30 dezembro 2017

Retrospectiva - Premiação




Oi pessoal! 2017 praticamente já foi embora, mas algumas leituras a gente leva para sempre, não é? Li exatamente 55 livros este ano, não cheguei a bater minha meta de 70, no entanto fiquei bem satisfeita porque vários desses livros valeram por dois, fica a sensação de dever cumprido. Para relembrar as melhores leituras deste ano, resolvi fazer uma premiação pessoal, vamos lá?

Na categoria Não consigo escolher um preferido, mas já que é pra escolher um..., o vencedor foi o Atlas de Nuvens, um livro incrível, maravilhosamente escrito e com uma narrativa maravilhosamente construída. Foi amor à primeira leitura e mal posso esperar para relê-lo várias vezes nos próximos anos. O filme A Viagem é baseado nele, também vale a pena assistir!





Um viajante forçado a atravessar o oceano Pacífico em 1850; um jovem compositor deserdado, conquistando à força de tortuosas invenções um modo de vida precário num solar da Bélgica, entre a Primeira e a Segunda Grande Guerra; uma jornalista com princípios morais na Califórnia do governador Reagan; um editor menor fugindo aos seus credores mafiosos; o testamento de uma «criada de restaurante» geneticamente modificada, ditado na ala da morte; e Zachry, jovem ilhéu do Pacífico que assiste ao crepúsculo da Ciência e da Civilização: são os narradores de "Atlas de Nuvens", que escutam os ecos uns dos outros através dos corredores da história e vêem os seus destinos alterados de várias maneiras. Neste que é um dos romances mais importantes da atualidade, David Mitchell combina o gosto pela aventura, o amor pelo quebra-cabeça nabokoviano e o talento para a especulação filosófica e científica na linha de Umberto Eco, Haruki Murakami e Philip K. Dick. Conduzindo o leitor por seis histórias que se conectam no tempo e no espaço — do século XIX no Pacífico ao futuro pós-apocalíptico e tribal no Havaí — Mitchell criou um jogo de matrioskas que explora com maestria questões fundamentais de realidade e identidade.'



Na categoria de poesia Métrica, que recebe esse nome por causa do livro Métrica que é um dos meus preferidos da vida, o vencedor foi a Antologia Poética do Fernando Pessoa da editora portuguesa Bazar do Tempo. Foi por causa dele que eu me apaixonei completamente pelo Fernando Pessoa e seus heterônimos (o maior geminiano que você respeita), fazendo com que ele se tornasse o meu poeta preferido. Prêmio é mais do que merecido!


Referência maior nos estudos da literatura portuguesa no Brasil, Cleonice Berardinelli se lança ao desafio de passar a limpo sua relação de mais de sessenta anos com Fernando Pessoa para apresentar esta antologia. Seja na seleção criteriosa dos poemas, seja na série de notas que enriquecem e clarificam a compreensão do poeta e seus principais heterônimos (Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis), Cleonice revela nessa edição uma rara intimidade com o universo do autor, possível apenas para alguém que viveu com intensidade cada encontro e reencontro com essa obra múltipla e infinitamente fascinante. Integra ainda a edição um conjunto de ensaios de Cleonice sobre a poesia de Fernando Pessoa, versando sobre os diversos temas e obsessões que o acompanharam ao longo de duas décadas de produção e que hoje lhe conferem um lugar dentre os maiores nomes da poesia mundial de todos os tempos. No ano em que completa 100 anos, a grande Mestra oferece mais um fruto de sua notável trajetória integralmente dedicada à literatura portuguesa.



Na categoria Leve como uma pluma, temos o romance brasileiro Meu jeito certo de fazer tudo errado da Klara Castanho e Luiza Trigo. Leve, divertido, envolvente, é aquele livro que você quer carregar para todo o lugar como se fosse seu melhor amigo. Eu o tinha esquecido no carro do meu irmão e quase entrei em desespero achando que tinha perdido, é um chocolate quente em dia frio de tão amorzinho, vocês precisam ler.


Em 2014, na Bienal do Livro de São Paulo, Klara Castanho foi pedir um autógrafo para Luiza Trigo, que estava lançando seu novo livro. Desse encontro nasceu uma amizade. Um ano depois, inquieta e cheia de ideias, Klara pediu ajuda de Luiza com o conteúdo de um programa jovem de entrevistas que planejava fazer na internet, baseado no que via no dia a dia. Depois de trabalhar um pouco no que Klara havia escrito, Luiza sugeriu: “Que tal pegarmos esses textos e transformarmos em um livro?”. Klara adorou. Assim surgiu a história de Giovana, uma garota que acaba de se mudar com a família para São Paulo e que, de quebra, precisa encarar os dilemas da adolescência. Obedecer sempre aos pais controladores ou se aventurar em busca de independência? Ignorar suas convicções para andar com o grupinho popular do colégio, ou isolar-se com a amiga tímida e solitária? Viver um grande amor e perder o amigo, ou contentar-se com a friendzone? O resultado disso tudo são situações e personagens coloridos e autênticos, já que suas dúvidas, erros e acertos foram inspirados nas vivências das próprias autoras. E isso mostra um pouco do motivo pelo qual elas compartilham a paixão pela leitura: com ficção podemos exprimir grandes verdades.


Na categoria Dessa vez foi, o livro que eu nunca tinha conseguido passar do primeiro capítulo e dessa vez fui até o final foi A Sociedade do Anel, toda a trilogia na verdade. Eu conversei com vocês no Observatório Literário: expandindo o horizonte sobre sair da zona de conforto e, como foi o caso de Senhor dos Anéis para mim, sobre ganhar "maturidade" para ler certos livros com o tempo. Este ano eu dei uma nova chance para alguns livros que eu queria muito ler e fiquei feliz de estar preparada para eles dessa vez.


A Sociedade do Anel é a primeira parte da grande obra de ficção fantástica de J. R. R. Tolkien, O Senhor dos Anéis. É impossível transmitir ao novo leitor todas as qualidades e o alcance do livro. Alternadamente cômica, singela, épica, monstruosa e diabólica, a narrativa desenvolve-se em meio a inúmeras mudanças de cenários e de personagens, num mundo imaginário absolutamente convincente em seu detalhes. Nas palavras do romancista Richard Hughes, quando à amplitude imaginativa, a obra praticamente não tem paralelos e é quase igualmente notável na sua vividez e na habilidade narrativa, que mantêm o leitor preso página após página.








Na categoria Sofri, mas amei cada segundo de sofrimento, o vencedor foi Doutor Fausto do Thomas Mann, um livro tão incrível quanto difícil, não pela escrita em si, mas porque ele é um calhamaço de 624 páginas e é arrastado em vários momentos. Terminei literalmente de boca aberta e querendo ler tudo o que esse homem escreveu na vida dele, mal posso esperar para sofrer mais um pouco lendo A Montanha Mágica no ano que vem, quem topa? (risos)


Último grande romance de Thomas Mann, Doutor Fausto foi publicado em 1947. O escritor fez uma releitura moderna da lenda de Fausto, na qual a Alemanha trava um pacto com o demônio — uma brilhante alegoria à ascensão do Terceiro Reich e à renúncia do país a sua própria humanidade. O protagonista é o compositor Adrian Leverkühn, um gênio isolado da cultura alemã, que cria uma música radicalmente nova e balança as estruturas da cena artística da época. Em troca de 24 anos de verve musical sem paralelo, ele entrega sua alma e a capacidade de amar as pessoas. Mann faz uma meditação profunda sobre a identidade alemã e as terríveis responsabilidades de um artista verdadeiro.







Na categoria Todo mundo já tinha lido, menos eu, depois de uma disputa muito acirrada com A Bússola de Ouro, o vencedor foi O Coração de Tinta. Ambos são livros marcantes, emocionantes e seus filmes não fazem jus a eles. Escolhi O Coração de Tinta como vencedor porque, como todo bom livro sobre livros, ele me marcou um pouco mais. Se vocês, como eu este ano, ainda não leram nenhum dos dois, já coloquem na lista para 2018, vocês não vão se arrepender!

Há muito tempo Mo decidiu nunca mais ler um livro em voz alta. Sua filha Meggie é uma devoradora de histórias, mas apesar da insistência não consegue fazer com que o pai leia para ela na cama. Meggie jamais entendeu o motivo dessa recusa, até que um excêntrico visitante noturno finalmente vem revelar o segredo que explica a proibição. É que Mo tem uma habilidade estranha e incontrolável: quando lê um texto em voz alta, as palavras tomam vida em sua boca, e coisas e seres da história surgem como que por mágica. Numa noite fatídica, quando Meggie ainda era um bebê, a língua encantada de Mo trouxe à vida alguns personagens de um livro chamado "Coração De Tinta". Um deles é Capricórnio, vilão cruel e sem misericórdia, que não fez questão de voltar para dentro da história de onde tinha vindo e preferiu instalar-se numa aldeia abandonada. Desse lugar funesto, comanda uma gangue de brutamontes que espalham o terror pela região, praticando roubos e assassinatos. Capricórnio quer usar os poderes de Mo para trazer de "Coração De Tinta" um ser ainda mais terrível e sanguinário que ele próprio. Quando seus capangas finalmente seqüestram Mo, Meggie terá de enfrentar essas criaturas bizarras e sofridas, vindas de um mundo completamente diferente do seu.



Na categoria Virei a madrugada, quem nunca?, ganhando com uma margem gigante está o Matéria Escura, uma ficção científica de tirar o fôlego que não tem como largar antes do fim, ainda que já sejam quatro horas da manhã e você permanece acordada lendo. Leitura indispensável para o ano que vem, pessoal, se vocês ainda tem alguma dúvida, eu já mostrei essa capa maravilhosa e disse que a edição é em capa dura?

Essas são as últimas palavras que Jason Dessen ouve antes de acordar num laboratório, preso a uma maca. Raptado por um homem mascarado, Jason é levado para uma usina abandonada e deixado inconsciente. Quando acorda, um estranho sorri para ele, dizendo: “Bem-vindo de volta, amigo.” Neste novo mundo, Jason leva outra vida. Sua esposa não é sua esposa, seu filho nunca nasceu e, em vez de professor numa universidade mediana, ele é um gênio da física quântica que conseguiu um feito inimaginável. Algo impossível. Será que é este seu mundo, e o outro é apenas um sonho? E, se esta não for a vida que ele sempre levou, como voltar para sua família e tudo que ele conhece por realidade? Com ritmo veloz e muita ação, Matéria escura nos leva a um universo muito maior do que imaginamos, ao mesmo tempo em que comove ao colocar em primeiro plano o amor pela família. Marcante e intimista, seus múltiplos cenários compõem uma história que aborda questões profundamente humanas, como identidade, o peso das escolhas e até onde vamos para recuperar a vida com que sonhamos.



Na categoria Amo e defenderei, o vencedor é Onze leis a cumprir na hora de seduzir. A série Os Números do Amor da Sarah McLean ganhou completamente meu coração que já era apaixonado por romances de época, lindos e divertidos, acho que eu nunca ri tanto lendo quanto eu ri com esses livros. Vou defender essa série com todas as minhas forças! (e falar dela até vocês me ouvirem e lerem também - risos)

Juliana Fiori é uma jovem ousada e impulsiva, que fala o que pensa, não faz a menor questão de ter a aprovação dos outros e, se necessário, é capaz de desferir um soco com notável precisão. Sozinha após a morte do pai, ela precisa deixar a Itália para viver com seus meios-irmãos na Inglaterra. Ao desembarcar no novo país, sua natureza escandalosa e sua beleza estonteante fazem dela o tema favorito das fofocas da aristocracia. Pelo bem de sua recém-descoberta família britânica, Juliana se esforça para domar seu temperamento e evitar qualquer deslize que comprometa o clã. Até conhecer Simon Pearson, o magnífico duque de Leighton. O poderoso nobre não admite nenhum tipo de escândalo e defende o título e a reputação da família com unhas e dentes. Sua arrogância acaba despertando em Juliana uma irresistível vontade de desafiá-lo e ela decide provar a ele que qualquer um – até mesmo um duque aparentemente imperturbável – pode ser levado a desobedecer as regras sociais em nome da paixão.



Na categoria Eu mesma, rainha das releituras, porque eu amo reler livros e reassistir filmes e séries 34829374 vezes, preciso entregar o prêmio de melhor releitura para Perdendo-me. A Bliss é uma das protagonistas mais divertidas que eu já tive o prazer de conhecer, a história é demais, acho que meu ano ficaria incompleto se eu não tivesse lido este livro novamente. Procurando um romance despretensioso para as férias? Acabou de encontrar!


VIRGINDADE. Bliss Edwards vai se formar na faculdade e ainda tem a sua. Chateada por ser a única virgem da turma, ela decide que o único jeito de lidar com o problema é perdê-lo da maneira mais rápida e simples possível com uma noite de sexo casual. Tudo se complica quando, usando a mais esfarrapada das desculpas, ela abandona um cara charmosíssimo em sua própria cama. Como se isso não fosse suficientemente embaraçoso, Bliss chega à faculdade para a primeira aula do último semestre e... adivinhe quem ela encontra?










E por último, mas não menos importante, na categoria Presente de Natal, de melhor livro lido em dezembro, está As Fúrias Invisíveis do Coração. Vou resenhá-lo muito em breve aqui no blog, mas já posso adiantar que eu terminei este livro com lágrimas nos olhos. É absolutamente incrível, não tem como não se emocionar. Deveria ser leitura obrigatória para todos.

Cyril Avery não é um Avery de verdade ou, pelo menos, é o que seus pais adotivos lhe dizem. E ele nunca será. Mas se não é um Avery, então quem é ele? Nascido nos anos 1940, filho de uma jovem solteira expulsa de sua comunidade e criado por uma família rica irlandesa, Cyril passará a vida inteira à mercê da sorte e da coincidência, tentando descobrir de onde veio — e, ao longo de muitos anos, lutará para encontrar uma identidade, uma casa, um país e muito mais. Além das incertezas de sua origem, ele tem de enfrentar outro dilema: é gay numa sociedade que não admite sua orientação sexual. Autor do best-seller O menino do pijama listrado, John Boyne nos apresenta à sua maior empreitada literária até então, construindo uma saga arrebatadora sobre aceitar-se e ser aceito num mundo que pode ser cruelmente hostil. Uma leitura necessária para os dias de hoje, que reitera o poder do amor, da esperança e da tolerância.


Espero que vocês tenham gostado, me contem quais foram as melhores leituras de vocês também, indicações são sempre bem vindas. Quais livros colocariam nas categorias? Desejo um ótimo fim de ano para todos, nos veremos em breve!


Se Inscreva e Participe!!!




7 comentários:

  1. Olá Luana, tudo bem?
    Gostei bastante da sua seleção, são vários livros que ainda não conhecia.
    Dos que já li, está o clássico "A sociedade do anel", que abre a trilogia do Senhor dos Anéis. Uma leitura difícil, mas bastante prazerosa.
    A trilogia do Mundo de Tinta é, na minha opinião, maravilhosa! Um dos melhores livros de fantasia e aventura. E "Coração de tinta", que inicia é série, traz todo um universo novo para a gente.
    Agora o livro que estou louquinha para ler é Matéria Escura, já li várias críticas positivas! Concordo que é o meu grande indispensável para o ano que vem, e acredito que também vou gostar bastante!

    ResponderExcluir
  2. Dei um pequeno gritinho quando vi a Sociedade do Anel no meio da sua lista para falar a verdade é um dos melhores livros de fantasia Ever

    ResponderExcluir
  3. Luana!
    Achei hilária a escolha das categorias, ri muito, bem inovador.
    Vamos ver se me lembro de alguns doa 127 livros que consegui ler esse ano:
    -NÃO CONSIGO ESCOLHER UM FAVORITO, MAS SE É PARA ESCOLHER UM... Raio de sol da Kim Holden
    -MÉTRICA - MULHERES EM CENA EM POESIA” (LITERATURA NACIONAL) – LARA BRAGA
    -LEVE COMO UMA PLUMA - ”CONTOS E ENCONTROS DO CORAÇÃO” (LITERATURA NACIONAL) - VÁRIOS AUTORES
    - VIREI A NOITE, QUEM NUNCA? - “A CONSPIRAÇÃO VERMELHA” (LITERATURA NACIONAL) – HERMES M. LOURENÇO
    -AMO E DEFENDEEREI - "O ESCRAVO DE CAPELA" (LITERATURA NACIONAL) - MARCOS DEBRITO
    - EU MESMA, A RAINHA DAS RELEITURAS - "NÊMESIS" - ÁGATHA CHRISTIE
    Um Novo Ano repleto de realizações!!
    “Para ganhar um ano novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.” (Carlos Drummond de Andrade)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Quem me dera terminar o ano tendo lido 55 livros :/ Mas não consegui ler muita coisa este ano não.
    Trabalho demais, cansaço demais...por muitas vezes, pegava um livro e dormia em cima.
    Nunca sou de fazer metas em finais de ano, mas prometi a mim que neste novo que chega, vou fazer três metas: Ser Fitness a qualquer custo, servir a Deus e aos irmãos de todo o meu coração e organizar meu tempo da melhor forma possível, para que meus prazeres também não sejam deixados de lado!rs
    De todos livros citados e mostrados acima, o que mais tenho vontade ler e ter é As Fúrias Invisíveis do Coração e Matéria Escura!
    Beijo e um novo ano repleto de boas leituras e muita paz!

    ResponderExcluir
  5. Eu também não consigo ter um livro favorito kkkk Amo todos que li, mas dependendo do momento alguns me marcam mais que outros e com o passar do tempo vou mudando o gosto literário é adquirindo novos favoritos. Estou esperando a minha trilogia Slammed chegar, ganhei e estou louca para ler! Coração de tinta quero muito ler, o filme marcou minha infância e sei que o livro seria mil vezes melhor!

    ResponderExcluir
  6. Oi Luana ;)
    Estou adorando ver os escolhidos de vocês das melhores leituras do ano!
    Desses que você mencionou tenho muita vontade de ler Matéria Escura e Onze Leis a Cumprir na Hora de Seduzir. Já li Perdendo-me e gosto demais da história.
    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Oi Luana! Caramba, tem tantos livros da sua lista que quero ler! Matéria Escura, As Fúrias Invisíveis do Coração, Doutor Fausto...
    Confesso que tenho o mesmo problema que você tinha com Senhor dos Anéis, nunca consegui passar de Valfenda, kkkk. Mas acho que vou seguir o seu exemplo e tentar novamente, quem sabe dessa vez vai pra mim também?
    Beijos!

    ResponderExcluir