30 julho 2018

Luz, Câmera e Ação [53] - Tomb Raider


Título: Tomb Raider: a origem
Data de lançamento: 15 de março de 2018 (Brasil)
Direção: Roar Uthaug
Elenco: Alicia Vikander, Daniel Wu, Walton Goggins, Dominic West
Gênero: Ação, Aventura
Duração: 118 minutos

Lara Croft é a independente filha de um excêntrico aventureiro que desapareceu quando ela mal tinha chegado à adolescência. Agora, uma jovem de 21 anos sem nenhum foco ou propósito na vida, Lara faz entregas de bicicleta nas caóticas ruas de Londres, ganhando apenas o suficiente para pagar o aluguel. Determinada a forjar seu próprio caminho, ela se recusa a tomar as rédeas do império global de seu pai com a mesma convicção com que rejeita a ideia de que ele realmente se foi. Aconselhada a enfrentar os fatos e seguir em frente depois de sete anos sem seu pai, Lara busca resolver o misterioso quebra-cabeças de sua morte, mesmo que nem ela consiga entender a sua motivação.



Mais ou menos nos últimos cinco anos a indústria cinematográfica hollywoodiana empenha-se trazendo enredos com suas matrizes vindas de livros, HQ's e games. Com essa postura, era questão de tempo para remakes e reboots surgirem em tentativas arriscadas e corajosas de redenção pelas adaptações que, no passado, tiveram o seu espaço no gosto popular, chamados também de clássicos, mas que fracassaram miseravelmente em alguns dos quesitos (ou em todos): roteiro, cenário, direção e atuação. Tomb Raider é um reboot que veio tanto para adaptar o game da produtora Crystal Dynamics, como para passar uma borracha na imagem da antiga Lara Croft que era mais fetiche sexual masculino - eternizada pela talentosa dona do mundo e da paz: Angelina Jolie - nas sessões do cinema, do que uma personagem habilidosa, ágil e curiosa, digna de respeito.

No longa, Lara sobrevive em Londres trabalhando numa empresa que faz entregas através de bicicletas. Ela divide os seus dias entre entregas e lutas livres no tatame de uma academia que não tem condições de pagar. Após uma corrida ilegal de tirar o fôlego em troca de 600 libras, ela é atropelada e quem lhe paga a fiança é sua antiga tutora, Ana Miller. Na ocasião, o telespectador que nunca viu os antigos filmes ou jogou a franquia dos games descobre que Lara é podre de rica, mas abdicou sua fortuna e se recusa a declarar a morte de seu pai que está desaparecido há sete anos. Mas após uma chantagem emocional barata vinda de Ana, Lara decide assinar os papéis declarando o óbito de Richard Croft a fim de não perder a mansão que ele tanto zelou em vida. Entretanto, no ato da assinatura lhe é entregue um quebra-cabeça japonês cujo interior possui um enigma feito por Richard para ela, acompanhado de uma chave. Lara que é fã de enigmas logo desvenda o local da fechadura que acolhe a chave misteriosa.


No local, que é um escritório secreto que seu pai possuía, nossa protagonista se depara com vários passaportes dele com nomes diferentes e pesquisas diversas, que não convém ao telespectador focar, no intuito de atiçar o espírito daqueles que buscam uma continuação das aventuras de Lara. Há um gravador onde seu pai registrou um vídeo de despedida para a filha. Nele, é mencionada a pesquisa em que trabalhava quando desapareceu. Nesse ponto ficamos mais por dentro da lenda da Himiko, a primeira rainha do Japão e feiticeira, história contada brevemente como introdução lá nos primeiros minutos do filme. Richard implora para ela destruir toda sua pesquisa a fim de que não caia em mãos erradas, mas não é do feitio dela abaixar a cabeça e seguir ordens mesmo vindas do seu pai. Munida de somente a cópia de um e-mail trocado entre seu progenitor com um homem de nome Lu Ren, que estava disposto a levá-lo a uma tal ilha perdida chamada Yamatai, Lara parte para Hong Kong afim de respostas.


[ - Minhas Impressões - ]

Pensem na minha felicidade quando soube que as gravações desse reboot estavam sendo iniciadas, e quando foram concluídas a ansiedade batia constante a cada semana enquanto sua estreia não chegava!

Consigo contar no dedo as heroínas permearam minha infância através das Sessões da Tarde, Tela Quente, Temperatura Máxima, Cine Espetacular, Tela de Sucessos, Sessão de Sábado, Super Tela, Tela Máxima e Cine Aventura (nem gosto de ver filmes, em? Risos). Tomb Raider é uma desas heroínas. Chegada a estreia do reboot, me permiti rever os filmes antigos - clássicos - dela e meu choque foi tamanho ao ver erros grotescos que passaram batido com minha visão de criança de não sei quantos anos atrás. Além de conter uma história rasa, nos é entregado uma Lara esbanjando sex appeal com seus seios fartos, que só não preencheram toda a tela por um bom senso de alguém da produção.

Recuperado desse trauma, me dirigi a sessão do cinema mesmo sem ter chance de zerar novamente o Definitive Edition. 118 minutos pareceu pouco para traduzir tudo a respeito dessa Croft mais nova e com certeza mais humana e real. Em alguns momentos parecia mais o game do que o filme! Ver tais cenas tão marcantes me encheu de emoção o coração. No fim, valeu a pena o tempo aguardado para essa estreia. Houve um momento ainda na época de início das gravações em que duvidei da imagem da atriz Alicia Vikander para o papel, mas ao ver sua interpretação na telona cheguei à seguinte conclusão: ESSA É DEFINITIVAMENTE A LARA CROFT QUE CONHECI NOS GAMES!!!

No primeiro contato, não pude caçar as falhas que poderiam haver no longa tamanha era minha empolgação e alegria no dia. Recuperado, após algumas semanas, revi o longa já na minha residência e, definitivamente, os erros que no clássico aconteciam muito nesse reboot estão reduzidos, mas não extintos. Isso demonstra que houve cuidado com o material criado pelo Toby Gard, e buscaram se distanciar dos games, não sei se a fim de haver uma mídia diferente para um público novato, ou somente liberdade na criação dos cenários. Seria esse mais um caso a la franquia Resident Evil que foi odiada pelos fãs do game? Isto só o tempo dirá.


Dentre os erros que percebi foi um momento em que Lara esquece que está ferida e corre como uma maratonista. Okay, sei que você é uma grande heroína, mas vamos com calma na ficção!

Os outros erros que encontrei foi a tamanha coincidência em um encontro dela na ilha que fica difícil de engolir. Na vida real, flechas acabam em um aljava, mas no game Lara as recupera do chão, infelizmente nesse longa isso não ocorre. Por último, o misticismo que tanto circunda o mundo dos Croft perdeu o seu valor lá pelos minutos finais do filme para uma explicação lógica e racional. Será que veremos esse misticismo ressurgir e se reafirmar daqui para frente?

Ficou explícito que há material guardado para o caso de ser confirmada uma sequência. Espero sinceramente que essa franquia vingue e renda. O vilão do enredo, Mathias Vogel, é extremamente frio e repugnante. Não tem como sentir pena ou empatia por tal ser, mesmo parecendo justificável os seus métodos para reaver seus filhos tendo riqueza no bolso. Mathias está preso na ilha de Yamatai há anos procurando o local de repouso de Himiko, mas sem sucesso.

Fico feliz por ver atores asiáticos ganhando papéis em longas hollywoodianos, mas vejo que ainda não são inseridos de maneira natural. Eles tem destaque demais em certas cenas que fica na cara que é um “ei, me notem” descarado ao invés de uma simples encenação. Lu Ren tem sua história e desenvolvimento no enredo bem concluída, dando a entender que não será um parceiro para as aventuras futuras - se houver - de Lara Croft. Percebi que há poucos personagens contracenando com Lara. Se conta nos dedos de uma mão e não sei precisar ainda se isso foi algo positivo para a história.
- Gostou dela?
- Gostei. Quero duas.
Há drama no longa, mas que se você ignorar poderá aproveitar bastante a trama detrás. Como mencionado anteriormente, nesse reboot trouxeram uma Lara mais humana e real, tanto que em brigas e pulos desafiadores, vemos a dificuldade nos movimentos gerados seguidos da dor que são bastante expressivos no rosto da atriz Alicia, que incorporou completamente Lara. Não consigo mais ver outra atriz interpretando ela a não ser, claro, Camilla Luddington (conhecida por sua atuação na série televisiva Grey's Anatomy), quem emprestou voz e sua imagem para os games feitos pela produtora Crystal Dynamics. Fica minha indignação por não usarem a atriz, já que a mesma atua em uma série que nunca parece ter fim, diminuiriam custos, creio.

Curti bastante a computação 3D utilização. Ficaram bem reais as cenas em cavernas e principalmente nos mares revoltos, mesmo frisando que a ilha de Yamatai pareceu enorme para uma ilha perdida! (risos) Recomendo o reboot para aqueles que amam lendas antigas e buscam conhecer uma heroína que sobrevive há décadas, que está mais viva do que nunca mesmo em rostos diferentes.




Inscrições Abertas - Participe!!






14 comentários:

  1. Então..rs
    Eu não sou muito fã com filmes de super heróis e não adianta, Lara para mim, sempre foi uma heroína daquelas, mesmo não sendo também de games e afins.
    Mas como havia acompanhado os filmes anteriores com a Angelina, confesso que estava morrendo de medo deste novo longa, trazendo a mocinha, até então, bem desconhecida do público.
    Mas tirando os excessos, o filme é bem bacana sim e a mocinha não deixou a desejar não,em suas cenas de aventura, ação e nos saltos miraculosos..rs
    Vale o entretenimento com certeza!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi Bruno!
    Já vi os outros filmes e confesso que nunca curti, meu marido gosta bastante e está curioso pra ver este tbm...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Que bom que você gostou do filne e da atriz, eu acho que assistiria comparando sempre as atuações dela e da Angelina..
    Legal você ter reparado que são poucos erros, e sobre a personagem Lara correr feito uma louca mesmo ferida releve,afinal é uma heroína, cinema é fantasia. Gostei muito da tua resenha ,apesar de não ser meu estilo de filme favorito, mas se percebe a qualidade da produção em toda tua explanação.

    ResponderExcluir
  4. Olá Bruno,
    Não posso fazer comparações porque nunca me deparei com o game, mas, falando dos filmes, eu ainda prefiro a atuação da Angelina, mas não nego que esse foi muito bom, um ponto que me chamou atenção, e que você citou, foi como a dor foi mais real aqui, a protagonista mostrava o que sentia, era visível que tudo o que ela passou não estava fácil, e nem mesmo sendo heroína!
    Em um geral é um filme incrível, tira sim aquilo de objeto sexual que o primeiro tinha, mas, contudo, ainda fico com o primeiro, lembrando que é a opinião de quem não entende nada do game, rsrs.
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Ótima dica ainda não assisti esse novo, mas já assisti os antigos e gostei muito e tbm já joguei os jogos, espero gostar desse igual gostei dos outros rsrs !!!

    ResponderExcluir
  6. Olá!Adoro esses livros sobre heróis, HQs, assisti ao primeiro filme e concordo com você quanto a sensualizar a Lara e fiquei muito feliz em saber que nesse novo projeto temos uma personagem mais humana, ainda não tive oportunidade de conferir o filme, mas acredito que vou curtir bastante, já que cenas de tirar o fôlego não vão faltar. Mas concordo com você quanto a não escolha da atriz “Jo” (uma pena), pois sem dúvida ficaria muito bem no papel.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Bruno!
    Eu não perdia uma vez sequer de assistir Tomb Taider na Sessão da Tarde, mas assim como você, com minha visão de criança também deixei passar esses erros grotescos, e agora que você falou sobre o sexy appel excecivo da Lara foi que me dei conta, eu só via a inteligência e forma de lutar da Lara de Angeline Julie não enxergava esse lado negativo... - que abençoada seja a visão de uma criança, hein?!
    Fico feliz em saber que os erros que aconteciam no filme antigo está reduzido nesse reboot... Ah, não gosto de drama então vou seguir seu conselho e tentar ignorar.
    Valeu pela dica. Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Oiee!
    Já vi os outros filmes e gostei de todos, o fato de Lara ser uma mulher tao forte e destemida me agrada muito. Esse novo já esta na minha lista de filmes para ver ainda esse ano.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  9. Bruno!
    Nem sabia que tinha um game desse filme, acredita? É que não sou bem ligada nesses lances de games.
    Agora assisti o anterior com Angelina Jolie e nem olhei detalhes e erros, como observou em sua crítica.
    Quero poder assistir esse também para ver como foi a interpretação da nova atriz mais jovem interpretando.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  10. Achei a sinopse do filme um pouco bem confusa, não consegui entender direito o que o filme queria passar, mas reli de novo e acho que consegui pegar algumas coisas. Nem sabia que esse filme havia estreado, ou não curto as páginas certas pelo facebook ou não divulgaram muito. Mesmo assim, fiquei um pouco interessada em ver ele, já ouvi muuuito falar em Lara Croft mas nunca vi nenhum dos filmes antigos (não me mate haha), nunca tive vontade de ver, mas já vi algumas fotos da Angelina no papel de Lara e concordo que era extramamente exagerado toda a sexualização que fizeram dela. Também nunca joguei os games. Acho que irei tirar um tempo para ver esse novo filme, parece ser uma história interessante do início ao fim.

    ResponderExcluir
  11. Oi mano, então faz muito tempo desde que vi o primeiro filme e eu até tava bem animada pra poder assistir esse filme mas não lembro o que aconteceu na época que acabou que não foi assistir esse filme e olha que esse ano eu to quase todo o mês indo assistir um filme se não dois. Apesar dos erros que você mencionou como eu nunca joguei não faz muito diferença, acho que fica até melhor porque vou curtir o filme de boas. Obrigada pelo post.

    ResponderExcluir
  12. Confesso que não conhecia o filme e me parece ser uma ótima opção para não ficarmos procurando algo bom e que nos agrade, tendo esta opção maravilhosa.

    Pelo Visto, é uma ótimo para ver e rever, gravar as falas e falar junto ou até mesmo contracenar juntinho haha.

    Uma ótima história e bem construída. E posso dizer que tive uma vontade enorme de assistir ao longa.

    O que disse é super importante. Asiáticos tomando espaços hollywoodianos. Se tem potencial, realmente merecem estar ali. Se podem, devem! E fico muito feliz por isso.

    Eu já estou correndo para poder assistir, confesso que antes de ler sua crítica não estava muito cativado por eu não conhecer e não saber do que se tratava a trama. Posso dizer que já me apaixonei e quero conhecer Lara!

    ResponderExcluir
  13. Confesso que não conhecia o filme e me parece ser uma ótima opção para não ficarmos procurando algo bom e que nos agrade, tendo esta opção maravilhosa.

    Pelo Visto, é uma ótimo para ver e rever, gravar as falas e falar junto ou até mesmo contracenar juntinho haha.

    Uma ótima história e bem construída. E posso dizer que tive uma vontade enorme de assistir ao longa.

    O que disse é super importante. Asiáticos tomando espaços hollywoodianos. Se tem potencial, realmente merecem estar ali. Se podem, devem! E fico muito feliz por isso.

    Eu já estou correndo para poder assistir, confesso que antes de ler sua crítica não estava muito cativado por eu não conhecer e não saber do que se tratava a trama. Posso dizer que já me apaixonei e quero conhecer Lara!

    ResponderExcluir
  14. Sempre gostei bastante de Lara Croft, ainda não vi este mas gostei bastante do outro com a Angelina Jolie e ainda imagino que irão fazer várias comparações.
    Achei que a atriz não daria conta, mas fico feliz por ela ser exatamente como conhecemos no game.

    beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir