17 maio 2016

Resenha - Muito além da loucura





Marcílio Moura Maia tinha apenas 19 anos quando engendrou e deu cabo de um plano macabro para ficar com a herança do pai, um bem-sucedido empresário português que chegou ao Brasil muito jovem e fez fortuna vendendo tecidos. A ideia inicial era assassinar o pai e o irmão esquizofrênico, sobre o qual deveria recair a culpa e cuja a morte deveria parecer suicídio. Mas a mãe e a avó se interpuseram em seu caminho e também foram eliminadas. Louco ou alguém desprovido de qualquer valor sentimental e moral? É o que você vai descobrir em Muito Além da Loucura, uma história dramática e repleta de suspense, intrigas e emoções. É leitura de tirar o fôlego da primeira à última página.




Livro: Muito além da loucura
278 páginas || Skoob || Cortesia: Geração Editorial || Onde Comprar








O livro é escrito em terceira pessoa e nos conta a história de Marcílio, um homem de 19 anos que em uma noite decide assassinar quatro membros de sua família de uma única vez: seu pai, sua mãe, sua avó e por último, seu irmão esquizofrênico. Essa história nos conta o que o levou a cometer os assassinatos de maneira tão fria e calculista e se, portanto, foram resultados do desequilíbrio mental ou da ausência de valores sentimentais e morais. O que a torna tão interessante é o fato do autor ter utilizado como base os assassinatos que ocorreram na Bahia nos anos 70.


Nunca havia lido um livro do gênero jornalístico literário e não esperava que fosse me agradar, porém me surpreendi positivamente com a escrita do autor que é tão leve, direta e fluída que me fez devorar o livro em menos de 24 horas. Um dos pontos positivos é que ele não faz rodeios, entrega os fatos de bandeja e vai direto ao ponto sem deixar espaço para pontas soltas. É possível reparar que o autor pesquisou bastante para tornar o livro uma obra completa pois nada é deixado para trás, de maneira que podemos visualizar inúmeras perspectivas de outros personagens e o impacto que os assassinatos de Marcílio causaram nelas. Tudo é descrito de forma tão vívida que nos sentimos espectadores da história e esse foi um dos motivos de eu não ter conseguido largar o livro.

“Preferiu o caminho nebuloso das trevas. Da morte. Da dor. Do sofrimento. E do sangue.”

Marcílio arquitetou o massacre há meses e pretendia eliminar somente o pai, mas não encontrou outras maneiras que pudessem incriminar outras pessoas e também evitar a morte de outros familiares. Cada passo do plano foi pensado: ele deixou um bilhete de suicídio no bolso do irmão esquizofrênico João, o incriminando dos crimes; se despiu para não manchar as roupas e com muita cautela evitou pisar no sangue espalhado pelo chão. Até mesmo as armas usadas ele limpou com cuidado e colocou as digitais do irmão. Tudo foi bem planejado para que ele conseguisse suprir seus desejos emocionais e financeiros, se vingando do pai que o tratava mal e roubando sua fortuna que era mantida no cofre.

“Não tinha nem ódio, nem desprezo por ele. Nem amor, nem piedade. Era como se fosse uma pasta de arquivo vazia perdida dentro do armário de aço.”

O delegado Paulo Carvalho, famoso pela sua eficiência em solucionar casos de assassinato, observa a cena do crime e sem esperar a análise da perícia acaba por deduzir que a autoria dos crimes é de João, o esquizofrênico da família. Até aí, tudo ocorre como Marcílio havia planejado e o livro acaba dando essa impressão de que o verdadeiro criminoso vai se safar facilmente, mas não demora muito para que a verdade seja revelada. E aos poucos, a vida de Marcílio começa a desmoronar e os seus crimes passam a ser conhecidos pelo Brasil inteiro.

Algo que me fascina nesse livro é o fato de conter elementos do cotidiano tão reais. Ele nos mostra o que acontece quando a mente humana chega a seu limite e em como a família pode, de certa, forma destruir a vida de alguém sem mesmo ter consciência disso. Afinal, o que teria acontecido se desde o início os pais tivessem dado mais apoio a Marcílio? Será que se tivessem agido mais como uma família de verdade, dialogando entre si e sendo mais presentes na vida dos filhos teria sido diferente no futuro? Esse é um livro que nos faz refletir seriamente sobre o conceito de família, nos mostrando que o que acontece dentro de casa influencia mesmo que indiretamente as ações de um assassino.

A diagramação está ótima, eu adorei a capa do livro e acredito que ela cumpre bem o seu papel em transmitir o ar sombrio que o conteúdo do livro contém. Por  ter sido uma história tão envolvente, os pouquíssimos erros de revisão presentes no livro podem passar despercebidos sem muito esforço. Eu adorei a forma que a história foi narrada, quem nunca leu algum livro do gênero jornalismo literário recomendo fortemente que comece por essa obra. Para os que já leram e apreciam o gênero, tenho certeza de que esse livro não irá decepcioná-los. Leiam!

17 comentários:

  1. Oi Amanda, eu não conhecia esse livro, mas fiquei bem curiosa sobre o enredo. Achei interessante o fato de expor mais realismo nas cenas, o que ma minha opinião pode tornartido muito envolvente.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Oi amanda, eu adoro o gênero de jornalismo literário por isso tenho certeza que eu gostaria dessa obra. Realmente, pelo que parece esse título é muito propício, o que leva alguém a cometer um assassinato, ou melhor, vários, assim a sangue frio, cuidando inclusive para não pisar no sangue? só pode ser algo muito além da loucura mesmo. Quero conhecer esse livro.

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Li só um livro do gênero jornalismo até hoje e gostei bastante, porém esse tem uma temática totalmente diferente.
    Gosto de suspenses, mas principalmente gosto de livros que falem da mente de malucos, ou não. Gosto da maneira como é desvendado o intelectual do personagem e, mesmo que muitas vezes não justifique o crime, temos uma pequena explicação de um fator crucial na vida do protagonista.
    Gostei bastante da dica!

    Abraços, Lara.
    http://imperioimaginario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá, eu ainda não conhecia o livro mas fiquei completamente interessada nele. Histórias como essa sempre me despertam um grande interesse e e esse livro me deixou muito curiosa. O fato de o autor ter se baseado em assassinatos ocorridos na Bahia só deixa a trama ainda mais marcante.

    ResponderExcluir
  5. Olá Amanda,
    Não lembro de ter lido nada do gênero, mas fiquei muito interessada nesse livro. Ele parece abordar algumas perguntas que não possuem resposta, pois cada um imagina de uma forma e isso é fascinante. Já anotei essa dica, pois sei que vou curtir.
    Fico feliz que a leitura tenha te surpreendido e agradado e também por saber que o livro contém coisas reais do cotidiano.
    Parabéns pela incrível resenha!
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  6. Eu estou cada vez mais impressionada com os temas que o gênero jornalístico literário vem apresentando. Gostei muito de saber sobre esse livro, que aborda um assassinato a sangue frio de modo tão direto. Notícias como essa, que nos escandalizam, realmente me fazem refletir o que poderia ter existido por detrás dos fatos noticiados para que o crime fosse cometido. Anotei a dica.

    Beijos!
    www.myqueenside.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi, flor.

    Nossa, que legal. Gostei bastante da proposta do livro e já quero ler. Tem que ter muito sangue frio mesmo para a pessoa matar membros da sua família. Vejo que o livro tem um suspense e mistério e amo quando os livros tem essas características. Fiquei bastante curiosa para sabe o porquê do protagonista ter tomado tal decisão. Dica anotada!

    beijos,
    www.anebee.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi, não conhecia o livro, mas a premissa do livro me agradou e achei bem interessante por ter essa pegada psicológica e com fatos reais e por ser um um livro do gênero jornalistico literário e isso me agradou. Fiquei muito curiosa para saber como funciona a mente desse cara e como o autor desenrola a trama. Dica anotada.
    bjus

    ResponderExcluir
  9. Oiee Amanda ^^
    Eu ainda não conhecia este livro, e também não sou fã do gênero, mas o achei interessante, principalmente por ter realmente acontecido. Fico pasma quando vejo histórias como a do Marcílio, e imaginando o que poderia ter sido feito para que isso não acontecesse. E se alguém tivesse intervindo e impedido tudo? Acho que é algo em que se pensar...haha' gostei mesmo do livro :)
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bom?
    Nunca li um livro do gênero jornalístico literário e confesso que fiquei muito curiosa! A premissa em si já me intrigou muito! Fiquei curiosa para entender um pouco mais do caso e as motivações que levaram um filho a assassinar toda sua família. Gostei muito de saber que o livro tem uma narrativa dinâmica e vívida e que não deixa nenhuma ponta solta, pois é algo que aprecio muito em livros. Quero muito conhecer a narrativa desse autor e a dica já está mais que anotada ^^ Parabéns pela resenha! Ficou ótima!

    Beijos!
    @PollyanaCampos
    Entre Livros e Personagens

    ResponderExcluir
  11. Oi Amanda, não conhecia o livro e agora preciso ler. Acho que durante a leitura, vou me deparar com as mesmas perguntas que você fez enquanto lia, sem exatamente culpar os pais, mas querer entender melhor a situação.
    Adorei a dica!!!
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi, Amanda
    Eu gosto do gênero, assim como gosto de biografias. Tenho muito interesse em conhecer esse livro que me lembrou o famoso Precisamos falar sobre Kelvin.
    É bom saber de mais livros que ponham o convivio familar( ou a falta dele) em xeque, visto que uma coisa que sempre está presente nas nossa vidas.
    Sua resenha ficou ótima,
    bjs
    Luana
    http://blogmundodetinta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Oi Amanda, tudo bem?

    Acho que nunca li um livro do gênero, mas fiquei bastante curiosa por esse. Quero saber mais o que passava pela mente do Marcílio e sobre como ele via suas ações, e o que o levou a arquitetar esse plano. Parece ser um livro bem intenso e que nos faz refletir sobre essa questão de como o convívio familiar pode influenciar nossas ações.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima || Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  14. A mente humana deve ser algo assustadora, essa coisa de mostrar como ela funciona no cotidiano deve dar um toque bem diferente ao livro.
    Eu particularmente gosto de livros com investigações e tudo o mais, já li um livro no qual o cara assassinava os pais, mas não essa forma a familia toda de uma vez.
    Fiquei curiosa.
    abraços.

    ResponderExcluir
  15. Olá Amanda!
    Menina, não conhecia esse livro e estou muito interessada e mega curiosa com esse assunto que é forte e te deixa pensando o porque do Maurílio ter feito isso. E é tão chocante que você nunca imagina os motivos. Realmente a mente humana é um mistério e muito assustadora. Já estou colocando na lista de desejados, pois nunca li um livro jornalistico e achei muito interessante. Espero ler logo rs'

    Beijos!
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br//

    ResponderExcluir
  16. Oi Amanda *--*

    Então menina li um livro desse gênero jornalistico e não curti viu, achei com muitas descrições e um pouco massante. Mas confesso que esse me deixou curiosa pelo fato de ser mais real as coisas que acontecem, até mesmo é bem impressionável. Mas enfim, curti a premissa e sua impressões só me deixaram ainda com mais curiosa.

    Bjos
    http://rillismo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Oi Amanda! Gostei bastante sua sua resenha, mas acho que não leria a obra, pelo menos por enquanto. fiquei curiosa para saber o que levou Marcílio a comentar tal crime, mas ao mesmo tempo fico pensando sobre o complexo de a culpa é do outro que algumas vezes colocamos para justificar nossas ações. Acho que se me aventurasse à leitura seria para saber os caminhos que o levaram a tal ponto.

    Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir