28 dezembro 2017

Resenha - A Maldição


Título: A Maldição
Autor: Stephen King
Editora: Companhia das Letras / Selo Suma de Letras
Páginas: 289
Skoob
Onde comprar: Saraiva / Amazon / Submarino

Bill Halleck tinha uma vida boa e tranquila, até o dia em que atropelou uma velha cigana. Inocentado no tribunal por ter boas relações com o júri, logo descobrirá que, apesar de ter escapado da justiça americana, existem outras formas de pagar por um erro. Em pouco tempo, o obeso Halleck começa a emagrecer — seus quilos sugados vertiginosamente a cada dia que passa. Para surpresa dos médicos que o examinam, não há nada de errado fisicamente. Mas Halleck terá de encontrar uma solução – e rápido – senão, em pouco tempo, não será mais do que um feixe de ossos.






Bill Halleck é um advogado obeso que há tempos tenta perder alguns quilos, e apesar de ser encorajado pela esposa Heidi, jamais atingiu esse objetivo. Os dois mantém as coisas do jeito que estão, afinal, se ele fosse levar a sério, sua esposa também teria que se esforçar para largar um vício: o cigarro. Quando sua balança passa a registrar um número menor e Heidi e sua filha Linda notam que a barriga protuberante está diminuindo cada vez mais, apenas uma explicação absurda persiste na cabeça de Bill. Há pouco tempo, ele se envolveu em um acidente no qual atropelou uma cigana e acabou sendo inocentado pela sua morte. Mas o velho cigano de nariz carcomido, é claro, não ficou nada feliz com o fato de Bill sair livre, e na saída do tribunal, se dirigiu a ele, tocou seu rosto e apenas disse: “mais magro”.

Apesar de Heidi ter colaborado para que o acidente ocorresse, eles nunca falam sobre o assunto. Bill acredita que ela tem sua própria forma de lidar com a culpa, por isso, tenta suportar sozinho com seus pensamentos do acidente e daquelas palavras proferidas. O problema é que apesar das 8 mil calorias que ingere diariamente, para sua surpresa, permanece perdendo 1kg por dia! Sua esposa fica preocupada e passa a suspeitar de câncer, afinal, vê que ele permanece comendo da mesma forma e não realiza exercícios físicos. Bill procura o Dr. Houston, também um amigo, para fazer vários exames e descobrir o que está acontecendo.

“Para onde vai uma maldição quando o amaldiçoado finalmente bate as botas? Droga, seria o mesmo que perguntar para onde vai a última respiração de um moribundo. Ou para onde vai a alma dele. Vai embora. Desaparece. Some, some, some. Existirá um meio de expulsar a maldição?”

Bill não pode evitar o alívio que sente quando os testes mostram que ele está bem e saudável, mas esse sentimento é passageiro. Os dias passam, os números da balança não param de diminuir e as calças começam a cair. Quando revela suas suspeitas de que esse fenômeno é obra daquele velho cigano, todos ficam bastante preocupados com a sua sanidade e sugerem que Bill se interne em uma clínica. Mas o tempo é valioso – custa sua vida! -, e ele acredita que isso será um grande desperdício de tempo. Assim, depois de refletir e perceber que a perda de peso não iria cessar, decide realizar a última jogada: ir atrás do cigano que lhe lançou a maldição. E mesmo que esse seja um propósito bastante arriscado, ele fará qualquer coisa para não suportar uma morte lenta e dolorosa. Será que ele será capaz de impedir a sucessiva perda de peso?



A maldição é um livro que me encheu de agonia durante cada minuto em que estive presa nas páginas acompanhando Billy, vendo-o definhar rapidamente e fazer de tudo que está a seu alcance para que a morte não lhe desse boas-vindas tão cedo. É uma história altamente desesperadora! É claro que eu não poderia esperar menos, já que foi criada pelo mestre Stephen King, na época, publicado por seu pseudônimo Richard Bachman. Não me canso de dizer que amo os seus livros pois suas palavras têm o poder de te jogar facilmente para dentro da história, da vida dos personagens e dos problemas que os acompanham. Você inicia sua leitura sem esperar nada e quando percebe, não consegue largar mais o livro. E contendo uma premissa tão instigante e mística como A maldição, foi exatamente isso o que aconteceu comigo. Se eu pudesse resumir bem os sentimentos que ele provocou em mim, diria que 90% do livro foi desespero, os outros 10% é um misto de surpresa e puro medo. Quem leu, acho que entenderá do que estou falando!

Conforme as páginas aumentam de número e o peso de Bill diminui, é inevitável imaginar o que o aguarda nas páginas finais. O livro se inicia com uma leve preocupação (afinal, o que é perder uns quilinhos quando você está com sobrepeso, não é mesmo?) e vai evoluindo para uma grande dose de adrenalina. Não sobra tempo para momentos de quietude e reflexão; a história possui um ritmo frenético, afinal de contas, cada dia é extremamente precioso para o protagonista. E falando no Bill Walleck, apesar de sua linha de raciocínio o levar para um rumo suspeito e até mesmo detestável, eu não conseguia o odiar completamente, mesmo que alguém acreditasse que ele merece todo aquele sofrimento e que deveria aceitar sua morte. Acabei me juntando nessa jornada pela sobrevivência junto com ele, torcendo para que as coisas ficassem bem no fim, que conseguisse driblar a maldição de alguma maneira e parasse de emagrecer tanto a cada dia. Só o Stephen King mesmo para ter esse poder de nos envolver tanto com seus personagens, não é?


Os capítulos finais são surpreendentes e tenebrosos, e eles são a razão de eu definir os 10% do livro por puro terror. Apesar de já estar engajada em outra leitura, acredito que aqueles acontecimentos ainda ficarão ecoando em minha mente por bastante tempo. Para ser sincera, acho que esse é o livro perfeito para causar traumas nas crianças. Aceitem meu conselho quando digo para manterem esse livro longe delas. Apenas não coloquei o livro na lista dos favoritos por causa do protagonista, já que não é dos mais carismáticos e agradáveis, mas A maldição é, sim, excelente em todos os aspectos. Com uma narrativa fluída e contendo poucas páginas, é fácil devorá-lo. A curiosidade me fisgou até a última página!

“Os olhos da velhice, ele tinha pensado? Eram algo mais... e algo menos. Foi vazio que viu neles; o vazio era a verdade fundamental deles, não a consciência que havia na superfície deles como luar sobre águas turvas. Um vazio tão profundo e completo como os espaços que podem jazer entre galáxias.”

A diagramação do livro está ótima em todos os detalhes, tanto na parte física quanto na parte técnica. Nenhum detalhe do livro me deixou desconfortável, ele é absolutamente perfeito! Acho incrível como, a cada livro lido do Stephen King, fico ainda mais encantada por ele. Amei esse livro e com certeza o recomendo fortemente para todas as pessoas que apreciem ótimos livros de mistério.


Se Inscreva e Participe!!!

6 comentários:

  1. Amanda
    Confesso que ainda não tinha ouvido falar desse livro do King e daí você explica que é porque ele usou um psedônimo...
    Nossa! Diquei agoniada e desesperada só em ler sua resenha, falando sobre a agonia de Bill, fico imaginando tudo que ele passou.
    Já anotei aqui para ir em busca, valeu!
    Um Novo Ano repleto de realizações!!
    “Para ganhar um ano novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.” (Carlos Drummond de Andrade)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Só o Mestre King tem esse poder: jogar o leitor dentro da história e mexer tanto com o seu psicológico a ponto da gente não saber se é real ou fantasia!
    Não conhecia este livro do autor,mas já quero e muito!
    Fiquei agoniada só de ler a resenha, imagina vendo o desespero deste homem?
    Lerei com certeza!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Stephen King é realmente o rei mas ainda não li esse livro dele e eu acho que não contém tanta pressa assim para ler até porque a preguiça não me pegou de jeito mas isso não significa que eu vou desistir do livro

    ResponderExcluir
  4. Olá Amanda, tudo bem?
    Que bom ver mais uma resenha do mestre King aqui, sou muito fã dele.
    Li este livro publicado como "A maldição do cigano" há muito tempo atrás e foi uma das leituras de King que mais gostei. Roí todas as unhas na época kkkkk.
    O título em inglês já é provocante, Thinner significa mais magro e mostra exatamente o que acontece no livro. Esta é a maldição que o cigano joga em Bill após ele ser inocentado sobre o atropelamento de uma cigano.
    Concordo totalmente com você quando descreve que o sentimento que impera é "agonia". Agonia pelo fato de o protagonista não poder fazer nada e agonia por sabermos o porquê de seu emagrecimento.
    Com certeza a leitura é alucinante, me lembro que na época li em poucos dias, apesar de o livro ser em inglês. E fiquei bem curiosa para conhecer esta nova edição, parece ser mesmo muito bonita.

    ResponderExcluir
  5. Oii Amanda ;)
    Ainda não conhecia essa obra do King confesso, mas a premissa não me agradou muito :/
    Acredito mesmo que o autor tenha escrito um livro com uma narrativa envolvente e que traz personagens identificáveis, e quero em breve ler algo dele (acho que vou começar por Belas Adormecidas).
    Adorei ver sua animação com o livro kkkk espero gostar da escrita do autor, e querer ler todos os livros dele S2
    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Olá! Não conhecia esse livro do SK, nem de nome, rs. Acho que é a primeira vez que vejo um comentário sobre ele e, tendo em vista que sua resenha foi tão positiva, já coloquei aqui na lista. Não sou a maior fã dele, mas o meu marido é hahah sempre procuro um livro novo do King para ele. Achei a tal maldição um tanto bizarra, mas interessante e gostei de que esse livro seja mais terror mesmo, porque alguns dele são apenas suspense (pelo menos pra mim).
    Beijos.

    ResponderExcluir