08 novembro 2016

Resenha - O Homem de São Petersburgo




A história pode estar prestes a mudar. 1914: a Alemanha se prepara para a guerra e os Aliados começam a construir suas defesas. Ambos os lados precisam da Rússia, que enfrenta graves problemas internos e vive na iminência de uma revolução. Na Inglaterra, Winston Churchill arquiteta uma negociação secreta com o príncipe Aleksei Orlov, visando a um acordo com os russos.
No entanto, o anarquista Feliks Kschessinsky, um homem sem nada a perder, está disposto a tudo para impedir que seu país envie milhões de rapazes para os campos de batalha de uma guerra que nem sequer compreendem. Para isso, ele se infiltra na Inglaterra com a intenção de assassinar o príncipe e, assim, frustrar a aliança entre russos e britânicos.
Um mestre da manipulação, Feliks tem várias armas a seu dispor, mas precisa enfrentar toda a força policial inglesa, um brilhante e influente lorde e o próprio Winston Churchill. Esse poderio reunido conseguiria aniquilar qualquer homem no mundo – mas será capaz de deter o homem de São Petersburgo?

Título: O Homem de São Petersburgo
336 páginas || Skoob || Cortesia: Editora Arqueiro || Onde Comprar










"– Se a Inglaterra e a França juntas não são capazes de derrotar a Alemanha, então precisamos ter outro aliado, um terceiro país do nosso lado: a Rússia. Se a Alemanha estiver dividida, lutando em duas frentes, poderemos vencer. É claro que o Exército russo é incompetente e corrupto, como tudo o mais naquele país, mas isso não tem importância, desde que desvie as atenções de uma parte do poderio alemão."

No princípio do verão de 1914, o mundo previa que uma guerra era iminente. As maiores potências mundiais se preparavam da maneira que podiam, criando armas, estratégias e fazendo planos de antemão em relação àqueles que seriam cúmplices e àqueles que seriam inimigos. Nesse tempo, a Inglaterra, uma força poderosa, sabia que mais cedo ou mais tarde teria de lutar contra a Alemanha, e esperava poder contar com o poderio e os homens da Rússia. Porém, para isso, era preciso entrar em um acordo e, para tal, foi designado o conde de Walden, um homem rico de Londres, que era tio, por parte do seu casamento, do príncipe russo Aleksei Orlov, que era também sobrinho do Czar Nicolau II, o que facilitaria as negociações devido a essas relações parentais. A partir disso, o príncipe viajou para Londres a fim de ouvir e apresentar as propostas para o conde de Walden.

"O trem apareceu, soltando fumaça pela chaminé. Eu poderia matar Orlov agora, pensou Feliks, sentindo por um momento a emoção do caçador ao se aproximar da presa. Mas já decidira que não cometeria o assassinato naquele dia. Estava ali para observar, não para agir. A maioria das tentativas de assassinato anarquistas fracassava, em sua opinião, por causa da pressa ou da espontaneidade com que eram cometidas. Feliks acreditava em planejamento e organização, o que parecia um absurdo para muitos anarquistas. Eles não compreendiam que um homem podia planejar as próprias ações – era só quando começava a organizar a vida dos outros que se tornava um tirano."

Porém, muitos que sabiam desses planos se sentiam insatisfeitos, e um deles era Felix Kschessinsky, um anarquista russo que durante toda a sua vida lutou contra as autoridades. Sendo um homem sem família e sem sentimentos, Feliks decidiu que não tinha nada a perder e que iria a Londres a fim de matar o príncipe Aleksei Orlov, para interromper as negociações e para chamar a atenção do povo russo para o que estava prestes a lhes acontecer. Porém, o que Felix não imaginava era que ao chegar a Londres, encontraria uma parte do seu passado que há muito estava esquecida, e que muitas lembranças viriam à tona. Também não contava com as dezenas de dificuldades que surgiriam no caminho para frustrar suas tentativas do aguardado assassinato.

"Ele largou as rédeas e puxou o freio. Os cavalos cambalearam, a carruagem estremeceu e parou abruptamente.
Ouviu uma mulher soltar um grito e um homem berrar em seguida no interior da carruagem. Algo na voz da mulher perturbou-o, mas não havia tempo para imaginar a razão. Feliks saltou para o chão, puxou o cachecol por cima da boca e do nariz, tirou o revólver do bolso e engatilhou-o.Transbordando de força e raiva, abriu a porta da carruagem."

Juntando um pano de fundo histórico, segredos ocultos e um suspense interessante, Ken Follet nos faz devorar cada página desse livro, ávidos por cada vez saber mais sobre essa história fascinante e nos surpreende intensamente ao final.

"E houve nova explosão de aclamações. Charlotte sentia-se atordoada, como se ela, a exemplo da Alice na história, tivesse passado pelo espelho e se descobrisse num mundo em que nada era o que parecia. Quando lera nos jornais as notícias sobre as sufragistas, não encontrara qualquer referência à Lei dos Pobres, de mães de 13 anos (seria mesmo possível?) ou de meninas contraindo bronquite no abrigo. Charlotte não acreditaria em nada disso se não tivesse visto, com os próprios olhos, Annie, uma criada comum e boa de Norfolk, dormindo numa calçada de Londres depois de ter sido “arruinada” por um homem. Que importância tinham algumas janelas quebradas quando tais coisas estavam acontecendo?"



[ - Minhas Impressões - ]


Quanto mais eu conheço as obras de Ken Follet, mais eu me convenço de que ele é um grande autor, daqueles cujos livros deveriam virar clássicos no futuro. E durante a leitura desse livro essa impressão apenas se solidificou.

Confesso que a princípio, quando li a sinopse, me senti extremamente atraída para realizar a leitura da história, mas, por outro lado fiquei intrigada e até mesmo temerosa pois tive a impressão de que seria uma trama extremamente política, apenas girando em torno de Feliks e suas tentativas de assassinar o príncipe. Mero engano. Assim que comecei a obra fiquei surpresa ao me deparar com o conde Walden, o homem que estava incumbido de negociar com o príncipe, e também como protagonistas bastante presentes a sua esposa e filha, que no decorrer da história se tornaram extremamente essenciais para o enredo. A partir daí comecei a devorar o livro e não conseguia largá-lo para nada, curiosa para descobrir onde terminaria, e o fim foi extremamente satisfatório e realista, além de bastante esclarecedor e fechado, do jeito que eu gosto.

O primeiro ponto que eu considero maravilhoso nesse livro é o modo como o autor aborda o pano de fundo histórico. Ambientado às vésperas da primeira guerra mundial, o livro nos transmite toda a agonia, a tensão, a espera daquele acontecimento que era certo porém indefinido em termos de tempo. Outra coisa que me chamou muita atenção, foi a forma como os segredos familiares foram inseridos na trama, além do desejo de assassinato, e foram segredos que prenderam, fascinaram e me deixaram ansiosa para descobrir a conclusão de cada um, é uma trama extraordinária e ao mesmo tempo algo que poderia muito bem ser real. Além do pano de fundo da primeira guerra mundial, o livro traz temas como a luta pelo voto para as mulheres, as diferenças sociais, a criação de filhos no início do século XX, e alia personagens fictícios com pessoas que existiram na vida real.

Sinceramente não encontro pontos negativos a destacar, mas para aqueles leitores que não gostam desse pano de fundo histórico, as conversas sobre a guerra iminente e as negociações podem acabar se tornando um pouco maçantes.

Esse livro é um dos que possuem os personagens mais bem construídos, desde os secundários até os protagonistas. Os que mais me chamaram a atenção foram Feliks, o anarquista, um homem com um passado misterioso que vai sendo esclarecido ao longo do livro e por quem nos afeiçoamos. Também fui cativada por Charlot, a filha de Walden, que era uma moça com a criação típica do século XX mas que aos poucos desejava sair de seu casulo e encontrar sua voz, e mudar sua própria história. Além disso, o Walden me despertou certa afeição por suas atitudes, sua bondade e por ser diferente da maioria dos homens ricos e arrogantes da época.

O livro é dividido em quinze capítulos, de um tamanho razoável, e mais um epílogo, além de ser narrado em terceira pessoa. Minha leitura se deu em e-book e encontrei alguns errinhos de revisão que não atrapalharam na leitura.

Recomendo para os leitores que gostam de bons livros históricos, carregados de suspenses, e também para aqueles que desejam conhecer alguma obra desse grande autor essa é um ótimo começo.

16 comentários:

  1. Olá Tamara
    Eu já ouvi falar muito bem desse autor, mas ainda não tive a oportunidade de conferir nenhum título seu. Fiquei curiosa sobre o desenvolvimento dos personagens, especialmente por conta da maneira como você comentou. É um genero que me chama muito a atemção, e fico feliz que você não encontrou pontos negativos para enfatizar por aqui. E ah, amo passagens históricas <3
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Se há livros que nunca me decepcionam, são os do Ken Follett. As personagens, cenários, a trama, tudo sempre bem construído.
    Ainda não li esse livro, mas pela sua resenha, deu para sentir bem que é uma excelente história, ainda mais tendo guerra como pano de fundo, como vc destaca . Essa tensão no ar, e abordagem do tema sobre voto para mulheres devem realmente ser fantásticos na trama.
    Vou ler com certeza, ótima dica.


    ResponderExcluir
  3. Olá
    Eu sou louco para ler algo do Ken, pois sempre leio enormes elogios quanto ao seu livros. Acho que nunca tinha lido a resenha do livro em questão, mas eu já gostei por colocar como pano de fundo fato histórico como o incio da I Guerra, e em seguida pelo seu comentário de como ele soube usar o mesmo. Quanto a capa l,eu achei muito linda e segue um padrão de duas outras obras já publicadas pela Arqueiro. Até mais vê
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Nunca li nada do Follet e me sinto morando embaixo de uma imensa e pesada pedra, por ainda não poder opinar sobre seus livros com alguma propriedade. São tantos elogios e tantos admiradores que a sensação de estar perdendo alguma coisa importante é muito forte. Adorei sua resenha e anotei a dica e espero que em breve eu possa sair da caverna da ignorância e poder ler alguma coisa deste autor tão amado e elogiado.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá!! :)

    Eu nunca li nada do autor e estou muito curioso devo dizer! :) Principalmente por essa qualidade no fundo histórico, como disseste! :) Ele e mutio elogiado especialmente por isso! :)

    Bem, amei que as personagens sejam tao cativantes, para alem de que o tema e a época ate me agradam para saber mais sobre ela!! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem??

    Mulheeeeeeeeer, como você consegue ler em e-book?? Isso é uma coisa impossível pra mim hahaha. Gostei bastante do enredo e eu acho fundamental personagens bem construídos, dá uma consistência importante para a história. O que mais me cativou foi a aposta de que ele poderá virar um clássico no futuro hehehe

    XOXO
    umnovo-roteiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Já ouvi falar desse livro, inclusive tenho em formato digital, mas nunca tive a vontade de ler, tanto por parecer uma premissa muito intrincada e esse tema não me atrair tanto. Ainda assim, sei que esse autor é incrível e que não tem como não gostar de sua obra após a leitura. Sua resenha ficou ótima, adorei suas impressões!

    ResponderExcluir
  8. Oi Tamara, tudo bem?
    Eu não tenho o costume de ler livros com uma ambientação histórica, porém, por outro lado, amo histórias de suspense e sua resenha conseguiu me deixar bem curiosa para conferir o livro. Estou ansiosa para saber o que irá atrapalhar Felix de realizar o assassinato e que lembranças seriam essas que o deixa dessa forma. Espero ler um dia!

    Beijos! ♥

    ResponderExcluir
  9. Olá, Tamara!
    Olha, sou bem suspeita em se tratando de Ken Follett... Gosto de tudo que ele escreve. Sério, acho incrível essa capacidade dele de mesclar o pano de fundo histórico com a ficção. Também não acho maçante as negociações - eu gosto bastante de estudar História. E como sempre, os personagens são bem construídos e toda a teia narrativa repleta de segredos também.
    Nunca vou me cansar desse autor! Este livro já estava na minha lista, mas agora fiquei mais ansiosa ainda.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá, Tamara.
    O que me agradou nesse livro foi essa junção de política e suspense. Além de se passar em um importante período histórico da humanidade.
    Não conhecia o autor, mas vou procurar saber mais, parece que ele é muito bom no que faz.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    Eu confesso que não costumo ler livros assim e por isso acabo não dando muita atenção para eles. Mas lendo sua resenha agora fiquei bem animada, achei muito bacana esse fundo histórico e imagino que deva ter muito suspense mesmo. Além disso, eu gostei de saber que os personagens são bem construídos e que o autor aborda outros temas também. Enfim, parece ser uma ótima leitura, por isso vou marcar a dica.

    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  12. Oie!
    Eu gosto de livros históricos, sempre estou procurando um para ler.
    Confesso que nunca li nada do Ken Follett e não sei nem por onde começar a leitura. Mas preciso ler algo, pois sempre tem algum livro sendo publicado que me deixa bem curiosa para começar a leitura.
    Uma ótima dica.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  13. Olá Tamara!
    Eu já tinha visto esse livro, mas por não seu um gênero que curto nem fui saber mais sobre a história. A sua resenha me mostrou como o livro é bem construído e os personagens são cativantes. Depois de ver toda a sua empolgação deu até vontade de ler o livro.
    Amei a sua resenha.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  14. Oi Tamara, eu ainda não li nenhum livro de Ken Follett. Assim como você, possuo certo receio de se perder na trama política, e por isso, talvez eu não aprecie tanto a leitura. Mas, suas resenha me convenceu de que devo olhar pra ele com outros olhos, principalmente por ter se tornado um favorito! Abraços

    ResponderExcluir
  15. Oi Tamara, tudo bem?
    Eu nunca li nada do Ken Follet e não sabia exatamente como eram os livros dele, mas olha, se todos passarem pelo período de guerras e revoluções ele terá mais um leitor pois eu adoro. Eu vendo essa capa não imaginei que tratasse disso e espero poder lê-lo futuramente.

    ResponderExcluir
  16. Oi Tamara, tudo bem?
    Depois dessa resenha super positiva é impossível não sentir vontade de ler o livro! gostei muito de ver o enredo criativo, de ser histórico com um suspense e devo dizer que a trama chamou minha atenção. Nunca li nada assim e com toda certeza daria uma chance a ele. Ótima resenha!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir