23 junho 2017

Resenha - O ceifador


Título: O ceifador - Scythe # 1
Autor: Neal Shusterman
Cortesia: Cia das Letras / Editora Seguinte
Skoob / Goodreads
Páginas: 448
Onde comprar: Saraiva / Amazon

Primeiro mandamento: matarás.
A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria... Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade. Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador - papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a arte da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais, podem colocar a própria vida em risco.









Guerra, fome, pobreza, desigualdade social, corrupção, e até mesmo a morte, ficaram no passado. A humanidade chegou ao ápice de sua evolução obtendo todos os segredos e conhecimento do mundo. A tecnologia evoluiu e todos desfrutam de seus benefícios. Pessoas que sofrem acidentes fatais volta a vida, e aqueles que estão em idade avançada se restauram para terem a aparência de 21 anos. A humanidade venceu a própria natureza. Mas é claro que com ninguém morrendo o crescimento populacional seria desenfreado, e a solução para o problema são os Ceifadores.

"Entendo o porquê de existirem ceifadores e como esse trabalho é importante e necessário… mas às vezes me pergunto porque tive que ser escolhida. E, se existe um mundo eterno após este, que destino aguarda um ceifador de vidas?"

Citra e Rowan são dois jovens de 16 anos que tiveram a infelicidade de conhecer o Ceifador Faraday. Como resultado desse encontro, o Ceifador selecionou os dois para serem seus aprendizes. É claro que nenhum dos dois quer essa função, ser portador da morte é algo que ninguém deseja, mas é uma função que é impossível de ser negada, principalmente porque a família dos escolhidos obtêm imunidade eterna.

"Os mandamentos do ceifador 
1- Matarás"

Mesmo relutantes os jovens começam o treinamento já planejando formas de serem reprovados. Um deles ia ser escolhidos, e o outro voltaria para suas casas e viveriam o resto de suas vidas normalmente. Era esse o esperado, até o inicio do Conclave dos Ceifadores onde foi levantada a questão que os jovens não se esforçariam para serem os melhores, e dessa forma, aquela que seria reprovado deveria ser coletado pelo outro. Tudo muda, Citra e Rowan passam a ser adversários lutando contra a morte eminente, mas o laço que criaram, e suas próprias consciência, tornam impossível imaginarem tirar a vida um do outro.

"A humanidade é inocente, a humanidade é culpada; ambas as afirmações são inegavelmente verdadeiras."

O que já era difícil, se torna insustentável quando algo inesperado acontece mudando totalmente a dinâmica dos dois. Eles passam a ver que a Ceifa é obscura e que nem todos os Ceifadores são honrosos e certos. Alguns pegaram gosto pelo ato de matar e esses visionários desejam transformar o mundo com o qual vivem.




[- Minhas Impressões -]

Diferente. Acho que essa é melhor forma de explicar O Ceifador de Neal Shusterman. O autor foi ousado ao trazer em pauta um livro que tenha a premissa principal a morte. Eu estava esperando algo sanguinolento, cheio de coisas mórbidas, mas fui positivamente surpreendida pela estória desenvolvimento e proposta futura da série.

Narrado em terceira pessoa, o livro nos mostra toda a evolução da tecnologia que permitiu a humanidade viverem num mundo perfeito. A nuvem de dados no qual conhecemos hoje evoluí para algo chamado Nimbo-Cúmulo, um ser artificial onipresente, onisciente e onipotente. Se assemelha muito a um "deus". Ela governa o pais, distribuí a renda de forma igual, e combate qualquer tipo de crimes, coisa que se tornou pequenas infrações. Tudo é armazenado de forma que qualquer pessoa possa ter acesso, e isso faz com que a busca por conhecimento tenha se tornado nula. Se todos podem ter, então pra que ir atrás de algo tão comum? No entanto, essa extensão da Nimbo não chega até os Ceifadores, o que acaba por coloca-los num plano intocável. Podem "coletar" um avião inteiro de pessoas que está tudo bem. Assusta as pessoas, mas aceitam numa boa, ninguém atreve ir contra.


O maior ponto negativo da estória, pelo menos pra mim, foi justamente a sociedade em si. Os preceitos dos ceifadores são bem frisados no livro, o que podem fazer, o que não pode, o que é considerado moral e imoral, qual a conduta e postura certa, mas nada fala sobre como eles chegaram a esse mundo utópico sem governantes, ou como a tecnologia evoluiu a esse ponto. As coisas chegam a ser tão perfeitas que o autor colocava explicações esporádicas pra dar sentido a situação daquela passagem, ou até mesmo, coloca uma problemática para dar uma agitada na estória. Mas é inegável, que mesmo com esse artificio utilizado por ele, a escrita e o poder de envolvimento sobre o leitor são sensacionais. Lemos 100 páginas numa sentada só, e quando paramos simplesmente queremos mais.

"Quando não se precisa de nada, o que mais a vida pode ser além de agradável?"

Os protagonistas da estória não podiam ser mais diferentes um do outro. Citra gosta de ter atenção e ser perfeita em tudo que faz, isso incluí o treinamento aplicado a eles. Já Rowan é mais abnegado e sempre procura passar despercebido. O autor durante a estória não mostra em momento algum qual deles é melhor, o que torna a "disputa" deles ainda mais emocionante e igualada. Não tem como saber quem será o escolhido e quem será coletado.

Uma das regras impostas na estória foi que eles não poderiam ter um envolvimento amoroso. Mas são dois adolescentes com os hormônios a flor da pele vivendo juntos sob o mesmo teto. É obvio que em algum momento a convivência evoluiria para algo carnal. Mas é legal pois não foca nisso, eles relutam em ficarem juntos, mas também não negam que se sentem atraídos. Creio que essa relação será desenvolvida futuramente.

"A natureza humana é ao mesmo tempo previsível e misteriosa ; propensa a avanços grandiosos, mas ainda sim mergulhada em egoísmos abjetos."

Os personagens secundários foram muito bem desenvolvidos e estão constantemente ativos na estória, são até mesmo mais importantes que os protagonistas. Conhecemos diversos Ceifadores, como Faraday, mentor dos jovens, Curie, a dama da morte, e também Goddard. Conhecemos os três mais a fundo do que os outros, e isso é bem bacana pois enfatiza o quanto são diferente, principalmente em questões morais. Essa distinção também nos mostra toda a trama "política" que move a estória entre a "velha guarda" e os "visionários". A estória vai muito além do simples treinamento deles aprofundando em questões mais complicadas para o mundo onde vivem. Estou ansiosa para conferir isso nos volumes que estão por vir.


A edição física do livro está maravilhosa e dispensa elogios á editora. A capa é caricata e mostra um Ceifador como nós conhecemos de forma mais infantil. Achei sensacional pois trás uma essência já conhecida ao livro. Internamente o exemplar trás uma diagramação perfeita. Letras, espaçamentos e margens bem colocados de forma a tornar a leitura ligeira. Impecável de todas as formas.

O Ceifador é um livro que superou minhas expectativas, mas que ainda faltou um pouco para se tornar uma estória sem igual. Apôs a leitura espero ver nos próximos volumes várias questões não respondidas. Não as encaro como um furo do autor, mas sim como uma motivação para descobrir o que vem a seguir. Recomendo a leitura para todos que amem um bom livro de distopia e ficção cientifica pois ambos os elementos se encontram na estória.



PARTICIPE !! SE INSCREVA !!!



10 comentários:

  1. Gostei muito da ideia desse livro exatamente por brincar com a coisa toda sobre morte e moral, o quanto a trama pareceu diferente mesmo.
    Tem um jeito bem gostoso de ler pelo visto, vai dando curiosidade e deixando a gente bobo com essa sociedade e como as coisas são feitas. Acho que a grande graça está em fazer pensar, fazer a gente ver as coisas de uma forma diferente e valorizar outras. É um livro bem louco e achei muito bom por isso. Estou doida pra ler e ver se é tudo isso mesmo.

    ResponderExcluir
  2. Stefani!
    Gostei de vários aspectos, primeiro por ver uma sociedade perfeita, onde não há morte natural, as pessoas tem alimentação e tudo que é necessário para viver. Mas aí fica a pergunta: tudo tão perfeito, onde fica o estímulo para se aperfeiçoar e melhorar?
    E aí a história do Ceifador vem, para deixar a sociedade em alerta, porque qualquer um pode ser o escolhido, achei genial.
    Boas festas juninas!!!!
    “O que importa afinal, viver ou saber que se está vivendo?” (Clarice Lispector)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá !!
    Ta todo mundo lendo esse livro e comentando sobre e ele e eu aqui esperando uma oportunidade para ler ....
    Adorei a premissa do livro e todo o enredo é incrível !!!!
    Que capa maravilhosa !!!

    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Gostei muito da sua resenha e só aumentou mais minha curiosidade para ler. Sempre vejo muita gente falando sobre e sempre vejo a capa dele na livraria hahaha
    A premissa do livro é muito boa e quero mesmo ler algo desse tipo <3
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Eu já li algumas resenhas desse livro, e fico me questionando sobre tanta coisa. Será que ser um ceifador é ruim? Será que viver a angústia de poder ser escolhida pela morte é bom?
    Um enredo que realmente é muito diferente do que a maioria dos livros que costumo ler. Gostei de saber que todos os personagens são bem construídos, e a história realmente parece ser super envolvente. É uma pena que não tenham explicado muito bem como tudo isso começou, como chegaram a isso. Mas apesar disso, o livro ainda parece ser muito bom. E essa capa realmente está linda.
    Com certeza vou ler esse livro!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Oi Stef *---*

    Estou doida pra ler esse livro. Primeiro porque estou curiosa pra saber como o autor criou a vibe de medo e amor por volta dos ceifadores. Segundo porque Citra e Rowan são bem diferentes e tem que lutar por suas vidas. Terceiro porque é dificil imaginar como pode se ter moral quando pessoas precisam matar outras outras. É obvio que dar esse "poder" a pessoas comuns uma hora ou outra iria dar errado né, e é isso que fico curiosa, em ver como o autor abordou os assuntos. Adorei sua resenha, está bem instigante e me fez querer ler ♥.

    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Mesmo lendo inúmeras resenhas desse livro eu não agradei tanto como gostaria, mesmo sendo uma historia tão boa ainda penso que nosso futuro corre o risco de ficar assim e eu morro de medo kkkk, mas acho que daria uma chance a leitura.
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  8. Olá! Parece ser um dos mundos mais criativos (e mais assustadores) que já vi, eu realmente gostei de todas as complexidades do sistema político e os elementos de ficção científica que este livro possui, parece ser uma história única, cheia de ação e suspense, com personagens secundários tão importantes quanto os principais, adorei a dica.

    ResponderExcluir
  9. Uau, que distopia diferente! Mas o trabalho dos ceifadores deve ser muito difícil para a mente e o psicológico destes ceifadores... Se por um lado estão ajudando o planeta com a questão da superpopulação, por outro, o que lhes dá o direito de tirar vidas alheias, não é mesmo? Ainda não li este livro, mas já o adicionei a minha wishlist.
    Abraços.
    https://letrasmaislivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Stefani,
    Que livro mais intrigante! Confesso que quando li a sinopse desse livro quando vi o lançamento eu não fiquei interessada em ler, sei lá, não apostava que teria tanto potencial assim. Ledo engano! Que distopia mais diferente e ousada, adorei essa trama, com essa sociedade perfeita, sem os males que tanto afetam o mundo realista. Também fiquei curiosa para saber como aconteceu de fato essa evolução.
    Essa duvida constante de quem é o melhor, se é a Citra ou o Rowan, sem ter um preferido foi uma jogada certeira do autor.
    Beijos

    ResponderExcluir