16 maio 2018

Resenha - Sob Águas Escuras

Título: Sob águas escuras
Autor: Robert Bryndza
Cortesia: Editora Gutenberg
Página: 300
Onde comprar: Saraiva / Amazon

Quando a Detetive Erika Foster vasculha, com sua equipe, um lago artificial nos arredores de Londres em busca de uma valiosa pista de um caso de narcóticos, ela encontra muito mais do que eles estavam procurando. Do fundo do lago são recuperados dois pacotes: um deles contém 4 milhões de libras em heroína. O outro… o esqueleto de uma criança. Os restos mortais são de Jessica Collins, uma garota desaparecida há 26 anos e que foi a principal manchete de todos os noticiários da época. Erika, então, precisa revirar o passado e desenterrar os traumas da família Collins para descobrir mais sobre o trabalho de Amanda Baker, a detetive original do caso – uma mulher torturada pelo seu fracasso na busca por Jessica.


“Puxado pelo peso das correntes, o corpo afundou rapidamente.
Ela descansou ali, quieta e serena… durante muitos anos.”


Erika Foster já foi uma grande detetive do departamento de Investigação de Assassinatos na Lewisham até ser mandada para Kent para trabalhar caçando traficantes no departamento de crimes organizados, porém finalmente ela tem a chance de voltar a ativa quando uma busca há um possível pacote de drogas no lago artificial na pedreira Hayes resulta em uma sacola com os restos mortais de Jessica Collins, uma menina de 7 anos desaparecida em 1990 que se tornou um caso arquivado com uma série de fracassos no seu histórico sem qualquer pistas que levassem a um suspeito.

Agora 26 anos depois a esse desaparecimento o caso é reaberto com Erika no comando das investigações, porém, ela não medirá esforços para achar o verdadeiro culpado e descobrir o que aconteceu com a menina. Para isso Erika não somente vai precisar revisar tudo da equipe de investigação inicial liderada na época por Amanda Baker (uma ex-detetive que teve sua vida destruída por causa desse caso) como também a própria família da vitima e os mistérios que os cercam.

A principio nada parece levar a lugar nenhum, mas conforme suspeitos e informações vão sendo reveladas, um rede de intrigas é formada levando a Detetive Foster cada vez mais ao limite e próxima do que pode ser o caso mais difícil de sua carreira, principalmente quando sua vida é colocada em risco junto com todos aqueles que querem descobrir a verdade. Um mistério eletrizante que vai te prender do começo até o fim.


"Quando se vive uma mentira, ela fica tão enraizada que você quase acredita mesmo que ela é verdade."

O livro é escrito em 3ª pessoa, possuindo mais de um personagem narrando e construindo a trama, sendo que nem todos os personagens eram conhecidos pelo leitor, então o autor foi jogando cenas onde o possível culpado olhava e acompanhava os passos da investigação sem você ter a menor ideia de quem realmente era. Porém, eu não consegui conter minha habilidades de Sherlock Holmes e perto da página 100 já tinha um suspeito que acabou se provando certo no final, mas não se enganem, porque o autor ainda conseguiu me surpreender com todos os acontecimentos e com a explicação dada sobre o caso, porque nem mesmo minha dedução foi tão longe assim!

Falando um pouquinho sobre a Detetive Foster, logo quando iniciamos a leitura percebemos que ela é uma pessoa séria e direta, mas principalmente é de uma personalidade forte que quando quer alguma coisa faz de tudo para conseguir. Por isso, seu senso de justiça é algo que me impressionou bastante, pois ela mesma sabe que tem a habilidade para resolver casos de assassinatos e sequestros, por isso não quer continuar a seguir máfias e prendendo chefões que logo serão substituídos por outros.

Um dos pontos que mais me chamou atenção na história é como o autor consegue construir o caso ao mesmo tempo que insere temas polêmicos na trama, então vamos encontrar falas se referindo ao preconceito que existe com mulheres policiais, casais homo afetivos e até mesmo o poder que a mídia pode exercer com as palavras certas.


Não é um livro difícil de ler, o autor tem uma linguagem bem fácil e rápida, além disso os capítulos são curtos o que evitou de se tornar uma leitura cansativa. No geral, foi um livro muito bom, apesar de eu não ter lido os dois primeiros volumes da série, pois isso não me atrapalhou em nada, por isso caso haja interesse, eles podem ser lidos independentes, porém eu confesso que fiquei bastante curiosa para conferir os demais casos da detetive Foster, então pretendo ainda ler os outros dois com toda certeza.

Sob águas escuras é o terceiro livro da série da Detetive Erika Foster que já está em seu sexto volume nos EUA. Além disso, tenho que ressaltar novamente o quanto à edição está confortável e bonita, principalmente a capa que em minha opinião se encaixou direitinho com a história. A Editora realmente caprichou! 

Recomendo a todos os leitores que gostem de um bom mistério policial

Se Inscreva e Participe!!!



8 comentários:

  1. Hello Camila!

    E a primeira vez que vejo esse livro e já falar que amei a capa, já dá para saber através da sinopse e da sua resenha que é a história é boa. Vou adicionar a minha wishlist para comprar futuramente. Estou com um projeto de ler gêneros novos ainda esse ano e esse parece o livro ideal.bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Bela capa, enredo simples, mas com narrativa fluída, capítulos curtos. Esse género agrada muito, eu fico tentando adivinhar o que aconteceu..Pelo jeito a Detetive Foster vai ter muito trabalho, um crime acontecido há 26 anos...muita coisa para investigar, adoro policiais. Vou acrescentar na lista.

    ResponderExcluir
  3. Puxa, eu já tinha visto e até mandado este livro para a lista do Skoob de desejados, mas confesso que não fazia ideia de que era o livro de uma série.
    Este é o gênero que mais gosto de ler, me sinto confortável em histórias com assassinatos, detetives e soluções que eu mesma nunca encontro.rs
    Espero ter a oportunidade de conferir o livro o quanto antes.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Oi, Camila!
    Eu amo mistério policial, e apesar de gostar de personagens fortes que lutam pelo que desejam igual a Erika, confesso que a trama de Sob águas escuras não despertou o meu interesse, não fiquei curiosa para acompanhar a investigação da detetive Erika Foster sobre o caso da menina desaparecida há 26 anos e o por que de seus restos mortais ter sido encontrado em um lago, por isso não pretendo ler esse livro.
    Em relação a série da Detetive Erika Foster, nunca tinha ouvido falar; mas depois que você ler os dois primeiro livros dessa série posta aqui no blog sua opinião, quem sabe eu acabe me interessado e decida ler toda a série?!...
    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Eu gostei bastante da capa. Já tinha visto o livro por aí, mas não sabia que fazia parte de uma série. É bom que podemos ler fora de ordem. Eu gosto muito de enredos focados em mistérios e investigação. Fiquei curioso para conhecer mais de perto a forma que o autor usou para inserir o culpado nas cenas brincando com o leitor. Eu também sou desses que fico investigando para descobrir o culpado.

    ResponderExcluir
  6. Olá! Eu curto um mistério policial, apesar de quase sempre errar o suspeito (risos). A história parece ser bem interessante e já estou aqui em cólicas para saber quem são os culpados de um crime tão brutal. Ainda bem que não é necessário ler em uma sequencia. A capa está realmente maravilhosa o que só torna o livro ainda mais atraente.

    ResponderExcluir
  7. Olá Camila
    Esse é o primeiro contato que eu tenho com o autor e livro. Eu não tenho muitas experiências com obras de mistério policial, mas achei o enredo interessante, com um conteúdo pesado e dramático...

    ResponderExcluir
  8. CAmila!
    Infelizmente não li ainda nenhum dos livros da série, nem do autor.
    Mas gostei muito de todas suas observações sobre o mistério na resolução do caso que ninguém consegue desvendar, isso faz com que o leitor, sinta-se preso e conectado com a leitura.
    E entendo bem as ressalvas que fez em relação a ser algo complexo, mas não chegar a sentir essa complexidade.
    Maravilhosa semana!
    “Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente. A maioria das pessoas nunca ouve. “(Ernest Hemingway)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir