08 junho 2017

Observatório Literário #7 - O que eu quero?



Cenário: 3° ano do Ensino Médio. A essa altura, é praticamente impossível fugir de perguntas como “Vai fazer que faculdade?” ou “No que você vai trabalhar?” Há uma grande pressão de todos ao redor quando se chega nessa idade e, infelizmente, muitas pessoas não sabem como lidar com isso e não conseguem controlar todos os pensamentos e planejamentos que chegam de uma única vez.

Muitos livros têm como personagem principal aquele adolescente que está saindo do Ensino Médio e não sabe o que irá fazer ou tem um sonho, mas que é ofuscado por todas as imposições que são colocadas sobre ele. Ou, se não, um personagem que seguiu determinada carreira e, depois, percebe que não era o que ele realmente queria. Baseado nesses protagonistas, o Observatório Literário de hoje é sobre essa luta interna e a preocupação de que caminho seguir.





Recentemente realizei a leitura da obra O Sol Também É Uma Estrela, onde ambos os personagens já têm certeza do seu futuro, um por vontade própria e outro por imposição dos pais. Quando se conheceram, tudo foi questionado, o que eles queriam e o que não, e isso me fez olhar ainda mais para a diferença entre o que nós queremos e o que os outros querem para nós. Passei a analisar melhor a importância de nós mesmos decidirmos nossa vida. Ainda mais depois de ler uma frase postada por um amigo, no Facebook:


“Trabalhe com aquilo que você ama, pois não se pode esperar cinco dias para aproveitar apenas dois no final de semana.”

Nos últimos meses, tenho abraçado cada conselho e orientação que recebo acerca de que carreira escolher, porque, de repente, percebi que no mundo existirão diversas pessoas que tentarão me deixar em dúvida, ou que farão de tudo para que eu desista de meus sonhos ou não seja bem sucedida neles. Então, depois de tanto conversar com meus pais, amigos e professores, passei a não dar mais atenção a todos esses questionamentos e me dediquei a buscar todas as coisas que eu faço de melhor.

Vivemos em uma sociedade onde o dinheiro tem um significado enoooorme onde quer que vamos e infelizmente nós somos dependentes dele. A partir de certa idade teremos que nos preocupar com contas a pagar e esse é o medo de muitos. Fiquei sabendo de casos que terminaram em suicídio porque a pessoa não teve forças para enfrentar essas dificuldades. Casamentos já terminaram por conta da questão financeira. Isso me entristece demais! Então, sim, a escolha da nossa carreira é muito importante e, sim, esse é um assunto que precisa ser tratado com mais frequência.

Muitas pessoas são contra a ideia de fazer o que se ama e amar o que se faz. Eu não quero, em momento algum, dar a entender que estou criticando quem pensa no dinheiro, pois essa também é uma preocupação minha. Várias vezes eu já fiquei pensando se o que quero irá me trazer estabilidade e, em momentos como esse, sempre penso nas conversas que tenho com minha mãe. Não devo fazer o que os outros esperam, mas, se não der para seguir o que eu quero, agarro as oportunidades que surgirem, porém sem desistir do sonho inicial.

O que desejo dizer nessa postagem é que não quero que você pense apenas no dinheiro na hora de decidir seu futuro, mesmo esse sendo um fator decisivo. Nós precisamos planejar tudo com sabedoria, claro, mas precisamos fazer aquilo que nos deixa confortáveis. Porque um dos nossos piores erros é deixar que os outros façam escolhas por nós ou que encham nossa cabeça de inquietações, nos fazendo abandonar aquele grande sonho - uma vez que, ao realizarmos algo contra nossa vontade, corremos grande risco de nos tornarmos péssimos no que fazemos. Pois, se simplesmente concordarmos com tudo, onde nossa vida vai parar? 


Oi, oi, gente! Vou me apresentar bem rapidinho aqui, só para saberem quem vos escreve. Eu sou a Fernanda Goulart, do Psiu, vem ler. É uma honra fazer parte do I Love My Books e eu só tenho a agradecer à Silvana e equipe pelo convite e por todo o carinho com o qual me receberam. Mesmo que talvez não saibam, deram grande apoio ao meu entusiasmo pela leitura, escrita e fotografia. Eu entrei como colunista e estarei atualizando algumas das colunas do blog. Espero que tenhamos sempre um bom relacionamento! Beijos!



PARTICIPE !! SE INSCREVA !!!




10 comentários:

  1. Oi Fernanda =)
    Estou nessa fase e travando uma luta bem intensa comigo mesmo. Amo animais e faria qualquer coisa por eles, e bom, minha familia acha que deveria fazer veterinaria, mas o caso é que não sei se teria coragem de cortar os bichinhos, tenho certeza que começaria a chorar só vê-los sofrendo. Independente de qualquer coisa, se optar por isso ou não, sei que minha familia vai me apoiar, e sou grata por isso. Sou nova, mas creio que o futuro somos nós quem fazemos. Conheço pessoas que passaram a vida toda trabalhando com a mesma coisa pra lá na frente mudar e fazer algo diferente. Sua coluna me fez refletir bastante ♥

    Bjão

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Gostei muito do seu post porque eu já estive nessa situação. Desde pequena quis ser veterinária porque sempre gostei muito de animais, mas a faculdade era muito cara, meus pais não tinham condições de pagar e acreditavam que eu não teria um retorno financeiro bom, então repensei sobre isso. Eu não me sentiria bem vendo animais doentes todos os dias (e ter que sacrificar algum animal dependendo do caso). Apesar de amar animais, optei por cursar Psicologia, que durante muito tempo foi minha segunda opção. Não me arrependo nenhum pouco dessa escolha, porque amo muito a Psicologia e não vejo a hora de começar a trabalhar na área. E mesmo optando por outra profissão, eu ainda posso ajudar animais sem ser veterinária.
    Se você gosta e quer seguir uma profissão, faça isso e se dedique ao máximo, porque é o seu esforço que fará dar certo <3
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. É, tá aí um assunto que sempre achei que deveria ter uma orientação melhor. Quando a gente termina o 3º ano e vem aquela neura e desespero do que diacho fazer...
    O dinheiro é um grande fator, mas quando se tem um sonho de algo acho que é importante ao menos tentar correr atrás daquilo. Tem tanta coisa que as pessoas acabam fazendo e não gostam e ficam com esse sentimento horrível de estar perdendo tempo, de não estar se sentindo realizado...E sempre ficam mal humoradas e insatisfeitas. Isso é tão ruim =/

    ResponderExcluir
  4. Fernanda!
    Gostei demais do que seu amigo citou no facebook e é mais do que certo.
    Na adolescência temos muitas dúvidas, nem sabemos direito o que queremos e acabamos escutando várias pessoas para podermos tomar uma direção na vida.
    Analise com calma as opções que tem para poder fazer uma escolha, que pode até nem ser a certa no momento, mas experimente. Caso não seja a que realmente deseja, parta para outra, porque a pior coisa é estarmos insatisfeitos na profissão que escolhemos. Temos de ter prazer no que fazemos e se puder ter sucesso financeiro, ainda melhor.
    Sucesso, boa sorte e bemvinda!
    “A única sabedoria que uma pessoa pode esperar adquirir é a sabedoria da humildade.” (T. S. Eliot)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  5. Olha eu vou te falar que no meu caso foi bem complicado cheguei no 3° ano e minha familia não me deu tantas opções que eu realmente queria então fiz faculdade aqui onde moro mesmo mesmo a contra gosto não sabia o que queria mas sabia que gostava de animais desde a muito tempo tirava fotos de insetos ou cuidava de alguns cachorros na roça que eu ia, então escolhi o curso de Biologia que muitos criticavam na época porque era licenciatura e faculdade particular porque falavam que era fácil, segui meu destino sem me importar com as opiniões que nunca me importei e graças a Deus hoje me formei e nunca me arrependi de nada é logico que vou querer fazer mais cursos e tudo mais que eu tiver chance e eu sempre vou continuar a dizer as pessoas para não desistires dos seus sonhos e não arrepender das suas escolhas porque é sua vida que está em jogo de ninguém mais.
    Muito reflexivo esse post amei.
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  6. Eu já passei dessa fase de escolher o curso que queria fazer na faculdade (mas lembro que foi bem difícil). Eu terminei a faculdade ano passado, mas ainda não decidi que área seguir do meu curso :/
    Realmente, a questão financeira tem uma grande importância na sociedade de hoje. Eu também já fiquei pensando, se o que estou fazendo vai me trazer estabilidade, mas espero que no futuro dê certo e eu continue fazendo o que eu gosto :)
    Adorei o post!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Sabe, venho de uma família muito pobre, muito mesmo, somos três irmãos e não vou negar que nossa prioridade era sim , conseguir estabilidade financeira. Hoje estou casada e em sua situação mais cômoda financeiramente, tenho uma filha que vai fazer 14 anos agora, e já esta começando a pensar em que faculdade vai cursar, e fico muito feliz em poder incentivar ela a pensar em algo que realmente goste, claro que também oriento a ter uma escolha equilibrada entre sua paixões e necessidades. Só espero acima de tudo que ela seja feliz, no caminho que escolher.

    ResponderExcluir
  8. Sabias palavras Fernanda!
    Acredito que essa fase é uma das mais difíceis, afinal estamos escolhendo o nosso futuro. È muito importante ter o apoio dos pais, pois lidar com tanta pressão não é fácil. Já passei dessa fase, e lembro que quando escolhi o curso tive total apoio dos meus pais, foi uma época bem difícil e apertada, já que eu e minha irmã (ela é um ano mais velha) cursamos em tempo integral.
    Desejo muita sabedoria e sucesso para você na sua escolha ;)
    Beijos
    P.S: Quero muito ler O Sol Também é uma Estrela.

    ResponderExcluir
  9. Olá! Essa é uma fase bem complicada mesmo, e se não tivermos o apoio da família fica ainda pior, mas é importante ressaltar que essa escolha também pode virar uma oportunidade de descobrir o que realmente você quer fazer, pois às vezes quando você começa um curso, descobre que não era aquilo que você imaginava e acaba mudando, tem contato com pessoas de outros cursos, e pode então se encontrar, tenha em mente que apesar de toda a pressão essa não precisa, necessariamente, ser uma escolha definitiva, sem opção de mudanças, analisar bem todos os cenários é fundamental para realizar a melhor escolha, e experimentar esses panoramas é, para mim, uma ótima maneira, boa sorte!

    ResponderExcluir
  10. Olá !!
    Confesso que passei por isso no último ano!!
    É muito difícil essa decisão e muita gente não percebe que temos que tomar essa decisão por nós mesmos ..
    Adorei suas palavras !!
    Bjos

    ResponderExcluir