01 novembro 2016

Resenha - Novembro, 9




Autora número 1 da lista do New York Times retorna com uma história de amor inesquecível entre um aspirante a escritor e sua musa improvável. Fallon conhece Ben, um aspirante a escritor, bem no dia da sua mudança de Los Angeles para Nova York. A química instantânea entre os dois faz com que passem o dia inteiro juntos – a vida atribulada de Fallon se torna uma grande inspiração para o romance que Ben pretende escrever. A mudança de Fallon é inevitável, mas eles prometem se encontrar todo ano, sempre no mesmo dia. Será que o relacionamento de Ben com Fallon, e o livro que nasce dele, pode ser considerado uma história de amor mesmo se terminar em corações partidos?






Livro: Novembro, 9
352 páginas | Skoob | Editora: Galera Record | Onde comprar












Para Fallon, todos os dias 9 de novembro têm um significado marcante, afinal, foi nesse dia, aos 16 anos, dois anos atrás, que a casa de seu pai pegou fogo por acidente, e ele, no meio da confusão, acabou cometendo um erro: esqueceu a filha dentro de casa. Como consequência, Fallon ganhou cicatrizes na parte esquerda do seu corpo e, desde então, é uma mulher extremamente insegura. Ela tem um relacionamento bem distante com o pai e, como aquela data representa algo importante já que perdeu sua carreira de atriz em ascensão por conta da aparência, Fallon decide marcar um encontro com ele em um restaurante, na tentativa de resgatar algo bom entre eles. Não demora para ela perceber que esse encontro foi uma péssima ideia, pois seu pai lhe da a notícia de que vai se tornar pai novamente e se casar com uma moça de 24 anos. Fallon reage dizendo que ele faz com que ela perca a vontade de ficar com homens, e ele, que antes sempre tomava cuidado ao tocar no assunto, acaba retribuindo com muita amargura; dizendo que sua filha ficou apenas com um garoto nos últimos dois anos. Ainda é difícil para ambos superarem o acidente.

“Eu não era essa garota. Era confiante, mas o incêndio derreteu cada pingo de autoestima que eu tinha. Tentei recuperá-la, mas é difícil acreditar que alguém possa me achar atraente quando nem eu consigo me olhar no espelho.”

Fallon vai ao banheiro se recompor, já que ela percebe que seu pai não parece sentir nenhum remorso por ter, de certa forma, causado aquelas cicatrizes eternizadas em sua pele. Ela já não é a mesma adolescente confiante e possuidora de alta autoestima de antes. É bastante insegura com a sua aparência; o tempo todo está puxando seu cabelo e usando roupas que cobrem tudo para que as pessoas não fiquem olhando. Não que ela odeie ser olhada, ela apenas desejava que alguém a olhasse e não desviasse o rosto. Isso nunca acontecia, até o momento em que volta do banheiro e um rapaz bonito, com uma aparência desleixada, além de a olhar e não desviar o rosto para o outro lado, sorri para ela!

Ao voltar à mesa, ela conta para seu pai que irá se mudar para Nova Iorque aquela noite, no intuito de fazer testes para a Broadway e ir atrás de seu sonho de ser atriz novamente. Como ele já fora um ator famoso e tem experiência na área, acredita que Fallon está cometendo um erro terrível. Não que ela não seja talentosa, mas, com as queimaduras, ele acredita que suas chances de conseguir um bom papel são improváveis. Fallon e seu pai continuam discutindo e, quando ele começa a passar dos limites não demonstrando nenhum pouco de apoio, o cara que estava a observando minutos atrás se senta do seu lado e começa a agir como se fosse seu namorado. Ele se apresenta ao pai de Fallon como Ben, e questiona o porquê dele não apoiar a carreira de sua filha, já que sabe que ela é muito talentosa. É claro que Fallon nunca viu o cara na vida e não gosta da ideia de precisar de um estranho para protegê-la, mas ela não pode negar que adorou ele estar ali, falando várias verdades e humilhando o pai na sua frente.

“Preciso me obrigar a ter uma vida antes de ser engolida de vez pela vida que não vivo.”

O pai de Fallon vai embora dali derrotado e ela se encontra sozinha com Ben, o namorado falso. Por algum motivo, ele não vai embora e os dois começam a conversar e a se conhecer de verdade. Ben é um escritor e, depois de vários diálogos, se torna bem perceptível ao leitor de que começa a rolar uma química entre os dois, mesmo sem se conhecerem direito. Desde o acidente, Ben é o único cara que vê Fallon como uma mulher linda de verdade, e que não se importa de olhar para suas cicatrizes. Ben consegue fazer o que ninguém antes fora capaz: aos poucos vai mostrando que ela é bonita apesar das queimaduras, que não deve ouvir o seu pai e deve ir atrás de seus sonhos em Nova Iorque.

A conexão entre eles é forte e, como ela vai embora de Los Angeles à noite, Fallon e Ben acabam criando um acordo: se encontrarem em todos os 9 de novembro até completarem 23 anos, sem trocarem números de celular, nem e-mails. A razão desse combinado é que, segundo a mãe de Fallon, dos 18 aos 23 anos é a época que ela deve encontrar a si mesma antes de se entregar completamente a um rapaz. Ela diz a ele que somente poderão permitir se apaixonar passados os 5 anos, tempo em que ela irá encontrar seu lugar na carreira, enquanto Ben termina a faculdade e escreve um livro intitulado 9 de novembro, contando a história dos dois.

Só que, o que eles não imaginam é que, em tanto tempo sem se encontrarem e sem nenhum contato, as coisas podem mudar completamente. Será que conseguirão se encontrar todos os anos? E se um deles se apaixonar por outra pessoa? Eles atingirão seus objetivos pessoais? O livro de Ben chegará a ser terminado? As respostas são encontradas nessa história completamente fascinante que apreciei a cada página.


“Quando acordei hoje de manhã, pensei que este dia seria um dos mais difíceis dos últimos dois anos. Quem poderia dizer que o aniversário do pior dia da minha vida poderia acabar tão bem?”

A cada novo 9 de novembro eu me sentia ansiosa para saber como a vida dos dois personagens estariam depois de tanto tempo: se estariam comprometidos com outra pessoa ou simplesmente não apareceriam no local combinado. É a primeira vez que leio uma obra da Colleen Hoover, então não sabia muito bem o que esperar dela, e posso dizer com certeza que Novembro, 9 não será a última. Sua escrita é incrível e maravilhosa, me senti cativada em cada capítulo e não conseguia largar o livro até chegar ao desfecho. E que desfecho emocionante! Também gostei bastante da grande reviravolta nos últimos capítulos, foi algo inimaginável e que sequer passou pela minha cabeça. Foi uma jogada muito inteligente da autora e adorei isso, o que só comprova o seu grande talento para a escrita.

Os personagens principais são maravilhosos e inesquecíveis, eu amei cada diálogo entre eles. Fallon é uma mulher insegura que vai melhorando sua autoestima com o tempo e que, mesmo gostando de Ben, sempre pensa em si em primeiro lugar. Já Ben é um príncipe, um cara apaixonante e tão real! Ele é um cara safado e romântico na mesma proporção, e quando vemos que ele faz tão bem para Fallon, é impossível não torcer para que consigam ficar juntos no final. É impressionante o amadurecimento dos personagens do primeiro 9 de novembro ao último. As diferenças são claras, e é possível perceber que já não são mais as mesmas pessoas que eram antes, afinal, são desenrolados vários acontecimentos inesperados, que vão moldando os personagens. Os secundários também são ótimos. Adorei a família de Ben e como conseguem permanecer tão unidos mesmo nas situações mais difíceis.

A capa do livro é muito bonita e acredito que seja uma das mais bonitas da autora lançada pela editora Galera Record. A diagramação também não peca em nada quanto à fonte da leitura, espaçamento entre linhas e sem erros de revisão. A escrita é em primeira pessoa, intercalando pontos de vista entre Fallon e Ben.

Eu me encantei por esse livro e o recomendo para todos. Para aqueles que ainda não conhecem a autora, vale a pena começar por essa obra. Essa é uma história sobre amor, culpa, família e perdão. Uma história para nunca mais ser esquecida, pois sempre a levarei em meu coração.

19 comentários:

  1. Olá Amanda
    Então, eu comecei a ler esse livro, mas estou lendo aos poucos e de forma bem lenta, preciso confessar. Esse é um livro que eu leria em apenas uma noite, visto a empolgação por conta da autora e dos outros livros que li dela serem tão bons. Não sei explicar, mas estou com certa dificuldade mesmo de continuar. Vou tentar nesse final de semana, acho que tenho medo de não gostar, ao mesmo tempo em que sei que irei amar. Me perdoe, mas não li muito de sua resenha, pois não quero saber muitas informações sobre a história... quero ir descobrindo ao decorrer da leitura, e assim, me surpreendendo. Espero que eu goste também ♥
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Se eu pudesse te dar um conselho, seria, Leia tudo de Colleen que puder! Juro! Ela é uma das poucas autoras que compro o livro sem ler a resenha porque sei que vou amar a história! Foi assim com métrica e um caso perdido, e suas continuações também! A autora mostra que nunca fica na mesmice e ta sempre inovando! Esse é o unico dela que não li, mas to muito curiosa porque é diferente de tudo que ela já escreveu e eu não sabia que a data tinha um significado tao grande para a história!

    ResponderExcluir
  3. EU PRECISO LER ESSE LIVRO.
    Minha lista de livros da Colleen está atrasada, já que esse e Talvez Um Dia ainda não li.
    Mas esse já me chama a atenção, por acontecer no melhor mês no ano. O mês do meu aniversário. rsrsrsrs
    E o enredo me lembra um pouco o livro Um Dia, que amo de paixão. Então acho que essa combinação é perfeita.
    Amo a escrita da Colleen então acho que não vou me decepcionar com o livro.

    Bjs,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
  4. Oi!! Já ouvi falar bastante de Coleen Hoover e o quanto ela é ótima escritora, porém, nunca li nenhuma de suas obras. Eu fiquei encantada com esse livro, ainda mais depois de ler sua resenha e o quanto você falou bem dele hahahahah Achei muito bacana a atitude de Ben ao apoiar Fallon fingindo ser seu namorado, a ligação criada entre eles, ele ser um cara bacana que faz bem a ela, mas, principalmente, adorei Fallon querer se encontrar primeiro e continuar se amando, colocando-se em primeiro lugar sempre. Adorei! Ótima resenha. Beijos.

    thehouseofstorie.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Depois dessa resenha deu vontade de ler o livro. Já o havia visto por aí,mas não sabia do que se tratava. Uma história mais realista, me interessei. Geralmente leio coisas mais surreais, fantásticas. O dia que tiver numa livraria se lembrar o adquiro. Céus, e lá se vai meu cofrinho rsrs

    ResponderExcluir
  6. Oi Amanda. Eu sou fã da Colleen. Ela né ganhou com o lado feio do amor e depois reafirmou com maybe Someday. Esse livro eu venho adiando para ler pois me parece ser uma leitura bem emociinal, mas ao ver seus comentários a respeito me encantei e agora quero começar a leitura já! Só discordo com você quanto a capa. Eu não gostei kkkk beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Amanda, até o momento eu ainda não li nenhum livro da autora porém esse despertou bastante minha atenção e fiquei realmente muito curiosa para saber se ao fim dos cinco anos eles ainda vão estar juntos, sr o livro vai ser escrito, se ela conseguiu seguir carreira como atriz.
    Pretendo ler esse livro em breve.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Oie!
    Eu ainda não li esse livro da Colleen, mas ele está aqui na pilha para fazer a leitura.
    Espero conseguir fazer isso em breve, pois os livros dessa autora são ótimos. Sempre fico emocionada com cada uma das tramas.
    Muito bom!
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Meu Deus, sua resenha me deixou apaixonada pelo livro!
    Estou com ele na lista de próximas leituras e acho que vai acabar passando na frente de alguns. Colleen sabe como proporcionar os mais diversos sentimentos no decorrer da trama e nos vemos com raiva, feliz e emocionada ao mesmo tempo com muitos dos personagens.
    Quero muito conferir como será o encontro dos personagens a cada ano.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Ahoy!
    Primeiro acho que mesmo com corações partidos ainda assim pode ser chamado de história de amor.... Gostei Muito dessa resenha. eu a li como se estivesse lendo o livro , rsrs esperando você revelar mais detalhes. Tão logo eu possa vou ler esse livro. Por que agora quero saber se eles ficam juntos ou não?! E Oh MY GOD, que fofo ele salvá-la do pai dela. e estou curiosa para saber se ela conseguiu levar sua carreira adiante.... SO EXCITING!!!

    BJ BJ
    ♥♥♥ Amantes de Jane Austen ♥♥♥ | Amantes de Jane Austen no FB

    ResponderExcluir
  11. Li esse livro recentemente e ficou apaixonada por ele e sua história. Era cada reviravolta no livro que me deixava ansiosas e temerosa, além de que jamais dava para saber como seria o próximo dia 9... Sem falar da relação dela com seu pai que dizer que era ruim, é no minimo um eufemismo. Aprendi muito lendo, me surpreendi, me apaixonei, tive meu coração partido e amei cada segundo! Fico feliz que com você tenha sido igual, mas com essa autora é impossível não gostar de suas obras <3
    Um beijo
    www.brookebells.com

    ResponderExcluir
  12. Olá Amanda,

    Sempre gostei dos livros da autora e esse por sinal, conseguiu superar minhas expectativas, embora Talvez Um Dia tem um lugar especial no meu coração. Gostei muito do desenvolvimento do romance e a principio fiquei com medo do livro ficar chato, por ir passando os anos né? Mas pelo contrário, gostei muito da narrativa e torci o tempo inteiro pelo casal. A problematização da obra também foi muito bem estruturada, a Colleen realmente arrasa.

    Abraços,
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
  13. EU conhecia o livro, mas não tinha parado para realmente ler uma resenha dele. Achei a história muito boa e com certeza este acordo de só se encontrarem todo dia 9/11 deixa o leitor com o coração na mão. Gostei e vou querer começar por ela para conhecer a escrita da autora.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. Meu deussss! Admito que não sabia a profundidade desse romance, achei que era só mais um clichê, mas depois da sua resenha eu fiquei encantada! É tão diferente e único, esses encontros são incríveis e a forma como a autora faz a mocinha se auto reconstruir e se amar parece ser lindo e encorajador. Enfim, agora eu com certeza lerei esse livro (mesmo atrasando todos os outros, rsrsrs), sua resenha ficou incrível, muito bem escrita e desenvolvida! Amei!

    ResponderExcluir
  15. Olá Amanda,
    Ainda não li nada da autora, acredita? Gostei muito da sua resenha e fiquei bem curiosa com relação a obra, mas já adianto que começarei a leitura odiando o pai da Fallon, que tipo de pessoa age dessa forma? Eles parecem se odiar e não se apoiam de forma alguma. Achei muito fofo Ben aparecer e salvar a mocinha e gostei de saber que eles se encontram todos os dias na mesma data sem contato em outros dias, acho que, no final, eles ficam muito maduros.
    Adorei sua resenha e super anotei a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Ooi,
    Não conheço a escrita da autora ainda mas fiquei muito interessada nesse livro! Amei sua resenha e tenho que confessar que 9 de Novembro parece ser um livro que vou amar! Parabéns pela resenha, vou colocar esse livro na minha lista agora mesmo.
    Bjos,
    Corujas de Biblioteca

    ResponderExcluir
  17. Oi Amanda
    Sou suspeita de falar desse livro, pois simplesmente amei. Foi bom ver que você gostou tanto também. Tenho certeza de que é o melhor de Hoover.
    Esse encontro anual e a falta total de contato e ao mesmo tempo o sentimento é de elo. Muito lindo e profundo da sua maneira.
    Adorei ler sua resenha.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  18. Oi Amanda, tudo bem?

    Realmente estou intrigada com "Novembro,9".

    Sua qualificação à obra me deixou ainda mais curiosa e principalmente quando você diz que se trata de "amor, culpa, família e perdão"

    Vou guardar com muito carinho sua dica e fico feliz por você levar esta história no coração!

    ResponderExcluir
  19. O que eu mais gosto na escrita da Colleen é essa mágica que ela tem de fazer a gente se apaixonar perdidamente pelos seus personagens, mesmo os secundários conseguem ganhar a nossa atenção e não passam sem chamar a atenção. Amo a autora, então ver que sua primeira experiencia com ela foi boa e que você quer mais me deixa super feliz. Ela já começou te ganhando e eu acredito que continuará com os outros livros.
    Fiquei morrendo de medo de pegar algum spoiler na resenha já que esse eu ainda não li, mas dá para saber que mais uma vez a CoHo vai me ganhar e colocar mais um casal na lista de queridinhos *-*
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir