12 dezembro 2017

Resenha - Em busca de Watership Down

Título: Em busca de Watership Down
Autor: Richard Adams
Editora: Planeta
Páginas: 464
Skoob
Onde comprar: Saraiva                     
Um dos maiores clássicos de fantasia nos países de língua inglesa, "Em busca de Watership Down" é uma fábula sombria sobre coragem e sobrevivência quando um coelho vidente prevê a destruição da toca onde vive, ele se une a seus amigos para achar uma nova casa. No caminho à mítica colina de Watership Down, enfrentam rivais e armadilhas. Mas, mesmo depois de chegarem e, teoricamente, encontrarem um lugar seguro para viver, precisarão lutar para salvar a colônia vizinha e repopular a própria comunidade. Em busca de Watership Down fala de dominação e opressão, de fascismo e utopia, de mitologia e delírio coletivo, de sentimento de comunidade e de loucura. No Reino Unido, ocupa o segundo lugar entre os juvenis de fantasia mais vendidos do século XX, atrás apenas da saga Harry Potter. Em 2017, a Netiflix anunciou o lançamento de uma série de animação baseada no livro.
                                                 





Oi gente, desculpa a ausência, mas agora eu tô de volta com a resenha de Em busca de Watership Down, um livro de fantasia super elogiado e um dos mais vendidos do século XX. Então já deu pra perceber que ele não é fraco não (risos).

Galerinha, é minha primeira experiência resenhando um livro de fantasia e que envolve tantos elementos que permeiam a nossa vida constantemente, então peço a compreensão de todos vocês caso eu não consiga agradar a todos. Mas eu acho que resenhar é isso, dar a minha opinião sobre algo que, ao meu modo de ver foi bom, agradou, poderia ser melhor, mandou muito bem, e por aí vai. É o meu olhar sobre a história... então sem me alongar mais do que o necessário, vamos nessa!


Avelã e Quinto fazem parte de uma comunidade de coelhos liderados pelo chefe coelho intitulado Thearah. Tudo vai bem entre os coelhos, seu chefe e os soldados sob seu comando, mas a paz e calmaria estão com seus dias contados quando Quinto, um coelho ainda muito jovem e de pequeno porte tem uma visão assustadora onde fica claro a completa destruição do lar onde todos vivem. Desesperado com o que prevê Quinto busca a ajuda de Avelã, um coelho mais velho e muito respeitados entre os coelhos da toca.


"- Ah, Avelã! É daqui que vem, agora eu sei! Alguma coisa muito ruim. Alguma coisa terrível, chegando cada vez mais perto."

Avelã, claro, fica muito impressionado com o angustiante relato de Quinto, e mesmo correndo o risco de ser ridicularizado ou até mesmo severamente castigado pelo chefe coelho Thearah resolve dar ouvidos aos apelos angustiados de seu amigo e vai em busca de uma oportunidade de levar ao conhecimento do chefe as pavorosas revelações de Quinto, que, ao que tudo indica, se forem verdadeiras exterminará à todos os coelhos que ali vivem. Para Quinto, o quanto antes eles abandonarem a toca mais chances de sobrevivência eles terão. Mas convencer um chefe coelho a deixar para trás o lar que ele conhece juntamente de vários coelhos sob seu comando pode ser tão assustador quanto as visões de Quinto, isto é, se elas forem realmente verdadeiras ou simplesmente um mero ataque de pânico de um coelhinho muito jovem e imaturo.


"O Thearah esperou educadamente por alguns instantes e depois disse:
  - Bom, eu nunca fiz isso! É um pedido bastante incomum, não é? O que você acha?"

Diante dessas palavras está mais do que claro para Avelã e Quinto que o chefe coelho não acreditou em nada do que eles relataram, e que por conta disso ele não tomará nenhuma atitude para salvar a toca da suposta destruição que Quinto assegura ter previsto para muito breve. Avelã não é nem um pouco incrédulo como o chefe coelho demonstra ser, mas ao mesmo tempo não parece estar disposto a desobedecer suas ordens.

" - Avelã... O perigo, a coisa ruim. Não foi embora, ainda está aqui... em volta da gente. Não me diga para esquecer isso e ir dormir. A gente tem que ir embora antes que seja tarde demais."

Após algumas tentativas de Quinto para convencer Avelã e o maior número de coelhos possíveis a fugirem da toca onde vivem e salvarem suas vidas eis que eles partem em busca de um novo lar, passando a contar com a ajuda de Topete, um forte e corajoso coelho e soldado da Owsla, que servia fielmente ao chefe coelho, mas que por ter ouvido as histórias de destruição da toca resolveu se juntar aos coelhos fujões.

Deste momento em diante eles passarão por inúmeras situações de provações onde as visões de Quinto serão colocadas em xeque, já que mais uma delas dará como certa a existência de um lugar perfeito e livre de quaisquer perigo. Mas para chegar a esse paraíso mais conhecido como Watership Down eles passarão por momentos inimagináveis e terão que lutar por suas próprias vidas enfrentando os humanos, os animais selvagens, os animais domésticos pelos lugares que vão encontrando pelo caminho. E o pior de tudo, eles terão que lutar pela existência de sua própria espécie, já que sem fêmeas por perto eles não têm como continuar existindo e resistindo por muito mais tempo.

" - Olhe! - disse Quinto de repente. - Aquele é o lugar certo para a gente, Avelã. Colinas altas, isoladas, onde o vento e o som não têm barreiras e o solo é seco como uma palha no celeiro. É ali que a gente devia estar. É ali que a gente tem que chegar."

Os perigos são tantos e incontáveis que em vários momentos Avelã, Topete e os outros coelhos que vão se juntando ao grupo desertor desanimam e começam a duvidar da existência de Watership Down, mas nada parece demover Quinto de sua ferrenha certeza de que todos os coelhos  que partiram da toca e mais os que se juntaram a eles ao longo da jornada só serão felizes e livres quando chegarem ao local de suas visões e portanto, ao seu destino final.


[ - Minhas impressões - ]

Bem, como havia falado logo no início da resenha essa é a minha primeira vez resenhando um livro de fantasia, mas não a primeira vez que leio um. Ler Em busca de Watership Down a princípio foi meio complicado para mim, pois eu não conseguia assimilar muito bem a ideia de ter coelhos como personagens principais e até mesmo protagonistas da história. Mas a medida que  fui avançando no enredo e fui conhecendo cada um dos personagens é óbvio que fui me simpatizando com cada um e as difíceis situações enfrentadas por eles. Quinto e Avelã se tornaram meus queridinhos ao longo do livro e eu prestava uma enorme atenção a cada momento deles no decorrer da história.

O que ficou muito claro para mim foi a forma como todos os coelhos foram sendo apresentados em sua maneira de viver, posto que eles funcionavam muito bem seguindo ordens de um chefe que nem de longe era algoz de seus povo e daqueles que estavam sob suas ordens. Avelã era um chefe coelho justo, acolhedor e leal a seu povo, e uma vez que ele prometia algo fazia questão de cumprir. Mas nada seria possível de ser realizado se ele não tivesse ao seu lado um coelho vidente, que podia contar com suas visões assombrosas, porém extremamente  realistas tanto para o bem quanto para o mal. Quinto sofria tanto com suas visões e mesmo assim era fiel a si mesmo e ao que acreditava ser o certo a fazer. Ele buscava ajudar a todos ao revelar o que via e sentia, ainda que fossem sofrimentos duradouros, mas com uma grande recompensa para aqueles que persistissem até o fim. E foi justamente o que eles receberam no final da longa jornada em busca de Watership Down, pois depois do choro veio a bonança, e ela é farta, próspera e infinita.


Assim como acontece entre muitos humanos onde alguns cismam de querer prevalecer sobre os outros à custa do sofrimento alheio pude constatar através da leitura de que isso acontece também entre os coelhos. Ao longo da sofrida busca pelo tão sonhado e desejado lugar em meio às colinas altas onde eles se sentiriam seguros e protegidos, pronto para fincar raízes e estabelecer moradia segura para poderem enfim procriar e dar continuação a espécie ficou explícito a amizade, companheirismo, solidariedade e amor ao próximo. Isso não pode ser visto só como um ponto positivo para a história do livro em si, e sim como algo a ser levado para o nosso dia a dia, pois acredito que a intenção do autor foi de nos passar uma mensagem de que podemos e devemos nos preocupar mais uns com os outros e tentarmos nos ajudar no maior número de coisas possíveis. E acima de tudo o autor nos incentiva a acreditarmos mais em nós mesmos e nos impulsiona a irmos em busca dos nossos sonhos e torná-los realidade, vencendo a cada dia uma batalha atrás da outra até alcançarmos o que almejamos.

Em muitos aspectos para mim foi um saldo super positivo a leitura de Em busca de Watership Down, e eu o recomendo para todos aqueles que são fãs de livros de fantasia. E para aqueles que não têm o costume de ler peço que se deem uma chance de conhecer e se aventurar pelas previsões do encantador coelho Quinto, pela justiça e bondade de Avelã, pela coragem e disposição de Topete e por todos os outros coelhos que vão surgindo ao longo da história, até mesmo os vilões.

Esta, além de ser a primeira vez que resenho um livro de fantasia é também a primeira vez que leio algo do autor Richard Adams e o que eu posso dizer é que foi algo diferente, surpreendente e que valeu muito a pena.

Embora eu tenha lido em E-book não tenho nada a dizer que desmereça ou desfavoreça o livro. Não encontrei erros de ortografia e não tenho nenhuma crítica a fazer quanto a capa do livro e nem quanto a quantidade de páginas, já que o mesmo foi muito bem contado ao longo de suas 464 páginas. Foi uma leitura com um saldo bastante positivo ao final e que vale muito a pena, e eu a indico sem sombra de dúvida.

Se Inscreva e Participe!!!!




7 comentários:

  1. Kaline!
    Mesmo tendo gostado, vi que deu uma nota mediana e até entendo seus motivos, as dificuldades de engrenar na leitura deve ter sido um deles.
    O que gostei primeiro foi que mesmo fazendo tipo uma analogia com os humanos, o autor se preocupou em dar nomes dde não humanos para os coelhos como: Quinto, Avelã e Topete, o que não os humaniza.
    E ver que eles tem dons e são justos,embora tenham passado por uma tremenda aventura para acalçarem seus objetivos, me deixou com vontade de ler.
    Ah! E gostei da sua primeira resenha de um livro de fantasia, nem parece a primeira, porque tudo ficou bem explicadinho, parabéns!
    Desejo uma ótima semana!
    “ Bendita seja a data que une a todo mundo numa conspiração de amor.” (Hamilton Wright Mabi)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Fiquei tentando imaginar um mundo só de coelhos..rs Tipo, sendo humanos(acho que fábulas servem para isso, nos fazer imaginar) e confesso que ri um pouco, mas também acabei achando bem interessante!
    Apesar de não ter lido nada do autor ainda, a gente sabe ou imagina do que ele é capaz! E este livro é sem sombra de dúvidas, um grande clássico!
    A capa é maravilhosa e eu espero muito poder ter a oportunidade de ler!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Olá! Esse livro é elogiadíssimo e muito importante no universo da fantasia, sempre recomendado pelos fãs do gênero. Eu quero muito ler porque sei que a história é inteligente e bem construída e acho a analogia dos coelhos muito interessante. Uma pena a sua nota ser mediana, mas pelo menos você gostou da leitura.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Olá Kaline, tudo bem?
    Quando soube deste lançamento, aqui mesmo no blog, já gostei da sinopse e inclui na minha enorme lista de desejados! Gosto bastante do gênero fantasia, e achei a ideia deste livro bastante original, escapando das fórmulas prontas que andam atacando os demais lançamentos!
    A estória mostra os coelhos de forma parecida que George Orwell mostra os porcos em "A revolução dos bichos", com características humanas e críticas a nossa sociedade. Através da fábula, é interessante ver como temas mais polêmicos são trabalhados, levando o leitor a refletir sobre sua própria condição.
    Gostei muito de sua primeira resenha no reino da fantasia, acredito que vai tomar gosto e escrever várias outras. Fiquei super curiosa para seguir as aventuras do coelho Quinto.

    ResponderExcluir
  5. Olá Kaline ;)
    Nossa, assim que comecei a ler a resenha nunca imaginei que o livro ia ter personagens coelho kkkkk já me surpreendeu logo no início!
    Nunca tinha visto um livro de fantasia tão diferente, e imagino o quanto é difícil resenhar um livro assim, mas adorei sua resenha *-*
    Sempre acho legal fazer leituras que nos tiram da nossa zona de conforto, e Em Busca de Watership Down parece ser exatamente uma leitura dessa. Espero me encantar com o livro e os personagens Quinto e Avelã, assim como você.
    Obrigada pela indicação, e mesmo amando fantasia achei estranho essa premissa, mas vou dar uma chance haha

    ResponderExcluir
  6. Ler um livro em que os personagens são coelhos não deve ser muito facil mesmo rsrs eu acho que eu me acostumaria também, depois de um tempo de leitura. A resenha me lembrou muito os desenhos infantis, achei legal pois gosto de desenhos. Eu acredito que este seja o tipo de livro leve, gostoso de embalar com a leitura.

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia nem o livro nem a escritora a sinopse Até que foi interessante mas não conseguiu prender minha atenção

    ResponderExcluir