28 janeiro 2019

Resenha - O Livro dos Ressignificados


Livro: O livro dos ressinificados
Editora: Cia Das Letras / Paralela
Páginas: 216
Onde Comprar: Amazon / Cultura
Antes aprisionadas na formalidade dos dicionários, palavras como “girassol”, “Deus”, “sonho”, “tatuagem”, “cafuné” e muitas outras são libertadas por João Doederlein ― que assina com o pseudônimo AKA Poeta ― neste seu primeiro livro. Elas são repensadas a partir das experiências pessoais do autor, de vinte anos, e de sua geração, mesclando romantismo bem resolvido, paixão, isolamento e um dia a dia que respira tecnologia e cultura pop. Combinando textos que se tornaram sucesso nas redes sociais com material inédito, o autor acha novos significados para os signos do zodíaco, para clichês indispensáveis como “paixão” e “saudade” e para as atualíssimas “match” e “crush”. Uma história de amor correspondido entre um jovem e sua musa ― a escrita




O livro dos Ressignificados é classificado como gênero poesia. Inicialmente o autor João Doederlein, o @akapoeta, publicou seus textos por meio das redes sociais. O poeta nasceu em Brasília (DF), em 1996, e começou a escrever aos 11 anos. Aos 15 anos criou um perfil no Tumblr para publicar seu material, conseguindo 15 mil seguidores. Aos 17 anos abriu sua página na facebook, que se tornou a sua rede social principal. Hoje com mais de um milhão de seguidores no Instagram, é um dos autores brasileiros mais conhecidos da rede. Sua obra de estreia, O livro dos ressignificados, é um best-seller, e se originou de uma jornada de autoconhecimento do autor. Suas releituras poéticas expressam suas experiências pessoais que ultrapassam a objetividade dos dicionários.


O livro está divido em 6 partes: o jardim, o zodíaco, o coração, a mente, a cidade e a história de nós dois. Cada parte é iniciada por uma poesia ou texto que introduz o assunto abordado.

Logo no começo, percebemos que a intenção do autor com o livro é encontrar os significados subjetivos de cada palavra, aquilo que fica no abstrato, aquilo que a gente realmente sente e que os dicionários não contam.

O que eu mais gostei no livro foi da capacidade do autor de dar significados extremamente verdadeiros para as palavras, muitas vezes palavras corriqueiras, que a gente jamais pensaria nelas de outra forma senão em seu sentido literal, como por exemplo “astronauta”.

“astronauta (s.m. e s.f.)
... é quem sabe que somos viajantes de nós mesmos em órbita das cidades em que vivemos e que, algumas vezes, corações colidem uns com os outros...”

Os textos poéticos dedicados a ressignificar as palavras são realmente encantadores, originais e genuínos, por isso fizeram tanto sucesso na internet.

Porém, algumas coisas não me agradaram tanto. A forma de pontuação dos textos, que seguem os mesmos moldes de livros famosos, como “Outros jeitos de usar a boca” e a “Bruxa não vai para a fogueira neste livro”, me incomodou um pouco durante a leitura, por exemplo, senti falta das letras maiúsculas nos começos de orações. E, apesar de o livro estar dividido em partes, a única que realmente eu senti que houve coesão do tema proposto foi a parte do zodíaco. As demais partes, falam, de forma intensa, dos assuntos variados, que por algumas vezes se cruzavam com os temas propostos.

“janela (s.f.)
é uma contadora de histórias. é quem me ensinou que o mundo vai além. é a moldura do universo. é passagem de pensamentos. é por onde eu sei que você tá pra chegar...”




Ainda assim todas as definições poéticas são tocantes e nos marcam de alguma forma. É impossível sair da leitura sem um sorriso bobo no rosto e o coração aquecido por poder ver o mundo sob um novo ângulo. O livro é tão bonito que eu quase cogitei parar de fazer marcações com meus post-its, pois foram várias.

Indico muito o livro para quem quer ter uma experiência de leitura leve a rápida, que funcione como um alento para o coração. O livro pode funcionar de formas diferentes para cada pessoa, por isso nada melhor do que tirar suas próprias conclusões.











Inscrições Abertas - Participe !!




7 comentários:

  1. Eu conheci esse livro a pouco tempo atrás, e dos trechos que tive oportunidade de ler me surpreendi de tal maneira que ele virou meu "desejado" na hora. A maneira como ele "ressignifica" as palavras mais inusitadas mostra um brilhantismo e uma sensibilidade incrível, sem falar na criatividade. Ele consegue distorcer de forma super positivas o significados dando uma versão super original. "O que a gente sente e o dicionário não contam" foi a melhor frase para explicar e resumir o livro, parabéns!!! Os pontos que tu achou não tão positivos eu até gosto, começar a frase sem letra maiuscula, mostra algo mais descontraído e a divisão em capítulos separando o livro em temas também é bacana, logico que li muito pouco e a tua visão geral é mais confiável do que o meu ponto de vista parcial. è o tipo de livro que deveria ser de cabeceira e não uma leitura corrida como uma historia normal até pq ele não é, assim a ideia dos marcadores e post-it são validos, fora isso não tenho coragem ahahahah.

    ResponderExcluir
  2. Fico muito feliz quando vejo e posso ler alguma resenha de um livro de poesias.E se for nacional, melhor ainda!
    É um gênero que amo de paixão, mas muito pouco divulgado e gostado, até!
    Por isso, adorei poder ler tudo acima e me emocionar em alguns trechos. Dar outro sentido a palavras tão comuns e o autor conseguiu traduzir com a alma cada significado!!!
    Vai para a lista de desejados.
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Olá! Confesso que não conhecia o trabalho do autor, até essa resenha, e fiquei bem surpresa, por ele ter começado tão jovem. O livro parece ser bem interessante e lindinho, vai ser bem legal acompanhar novos significados para as palavras, já deu para perceber que a edição está bem caprichada e feita com muito carinho, amei os desenhos, além disso, curto muito esse tipo de leitura, sempre mesclando com alguma outra leitura, ou até mesmo, uma leitura de cabeceira, por isso, vai ser um prazer conhecer melhor o trabalho do autor.

    ResponderExcluir
  4. Eu gosto muito do instagram do @akapoeta e estou há algum tempo tentando pôr esse livro na minha estante. O Livo dos Ressignificados é encantador, amo desde cada palava à ilustração muito simples, mas com uma beleza imensurável. Gosto bastante da proposta do autor de dividir o livro em partes e tentar habilitar uma relação entre cada uma delas e o seu conteúdo. Eu amo essa forma de diagramação dos textos, afinal estou acostumado com isso no twitter. Originalidade é a palavra pra esse livro. Sensacional!

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Que bonito esse livro, impressionada por ser um autor tão jovem e ter essa ideia tão bela de ressignificar as palavras. Acho muito interessante porque de um jeito leve ele leva o leitor junto, quem nunca ficou com certas palavras rolando na boca, e imaginando novos conceitos, novas experiências.
    Acho que a nossa língua portuguesa serve muito bem à esse propósito, as palavras são belas, ricas, conforme o nosso dia, nosso ânimo podem muito bem mudar de significado.
    Achei a edição bem bonita,bem leve e moderna, mas concordo na questão de começar a frase com letra minúscula ,eu não gosto. Fora isso acho que essa é uma leitura fofa!

    ResponderExcluir
  6. Amo poesia!
    Esse livro está na minha lista, já conheço o trabalho do autor e sempre fico encantada.
    Sinto que é uma leitura prazerosa, não sabia que tinha ilustrações e isso só dá um charme a mais.
    Quanto a pontuação, não é algo que me incomoda, vejo como uma licença poética.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Conheci o trabalho do autor por meio do Facebook, mas só agora descobri que ele lançou um livro. Adorei a estética do livro e as ilustrações, pena que você não gostou da forma de pontuação, e concordo que muitos autores estão adquirindo essa forma de escrita. Os resinificados que você colocou na postagem são muito lindos. Não sou muito acostumada a ler poesia, mas vou procurar pelo autor. Obrigada pela dica.

    ResponderExcluir