últimas resenhas

Resenha - Antes da última respiração




Livro:
Antes da última respiração
Autora Parceira: Ariane Fonseca
Editora: Independente
Nº de páginas: 255
Onde comprar: Amazon 

Dor. Uma palavra pequena e cheia de significado, que está presente na vida de Zoe e Fabrício desde a infância.

Ela tem os pulmões fracos por causa do diagnóstico de fibrose cística. Ele tem o coração quebrado pelos traumas do passado.

Quanto de sofrimento o ser humano é capaz de suportar? Zoe busca viver otimista apesar de tudo, Fabrício não consegue sair da escuridão.

Acredite, Antes da última respiração não é uma história sobre tristeza. É uma história sobre vencer demônios e recomeçar.



Zoe é uma menina muito doce, humilde e com um coração enorme. Desde nova, ela sempre procura ajudar as pessoas, até mesmo desconhecidas, com seus bilhetinhos "que fazem pensar". Sempre sendo uma observadora silenciosa e atenta, ela capta mágoas dos outros e, assim, faz com que quem recebe  seu bilhete, olhe para a situação-problema que enfrenta de um modo diferente. 

A garota faz isso, porque sofre de fibrose cística e passou boa parte da sua vida em hospitais, fazendo cirurgias, não podendo viver e convivendo com muita dor, mas isso nunca foi motivo para ela desacreditar da vida e, por isso, ela faz os bilhetes anônimos: todos têm uma chance de repensar o erro  e ser feliz.

Então, estando com a doença estabilizada depois de muitos anos de luta, Zoe é maior de idade e resolve embarcar na maior aventura de sua vida: fazer faculdade! Ela uniu sua força, o amor pelo projeto dos bilhetes filosóficos e a coragem para cursar filosofia na São Leopoldo. 

"Pela primeira vez na minha vida, serei responsável por mim." Zoe.

Finalmente ela poderá viver tudo que ainda não viveu e realizar seus sonhos. O que ela não esperava era que seu caminho se cruzasse com a pessoa mais improvável do mundo: Fabrício. Um menino perdido em seu mundo, dor e desafios, que não está disposto a voltar atrás em tudo o que deseja para ficar com alguém, porém, Zoe não é mais uma garota qualquer que passará por sua vida e que ele usará apenas para finalidades fisiológicas. 


Batalhas, sonhos, dores, injustiças, vidas quebradas e vidas remendadas... Tudo isso junto de uma boa dose de filosofia, paixão e incertezas: será que Zoe está no caminho certo, assim como sua doença permanecerá inerte? Será que Fabrício entenderá o que seu coração quer dizer e parará de ser frio e se invalidar? Descubra nessa jornada emocionante com personagens cativantes essa história que vai tocar seu coração!

"Desde que me lembro, todos os dias eu faço a mesma coisa: inalação, suplementos, vitaminas, remédios, atividade física, fisioterapia respiratória. Nomes complicados para algo que virou normal no meu dia." Zoe.

 


[- Minhas Impressões -]

Primeiramente, o livro tem capítulos alternados entre Zoe e Fabrício, com eles narrando, portanto, conseguimos entrar no mundo deles e saber o que pensam sobre diferentes situações, assim como em situações em comum. Isso me trouxe muita proximidade com cada um deles e nos apresentou ao universo particular de dores, desafios e dilemas. 

Ambos os personagens tem histórias conturbadas, porém Fabrício, ao meu ver, é o mais complexo e que mais gera empatia e nos faz querer continuar a leitura. Tudo isso porque ele é muito misterioso, demora a se abrir e a mostrar para nós o que é que o aflige. Não ficamos sabendo logo no começo, apenas vamos juntando pistas ao longo da narrativa para deduzir o que é tão grave no passado dele e que ainda o afeta. 

Ao contrário, com Zoe, ficamos sabendo logo no início tudo que ela passou e começamos a torcer para que ela atravesse sua jornada sem a doença interferir. Eles são personagens muito interessantes e completamente diferentes, que de certa forma se complementam e tornam a história ainda mais empolgante, porque vemos essas personalidades colidindo.

"É muito irônico que eu tenha perdido a capacidade de sentir tudo, menos esse ódio. Ele nunca vai sumir, e nem eu quero." Fabrício.

A escrita da Ariane é muito boa de ler e ela sabe como fechar um capítulos nos deixando curiosos para ler o próximo. Depois que engatei na leitura e me apaixonei pelos dois, acabei não conseguindo largar o livro e passei a madrugada grudada no kindle sofrendo e me apaixonando pela história, precisando chegar ao fim para saber se tudo ficaria bem.

Eu achei muito lindo ver a forma como Zoe enxerga a própria doença, ela ter aprendido a não lutar contra o tratamento e sempre ser otimista quanto as situações que se colocam à sua frente. Vemos que ela tem uma base familiar e de apoio muito forte, que amam e se preocupam com ela, mas também vemos como a doença lhe afeta, principalmente, a mãe dela, que é sua cuidadora em tempo integral para que nada saia do lugar. Quando Zoe decide ir cursar a faculdade, vemos como o psicológico da mãe fica abalado e como ela teme que algo possa acontecer, enquanto Zoe continua segura e firme em sua decisão. Isso foi muito legal de ver: ela não deixa os sonhos para trás por causa dos medos da família e dela mesma, tentando não ser mais a Zoe com fibrose cística e, sim, ser apenas ela mesma, Zoe.

"Tudo se encaixou tão bem que pareceu um presente divino depois de todo o caos. É a minha chance de recomeçar em um lugar onde ninguém vai me conhecer pela doença, e sim por quem eu realmente sou além da fibrose cística." Zoe. 

Ao longo do livro temos informações muito importantes sobre a doença, como se manifesta, o que agrava, o que ela pode ou não fazer e como deve seguir a risca o tratamento mesmo estande estável. Essas informações são dadas de maneira bem dinâmica e interessante, ajudando a construir o universo particular da nossa protagonista e a nos conscientizar sobre o assunto.


Seguindo, no começo, eu pensei que o livro seria o clichê da menina boazinha com o badboy, visto que Fabrício usa preto, anda de moto etc., mas a forma como os fatos se desenrolaram fizeram eu perder essa ideia. Foi muito diferente o começo do contato dos dois, porque foi através dos bilhetinhos. Assim, ela conseguiu adentrar na mente caótica de Fabrício, que detestava as mensagens, mas não conseguia parar de responder, sem saber quem era a pessoa por trás disso.

Enquanto isso, o primeiro "encontro" real deles foi extremamente fofo e eu amei a forma como os dois reagiram. Coloquei entre aspas porque não foi de fato um encontro romântico, mas para saber mais vocês precisam ler. Dessa forma, Zoe acabou se dividindo em duas: a real, que conhecia um Fabrício calado e distante, e a dos bilhetes, que conhecia um pouco, bem pouco mesmo, da vida complicada do garoto.
"Zoe é tímida e na dela, nada como a irritante dos bilhetes." Fabrício.

O desenrolar eu não posso comentar, mas já adianto que foi extremamente engraçado ver a reação dele a cada bilhete e como os pensamentos se tornaram conflituosos, assim como era engraçado ver Zoe dando os primeiros passos no abismo da vida de Fabrício, não tendo experiência nenhuma quanto a um relacionamento. Assim vamos acompanhando o relacionamento dos dois e vendo ela fazendo de tudo para sustentar o anonimato dos bilhetes, para que ele não a odiasse.

Aconteceram muitos momentos fofos, complicados, emocionantes, com cenas lindas envolvendo os sentimentos dos dois e as descobertas. Eu me apaixonei completamente por Fabrício a cada nova informação que tinha sobre a verdadeira essência dele, assim como me apaixonei e torci para que eles fossem um casal. A cada coisa que fazia uma tensão ocorria, meu coração apertava pensando que nada iria se resolver.


Além do romance e da doença, o livro também toca em pontos muito importantes de críticas sociais. Zoe é bolsista e acaba sofrendo um pouco com ataques humilhantes de uma colega de quarto, que detesta pobres. Também gostei de ter sido abordado a questão das injustiças que acontecem todos os dias quando não se julga um caso criminal da forma correta. A autora mostrou a dor de quem foi afetado por esse crime, a dor que a burocracia para se resolver tudo causou e como, muitas vezes, o que realmente leva à justiça não são caminhos legais. Foram momentos bem sofridos da histórias, bem pesados e que tiveram uma carga emocional muito forte. Eu cheguei a ficar abalada quando tudo fez sentido.

"Não sei que caralho essa garota tem que me desarma tanto. A andrenalina no meu organismo, quando estamos muito perto, me deixa sem pensar direito. Eu só quero mais e mais dela, de uma forma alucinante. Até a sua voz eu comecei a gostar. [...]cheguei a hipótese de puxar assunto!" Fabrício.

Outra coisa que achei lindo foi o amor de Zoe por lecionar, ajudar os alunos a se envolverem com os trabalhos, puxando debates muito importantes para dentro da sala de aula. Eu, como professora, não pude deixar de admirar muito essas partes do livro e me apaixonar por ela e pelo engajamento dos alunos.

Já quase ao final do livro, temos uma reviravolta, que era justamente o maior medo da nossa protagonista, e isso fez com que eu ficasse muito aflita e desesperada para saber os passos seguintes. Me emocionei muito com as mudanças e causalidades, sentindo muito medo do que poderia acontecer, quase como se eu estivesse dentro do livro.

"Antes da última respiração" é um livro emocionante, com jovens que trilham uma jornada linda até a descoberta de um romance e de si mesmos. É um resgate para a alma, daqueles que a gente lê pensando na nossa própria vida e retira aprendizados. Contém momentos de conflito, momentos emocionantes e inesperados, momentos em que a esperança parece escapar pelos dedos, mas principalmente momentos de muita superação e enfrentamento dos próprios demônios de cada um. 

"Quando a gente deixa a dor mover nossa vida, fica estancado no passado, remoendo tudo que poderia ser diferente, e apenas sobrevive no presente." Zoe dos bilhetes.
 

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário