14 fevereiro 2017

Resenha - Ninfeias Negras



Título: Ninfeias Negras
Autor: Michel Bussi
Editora: Arqueiro
Skoob / Goodreads
Páginas: 352
Onde comprar: Saraiva / Amazon

Giverny é uma cidadezinha mundialmente conhecida, que atrai multidões de turistas todos os anos. Afinal, Claude Monet, um dos maiores nomes do Impressionismo, a imortalizou em seus quadros, com seus jardins, a ponte japonesa e as ninfeias no laguinho.
É nesse cenário que um respeitado médico é encontrado morto, e os investigadores encarregados do crime se veem enredados numa trama em que nada é o que parece à primeira vista. Como numa tela impressionista, as pinceladas da narrativa se confundem para, enfim, darem forma a uma história envolvente de morte e mistério em que cada personagem é um enigma à parte - principalmente as protagonistas.Três mulheres intensas, ligadas pelo mistério. Uma menina prodígio de 11 anos que sonha ser uma grande pintora. A professora da única escola local, que deseja uma paixão verdadeira e vida nova, mas está presa num casamento sem amor. E, no centro de tudo, uma senhora idosa que observa o mundo do alto de sua janela.












A história se passa em Giverny, um vilarejo da França que fora utilizado como cenário de tantas pinturas de Monet e que possui algumas centenas de habitantes. Nele, as vidas de três mulheres estão interligadas e possuem alguma relação com o assassinato de Jérôme Morval, um médico oftalmologista bastante popular. A vítima era um cara casado, mas isso não o impedia de ser mulherengo e além disso, antes de falecer, estava atrás de uma das Ninfeias de Monet. O leitor acompanha a investigação com dois inspetores: Laurenç Sérénac e Sylvio Bénavides. Eles encontram no bolso da vítima um cartão de Feliz Aniversário de 11 anos e sabendo do histórico de Morval, passam a seguir três pistas: das amantes, das Ninfeias de Monet e de uma criança de 11 anos, possivelmente um filho que ele teve com uma das moças que se envolveram com o médico.

De alguma maneira, as mulheres são peças-chave para a resolução do assassinato. As três são bem diferentes entre si: a primeira, é uma viúva idosa que mora no Moinho de Chennevières. Da janela, consegue enxergar tudo que acontece durante a investigação do assassinato e passa facilmente despercebida pelas pessoas nas ruas do vilarejo; afinal de contas, ninguém realmente presta atenção em uma velha. Ela narra a história em primeira pessoa e sempre está perto dos personagens principais, testemunhando tudo que ocorre e sem mover um dedo para impedir tais acontecimentos.

A segunda mulher é uma professora jovem da escola primária chamada Stéphanie Dupain que se sente presa em um casamento infeliz com Jacques. Ela é uma grande admiradora da arte e sonha em encontrar o amor verdadeiro. E a terceira, é apenas uma menina de quase 11 anos chamada Fanette Morelle que apesar de jovem, é uma pintora muito talentosa e está participando de um projeto que lhe dará a oportunidade de ser reconhecida no mundo artístico, ganhar muito dinheiro e viajar para outro país. Essas três mulheres são bastante diferentes, mas todas têm o mesmo objetivo: querem sair de Giverny.

“Quem poderia sonhar em viver em outro lugar? Um vilarejo tão bonito. Mas vou lhe confessar: o cenário está paralisado. Petrificado. É proibido mudar a decoração de qualquer casa, pintar uma parede, colher uma mísera flor. Dez leis proíbem tudo isso. Nós aqui vivemos dentro de um quadro.”

A idosa viúva -que não nos fornece o seu nome - possui um pastor alemão chamado Netuno que todos do vilarejo conhecem, mas ninguém sabe que é dela. Assim como a personagem, o cachorro está sempre presente nos principais acontecimentos e próximo dos personagens principais, como Fanette, Stéphanie e o inspetor Sérenac. Sua narrativa vai oscilando com a perspectiva de outros personagens e ela se mostra uma personagem bem sarcástica e um tanto misteriosa. Sabe de informações que poderiam colaborar para a resolução do crime, mas está hesitante em contar tudo a polícia. Qual seria o seu papel na história? O leitor não sabe, de modo que seja necessário ler até o fim para descobrir.

Apesar de Sérénac e Bénavides trabalharem juntos, ambos seguem linhas diferentes da investigação. Enquanto Sérénac está convencido de que o assassinato de Morval fora um crime passional, ou seja, realizado por um marido ciumento de alguma das amantes, Bénavides busca explorar cada pista das três probabilidades, se focando mais nas Ninfeias e em descobrir quem seria a criança prestes a completar 11 anos. Sérénac, apesar de ser o líder da investigação, demonstra atitudes de um policial que não parece ser confiável, já que começa a se envolver com Stéphanie. Tendo em vista que ela é uma mulher casada e possuía alguma relação com a vítima, esse interesse amoroso pode afetar o julgamento de Sérénac sobre quem seria o assassino de Morval. Será que os inspetores conseguirão resolver o enigma do cartão de aniversário, das Ninfeias e amantes de Morval? Serão capazes de trabalharem com as pistas certas?

“A mulher o deixa terrivelmente desconcertado. A única atitude razoável seria ele se afastar da investigação, ligar para o juiz e deixar tudo a cargo de Sylvio ou de qualquer outro agente. Mas uma certeza o detém, uma única certeza. A intuição inexplicável, o sentimento lancinante de que Stéphanie Dupain está lhe pedindo socorro.”

Sabe quando terminamos um livro muito bom e então ficamos com a sensação de que o mundo inteiro precisa conhecer essa história? Foi exatamente dessa forma que me senti ao finalizar Ninfeias Negras, um suspense policial arrebatador recheado de informações artísticas, especialmente das obras e vida de Claude Monet. Sendo sincera, não consigo encontrar palavras que sejam adequadas para demonstrar o quanto eu amei esse livro. Ele causou um impacto tão grande em mim que fiquei bastante tempo pensando na história após ler a última página.

O autor conseguiu reunir todas as pontas soltas de uma maneira impecável e totalmente genial no desfecho, de uma forma tão original que é quase impossível desvendar o mistério do enredo. E se tratando de um livro do gênero, um suspense policial, eu diria que essa é a maior qualidade dele; revelar o suspense que gira na trama de um modo convincente e ao mesmo tempo, surpreendente. Admito que várias partes da história são bem maçantes por conter informações bem detalhadas sobre a arte, o Impressionismo e a vida de Monet, mas garanto a vocês que vale a pena insistir na leitura até o fim. Até as pessoas que não se interessam tanto por arte, como eu, são perfeitamente capazes de amar o livro.

“Não vou fazê-los acreditar que conheço o fim desta história, não, mas mesmo assim tenho a minha opinião. Sou eu que vou fechar o parêntese, confiem em mim. E não vão ficar decepcionados, isso eu garanto!”

A narrativa se alterna em terceira pessoa e primeira pessoa, onde temos a perspectiva da idosa que ninguém vê, mas que testemunha todos os fatos. Devo ressaltar que essa forma de escrever que o autor utilizou para dar vida à história é essencial para que o leitor consiga obter a compreensão dela. Outro ponto, que em minha concepção achei algo positivo, é que o livro é repleto de referências do Impressionismo e Monet, além de descrever com alta precisão a ambientação de Giverny e os seus pontos turísticos. Não há dúvidas de que o autor estudou bastante para inserir essas informações em seu livro.

Adorei a diagramação do livro. É bastante simples, na verdade, mas possui todo o cuidado e carinho para proporcionar ao leitor uma leitura prazerosa. A editora Arqueiro está de parabéns pela revisão ortográfica realizada no livro, tão impecavelmente que não encontrei nenhum erro. Recomendo fortemente para todas as pessoas, até mesmo para aquelas que não têm o hábito de ler suspense policial e que não se interessam tanto por arte. Tenho certeza que irão se surpreender com o desfecho assim como eu e ficarão dias e dias refletindo sobre o livro. Ninfeias Negras é uma história impactante e puramente inesquecível. Leiam!

19 comentários:

  1. Oi, tudo bem?
    Vi uma resenha sobre esse livro recentemente e achei a premissa muito interessante.
    Não sou tenho lido muitos livros de suspense, mas esse me pareceu ser uma história diferente e bem envolvente mesmo. Fiquei curiosa principalmente para saber qual o papel na história da idosa que fica observando tudo.
    Gostei muito da sua resenha e me deixou curiosa para ler.
    Vou anotar a dica!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oie! Tudo bem?

    Vi esse livro nos lançamentos da Editora Arqueiro, mas diferente de você não senti vontade de realizar a leitura dele, vejo que aparentemente perdi um grande suspense e livro, mas por mais que você tenha ressaltando bastante coisas positivas principalmente sobre as obras de Monet eu ainda não sei se realizaria a leitura do livro, mas vou deixar a dica anotada, até porque ele não é um romance como eu pensei que fosse! kkkk

    Bjss

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Esse livro me intriga, adoro esses quebra-cabeças, todo o mistério em torno de um assassinato e as revelações surpreendentes que vão aos poucos sendo liberadas deixando a obra incrível de se ler. Quero ler sem dúvida.
    Está na minha lista.
    Abs
    Ni
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  4. Olá!! :)

    Eu não conhecia este livro e devo confessar que a capa não me cativou muito e não achei assim chamativa! :) ahah

    QUe bom que gostaste! A premissa agradou-me e adorei esse artificio da alternância das narrações para o leitora ter uma melhor compreensão! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  5. A premissa promete um bom livro para quem gosta de romance policial,mas a capa não contribuiu não...

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem??

    Estou lendo esse livro no momento e eu concordo com a precisão que o autor descrever os locais. De fato, foi algum tempo de pesquisa.
    Estou achando a história bem cativante e amando as referências. Espero que eu goste tanto quando você do fim. Amo livro que finalizam de forma exemplar, sem deixar pontas soltas

    XOXO
    umnovo-roteiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Não conhecia o livro e não costumo ler o gênero, mas sua resenha me deixou interessada na obra e parece ser um bom suspense policial. Achei bem curioso o leitor ter a perspectiva da idosa que ninguém vê e ainda sim ela testemunhas os fatos. Me pareceu ser uma história bem intrigante e inteligente, espero ler algum dia!

    www.virandoamor.com

    ResponderExcluir
  8. Oiee Amanda ^^
    Sabe que eu não tenho vontade de ler esse livro? Ainda...haha'
    Fico muito feliz em saber que foi uma história da qual você gostou tanto, e que te marcou muito. O Heitor, resenhista lá do blog, estava lendo "Ninfeias" e adiantou que gostou. Quero só ver o que ele vai dizer *-*
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oiee
    Vi esse livro através da grande divulgação da editora. A sinopse não me chamou muito a atenção.
    A sua resenha até me fez mudar um pouco de opinião, mas acredito que não seria uma leitura que faria por agora. Que bom que pra vc foi uma leitura positiva.
    Bjo

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem? Já tinha visto essa capa por aí, mas confesso que é a primeira resenha que leio e fiquei bem impressionada com a história, não imaginava que se tratava de um romance policial, mas isso me agradou muito, pois prometi que esse ano leria mais livros do gênero e depois da sua resenha positiva, nada mais justo que aderir o livro a minha lista. Obrigada pela dica, beijos.

    ResponderExcluir
  11. Oi, Amanda

    Essa capa é muito bonita e a história me intriga muito, ando lendo ótimas resenhas. Fiquei curiosa a respeito dessa idosa, pq ela presencia tudo? Estranho...
    Gosto muito do gênero e espero poder ler em breve. Não sei pq, mas desde que comecei a ler resenhas desse livro não fui com a cara dessa Fanette! Hahahah

    Beijo

    ResponderExcluir
  12. Oi. Tudo bem?
    Fiquei chocado por ainda não conhecer esse livro. Ele tem tudo que eu gosto em uma história: assassinato, enigma, mistério, suspense. Fiquei muito contente de conhecer o livro. E pelo jeito ele realmente é incrível, pois você gostou bastante dele, né? Com certeza, vou ler Ninfeias Negras em breve. Fiquei bem curioso para saber mais sobre a história e adorei a sua resenha, me deixou mais animado com a história.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Oie
    uauuuuuu que resenha cheia de elogios incríveis ahha como não querer ler depois disso? Que bom que te conquistou tanto, parece realmente ser um suspense e tanto, muito instigante, eu com certeza vou ler em algum momento

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Oi Amanda.
    Acho um ponto positivo a narrativa alternar, também estou lendo um livro assim e estou gostando muito. Acho que dá um charme à mais. Melhor ainda que não tem pontas soltas, acho que vou ficar morrendo de curiosidade para chegar logo no final e saber a verdade.

    ResponderExcluir
  15. Oi, Amanda! Esses dias ao ir na livraria me deparei com esse título e, desde então estou angustiada para finalmente o ter em mãos, rs. A premissa é extremamente interessante e a sua resenha me deixou ainda mais ansiosa para o ler.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bem?
    Eu confesso que não dei muita atenção parta esse livro e agora me arrependo muito, porque parece ser uma obra incrível! A premissa do livro está bem curiosa e fiquei animada, embora confesse que não é um estilo que costumo ler e pela sua resenha tudo foi muito bem desenvolvido e faz tempo que eu não leio algo que cause um grande impacto em mim, por isso já marquei essa dica.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  17. A capa desse livro é maravilhosa, já me apaixonei só por ela.

    Mesmo que suspense policial não seja muito minha praia, já me sinto apaixonada pelo livro. Gosto de Monet e ver sua obra sendo utilizada assim me encanta enormemente. Fiquei curiosa a respeito da velha, para saber quem é ela e o que ela sabe. Não duvido que a obra seja magnânima!

    Ótima resenha e dica de leitura!!!


    Abraços!
    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  18. Olá, tudo bem?
    Eu sou um apaixonado por romances policiais, e este me parece ser bem interessante. Essa intercalação entre narrativas em primeira e terceira pessoa me parece ser um ponto bem positivo para o livro. O autor conseguir reunir todas as pontas soltas durante a narrativa para assim fazer um desfecho único, é outro ponto que instiga o leitor. Já anotei aqui, e pretendo ler em breve.

    ResponderExcluir
  19. Gente! Que livro!
    Confesso que é a primeira vez que ouço falar nele, mas que conteúdo fantástico que ele traz, tosas essas referências e a maneira que a própria história é narrada me agradam muito e com certeza ao ler esse livro entrarei para o Hall das apaixonadas pela obra, pois pela sua opinião, será impossível não me apaixonar por ela.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir