18 novembro 2016

Resenha - Três vezes nós


Uma jovem mulher com uma bicicleta quebrada após desviar de um cão. Um homem que ela poderia facilmente ter deixado passar, sem parar, levando consigo uma vida inteira, uma vida que poderia nunca ter sido dela.
Eva Edelstein está no segundo ano do curso de Inglês na Universidade de Cambridge. Ela namora David Katz, estudante e aspirante a ator. A vida de Eva parece bem encaminhada, quando, no campus da universidade, ela conhece acidentalmente Jim Taylor, estudante frustrado de direito.
Há três versões, três realidades diferentes para o futuro de Eva e Jim, dos anos 1950 até os dias atuais.
Se o nosso futuro é uma encruzilhada, gostaríamos de saber qual caminho seguir? E depois, ficaríamos felizes com a nossa escolha?
Três vidas. Três histórias. Três destinos... permeados com traições e ambições, mas também com amor e arte.
Três vezes nós explora a ideia de que há momentos em nossas vidas que poderiam ter sido diferentes e como pequenos fatos ou decisões que tomamos podem determinar o rumo da nossa vida para sempre.


Livro: Três vezes nós
384 páginas | Skoob | Cortesia: Editora Novo Conceito | Onde comprar










Tudo começa em um dia e em um lugar: outubro de 1958, em Cambridge. Eva está atrasada para a sua supervisão e está indo de bicicleta para a universidade, mas ao se deparar com um cãozinho na rua que não a ouve se aproximando, se desvia dele e o pneu da bicicleta vai de encontro com um prego enferrujado. Um homem chamado Jim Taylor, estudante de Direito, aparece ali e oferece ajuda para consertar a sua bicicleta com um kit que ele tem e costuma carregar consigo. Eles estão no segundo ano, mas estudam em universidades diferentes. Ambos são comprometidos com outra pessoa, mas não conseguem evitar essa sensação persistente de que se conhecem de algum lugar; que de alguma maneira, estão conectados.

“Eva observa o rosto de Jim e sente uma certeza que não consegue explicar – e nem mesmo tentar – de que este é o momento: o momento depois do qual nada voltará a ser como antes.”

Mas e se houvessem outras versões diferentes da história deles? E se outros caminhos fossem seguidos e outras escolhas fossem tomadas? Essa é a proposta de Três vezes nós: mostrar ao leitor vários ângulos diferentes do romance de dois personagens e todas as dificuldades enfrentadas, desde os 24 anos até alcançarem a inevitável velhice. Ou seja, são três histórias em um mesmo livro, pois apesar de ser os mesmos personagens, há outras dificuldades, relacionamentos, trabalhos, sentimentos e, até mesmo, famílias diferentes.

Os capítulos são intercalados em três versões. Na Versão 1, Eva tem o pneu da bicicleta furado e aceita a ajuda de Jim e sai com ele, dessa forma, eles terminam o relacionamento que mantinham. Jim, com Verônica, uma mulher mais velha, e Eva, com David Katz, um ator com a carreira em ascensão, e passam a viver juntos. Na Versão 2, o cachorrinho desvia da bicicleta no último instante e por isso, quando Jim aparece para oferecer ajuda, Eva dispensa-o imediatamente, já que nada aconteceu. Nessa realidade, ambos seguem suas vidas separadamente e Eva permanece seu relacionamento com David. E na Versão 3, Eva está pedalando rápido demais e ao se desviar do cachorro, dá uma guinada brusca e bate na pedra, o que a faz tombar no chão e machucar a sua perna esquerda. Ela aceita ir ao pub com Jim, porém, um acontecimento imprevisível fará com que Eva o abandone, mesmo o amando, para que não o faça se sentir preso a ela.

A autora faz com que criemos uma forte primeira impressão nos capítulos iniciais das três versões. Não há como evitar especular sobre o futuro de Eva e Jim, mas com os obstáculos que a autora inseriu nas histórias, garanto que nenhuma delas é previsível. Tantas coisas acontecem que é quase como se as personalidades de Jim e Eva mudassem, e foi interessante observar outras características. Por exemplo, Jim e Eva são personagens admiráveis, mas conforme vão ficando mais velhos em outras versões, adotam posturas que fez com que eu os odiasse por causa das escolhas que tomaram ou que deixaram de fazer.

Mesmo se passando em épocas diferentes, a autora conseguiu colocar todos os elementos necessários para que conseguíssemos associá-los ao passado de maneira bem fiel. A autora inseriu acontecimentos reais nesse universo e conseguiu descrever a ambientação da maneira mais real possível. Apesar de o foco ser o romance entre Eva e Jim, foi salientado no livro os comportamentos adotados na época, como o machismo, feminismo e como era tão comum as esposas traídas confrontarem as amantes primeiro, e os maridos, quando saem de casa, mesmo sendo tão ausentes na vida dos filhos, não serem tão cobrados para cumprir o papel da paternidade.

Jim ama pintar e é isso que deseja fazer pelo resto da vida, da mesma forma que seu pai falecido, Lewis, bastante famoso. Sua mãe, Vivian, deseja que o filho curse a faculdade de direito e desde que perdeu o marido, ficou doente. Já Eva, ama ler romances e quer ter ao menos um livro seu publicado; e seus pais, Miriam e Jakob, sempre foram amorosos e a apoiaram em cada decisão que ela tomasse, mesmo não sendo a mais correta.

Os personagens secundários são tão reais quanto os protagonistas e também exercem uma influência que contribuem para as futuras decisões. A mãe de Jim, Vivian, é viúva e uma mulher doente, e por essa razão, há uma versão em que Jim não tem coragem de dizer a verdade a mãe; de que seu sonho é se tornar um pintor assim como seu pai. E por isso, passa anos infeliz trabalhando como advogado e cuidando dela, e isso somente acontece porque Jim não estava se relacionando com Eva. É incrível perceber o poder que as escolhas têm sobre os personagens, e a autora conseguiu fazer isso de forma habilidosa.

“É como se tivesse sido dividida em duas, ou até mesmo três versões de si mesma – simulacros que vivem e respiram -, e perdido a original de vista.”

Uma personagem que gostei muito foi Penélope, pois ela é aquela amiga que está sempre presente na vida de Eva, não importa o lugar, o tempo ou a situação: ela estará lá, ouvindo seus problemas e ajudando-a até mesmo a conseguir emprego e atingir sucesso na carreira de escritora.

Único ponto negativo do livro foi o fato dessas três versões diferentes serem intercaladas. Isso me deixou bastante confusa no início, de forma que eu confundia os universos dos personagens e não sabia mais o que tinha acontecido no capítulo anterior. A todo momento tinha que voltar na versão anterior que estava lendo para conseguir assimilar os acontecimentos e demorou um tempo para que conseguisse fazer a separação das três histórias sem algum esforço. Acredito que a leitura seria bem mais fluída se o livro fosse dividido nessas três histórias, contando uma por vez.

A diagramação é excelente, e achei essa capa tão criativa, com as três linhas de destinos vindo da garota de bicicleta. Não tenho pontos negativos a ressaltar sobre a edição da obra, a editora Novo Conceito caprichou e não há um único erro de revisão. A escrita é em terceira pessoa, contendo a perspectiva de Eva ou Jim.

Três vezes nós não é um livro feito com o propósito de emocionar o leitor; a intenção é mostrar a dura realidade do amor. Nem sempre esse sentimento prevalece em um relacionamento, e essas versões mostram que há momentos certos para que os personagens permaneçam juntos, pois do contrário, pode acabar se tornando um relacionamento frustrado e infeliz, mesmo ambos sentindo essa ligação intensa entre eles. Essa é uma história que faz com que o leitor reflita sobre como estaria atualmente se houvesse optado por seguir um caminho diferente, e, por isso, vale a pena realizar a leitura.


15 comentários:

  1. Ola Amanda
    Eu quero muito poder fazer essa leitura, especialmente por conta da temática. Fiquei curiosa sobre o desenvolvimento dos personagens e acredito que deve ser interessante, apesar de que pode ser um pouco confuso mesmo intercalar as narrações. Acho curioso por mostrar mesmo outros lados de um sentimento tao complicado.
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Já vi esse livro na livraria e acabei olhando ele apenas de relance e depois dessa resenha, estou me arrependendo.Adorei saber que a autora dividiu em como seria os 3 futuros, como abordou assuntos como machismo e feminismo na época. Mesmo tendo esse "problema" com a divisão da história, deve ser uma história incrível, esse livro vai pra minha lista de desejados e na próxima, não deixarei passar batido.
    Adorei,
    Beijos,Lari.
    Segredosdeumacerejeira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Ooi,
    Quando a editora lançou a capa desse livro eu fiquei imediatamente interessada. Sempre penso nessas linhas do tempo que não se perpetuam quando tomamos uma decisão então fiquei super interessada no livro e parece ser uma leitura deliciosa.
    Corujas de Biblioteca

    ResponderExcluir
  4. Eu pensava que o enredo desse livro era uma ticaca, mas vejo que não. Ainda bem que vi que não, porque agora fiquei curiosa para ler, tipo mega curiosa. Assim que puder eu o irei ler, sem sombra de dúvidas. Nem precisa falar que amei sua resenha!

    https://amorlivresco.wordpress.com

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Gostei muito da premissa do livro, a autora teve uma ideia muito interessante e pelo visto soube desenvolvê-la bem criando uma trama instigante, reflexiva e com bons personagens. Gostei das suas impressões, me mostraram um livro que irá me agradar por conta do enredo que é ao mesmo tempo comum e peculiar. A capa realmente é linda e confesso que foi amor à primeira vista por ela, que retrata muito bem toda a história do livro.
    Adorei a sua resenha.
    Beijos!
    Por Livros Incríveis

    ResponderExcluir
  6. Olá!! :)

    Eu não conhecia este livro mas ainda bem que gostaste de fazer a leitura assim tanto! :) Eu não sei se leria, porqu enão faz muito o meu tipo de romance..!

    Mas acho ótimo que tenha narrações alternadas, ainda que isso te tenha incomodado!! ahah E também que mostre uma lição e não tenha simplesmente o objetivo de emocionar o leitor! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  7. Ola. Eu amo livros longitudinais. Daqueles que apresenta um longo tempo. Várias perspectivas diferentes acerca de um novo ponto de vista. Não vejo a hora de poder fazer essa leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá Amanda,
    Essa será uma de minhas próximas leituras, mas estou com certo receio, confesso.
    Gostei muito de conhecer suas impressões e acho que você teve impressões bem parecidas com o que tenho visto por aí. Pelo que notei, você foi lendo de forma intercalada e, apesar de um pouco de confusão, a leitura deu certo. Duas amigas minhas leram uma versão por vez e acharam assim melhor.
    Seu último parágrafo me deixou com o coração apertado, pois acho que é muito legal imaginar que os personagens precisam de um tempo para ficar juntos, como se precisassem aprender um pouco sobre a vida para desfrutarem juntos depois.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Adorei a sua resenha! Super bem desenvolvida e clara.
    Fiquei curiosa com a forma diferente de escrita dessa autora, usando três versões diferentes da mesma história.
    Mas como sou julgadora de capas (rsrs) já leria sem mesmo olha a sinopse ou a resenha.
    bjs.

    ResponderExcluir
  10. Que resenha maravilhosa! Fiquei com vontade de ler, eu já penso nisso, quero dizer como seria minha vida se... Vou anotar, com certeza lerei!
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Eu tenho a impressão que ficaria bem confusa com as três versões e acredito que em função disso, a leitura deva ser feita com muita atenção. Mesmo você falando que o livro não e de emocionar, sinto que posso me emocionar sim.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oiii, Amanda. Tudo bem?
    Desde que vi esse lançamento fiquei bem interessada. A capa é linda e a proposta dele também :)
    Eu gosto muito dessa coisa de tentar imaginar como as coisas podem ser diferentes, dependendo das nossas escolhas. É uma coisa que às vezes me deixa triste, às vezes melancólica, às vezes feliz. Mas geralmente eu fico me sentindo meio assim... por nunca poder ter a certeza de como as coisas poderiam ser.
    Acho que o livro também me deixará com esse sentimento, mas faz mal, não hahaha Quero ler do mesmo jeito :)
    Também já vi outras pessoas comentando sobre os capítulos e falando sobre como isso é confuso. Mas só lendo mesmo para saber, porque isso varia de leitor para leitor. Acho que eu iria curtir. Mas vai saber né? Hhahah
    beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oii Xará, tudo bem?

    Achei esta capa uma graça, com uma pegada ludica <3


    Sobre sua dificuldade a respeito dos capítulos intercalados: te entendo!

    Vários autores estão adotando este método de divisão dos capítulos e eu realmente acho que atrasa um pouco a leitura.Mas gostei bastante da proposta da obra e vou anotar a dica (:

    Parabéns pela resenha *-*

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bem?
    Eu confesso que acho a capa desse livro simplesmente linda e que a ideia dele chama bastante a minha atenção, pois nunca li um romance com três versões da história e isso é um tanto curioso. No entanto, acho que essa intercalação entre as três versões também me deixaria confusa e concordo contigo sobre separar as três histórias, acho que seria mais bacana. Enfim, mas apesar disso, eu tenho vontade de ler o livro e espero ter oportunidade em breve.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  15. Oi Amanda, tudo bem?
    Eu até achei legal a proposta da autora fazer um livro com três versões da mesma história mas a forma como ela fez intercalando uma na outra com certeza me confundiria também é esse é um dos motivos pelos quais não tenho vontade de ler o livro no momento.
    Fica para a próxima.
    Bjs

    ResponderExcluir