13 novembro 2017

Resenha - Todas as Garotas Desaparecidas


Título: Todas as Garotas Desaparecidas
Autora: Megan Miranda
Editora: Grupo Editorial Record / Verus Editora
Skoob / Goodreads
Páginas: 294
Onde comprar: Saraiva / Amazon

Faz dez anos que Nicolette Farrell deixou Cooley Ridge, sua cidadezinha natal, depois que sua melhor amiga, Corinne, desapareceu sem deixar rastros. De volta para resolver assuntos pendentes, Nic logo se vê imersa em um drama chocante que faz o caso de Corinne ser reaberto e remexe em antigas feridas.
Logo ao chegar, Nic descobre que seu namorado da época está envolvido com Annaleise Carter, a jovem vizinha que foi o álibi do grupo de suspeitos para a noite do sumiço de Corinne. E então, poucos dias após a volta de Nic, Annaleise desaparece.
Agora Nic precisa desvendar o desaparecimento de sua vizinha e, no processo, vai descobrir verdades chocantes sobre seus amigos, sua família e o que realmente aconteceu com Corinne naquela noite, dez anos atrás.
Todas as Garotas Desaparecidas é um suspense psicológico impactante — contado de trás para frente. Quando você pensa que está seguindo por um caminho conhecido, Megan Miranda — autora revelação no gênero do suspense — vira tudo de cabeça para baixo e nos faz questionar até onde estaríamos dispostos a ir para proteger aqueles que amamos.






Nicolette Farrel tem 28 anos e leva uma boa vida trabalhando como assistente social e noiva de um advogado de sucesso, mas essa leveza acaba sendo perturbada quando ela é chamada pelo irmão Daniel para retornar a sua cidade natal de Cooley Ridge com o objetivo de ajudá-lo a vender a casa em que cresceram. A mãe deles morreu de câncer e o pai, internado em uma clínica para idosos há um ano, já apresentando alguns sinais de demência e esquecimento, não quer permitir que essa venda ocorra. O problema é que dez anos atrás Nic saiu da cidade quando sua melhor amiga Corinne desapareceu, e a polícia nunca conseguiu solucionar o caso. Quando ela retorna à cidade, além de precisar se esforçar para manter o pai com clareza em suas falas e convencê-lo a assinar a papelada, deve lidar com todas as memórias que a cidade lhe traz, dos seus antigos amigos, o ex-namorado e ausência de Corinne.

Tyler, seu ex-namorado da época do colégio, está saindo com Annaleise, vizinha de Nic. Nota-se uma relação estranha entre ele e Nic, já que quando ela foi embora da cidade, nunca terminou o relacionamento, partindo sem dizer nada. Daniel precisa que sua irmã o ajude a vender a casa, pois o dinheiro está acabando e sua esposa está grávida. Só que algo muito inexplicável e misterioso acontece no primeiro dia em que Nicolette retorna à cidadezinha de Cooley Ridge: Annaleise desaparece, de forma súbita e sem deixar rastros. Assim como sua amiga Corinne, dez anos atrás. Nic sente a necessidade de descobrir o que realmente aconteceu com ela e como esse desaparecimento pode estar envolvido com o de Corinne. Porém, quanto mais fundo ela caça, mais coisas descobre sobre as pessoas da cidade, incluindo sua própria família.

“A linha oficial de investigação: a última vez que Corinne existiu para todos que a conheceram foi pouco depois da entrada no parque de diversões, e de lá ela desapareceu. Mas, na verdade, não. Havia mais coisa além disso. Uma peça de cada um de nós que mantivemos escondida. Para Daniel, ela desapareceu do lado de fora do parque, atrás da bilheteria. Para Jackson, no estacionamento das cavernas. E, para mim, ela sumiu em uma curva da estrada sinuosa, no caminho de volta para Cooley Ridge. Éramos uma cidade cheia de medo, em busca de respostas. Mas também éramos uma cidade cheia de mentirosos.”


Acredito que uma das principais características do gênero thriller consiste em surpreender o leitor. Quando soube que o novo lançamento da editora Verus intitulado Todas as Garotas Desaparecidas possuía uma narrativa peculiar, na qual cada capítulo volta um dia no tempo, o livro ganhou toda a minha atenção. Afinal, geralmente são os últimos capítulos que realmente nos atingem e queria muito saber como a Megan Miranda conseguiu criar uma história de suspense utilizando a cronologia reversa e tomando todo o cuidado para não deixar as pontas soltas.

Não vou dizer que o estilo da narrativa da autora deu errado, porque não é verdade. Tenho certeza que ela cuidou de cada detalhe para que sua obra fizesse o máximo de sentido possível para o leitor e aprecio muito esse esforço e criatividade. Digo ainda que se a autora não tivesse aprofundado a história na parte psicológica, esse método não teria dado certo. Enfim, eu já esperava me confundir um pouco com a história, já que sem saber o que a protagonista fez ou onde foi no dia anterior, eu não poderia prever nada. O único probleminha é que essa confusão se prolongou por bastante tempo, e só depois da metade que realmente fui me adaptando ao rumo do livro. Deixo aqui minha dica valiosa para vocês: dediquem uma atenção especial nos primeiros e últimos parágrafos de cada capítulo, pois dessa maneira se torna mais fácil de ligar os pontos.  

Ao ler uma história desse gênero, é importante entender os personagens, mistérios e toda a complexidade envolvida, então mesmo com a minha compreensão estando comprometida, persisti na leitura pois realmente estava curiosa para descobrir o que de fato ocorreu com as garotas desaparecidas. Fugiram? Foram assassinadas? Quem teria algo contra elas? E como o desaparecimento de uma poderia estar relacionado com a outra? A cidade de Cooley Ridge pode ser pequena, mas é habitada por pessoas extremamente suspeitas! Nesse universo vasto de personagens mentirosos, a cada página virada, mais difícil se torna a diminuir nossa lista mental de suspeitos. Pelo contrário, essa lista cresce! Em um lugar onde todos se conhecem e sabem quem é filho de quem, as fofocas ganham muita força. Dessa forma, os personagens vão se adaptando a isso, aos olhares alheios e aos vizinhos, tomando cuidado para não transparecer uma coisa que foge da realidade. Imagine só o estrago que seria se a mentira acabasse sendo declarada como a verdade oficial por todos?

“Nada fica em segredo nesta cidade. Nem na cama, nem na mesa, nem no bar, nem entre familiares, amigos e vizinhos. Nem mesmo entre nós.”

Nicolette é uma protagonista que nos proporciona suas reflexões profundas, indagações e flashbacks da adolescência o tempo todo. Apesar de ela dizer algumas coisas bem misteriosas e ocultar informações em certas cenas, acabamos nos conectando a ela porque o seu objetivo ali na Cooley Ridge é o mesmo do leitor: descobrir a verdade das garotas desaparecidas. Porém, a conexão se limita aí, pois não consegui sentir empatia por ela ou me identificar em alguma coisa. Reconheço que ela passou por algumas dificuldades, como a mãe ter falecido de câncer, o pai apresentando sinais de demência e que não deve ter sido fácil aceitar o desaparecimento da melhor amiga, ainda mais se tratando de uma menina tão instável, alguém que ela amava e odiava ao mesmo tempo. Creio que essa apatia pela Nic acontece por ela estar mais focada na solução dos casos do que em falar de si mesma. Talvez isso fosse comprometer a ideia da narrativa, quem sabe? 

Os personagens secundários são incríveis e bem desenvolvidos. Vamos conhecendo-os melhor através da perspectiva de Nic, suas memórias e encontros com os mesmos. Notei que os mais frequentes são Tyler e Daniel, já que possuem uma intimidade profunda com ela e compartilham muitas coisas juntos, tanto no passado como no presente. Conseguimos perceber os hábitos familiares, o modo que tomam as decisões, a intimidade forte em um toque, suas identidades singulares e o grau de convivência que demonstram pela Nic mesmo ela tendo se distanciado. 

Algo que gostei bastante foi conhecer a Corinne através das lembranças e relatos de Nicolette, a autora conseguiu exprimir bem essa sensação de luto, mostrando como uma pessoa se sente e encara a vida quando perde a melhor amiga. Prefiro sempre ter a perspectiva de um personagem para conhecê-lo, mas dessa maneira não deixou de ser convincente, pude visualizar bem a Corinne com todas suas atitudes impulsivas e problemáticas. Os diálogos do pai de Nicolette são bem enigmáticos e interessantes também, especialmente quando em sua cabeça se passa outro tempo e ele solta algumas frases que deixam a gente pensando de onde exatamente essas lembranças saíram. 

“Corinne era maior que a vida. Ficou ainda maior por ter desaparecido. Mas ela era só uma menina de dezoito anos que não aguentou, pois acreditava que o mundo se curvaria à sua vontade. A primeira vez que percebeu que ele não se curvaria, algo bom dentro dela deve ter se despedaçado. ”

Adorei a diagramação do livro, em especial a capa, pois a imagem da montanha-russa combinada com a figura da menina transmite bem a mensagem de como o dia do desaparecimento de Corinne é algo tão intenso e difícil para Nic, um dia que ela revive na memória constantemente e que ocupa uma grande parte de sua vida. Toda a parte gráfica está excelente, revisão, fonte e espaçamento muito confortáveis para leitura. Em suma, esse livro me mostrou o quanto o amor pode levar uma pessoa a ir tão longe para proteger alguém. É realmente assustador, eu não esperava que a história terminaria do modo como foi. Altamente recomendado! 

Participe !! Se Inscreva !!  

5 comentários:

  1. Amanda!
    Gosto do desafio de poder encontrar uma inovação na leitura e com certeza o livro ser escrito de tráz para frente, é bem diferente.
    Uma pena que apesar da curiosidade em tentar desvendar os mistérios das mortes e saber quem é o assassino, as personagens não prendeream você como deveria...
    Ainda assim como boa curiosa, gostaria de ler.
    Desejo uma semana carregadinho de luz e paz!
    “ Inteligência não é não cometer erros, mas saber resolvê-los rapidamente.” (Bertolt Brecht)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Pelo que me recordo esta é a terceira resenha que leio deste livro e ele já está na listinha de desejados desde então! Eu amo um bom thriller neste estilo, ainda mais quando todos os personagens são importantes na história. Quando há um passado e cada ponto vivido por alguém, pode trazer uma pista importante!
    Espero de coração, poder ler em breve!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Estou quase finalizando e estou gostando, espero que o final seja bom. Não li nada da autora! Achei essa capa linda, me deixou bem curiosa e acabei comprando

    ResponderExcluir
  4. Oii Amanda!!
    Já tinha lido resenhas do livro, gostei mto do enredo, o assunto me prendeu bastante tbm, já está na listinha e espero gostar da leitura.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Olá Amanda ;)
    Nossa, já tinha visto o livro mas não tinha dado nada por ele kkkk adoro suspenses e thrillers, e depois de ler sua resenha esse foi para minha lista de desejados com certeza!
    Achei bem diferente essa narrativa em que cada capítulo volta para um dia atrás. Geralmente nessas histórias do gênero que se passam em cidade pequenas, todo mundo tem algo a esconder, e fiquei muito curiosa para descobrir junto com a Nic o que aconteceu com as duas garotas!
    E que demais que a capa combina com a história, adoro quando a Editora tem esse cuidado na edição do livro ;)
    Obrigada mesmo pela dica, adorei!
    Bjos

    ResponderExcluir