18 setembro 2017

Resenha: A Caixa-Preta

Título: A Caixa-Preta
Autor: Michael Connelly
Cortesia: Suma de Letras
Skoob / Goodreads
Páginas: 304
Onde comprar: Saraiva / Amazon

Em 1992, Los Angeles viveu uma onda de protestos que deram início a vários dias de anarquia e violência. Foi quando o detetive Harry Bosch viu a fotojornalista Anneke Jespersen pela primeira vez assassinada à queima-roupa no fundo de um beco escuro. Na confusão da época, o crime nunca foi resolvido.Vinte anos depois, Bosch tem uma nova chance de solucionar o mistério. Um caso o leva de volta àquela fatídica noite, e ainda mais longe, aos campos de batalha onde Anneke fez registros sangrentos e crimes de guerra foram enterrados crimes que há décadas esperam por justiça.






Com maiores possibilidades agora que a tecnologia e novos recursos foram inseridos a investigação, ele passa a rever provas que na época não propiciaram grandes descobertas. Sabendo que a arma utilizada é uma Beretta 92, e que há mais dois crimes ligados a ela, Bosch começa a seguir a arma o que acaba o levando a uma conhecida gangue por ali, os Rollings 60s. Contando com poucas evidencias e muitos questionamentos, Harry acaba por se perguntar o que mais existe por trás da morte de Anneke; afinal quando ligações com exércitos e com à Guerra do Golfo passam a aparecer, tudo se torna possível. Seria ele capaz de encontrar a caixa-preta capaz de revelar a verdade sobre o caso?

“Ele acreditava que todo caso tinha sua caixa-preta. Alguma evidencia, alguém, algum encaixe dos fatos capaz de lançar um pouco de luz e ajudar a explicar o que acontecera e por quê. Como Anneke Jespersen, no entanto, não havia caixa-preta.”




[ - Minhas Impressões - ]



Michael Connelly  é um daqueles autores que surpreendem com uma escrita muito bem desenvolvida através de uma trama rica em detalhes que não se perde e é capaz de envolver o leitor de forma profunda e intensas em suas páginas. Com cenas repletas de tensão e cercada por investigações, essa é uma obra que inova com temas que poderiam ser considerados até batidos, mas que acabam por ser algo criativo e totalmente emocionante. Personagens aparentemente normais e sem nada de especial acabam por ganhar destaque em uma trama onde até o menor detalhe importa para a solução de um crime; impactante, diferente e altamente viciante A Caixa-Preta é aquela típica obra que você favorita sem nem pensar duas vezes e te deixa ansioso para conhecer mais de seus trabalhos!


Harry Bosch é aquele protagonista que consegue nos cativar logo de cara por sua determinação e dedicação ao trabalho que se torna extremamente claro ser por amor e não por mera obrigação. Totalmente destemido e seguro de si, ele é aquela pessoa que não se dobra perante obstáculos e não se ressente de ir atrás de suspeitas que podem acabar sem dar em nada, mas cuja mínima chance de esclarecer detalhes da investigação já fazem com que baste para que horas de espera valham a pena. Policial há muitos anos, sua forma de investigação já possui características fixas e sua firmeza é algo constante vindo até a intimar alguns com sua forma de lidar com os casos. Mesmo sem nenhuma prova ou evidências que o ajudassem a desvendar o que realmente aconteceu no seu caso, ele não se deixou abalar indo através de pequenos de detalhes que mostraram ser o diferencial e o consagraram ao longo das páginas como alguém para se admirar tanto na sua profissão quanto em sua família.

Os personagens secundários não apresentam uma grande presença na história, mas suas aparições, em especial a da filha de Bosch - Maddie -, servem para ajudar na construção da investigação e contribuir para dar uma pausa em seu ritmo intenso presente na maioria das páginas repletas de suspeitas, mistérios e eletrizantes. Extremamente bem construídos, todos os seus personagens marcam presença mesmo com aparições escassas ao apresentarem personalidades bem definitas juntamente a diálogos inteligentes e instigantes que são capazes de envolver o leitor de forma a fazê-los ficarem presos às suas páginas tornando sua leitura fluida e rápida despertada pela curiosidade de se querer descobrir o final.


Muito bem construído, Michael é capaz de elaborar uma trama repleto de camadas que envolvem o assassinato da jovem jornalista que a princípio parecia ser algo simples, mas que se mostra extremamente complexo. Repleto de ação, mistérios e intrigas, esse livro é um suspense de tirar o fôlego e conquistar até os mais exigentes dos leitores... Eletrizante, são poucos os momentos que não são cercados de reviravoltas e descobertas de tirar o fôlego;  suas cenas descritivas e convincentes que nos fazem nos sentir no meio de uma verdadeira investigação ao invés de apenas uma leitura fictícia. Inovador, A Caixa-Preta é um livro que se torna indicado a todos aqueles que curtem o gênero e onde, até mesmo aqueles que não gostam, se verão encantados e apaixonados por esse enredo envolvente que conta com uma das mais belas escritas da literatura.

Sua diagramação impecável e sua capa combinam perfeitamente com a história, onde apesar de simples ela se torna capaz de antecipar o clima de suspense e mistério pelo qual sua obra é composta quase 100% do tempo. Sua revisão também está perfeita, nenhum erro foi encontrado por mim durante a leitura seja de concordância ou de digitação. Possuidora de páginas amareladas e com letras de tamanho agradável esse é mais um trabalho muito bem desenvolvido pela editora Suma de Letras que já vem sendo conhecida pela sua qualidade seja em suas histórias, seja na parte gráfica que a acompanha. Definitivamente um livro que se vale a pena a ter na estante e para te acompanhar nos momentos em que se deseja um bom livro.


A Caixa-Preta foi meu primeiro contato com uma obra de Michael Connelly e preciso dizer que foi uma experiência muito mais agradável do que eu esperava. Apesar de sua pouca notoriedade por aqui, esse é um autor que supera facilmente com sua escrita grande nomes do gênero tão conhecidos. Muito bem apresentado, essa obra apesar de ser o décimo oitavo livro do detetive Harry Bosch é perfeitamente capaz de ser lida e entendida de forma individual; mesmo só tendo contato com esse volume, eu pude entender perfeitamente seu contexto e sua história, além de conhecer seu protagonista mesmo sem nenhum contato anterior.

Um grande sucesso nos Estados Unidos, esse é um autor que todos deveriam conhecer e apreciar. Possuidor de 25 novelas já escritas, Connelly mostra todo seu talento ao ser capaz de criar histórias que coabitam no mesmo ambiente, mas que acabam por ser completamente diferente entre si (algo que se torna perceptível através das opiniões sobre suas outras obras, tanto quanto em suas sinopses). Com muito talento, ele é alguém que se deve ficar de olho e que já entrou pro hall de favoritos em apenas um contato. Leiam, pois essa obra irá te surpreender ao mesmo tempo que te arrancará o fôlego e a experiência é incrível!

 "A história anda em círculos. Ela se repete. Pode acontecer outra vez, com certeza."


Se Inscreva e Participe !!



9 comentários:

  1. Oi Bruna.
    Eu adoro livros de suspense.
    Eu não conheço o autor, mas pelo que descreveu, esse me parece ser um bom livro.
    O fato que tem ai um assassinato que é mais complexo do que parece, já me deixou com uma pulga atrás da orelha, eu não sabia que se tratava de uma série, mas ainda assim pretendo ler.
    Eu adorei que o livro tem várias reviravoltas, isso sempre me prende a leitura, enfim eu gostei e pretendo ler, espero que tenha mais resenha de livros do autor por aqui.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Oi Bruna, tudo bem?
    Ja ví outra resenha super elogiada desse autor aqui no blog e a cada nova resenha fico mais intrigada a conhecer a escrita do autor. Eu adoro estórias de investigação, ainda mais quando são bem construídas como esta e que podem ser capazes de agradar a todos os leitores, como você assim pontuou.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Bruna!
    Gosto demais de romances policiais e bem escritos ainda melhor.
    Fiquei feliz em saber que livro do detetive Harry Bosch é uma série e possivelmente outros exemplares sejam lançados aqui no Brasil ainda esse ano.
    Bom ver que ele é o típico detetive, arrogante e prepotente, mas que ao mesmo tempo, consegue desvendar os mistérios que rondam os crimes.
    Desejo uma semana de muito amor no coração!
    “Inteligência não é não cometer erros, mas saber resolvê-los rapidamente.” (Bertolt Brecht)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE SETEMBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  4. Olá Bruna,
    Suspense é um dos meus gêneros favoritos, mas ainda não tive a oportunidade de ler nada deste autor (apesar da grande quantidade de livros publicados).
    Muito interessante o fato de o investigador procurar resolver um "cold case", à luz de novas possibilidades e tecnologias para investigação. Parece mesmo se tratar de um personagem que gera bastante empatia e se mostra muito bem descrito.
    Muito curiosa agora para conhecer a escrita do autor, quem sabe também não começo por este livro,
    Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  5. Mais uma resenha do Michael Connely, desse jeito eu vou ter que começar a ler livros dele! rsrs gostei muito da ideia do livro, investigações chamam muito minha atenção. Como eu disse na resenha do livro OS DEUSES DA CULPA, eu já trabalhei na área criminal, mas não na parte das investigações claro rs, mas sempre gostei muito dessa parte. Gostava de ler o inicio do processo, onde tem a investigação policial, tem investigações que são bem legais de ver, super bem feitas. Acho que vou dar mais atenção aos livros desse autor quando for na livraria rsrs

    ResponderExcluir
  6. Oi Bruna ;)
    Ah, outra uma indicação do maravilhoso Michael! Ainda não tive tempo de ler nenhum dos livros dele indicados aqui no blog, mas a vontade continua grande kkk adorei a premissa de Caixa Preta, e esse quote do começo da resenha é maravilhoso.
    Essa determinação do Harry me lembra muito a detetive Cornell, de uma série de tv que eu estou assistindo e adoro, Secrets and Lies. Ela não aceita nada menos que perfeição e sempre quer chegar ao fundo do que realmente aconteceu.
    E nossa, não sabia que o autor tinha tantas obras publicadas... não admira que ele seja considerado um grande autor no gênero policial.
    Parabéns pela ótima resenha, e obrigada por aumentar minha listinha de leitura kkkkk
    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Olá! Tudo bem?
    Adoro livros policias, investigação e suspense. Amo livro que nos prende do inicio ao fim e vejo que esse livro faz isso. Posso dizer que amei a premissa, o enredo e todo o trama. Não conhecia o autor, mas já quero ler todos os seus livros porque parece ser muitos bons.
    Adorei sua resenha, beijos.

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Não conhecia o autor, mas gostei bastante desse livro e um gênero que gosto bastante, que envolve mistério, investigação. Eu fiquei pouco confusa do que acontece realmente mas tem uma premissa muito boa.

    ResponderExcluir
  9. Não li nada deste autor ainda, mas a premissa deste livro me chamou a atenção, vou colocar ele na minha lista de leituras, e essa capa super misteriosa simplesmente adorei

    ResponderExcluir