20 janeiro 2018

Resenha - As Perguntas

Título: As Perguntas
Autor: Antônio Xerxenesky
Cortesia: Cia das Letras
Skoob 
Páginas: 184
Onde comprar: Amazon

Alina enxerga sombras e vultos desde criança. Doutoranda em história das religiões, especializada em tradições ocultistas e aferrada à racionalidade que tudo ilumina, ela se acostumou a considerar as aparições como simples vestígios de sonhos interrompidos.  Certo dia, um telefonema da delegacia desarruma sua rotina de tédio programado. A polícia suspeita de que uma seita vem causando uma onda de surtos psicóticos em São Paulo. A única pista disponível é um símbolo geométrico desenhado por uma das vítimas. Intrigada e ansiosa para fugir da rotina, Alina decide investigar por conta própria um mistério que a fará questionar os limites entre razão e religião, cultura e crença. Em 'As perguntas', Antonio Xerxenesky costura o tédio da vida cotidiana com o desconforto do horror em um livro repleto de referências ao universo dos filmes, da música e do ocultismo.



Em As Perguntas conhecemos Alina, uma pessoa formada em história das religiões e especializada em tradições praticantes do ocultismo. Porém, tem uma vida totalmente pacata e que não tem nenhum prazer na vida e nenhuma perspectiva de crescimento futuro. 

"(...) viramos adultos quando pessoas da nossa idade morrem de forma absolutamente estúpida e podemos contemplar, com a lucidez necessária, a fragilidade e o absurdo da vida."



Desde criança ela vê vultos e acredita que tudo de sombrio que acontece em sua vida, tem um
propósito.

Devido à sua formação, ainda que Alina não exerça como profissão, recebe uma estranha ligação da delegacia local solicitando sua ajuda em um estranho caso: um símbolo misterioso desenhado por uma pessoa com suspeita participação em uma provável seita. 

"O problema com obsessões é que, mesmo quando  queremos dar um fim a elas, acabamos nos enredando mais e mais." 

Ainda que Alina não conseguisse desvendar, momentaneamente, o que poderia significar aquele símbolo, não desistiu de pesquisar, pois agora era uma meta traçada por ela. 

Traçada a meta, e com todos os indícios de investigação sobre a tal seita ocultista, Alina é convidada, misteriosamente, a participar de uma cerimônia secreta do grupo. 

"foi quando ela enxergou um rastro, uma sombra, uma presença na entrada do cubículo logo atrás dela, a menos de um metro, uma distância atingível, alcançável com um movimento de braço."

Com todos os recentes acontecimentos, a vida de Alina passou de pacata para perturbada. Além do mais, as ocorrências tenras eram quase que incompreensíveis para ela e ainda que sem perceber, se envolve cada vez mais com a história. 

"havia algo estranho, mas ela não compreendia o quê."

Aqui, abro um parêntese para algo que me agradou bastante. Alina admira o gênero de terror, sobretudo em filmes, e faz interessantes apontamentos de teses sobre tal gênero que nos faz refletir bastante sobre a vida. 

"(...) é como uma montanha russa, você acha que há perigo, mas é tudo ilusão. (...) é importante sermos expostos à violência e a morte no reino da ficção, só assim aprendemos a lidar com os horrores da vida real. (...) filmes de terror são retratos inconscientes da sociedade em que vivemos."



[- Minhas Impressões -]

As minhas expectativas eram altas quando li a sinopse. Logo de cara acreditei que seria uma experiência super agradável devido a proposta sombria voltada para um thriller psicológico. 

Claro que existia aquela pontinha de medo de me arrepender da escolha por se tratar de nacional - minhas últimas experiências foram horrorosas - mas ainda assim acreditei que não me decepcionaria. 

A proposta da obra é realmente muito interessante, tanto na parte de se tratar de uma formação tão desconhecida, quanto sobre as escolhas que Alina foi "obrigada" a fazer. Mas minha decepção veio com as expectativas criadas antes de iniciar a leitura. Realmente ficou uma interrogação tremenda em alguns pontos e eu esperava explicações que não ocorreram. 

Mas também não nego que o começo da leitura foi muito envolvente e instigante. O primeiro capítulo me ganhou totalmente e a curiosidade tomou conta do ritmo pelo qual ia finalizando cada página. Infelizmente esta sensação não se delongou e a leitura tomou um aspecto maçante. 

Acredito que o autor falhou em desenvolver alguns pontos. Esta obra tinha tudo para ser espetacular: proposta de enredo maravilhosa, personagens com características marcantes, ambientação agradável. Mas, lamentavelmente, a história se perdeu. 

Ainda assim agradeço imensamente a Antônio Xerxenesky pela experiência e reforço a idade de curiosidade sobre a obra. Estabeleci uma meta para 2018 para realizar uma releitura de todas aquelas obras que de certa forma não me ganharam em um primeiro, e certamente As Perguntas está entre elas. 

Pode ser que não estava em um bom momento para realizar este tipo de leitura e assim acabei não entendendo totalmente a intenção do Autor com a obra. 

Ainda com algumas percepções negativas sobre As Perguntas, não deixo de recomendar! Você que super ama enredos obscuros e thrillers, certamente pode se apaixonar por esta leitura. 

"Não sei. Não sei por que vim até aqui. Talvez sim. Talvez fosse isso. Por um momento eu achei que a minha experiencia tinha sido verdadeira. Tinha sido autêntica."

Se Inscreva e Participe!!

6 comentários:

  1. Amanda!
    Já estava tão empolgada ao ler o pequeno resumo da obra, sobre as previsões de Alina e tudo que estava acaontecendo com ela, mas ao ver que você se decepcionou com o desenvolvimento do enredo, fiquei receosa, porque esse é o tipo de assunto que tem de ter explicações precisas e tudo ficar amarradinho na história, para que o leitor saia satisfeito. Ainda assim, como gosto do assunto e gosto de conhecer novos escritores nacionais, gostaria de poder fazer a leitura.
    Desejo um ótimo final de semana!
    “Bem aventurados os que mudam suas atitudes sem esperar um ano novo.” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Oi Amanda!
    Adoro Thriller psicológicos, me prendem totalmente, eu não conhecia esse livro e já gostei de cara, o enredo parece agradar fã do gênero, espero conseguir uma oportunidade de conhecer melhor a obra.
    E essa capa? Linda!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Sem sombra de dúvidas, o enredo tinha e talvez tenha tudo para dar certo. Temas assim, com sobrenatural, símbolos e claro, perguntas que sempre estão nos fazendo questionar a nós mesmos, sempre rendem ótimas histórias.
    Amo nossa literatura nacional e fico surpresa com essa chegada de novos autores sempre trazendo suas novidades.
    Como não conhecia o livro, vai para a lista de desejados sim.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Oi Amanda!

    Confesso que o tema não me interessa muito, e também tenho um pouco de preconceito com livros nacionais. Mas uma coisa eu sei, já teve livros que tentei ler e a leitura simplesmente não rendia, então larguei o livro e muito tempo depois fui tentar novamente e acabei amando! Depende muito da época, às vezes não estamos com vontade de ler algum tipo de gênero ou por algum outro motivo que não sei explicar a leitura não rende. Um exemplo muito forme para mim foi com o livro A Hospedeira. Comecei a ler uma vez e achei muito chato, somente uns dois anos depois fui ler e acabei amando, tanto que é um dos meus preferidos. Vai entender né?

    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Eu não fiquei muito interessado em ler esse livro Apesar dele ser bem curtinho eu tenho fugido muito de livros que abordam o Paranormal não porque eu gosto e sim porque hoje eu tô um pouquinho estupefata de tantos livros assim que eu li e que acabaram me decepcionando

    ResponderExcluir
  6. Essa não é bem uma leitura que eu vou fazer tua mão rápido gosto de livros de ficção científica mas esse não me chamou atenção É Complicado explicar mas Quem Sabe numa próxima vez. o livro não me chamou atenção e eu não me senti atraída pela história

    ResponderExcluir