como 2017 está batendo na porta, esperarei mais um pouco para decidir. Achei essa mistura de cores da capa muito harmoniosas.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Oi Amanda, tudo bem?
    Eu li o livro recentemente e gostei muito dele, achei que os personagens são super fofos e adorei as reviravoltas propostas no livro. Fiquei muito feliz em ver que você gostou, realmente é uma história bem diferente e fácil de se contagiar, uma leitura muito fluida! Meus parabéns pela resenha!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir