28 maio 2016

Resenha - O Amor nos Tempos do Ouro




"Sabes que nunca me apaixonei, maman, mas se porventura o tivesse feito, seria por alguém como ele?"
Cécile Lavigne perdeu todos os que amava e agora está sozinha no mundo. Ela, uma franco-portuguesa que ainda não completou vinte anos, está sendo trazida ao Brasil pelo único parente que lhe restou, o ambicioso tio Euzébio, para casar-se com o mais poderoso dono de terras de Minas Gerais, homem por quem Cécile sente profundo desprezo. Após desembarcar no Rio de Janeiro, Cécile ainda precisará fazer mais uma difícil viagem. O trajeto até Minas Gerais lhe reserva provações e surpresas que ela jamais imaginaria. O explorador Fernão, contratado por seu futuro marido para guiá-la na jornada, despertará nela sentimentos contraditórios de repulsa e de desejo. Antes de enfim consolidar o temido casamento, Cécile descobrirá todos os encantos e perigos que existem nessa nova terra, assim como os que habitam o coração de todos nós. Com o passar dos dias, crescerá dentro dela a coragem para confrontar todas as imposições da sociedade e também o seu próprio destino.

Título: O Amor nos Tempos do Ouro
328 páginas || Skoob || Editora: Globo Alt || Onde Comprar








"Caminheiro que passas pela estrada,

Seguindo pelo rumo do sertão,

Quando vires a cruz abandonada,
Deixa-a em paz dormir na solidão."
Castro Alves, “A cruz da estrada”,

Cécile Lavigne era filha de mãe portuguesa e pai francês. Criada na França em meio a uma família amorosa e a concessão de muitas liberdades que raras moças da sua época possuíam, ela se vê perdida quando seus pais e irmãos morrem em um terrível acidente, deixando-a sozinha. Como ainda era muito nova, Cécile teve seu tio euzébio designado como seu tutor. Como o tio residia na colônia portuguesa, Brasil, a moça logo faz a travessia da França para esse país distante para se casar com um velho e rico fazendeiro que morava nas distantes minas gerais,  designado por seu tio para cuidar da menina e de sua fortuna. Durante a viagem Cécile se sente infeliz e deseja até mesmo que a morte a tivesse levado para junto da família, pois não havia qualquer perspectiva de felicidade para si no novo país.

"Santo homem! Como foi fundamental para a minha abalada sanidade! No momento derradeiro da viagem, nós nos despedimos com afeto. Depois de me conceder uma bênção, padre Manuel Rodrigues profetizou: “Minha filha, tu decides o que se eternizará em teu coração. Não te preocupes. O futuro está sendo plantado. A vida ainda não terminou”.

Ao chegar no Rio de Janeiro, cidade do país desconhecido e muito diferente, Cécile é recebida na casa dos tios, e logo recebe a notícia de que Fernão, um homem acostumado a longas travessias para Minas Gerais irá lhe conduzir até o noivo o mais breve possível. Quando conhece esse homem, a menina o acha bruto, porém  a medida que a travessia difícil se desenvolve e fatos os colocam um mais próximo do outro, Cécile percebe que Fernão pode ser alguém muito diferente, e que pode inclusive tocar seu coração.

"A situação dos africanos usados como mercadoria era algo que oprimia a alma de Cécile. Ela não compreendia como as pessoas, a maioria considerada exemplo de caráter e conduta, enxergavam os negros como seres inferiores, dignos de todas as maldades a que eram submetidos. Soubera que Euclides de Andrade possuía dezenas de escravos e que os punia açoitando-os amarrados a um tronco estrategicamente localizado próximo à senzala. Se não houvesse outras tantas, essa já seria uma razão suficiente para desprezar o homem com quem deveria se casar."

Quando chega na casa do temido noivo, Euclides, e descobre que ele é muito pior do que imaginava, Cécile precisa tomar uma difícil decisão: se desejará se submeter durante toda uma vida as mesquinhas crenças e atitudes do terrível homem ou se desejará dar um novo rumo a seu destino.

"Não era um aristocrata. A pele era dourada demais, quem sabe curtida pelo tempo de exposição ao sol, os cabelos, sem corte e um tanto caídos sobre os olhos, e as roupas, longe dos padrões da alta-costura, informavam que o homem não fazia parte do círculo de amizades do tio esnobe. Talvez fosse um bandeirante. Cécile já ouvira falar sobre os exploradores incansáveis das minas de ouro e pedras preciosas das Américas portuguesa e espanhola. Além de bravos e fortes, os bandeirantes nada temiam, nem mesmo os homens de pele vermelha, os tais nativos da colônia que viviam em tribos e aterrorizavam muita gente. Mas padre Manuel Rodrigues, durante a viagem da Europa ao Brasil, garantira que, na maioria dos casos, os índios é que eram os pobres coitados da história.”

Em meio a uma trama histórica muito bem construída, onde acompanhamos a vida de escravos e das fazendas, também acompanhamos a trajetória de uma menina-mulher forte e destemida, e acompanhamos histórias de amores que podem surgir de onde menos esperamos.

"Será que enlouqueci de vez? Acaso ainda vivesse em Marseille, eu dedicaria um segundo sequer dos meus pensamentos a um homem como Fernão? Sabes que nunca me apaixonei, maman, mas se porventura o tivesse feito, seria por alguém como ele? Imponente, forte, destemido, dono do próprio destino... E belo. Absurdamente belo, com aqueles olhos ora azuis glaciais, ora cinzentos, os cabelos negros como as penas de um corvo, e o porte atlético de alguém habituado a trabalhar a musculatura na lida do dia a dia."


[- Minhas Impressões -]

É extremamente difícil falar desse livro. Por dias e dias pensei em como escreveria uma resenha a altura da trama e  ainda agora não sei se consigo expressar todos os sentimentos que o livro me causou.

Acompanho o trabalho da Marina Carvalho a mais ou menos um ano, tendo lido já os três livros a respeito da crósvia, chamados Simplesmente Ana, De repente Ana e Elena, a filha da princesa. Mas no fim do ano passado, assim que descobri que O amor nos tempos do ouro seria lançado eu tinha a impressão de que esse seria o livro da Marina que me conquistaria em definitivo, já que amo tramas históricas, e minha impressão estava totalmente correta. Nessa obra a autora se superou, fazendo perfeitas descrições dos cenários do Brasil colônia, nos levando a nos sentirmos como se estivéssemos naqueles lugares.

Marina também abordou um tema importantíssimo, a escravidão que tanto fez parte da nossa história e que por muitas vezes é simplesmente esquecida. Marina deu nome e rosto a esses negros, nos passou seus sentimentos, suas vidas, Marina homenageou os escravos que fizeram parte de nossa história e que estão enterrados em nossas terras. Além disso, o livro nos traz outros fatos importantes, como por exemplo o modo como funcionava a retirada do ouro daquelas terras tão fartas, explicando-nos inclusive como se dava esse processo. Outro ponto que foi muito bacana é a linguagem utilizada, a autora usou uma linguagem mais antiquada, mostrando-nos realmente como as pessoas falavam naquela época, o que deu um charme ainda maior para a história.

Enquanto fazia a leitura, fui cativada pela força de Cécile, que é uma personagem marcante e que precisa aprender a ser sozinha no mundo e a ser independente. Também fui cativada por Fernão, um homem cheio de cicatrizes na alma e no corpo, que possuía um coração enorme. E o que falar dos escravos? Malikah, Hasan, Akin, foram esses os principais rostos que deram voz e vida aos negros homenageados no livro e eles foram muito bem representados, sendo doces e pessoas com um lindo coração, apesar de toda a sua trajetória difícil.

Há tempos atrás no seu grupo de fãs no facebook, Marina nos contou que uma das músicas que a fazia lembrar-se do casal principal enquanto escrevia era  a Céu de Santo Amaro, do Flávio Venturini. Como eu já adorava essa música antes de ela ser associada ao livro fiquei super empolgada, e enquanto lia as cenas mais bonitas colocava a música ao fundo, o que me fez aproveitar muito mais a leitura e me sentir dentro da história.

O livro é dividido em 25 capítulos mais um epílogo. A narração é feita em primeira pessoa quando temos páginas do diário de Cécile, onde ela expõe seus pensamentos mais íntimos, e em terceira pessoa quando temos a narração de tudo o que está acontecendo ao redor. Gostei desse tipo de narrativa pois podemos perceber os dois lados e conhecer os pensamentos dos personagens principais. Um fato curioso e muito interessante é que a autora inseriu no começo de cada capítulo trechinhos de poemas de autores como Fernando pessoa, Castro Alves, Gonçalves dias, dentre outros. Com esses poemas pude conhecer muitos poemas lindos, de autores que fizeram parte do nosso passado histórico.

Esse é um livro mais que recomendado para todos os leitores que gostam de um bom livro histórico, cheio de romance e cultura, um livro que nos prende do início ao fim e uma história da qual sentimos saudade muito tempo depois do fim da leitura.

E mais uma vez não posso deixar de parabenizar a autora Marina carvalho pela criação de uma obra tão rica em detalhes e por ter criado esse que sem dúvidas para mim se tornou seu melhor livro. Também A parabenizo por cada vez mais melhorar em sua escrita, e como a autora já anunciou teremos uma continuação desse livro, e suponho que teremos outros personagens como protagonistas, já me sinto ansiosa e deliciada com esse futuro lançamento.

11 comentários:

  1. Oi Tamara!
    Eu já tinha comentado sobre como estou ansiosa para essa leitura e sua resenha só fez minha vontade de conferir a trama aumentar! Também sou fã de livros históricos e saber que a Marina fez um trabalho muito bom de pesquisa e que foi além do romance, mostrando a situação real do país na época já me faz pensar que também vou amar o livro.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Eu amo romances/livros históricos, muito bom acompanhar fatos ocorridos no passado como a escravidão e a vida de alguns nobres, assumo que também tenho dificuldades em resenhar livros que amei rsrs, fiquei ainda mais curiosa ao saber que essa autora também escreveu livro como De repente Ana, que é um livro que está entre meus desejados a algum tempo...algo muito bom é que a narração é em 1° pessoa , assim sabemos muito sobre os pensamentos do personagem principal, o que enriquece a história, já adicionei a lista de desejados

    ResponderExcluir
  3. Oi Tamara, eu também já li esse livro e o favoritei, mas também, impossível não se emocionar com a escrita maravilhosa da autora. Sem contar que essa capa é linda. A pesquisa nessa obra foi fundamental e ganha muito destaque nas cenas, ela realmente está de parabéns por toda a dedicação envolvida no projeto. Outra coisa que você citou na resenha e que eu também gostei, foi a música Céu de Santo Amaro. Eu não a conhecia, mas pesquisei e me apaixonei pela trilha sonora.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Amei sua resenha e esse livro está na minha lista de leitura, vou ler muito em breve! Amo históricos e nossas autoras nacionais estão me surpreendendo com a qualidade dos seus trabalhos. Esse é o primeiro da Marina que vou ler, mar certamente virão outros!
    http://estantemineira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Tamara,
    Sua resenha conseguiu sim, expressar o quanto você gostou do livro. Sei como é difícil resenhar uma obra que gostamos tanto assim, as palavras não parecem que vão fazer jus ao livor né? MAs menina, eu adorei a tua resenha e a maneira como você descreveu a obra. Eu já estava curiosa com esse livro e com a sua resenha eu fiquei ainda mais.

    ResponderExcluir
  6. Olá Tamara,
    Primeiramente, parabéns por sua resenha. Eu não tenho palavras para descrever quanto amo a escrita da Marina e sinto uma vontade imensa de ler esse livro.
    Ele parece, simplesmente, ser extremamente bem construído e elaborado. A Cécile parece ser extremamente forte e marcante, aquele tipo de personagem que queremos ter em casa ao nosso lado, sabe?
    Sua resenha está incrível e sinto a necessidade de ler esse livro imediatamente.
    Beijos,
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi, Tamara, tudo bem?

    Eu sei bem o que é gostar tanto de um livro e não saber como fazer justiça àquela história através da resenha. Mas não se preocupe, sua resenha ficou maravilhosa! Eu nunca li nada da autora, só a conheço de nome por causa de seus outros livros, mas a sua resenha me fez abrir o meu Skoob e colocá-lo na minha estante!
    Eu adoro romances históricos, e essa obra me pareceu riquíssima! Eu já não gosto quando a escravidão é retratada nos livros...sim, foi um momento da nossa história, mas um momento muito triste e cruel. Eu super apoio a Carina Rissi, por exemplo, que não inseriu a escravidão na série Perdida.
    Mas entendo o motivo dela estar inserida no livro da Marina, é um livro onde a história do país é muito presente, não só o romance, né?
    Enfim, quero muito ler agora!

    Beijo
    - Tamires
    Blog Meu Epílogo

    ResponderExcluir
  8. OI!!

    Já li algumas resenhas desse livro e o mesmo vem despertando meu interesse e tudo tem um motivo, adoro romances que realmente retratam o período histórico em que o enredo está sendo descrito. Nesse ainda há uma mistura de culturas, exemplo é que Cecíle é filha de um português e um francês e vem para o Brasil, todo esse choque faz eu querer adquirir e ler a obra. Além de tudo ainda tem a retratação da escravidão, não conheço a escrita da autora, mas esse livro em si me atrai e muito. Beijos!!

    ResponderExcluir
  9. Oi tamara!
    Essa história está bem conceituada! Só estou lendo elogios sobre a trama, e a cada dia estou mais curiosa para conferir. Cada resenha que leio, me deixa mais ansiosa para conferir, com certeza será uma trama que emocionará muito. Que a autora continue a escrever histórias assim!
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  10. Oiee Tamara ^^
    Aiin eu estou tão doida para ler esse livrooo! Já faz um tempão que quero conhecer a escrita da Marina, e quando vi esse livro fiquei completamente apaixonada pela capa e pela sinopse! Adoro romances de época, e, como só tenho visto resenhas positivas (de verdade, só vi elogios), estou ainda mais curiosa. Fico feliz em saber que os personagens são marcantes ♥
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Olá...
    Como você eu acompanhei os trabalhos de Marina Carvalho e realmente amo a jeito que ela escreve, ainda não tinha visto esse livros pois ando meio avoada a uns tempos, no mundo das fantasias, porem gostei bastante da resenha, adoro livros que nos transmitem os sentimentos dos personagens, e essa trama parece realmente esplendida, fiquei super afim de ler e com toda certeza ele vai entrar na minha lista de leitura...
    Beijocas...
    https://westfalllivros.blogspot.com

    ResponderExcluir