06 maio 2016

Resenha - Onze Semanas




A relação de amor entre duas pessoas, seja de mãe e filho, seja de marido e mulher, é desmedida por padrão. No início a empolgação se esforça para esconder todos os defeitos e no fim o cansaço faz esquecer todas as qualidades. Não há relacionamento em que uma pessoa veja a outra com justiça. Se existe alguém com quem nunca somos generosos, é com quem amamos. Que acontecimento poderoso consegue afastar mãe e filha por quase toda a vida? E que tipo de força é capaz de reaproximá-las nas fronteiras da morte? Da cama de hospital onde vive seus últimos dias, Claudia dá início a uma jornada dolorosa pelas experiências que moldaram a história dela e da filha, Meg. A mãe terá que ser mais rápida do que a morte para convencer a jovem a dividir confissões de uma vida marcada por um trauma. Manter-se viva e reviver a memória serão os desafios de Claudia para mudar o mundo das pessoas que mais ama. Com uma dose de mistério que fatalmente leva os olhos à próxima página, Onze Semanas é uma viagem de sensações viscerais que conduz o leitor inúmeras vezes, sem que ele perceba, ao papel dos personagens.





Título: Onze Semanas
248 páginas || Skoob  || Cortesia: Chiado Editora  || Onde Comprar








Onze Semanas é um livro intenso e profundamente apaixonante. Personagens simples, mas perfeitamente reais e que poderiam ser qualquer pessoa. Um drama familiar que amaldiçoou gerações e que pode terminar com um perdão inesperado e libertador.

“ No meio de todo aquele cinza, eu não enxergava a sua cor e te via feia. Com o meu pai era o contrário. Ele parecia sempre bonito, claro, vibrante, mesmo por trás da fumaça. ”

Margarett é uma jovem de vinte e poucos anos e que tem uma carreira profissional sólida e meteórica. E com apenas 16 anos ela já estava na Universidade cursando Biologia e com muita dedicação e trabalhos invejáveis acabou conseguindo uma bolsa de estudos, e agora com vinte e quatro anos já está fazendo seu doutorado e quase sendo uma jovem pesquisadora de sucesso. O que as pessoas não veem é que Meg é solitária, amargurada e principalmente assombrada pelo fantasma do abandono de sua mãe.

“ Então. Se for um pensamento triste, vem daí esse vazio que te assusta agora.”

A mãe de Meg está internada em um hospital em fase terminal com um câncer no pulmão. Fumante durante anos não conseguiu fugir do futuro doloroso e massacrante que se encontra. Não por causa dessa doença porque ela agradece que sua vida infeliz esteja no final, mas por ainda está sem o perdão de sua filha. Já Meg passará dezesseis anos longe da mãe e nem a visitará no hospital. A morte seria apenas um consolo para sua alma perturbada por escolhas erradas em seu passado.

Eric o irmão mais novo de Meg sempre tentara reatar o relacionamento perdido entre Meg e sua mãe Cláudia após a saída prematura da sua irmã mais velha aos onze anos de idade depois de um episódio fatal entre Meg, sua mãe e seu padrasto. Um acontecimento que destruiu a relação entre uma mãe e sua filha. Um fato que nunca teve sua verdade revelada, pois a verdade seria mais avassaladora e vergonhosa, mas Cláudia querendo o perdão de sua filha falara através de seu diário todas as verdades de sua vida. Que verdades serão essas? Será que essas revelações mudarão o relacionamento de Meg e sua mãe no leito de morte?

“ Acho que todo mundo precisa se apegar a algo para conseguir encarar o desespero da vida. ”
O coração de Meg é abalado diariamente depois que ela começa a ler o diário de sua mãe. A cada visita que faz àquela mulher que ela sempre imaginara que sentia ódio, o coração da jovem vem carregado de sofrimento. Sua mãe não era infeliz por acaso. Seu passado fora roubado e seus sonhos destruídos por uma pessoa que ela nunca imaginara ser o verdadeiro culpado de todo seu sofrimento e que sua mãe aguentara sozinha esse fardo a vida toda.

“ Todo acontecimento é mais complicado do que parece. Por isso costumamos julgar, muitas vezes injustamente, as outras pessoas. ”

A cada página lida Margarett se confronta com suas “verdades” e permite que sua mãe avance mais em seu coração, porém não é fácil recuperar um relacionamento perdido e mantido por mentiras e ocultações. Meg e Cláudia sofrem quando a mais dolorosa revelação vem à tona. O que será que acontecerá na vida de Cláudia que refletira sofrivelmente na vida de toda sua família?


******

Ernani Lemos é um gênio em sua construção de enredo. Aqui não temos o local onde tudo isso acontece e sabe por que? Porque o drama familiar e pessoal é atemporal e impessoal. Poderia ser eu ou você no lugar de qualquer dos personagens. Feridas e cicatrizes tentando se fecharem diante  de um cenário destrutivo e amaldiçoado.

“O fim é uma importante chance de renovação. ”

Meg é uma jovem fechada e sem confiança em seu valor. Sempre entenderá os acontecimentos de sua vida de uma forma equivocada e isso causou seu distanciamento das pessoas que amava e que se reflete em seu relacionamento apaixonante com o doce e amoroso John. Apenas quando a verdade é jogada em seu colo é que a jovem percebe que escolhas devem ser feitas com bom senso e sabedoria.

Cláudia é a personificação da penúria em cada segundo de sua existência. Suas únicas felicidades foram seus filhos. O resto fora sempre sofrimento e dores. Nunca fora permitida realizar seus sonhos e isso a desequilibrou, porque carregava em sua vida a marca do mais cruel criminoso que a tocara. Uma pessoa que devia amá-la e protegê-la, simplesmente a condenou ao nojo e desespero.

“Se existe alguém com quem nunca somos generosos, é com quem amamos. ”

Eric o irmão de Meg é otimista e sensato. Sempre ficara com sua mãe e nunca questionara nas escolhas dela. Apenas a amava e isso bastava para confiar no juízo de Cláudia. Sonhava com o perdão de sua irmã com as atitudes de sua mãe e almejava que Meg compreendesse toda a verdade.

O livro em nenhum momento cansa o leitor. A narrativa conquista nas primeiras páginas e desperta sentimentos avassaladores sobre quem o lê. Minha sensibilidade estava aflorada e chorei muito durante a leitura. Tinha momentos que eu tive que parar e respirar. Era muita revelação e sofrimento naquelas palavras. O livro parecia gritar socorro e pedir-me consolo.

A capa condiz com a realidade de Cláudia e seu sofrimento no hospital que vai além de sua doença. O livro contém uma fonte de um bom tamanho que torna a leitura muito confortável e agradável e as páginas tem um bom espaçamento.
“ Mas a partir da adolescência, quando os critérios e s emoções endurecem, descobri que fazer chorar e sorrir não é para qualquer escritor. Nem para qualquer texto. ”

Onze Semanas é uma obra perfeitamente melancólica e surpreendente. Criada para abalar nossas emoções e deixar lições valiosas sobre nossas escolhas.

19 comentários:

  1. Oi Joanice, sua resenha me deixou bem empolgada para conferir esse enredo. Deve ser bem comovente, especialmente por conta da temática. Gostei de saber um pouco sobre cada um dos personagens e pude perceber mesmo o quanto são realistas. A capa deve mesmo ter muito a ver com o enredo.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho uma amiga que leu e me indicou esse livro mas eu ainda não tinha lido nenhuma resenha sobre ele. Gostei muito de ver o que você falou sobre a obra e se eu já estava curiosa antes, agora estou muito mais A história parece ser muito forte mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Oi Jo!
    Eu achei a ideia desse livro parecida com Homens, Mulheres e Filhos, já leu? Recomendo, acho qu talvez você goste se curtiu esse. Não conheço muito do catálogo da Chiado, mas adorei esse livro, até pela empolgação na sua resenha. Se a história é apaixonante e leve, já me cativa. Vou procurar mais sobre ele <3

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Joanice, eu gosto bastante de drama e não me importo de chorar e me emocionar com histórias como a deste livro, logo, a forma como você descreveu o livro já me fez coloca-lo na lista de desejos. Já estou imaginando os personagens e seus dramas.
    Valeu demais pela dica.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Nossa que resenha mais incrível!
    Confesso que, no começo, pensei que o livro era cansativo, mas você disse que nao é. Fiquei bem interessada no livro. Curto muito histórias melancólicas, ainda mais quando não são cansativas.
    Já anotei a dica e vou atrás para comprar acho que vou curtir!
    Beijos ♡

    ResponderExcluir
  6. Oie!
    Nossa, que livro emocionante! Deve ser lindo acompanhar as descobertas sobre o passado da mãe, assim como bem emocionante e reflexivo. Gosto de livros dessa temática, pois sei que vou me emocionar muito. Muito bom!
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  7. Ooi
    Não conhecia o livro, como amo dramas esse já entrou pra minha lista de desejos. Além disso fiquei bem entusiasmada por você ter achado a narrativa conquistadora.
    Anotado.
    Beijoos
    www.estantemineira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oiee Joanice ^^
    É tão triste quando uma pessoa tem todo o sucesso profissional que deseja, mas é triste e solitária. Já fiquei com pena da Meg, mas também não deve ser fácil para a Cláudia, né? Parar de fumar não deve ser fácil, principalmente para quem já fuma há anos, mas ficar sem o perdão da filha no pior momento de sua vida deve ser ainda mais doloroso. Gostei do livro.
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  9. Oi, Joanice! Tudo bem?
    Honestamente, não gostei muito dessa capa, mas apesar disso a proposta do livro me agradou. Gosto muito de histórias de drama e este aspecto do autor não descrever muito o lugar onde tudo se passa para dar a ideia de que poderia acontecer com qualquer um foi algo que eu achei muito inteligente. Fiquei um tanto curiosa para saber a razão de Meg nunca ter perdoado a própria mãe, então pode ser que eu ainda leia este livro um dia para descobrir. Beijos! ^-^

    ResponderExcluir
  10. Oii Jô,(pode chamar assim?)

    Eu não conhecia esse livro e ao ler sua resenha pude ver que é uma ótima obra.
    Acho que esses enredos são os mais interessantes por tocar o leitor e isso é super importante para mim.
    A dica foi anotada e espero fazer a leitura em breve.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Nossa, parece mesmo uma narrativa capaz de despertar sentimentos avassaladores, ou seja, bem meu tipo de enredo! Me interessei demais pelo livro e tenho certeza que também vou chorar muito, e que também precisarei de pausas para respirar. Amo livros que nos deixam lições valiosas, e não tenho dúvida nenhuma de que este vai me colocar para refletir sobre a minha vida e minhas atitudes. Sua resenha já fez isso!

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  12. Oi Joanice, bom acho que ler esse livro seria uma grande lição para mim, justamente pelo relacionamento que tenho com a minha mãe. Acho que nunca aprendi a perdoá-la de verdade por mais tentativas que eu fiz de reaproximação uma única palavra já era suficiente para eu jogar na cara dela e me remoer tudo que me fez passar no passado. Com certeza vou ler esse livro e tentar refletir sobre as lições que ele ensina! Uma história feita para mim
    bjs

    ResponderExcluir
  13. Olá!

    Ual!! Nunca tinha visto esse livro e eu estou apaixonada pela resenha! A capa tão singela nunca me remeteria a tanta profundidade!! É nacional? Eu quero muito ler!! Adoro trama com carga emocional forte, que fale sobre perdão.

    Bjus
    Blog Fundo Falso

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bem?
    Eu confesso que gosto bastante dos títulos da Chiado, mas não conhecia esse ainda e fiquei muito curiosa mesmo. Adoro quando os personagens são reais, tanto que poderia ser nós ali no lugar deles e a história em si parece tão triste e forte, imagino o quanto deve ser interessante acompanhar todas as verdades sendo reveladas e entender tudo o que aconteceu na vida dos personagens. Enfim, é uma dica maravilhosa de leitura, vou marcar e tentar ler logo o/

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  15. Oie tudo bom?
    Eu não conhecia o livro e a capa não me chamaria a atenção.
    Mas é um livro bem intenso e que não costumo ler normalmente, um livro que te faz pensar, e te dá uma dorzinha no coração. Mas eu gostei bastante por ele se fluido, e prender o leitor em todos os momentos apesar da carga dramática.

    =)

    ResponderExcluir
  16. Oi Jo
    Confesso que a premissa do livro não tinha chamado minha atenção, mas depois que li sua resenha mudei completamente de opinião. Adoro leituras melancólicas, com personagens complexas e enredo dramático e identifiquei tudo isso na sua resenha.
    Fiquei com vontade de ler sim. Vou add no Skoob para outra oportunidade.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  17. Olá!! :)

    É verdade.. Todas as nossas escolhas têm consequencias.. E que consequencias!! :) ahah

    Bem, que otimo que gostaste.. Eu fiquei bastante curioso, embora nao tenha ouvido falar antes.. Mas ate gosto de livros com esse toque melancolico.. :)

    As liçoes sao tambem importantes!! :) E adoro quando os autores sabem conseguem mexer com as nossas emocoes.! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  18. Essa editora é uma coisa, né? Adoro os livros deles. E amei a premissa desse. Gosto muito de livros que mexam como nossos sentimentos. Que façam com que a gente fique pensando após a leitura. E você ainda favoritou... acredito que irei gostar da leitura também... Espero poder lê-lo logo.

    ;D
    Nelmaliana Oliveira

    ResponderExcluir
  19. Oi Joanice, sabe que sempre tive muita curiosidade em ler esse livro. Acho que essa trama mais familiar é muito emocionante e ainda mais quando está dentro de um enredo cativante. Gostei muito da sua resenha e conseguiu me pregar para ler o livro o quanto antes!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir