23 fevereiro 2017

Resenha - Labirinto dos Moiras



Título: Labirinto dos Moiras
Autor: Tânia Calciolari
Editora: Multifoco
Ano: 2016
Páginas: 338
Skoob
Onde comprar: Multifoco
Pode-se fugir do Destino? Marina passou a vida inteira debatendo-se com essa questão em meio a ecos de seus vazios de alma até aquele dia frio de 1984, quando se deparou com um enigmático homem cego dizendo ser o próprio Destino, num casarão abandonado em São Paulo. Com a promessa de que finalmente obteria as respostas sobre os desaparecimentos do pai e do namorado Daniel no vácuo da ditadura militar, Marina inicia uma relutante jornada de volta a Brasília, tendo em mãos uma pequena caixa com as filigranas PZ entalhadas, uma chave e um pedido do Destino. Uma mulher idosa com uma chave na mão luta para resgatar as lembranças que lhes chegam em lapsos tão impessoais, que mais parecem fazer parte da terra sobre a qual repousa que dela mesma.












Não imaginava que esse livro falaria sobre ditadura, nem mesmo sobre a imigração Italiana. Essa leitura em si diz muito da história e de como algumas questões sobre o que é liberdade pode variar em termos de valores culturais. A obra é um relato sincero e que traça um percurso tênue entre o destino que algumas personagens.

“De certa forma, acredito que você já me conhece. Eu sou o Destino. E como entrei aqui? Bom, deve saber que não preciso de convite para entrar em parte alguma. Na verdade, eu já estou em toda parte.”

O destino nos prega várias peças. Um simples ato de coragem pode salvar um país, como também pode derrubá-lo em questões de segundo. O que quero dizer com isso é que o destino interfere sim na história, ele traça rotas que nós, muitas vezes, não conseguimos entender. Labirinto dos Moiras, escrito pela médica Tânia Calciolari, mostra o destino como um dos principais personagens na obra.

A obra apresenta diferentes histórias que são pano de fundo da memória do nosso país e dão margem para um desfecho sensacional, que sensibiliza o leitor. Temos duas mulheres como protagonistas, imigrantes italianas que expressam, por meio dos seus relatos, suas dificuldades enfrentadas na época da ditadura militar. Os personagens são fios traçados e tecidos na obra que se cruzam e se esbarram, formando um labirinto sem fim. Nessa crença, existe um conflito entre a liberdade e o destino. A Tânia bem pontua o quão é importante a tomada de escolhas, para não deixar que outros tomem decisões que seriam nossas.

Marina, uma das protagonistas, perdeu o seu pai de forma cruel no regime militar. O modo como ele foi torturado me causou arrepios. Essa dura realidade a separa do seu grande amor, pois as marcas desse passado a deixaram fragilizada. Um longo tempo depois, o destino resolve ir ao seu encontro para tentar esclarecer o seu passado. Anna, por sua vez, sofreu tanto quanto Marina. E a cada problema ela tenta encontrar um aprendizado. Ela perderá o seu marido Pietro em um Naufrágio e não tem ideia se irá reencontrá-lo.

Pobre Pietro, em terra desconhecida achou que o seu grande amor havia partido. Perdeu as esperanças ao achar que Anna estava morta. Será que ele conseguirá seguir sua vida? E qual o papel do destino ao unir essas vidas?

Nesse contexto, uma época muito difícil, a palavra liberdade é a personificação da água em que os povos a buscavam com frequência. Já o destino é trabalhado pela autora como um deus mitológico, do mesmo modo que se acreditava na Grécia antiga, em que os deuses controlavam os seres humanos, e não havia sequer poder de escolha.

A própria Tânia, relata o que vivenciou. Ela estava se tratando de Hepatite C no ano de 2011, quando 40% dos pacientes mostravam resultados críticos e desesperançosos. Esse resultado lhe causou um medo profundo e angustiante de ter a sua vida e seu futuro roubado.

A temática é bem profunda e foi sensacionalmente bem escrita por Tânia. A ideia de que somos autores da nossa história nos faz refletir em não deixar que os outros tomem as escolhas por nós. Essa falta de livre-arbítrio e individualidade é bem explorada. Os relatos das personagens nos causam dor, ao passo que nos faz criar coragem para aprender com cada erro.

O que mais gostei é a carga histórica e real de uma época que não dava espaço para voz e liberdade. É quase impossível imaginar até que ponto os relatos podem ser reais. Vivi altos e baixos com essa leitura apaixonante e forte. A escolha da capa, a ideia de um labirinto traçado pelo destino causa um efeito revelador do desfecho. Para aqueles leitores que desejam uma leitura forte e comovente, esse livro é ideal. Do mesmo modo que os amantes de história precisam conhecer o enredo.

"O medo faz isso com as pessoas, moço. Não dá pra julgá-las. Você nem percebe quando o medo chega, pequeno e fraco, que nem uma semente. Nem precisa se dar ao trabalho de plantá-lo, pois o medo cresce em qualquer lugar, até no canto escuro de um coração de gente."

18 comentários:

  1. Olá Amanda,

    Eu achei a capa deste livro bem simples, para ser sincera se o olhasse a livraria não compraria rs... eu gostei da temática imposta... essa coisa da ditadura mexe muito comigo, foi uma época de muito sofrimento e mortes... o ser humano realmente quando não quer ter alma age desta maneira triste. A sua resenha ficou bem explicada e eu fiquei bem curiosa para conferir o que há por trás do livro. Xero!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. A capa do livro me fez pensar naqueles livros cults, técnicos, pouco atrativos, mas o enredo que você descreveu, me chamou atenção pela carga histórica, que eu valorizo muito em qualquer narrativa.
    Fiquei bem curiosa.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Bem,a culpa do livro não chama a atenção, mas pra mim tendo como um dos temas a ditadura militar já ganha a minha atenção porque é um dos assuntos históricos que mais me interessa!

    ResponderExcluir
  4. Oie! Tudo bem?

    Diferente de você não senti vontade de realizar a leitura do livro, não é o tipo de leitura que eu procuro e a capa achei estranha, mas se você diz que combina com a história é um ponto positivo, irei indicar ele para uma ex professora minha, tenho certeza que ela irá gostar da dica!

    BJss

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Ual, fiquei bem interessada no livro! Eu gosto muito de obras que usam a história real mesclada a ficção. Principalmente essa época terrível da ditadura. é um livro que eu leria com certeza. Fiquei super apaixonada pela capa e pela explicação dela! Fantástico mesmo!

    Bjus

    ResponderExcluir
  6. Olá,

    A capa não me despertou curiosidade, mas sua resenha esclareceu minhas dúvidas sobre o que se tratava a história. Nunca li nenhum livro que abordasse uma história no cenário da ditadura militar e achei bem interessante. Imagino que seja uma leitura intensa e forte. Espero ler algum dia!

    http://www.virandoamor.com/

    ResponderExcluir
  7. Oiii,

    Parece ser uma história envolvente, embora a capa dele não tenha me agradado, são poucas as capas assim que chamam a minha atenção. Se não fosse por sua resenha provavelmente eu não daria uma chance ao livro. Gosto muito de livros que abordam momentos históricos, principalmente os do nosso país que não são muito falados.

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com/

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem? Realmente me pareceu um livro com uma temática bem profunda e de carregada de carga histórica. Apesar de ter gostado do livro ter como plano de fundo a ditadura militar, ainda assim prefiro não ler esses livros, não pelo menos no momento. Sua resenha está ótima, mas hoje passo a dica. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Se fosse apenas pela capa eu com certeza não iria ler.mas o enredo parece ser ótimo, ainda mais por falar de uma época tão conturbada de nossa história.
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Oi Amanda, como está?
    Uma capa que deixa a gente bem com cara de: que coisinha interessante isso, não?
    E dono de uma trama que faz a gente ficar O.o e se perguntando como a autora conseguiu unir temas tão distintos dentro de uma única trama. Com certeza uma leitura que pretendo fazer no futuro.
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://rillismo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Olá! Que bom que além de profunda a temática é bem escrita. A ideia apresenta ser bem interessante, realmente devemos fazer nossas próprias escolhas e não deixar que outras pessoas faça por nós. É muito bom quando um livro nos trás lições e nos faz refletir, que bom que esse faz nós criar coragem para aprender com cada erro. Sua resenha além de me apresentar a obra me deixou curiosa para ler também. Beijos'

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Apesar de falar de temas bem interessantes, o livro não me chamou muito a atenção. Leituras com ambientação nessa Ditadura Militar Brasileira simplesmente não fluem para mim e me senti até mesmo mal em saber tudo o que houve naquele tempo. Não seria uma leitura que faria no momento, mas adorei a sua resenha e vou deixar essa dica anotada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Oi Amanda!
    Ainda não conhecia esse livro, mas achei bem legal a premissa do livro e gostei de saber que é um bom livro para os amantes de história, uma coisa que sou.
    É bem legal essa ideia de sermos criadores de nossa própria história, pois acho que é a mais pura verdade.
    Super anotei a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Oii Amanda! Resenha ótima, adorei! Não conhecia o livro e achei bem diferente! Fiquei interessada, especialmente sabendo que possui mais de um protagonista e tem um contexto histórico tão marcante. Dica anotada :D
    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Olá, Amanda! Não conhecia essa obra, fiquei extremamente interessada, principalmente por saber que traz uma carga histórica, rs. Sem dúvidas, a dica está anotada!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Não curti a capa, mas ela combina com a história. Achei o enredo bem inteligente, até maduro, mas não seria algo que eu leria. Esse lance mais histórico, com essa pauta da ditadura não é algo que me chame a atenção, não sei se curtiria. Mas não posso deixar de elogiar a sua resenha, ficou bem detalhadinha, parabéns!

    Beijo

    ResponderExcluir
  17. Oiee Amanda ^^
    Agora que parei para pensar, não lembro de ter lido nada sobre imigrantes na época da ditadura *-* Eu ainda não conhecia esse livro, mas lendo a sua resenha fui ficando cada vez mais curiosa, principalmente por ser um livro com relatos reais e por se passar numa época que, por mais que seja horrível, me interessa bastante.
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. A capa do livro é bem enigmatica, assim como a sinopse. Ambos em muito me agradaram.

    A história realmente é interessante e intrigante, não conhecia nem a autora nem sua obra, mas o que você relatou do conteúdo me chamaram muito a atenção. Gosto de livros assim, que nos fazem refletir a respeito de nossas escolhas... E tambem quando nos privam desse direito inerente ao ser humano.

    Ótima indicação!

    Abraços!
    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir