27 novembro 2017

Resenha - A Ilha da Relíquia Sagrada



Título: A Ilha da Relíquia Sagrada
Autor: Marcello Simoni
Cortesia: Grupo Editorial Pensamento / Jangada
Páginas: 360
Skoob
Onde comprar: Saraiva / Amazon

1544, a armada do corsário otomano Khayr al-Din Barba-Roxa assedia as costas da ilha de Elba, com o objetivo de libertar o filho do general, mantido como refém pelo príncipe da cidade de Piombino e do arquipélago toscano. Mas o verdadeiro interesse de Barba-Roxa não é o jovem e sim o segredo que ele esconde. Ele é, na verdade, o último guardião de um mistério que remonta aos tempos de Jesus e pode minar os alicerces da fé católica. Mas o Rex Deus está oculto há mais de quinze séculos e encontrá-lo não será tarefa fácil. O rapaz terá de seguir uma antiga pista deixada por um monge templário, em meio a rivalidades de corsários, intrigas palacianas e batalhas navais. E terá também de frustrar um complô da Confraria dos Escondidos, que deseja a todo custo pôr as mãos no antigo segredo.






Um segredo secular que pode vir a abalar os dogmas e a fé dos religiosos é mantido sob a custódia de Cristiano. Mesmo que o jovem não tenha o conhecimento de sua posição como guardião desse tal segredo, passa a ser perseguido por quem possui interesse em desvender o mistério que resguarda o Rex Deus.


"Mas o que intrigava Cristiano era outra, uma pergunta que o atormentava havia meses, sem encontrar respostas. O que o grande almirante da frota otomana desejava dele?" 

Logo após chegar a aparente segurança das amuradas do castelo de Volterraio, depois do conflito que se instalara na ilha de Elba com a chegada de navios turcos, Cristiano foi apanhado pelo inimigo. A fortaleza de Volterraio não fora capaz de deter os homens de Nizzâm, que ansiava obter respostas que somente seriam dadas por Cristiano.


Nizzâm e seus homens tentaram arrancar informações, não obtendo sucesso e partindo para a tentativa de acabar com a vida de Cristiano. Esse conseguiu livrar-se das garras do inimigo que o mantinha sob seu poder no castelo e foi a procura de vingança para a morte de seu pai, que ocorrera em uma das batalhas travadas em Volterraio.

"Tornara-se herdeiro de um segredo espantoso. Agora, porém, só podia pensar em uma coisa.Na vingança"

Indo de encontro a Khayr al-Dĩn, o temido pirata turco Barba-Roxa, Cristiano pôs-se a deposição do homem para estar a frente da frota de busca pelo Rex Deus, horando assim o acordo feito outrora por seu falescido pai. Sanin havia mantido um compromisso com o pirata, passando esse dever para o filho com sua morte. Contudo, já que agora Cristiano possuía seus próprios motivos para encontrar o segredo secular, prometeu a Barba-Rosa que revelaria o paradeiro do peregrino pelo qual o turco tanto procurava.

"Um pacto é um pacto para o homem honrado."


Dispondo do apoio pirata, Cristiano então partiu em busca do importante Rex Deus, seguindo pistas e travando conflitos por todo o mar durante seu caminho.


"A liberdade dos mares nos torna insensíveis." 

"Sair daquele mundo para entrar em outro significara bem mais do que simplesmente mudar a fé. Abrira-lhe os olhos para aquilo que realmente unia os homens de todas as raças. Não era o amor, como sustentavam Platão e Jesus Cristo, nem a pureza dos ideais apregoados nas chamadas guerras santas. Era o ódio." 

  
[-Minhas impressões-] 

Uma obra permeada de intrigas e batalhas, com muita ação e disputas corpo a corpo. A Ilha da Relíquia Sagrada nos traz uma trama intrinsecamente ligada com crenças e religião, com um mistério que, dentro do enredo, pode abalar a fé dos cristãos.

Inicialmente me encontrei um tanto perdida, já que começamos logo com a fuga de Cristiano para o castelo, tentando salvar-se dos turcos. No entanto, nos capítulos seguintes – todos narrados em terceira pessoa – temos um maior entendimento das motivações de cada um, já que a narrativa intercala entre os mais diversos personagens. Confesso que esses primeiros capítulos confusos me deixaram um pouco desanimada, mas indo adiante na leitura encontrei um universo do qual gosto bastante.

Temos muito do mundo de aventuras daqueles que vivem nos mares, desbravando as águas e lidando com inimigos. O pirata Barba-Roxa poderia ganhar todo o destaque da história, já que é uma personalidade temida por todos. Mas a corrida pelo Rex Deus, como também outros interesses secundários, tomam nossa atenção. Assim, ficamos a par de várias disputas por interesses.

O romance existente entre Cristiano e Isabel não ganha todas as páginas. O que, em minha opinião, foi uma decisão acertada do autor Marcello Simoni. A história, desde sua premissa, se trata da busca e o mistério que circunda o Rex Deus e a possibilidade de Cristiano ser o guardião desse segredo escondido por séculos. Talvez se esse romance tomasse proporções maiores, teríamos menos dos momentos de ação substituídos por um amor que não se encaixa tão bem no enredo, mas que trás um frescor romântico em oposição as constantes batalhas.



Sobre a diagramação, me resta dizer que fiquei muito satisfeita. A fonte usada é muito agradável. Há também uma revisão feliz, com erros esporádicos não muito graves, que só não passarão despercebidos aos leitores mais atentos. As folhas amarelas são agradáveis para a leitura, principalmente para aqueles que, como eu, se estendam durante várias horas lendo. A capa agradou bastante também, remetendo-me talvez as grandes navegações da história.

Com personagens bem estruturados e uma história um tanto ambiciosa, que dividiu minha opinião em diversos momentos, A Ilha da Relíquia Sagrada é um livro para aqueles que gostarem de aventuras e conflitos, com uma linguagem rebuscada que dificulta um pouco a compreensão, porém este é um pequeno problema que pode ser resolvido com o auxílio de pesquisas rápidas para o entendimento de algumas palavras.

Recomendo!

Se Inscreva e Participe!!!


4 comentários:

  1. Oi Emmilly!
    Achei sensacional a escrita desse livro, capa linda tbm, não conhecia, eu qro mto ler, espero conseguir logo pois me agradou mto...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Emily!
    Adoro quando os livros trazem personagens fortes e com personalidade detalhada.
    E se no enredo tem traições, acordos secretos, política e religião, fica ainda amis atrativo, porque o livro não se torna monótono, apesar de você ter se sentido perdida no início, e podemos acompanhar várias aventuras no decorrer da história.
    Desejo uma ótima semana!
    “A poesia contém quase tudo que você precisa saber da vida.” (Josephine Hart)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Não é muito meu tipo de leitura,mas não há como negar que aventura, pirataria e mistérios sempre conseguem deixar o leitor em êxtase! Não conhecia o livro e de cara já fiquei encantada com a capa. E gosto muito desse ritmo frenético que foi citado acima. Como ler o livro num fôlego só!
    Vai para a lista de desejados e espero poder ler!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. amo livros meio históricos esde que li My Lady Jane. amei essa premissa e acabei de comprar o e-book espero gostar do livro

    ResponderExcluir