02 abril 2016

Resenha - O que me faz Pular






Naoki Higashida sofre de autismo severo. Com grande dificuldade de se comunicar verbalmente, o jovem aprendeu a se expressar apontando as letras em uma cartela de papelão, e, aos treze anos, realizou um feito extraordinário: escreveu um livro. Delicado, poético e profundamente íntimo, O que me faz pular traz uma nova luz para entendermos a mente autista. O jovem explica o comportamento muitas vezes desconcertante das pessoas com autismo e compartilha conosco suas percepções de tempo, vida, beleza e natureza, apresentadas em um relato e um conto.

Livro: O que me faz Pular
272 páginas || Skoob || Editora: Intrínseca|| Onde Comprar








Imagine um quarto limpo, organizado. Cada roupa em seu lugar, gavetas arrumadas, cama feita e uma música relaxante tocando. Agora imagine um ambiente no qual impera o caos. Roupas espalhadas, papéis voando, pessoas gritando e um rock tocando em caixas de som gigantescas. Bom, esse pequeno exercício mental foi para que você identificasse a mente de uma pessoa comum e de um autista, respectivamente.

Na minha vida, eu tive a oportunidade de conhecer apenas algumas pessoas autistas e ler sobre, o que ainda não foi o suficiente para que eu elaborasse uma ideia concreta sobre como os indivíduos autistas são. Claro, eu conheço o básico : Introspectivos, geralmente inteligentes e com pouca capacidade para comunicação. Sim, isso é menos que o básico. É a ponta de um iceberg, uma poça d'água comparada a um oceano.

Eu não quero tratar essa resenha como se fosse uma reflexão filosófica ou um ensaio médico, mas é quase impossível evitar isto dado o assunto do livro ''O Que Me Faz Pular'', escrito por um garotinho de treze anos chamado Naoki Higashida. Sim, Naoki é praticamente uma criança. Ele coloca sua vida no papel e responde perguntas que esclarece inúmeras coisas.

Naoki não é comum. Ele é autista. No seu caso, ele tem a comunicação com o meio externo tão complicada que necessita de uma tábua do alfabeto japonês para conversar com outras pessoas. Uma professora o ajudou a desenvolver esta habilidade e desde então ele se comunica desta forma. Com certeza, é uma das coisas mais impressionantes que já li, dado que ele é apenas um menino. Uma criança impossibilitada de falar com outros seres humanos devido a um autismo grave. Parece até crueldade, uma brincadeira ruim do destino. Naoki nunca poderá brincar normalmente com amigos ou namorar. Ele nunca irá sair escondido de casa ou tomar suas primeiras cervejas com os amigos. Aliás, segundo ele, sua mente não é organizada o suficiente para que ele possa ordenar suas ideias e construir um relacionamento "normal".


"Não posso acreditar que qualquer ser humana quer ser deixado só. Não mesmo."


Alguns trechos do livro, escrito como uma pequena entrevista, me impressionaram. Naoki é excepcional em vários aspectos. Ele é extremamente inteligente e bem articulado. Algumas de suas respostas são tão maduras e adultas que eu me surpreendi. Ele diz tudo com tanta precisão... Todo o assunto sobre autismo é incrivelmente complexo, mas Naoki enxuga essa pauta como apenas uma criança sabe fazer.

As perguntas do livro são incríveis e esclarecedoras. Algumas, nós não esperamos uma explicação tão básica e simples. Por que ele grita? Por que não podemos encostar em autistas? Por que ele demora a responder? Como se sente quando as pessoas falam com linguagem infantil?...


"Levantamos uma barreira ao nosso redor para manter as pessoas afastadas."


Percebe-se que apesar de não conseguir se comunicar verbalmente, por dentro Naoki é um garoto como outro qualquer. Confuso, brincalhão e esperto. Sua dificuldade é expressar-se. As palavras não saem da forma correta, os pensamentos se confundem e seu próprio corpo não o obedece. Mas tudo bem, pois ele é apenas... Excepcional.

O que mais me doeu ao ler O Que Me Faz Pular foi porque, por vezes, senti a frustração do garotinho por não ser como qualquer outra pessoa. Sua frustração ao se sentir marginalizado e tratado como alguém "especial". Porque, no papel, Naoki é como qualquer outro menino.

Então eu só gostaria de dizer: Você não está sozinho. Somos todos diferentes. Obrigada por me mostrar sua vida. Obrigada por este livro. Tão delicado, poético e inocente. Você não irá se arrepender de conhecer a realidade desse japonês. Uma realidade turva, descompassada. Desorganizada. Mas ainda assim, a realidade de Naoki.

Um livro mais do que recomendado e que todos deveriam conhecer!

14 comentários:

  1. Oi Emily, tudo bem?
    Desde o primeiro momento que soube desse lançamento me apaixonei pela capa, porque vamos combinar: ela é incrível. Porém, meu interesse não passa disso e por isso nunca procurei por essa leitura. Independente disso, acredito que ele deve trazer uma mensagem linda e cheia de reflexões. Após finalizar sua leitura devo confessar que até deu vontade de conhecer a história sim rs Obrigada pelas considerações!
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Oie, Emilly. Adorei a sua resenha, e preciso dizer que ela foi muito bem colocada no dia de hoje, uma vez que hoje 2 de abril é o dia de conscientização em relação ao altismo, o que chamam de dia azul. Já li esse livro e também achei as respostas do menino muito bem colocadas e maduras, e nos explicam muitas coisas que seriam difíceis de entender se uma pessoa que não é altista explicasse. Achei linda essa sua reflexão do fim de sermos todos diferentes e de Naoki não estar sozinho. Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Oi Emilly, a capa do livro já é bem interessante, mas o conteúdo abordado é pra lá de pertinente. A questão do autismo só tem gerado mais e mais perguntas e o tema é tão abrangente que toda e qualquer informação sobre o assunto, é sempre bem vinda. Adorei sua considerações sobre o livro e me fez desejar comprá-lo agora.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá Emilly,
    Ainda não conhecia o livro e fiquei bastante encantada com ele.
    Gostei muito da premissa e ainda não li nenhum livro parecido. A sua resenha me encantou.
    Consigo compreender essa dor que você descreve e espero, sinceramente, sentir isso quando ler.
    Parabéns pela incrível resenha.
    Beijos,
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. OI!!

    Não conhecia o livro, entretanto me interessei mesmo. Ao ponto de já pesquisar e querer adquirir. Eu quero e pretendo me aprofunda nas pessoas especiais, e estou começando a querer me especializar no Autismo, claro que é algo confuso você tentar entender uma mente tão complexa. E, consigo imaginar a dificuldade da comunicação, de não conseguir se socializar, de se achar diferente diante de uma sociedade onde aparência consegue ser mais importante do que a mente. Muito obrigada mesmo pela dica, e em breve estarei resenhando sobre esse livro.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Oi Emilly, tudo bom? Eu já li esse livro e também adorei! Nunca consegui escrever resenha, pois me faltam palavras para descrevê-lo. Conhecer a história do Naoki foi, para mim, um grande presente. Era uma leiga total sobre autismo e aprendi muita coisa com o autor. Gostei muito da sua resenha!!
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  7. Oi, Emily!
    Eu já li vários comentários sobre esse livro e também muitos elogios. É um tema bem diferente na literatura de ficção e me deixa muito curiosa. Acho que seria uma ótima leitura e super válida tanto no sentido pessoal quando profissional para mim como educadora. Vou ler!

    Beijos,

    Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

    ResponderExcluir
  8. Oiee Emilly ^^
    Eu gostei tanto desse livro quando o li ♥ nunca tinha lido nada do tipo, então foi uma grande surpresa para mim, principalmente por ser uma história tão bonita e tocante. O autor também me impressionou bastante, confesso que, antes de ler o livro, eu tinha uma visão bem limitada sobre autistas, o que mudou após a leitura. Fico feliz que você também tenha gostado :)
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oie!
    O que eu conheço sobre o autismo é muito pouco, baseado apenas no que já li em alguns livros ou em busca pela internet. Eu ainda não li esse livro, e acho interessante a abordagem dessa temática, ainda mais por alguém que é autista. Eu fico imaginar como deve ser dificil para ele. Mas mesmo assim, ele conseguiu criar essa obra tão fantástica.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  10. Com certeza deve ser uma leitura e tanto, com muitas reflexões e ensinamentos. Não é o tipo de livro que costumo ler, devo confessar, mas essa proposta e a sua resenha me deixaram muito curiosa mesmo.
    Vou anotar e quando for oportuno, quero conhecer essa obra e saber mais sobre esse assunto que, infelizmente, acaba sendo esquecido e cercado de preconceitos.
    Uma ótima dica, obrigada!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Olá, Emilly! Tudo bem?

    Sua resenha me deixou emocionada! Eu já venho com uma vontade imensa de ler esse livro há meses e, agora fiquei com ainda mais vontade! <3

    Eu amo ler/pesquisar sobre autismo. Li algumas histórias fictícios escritas por familiares de autistas mas, um livro tão real e escrito por um autista nunca tinha lido.

    Me arrependo de não ter comprado esse livro antes. Vou fazê-lo agora! <3

    Beijos e até mais!

    dreamsandbooks.com

    ResponderExcluir
  12. Olá!

    Não conhecia esse livro e achei muito legal publicar uma resenha dele, pois recentemente foi o dia do autismo. Acho que todos precisam se conscientizar sobre o autismo e não encarar como um bicho de sete cabeças e todo o preconceito usual. Deve ser muito emocionante ler sobre o Naoki, seus depoimentos e conhecer um pouco mais sobre ele. Esta parece ser uma leitura que vale muito a pena.


    Beijinhos!
    Cantinho Cult

    ResponderExcluir
  13. Oi Emily....
    Acho a capa desse livro tão linda, e até sabia que envolvia o assunto do autismo, mas acredita que nunca parei para ler nem a sinopse dele direito?
    Ler sua resenha me deixou pensando que estou perdendo uma ótima leitura. Ainda mais que o menino tem só treze anos... em um mundo onde todos parecem ter a necessidade de ser iguais para realmente se sentir encaixado e que faz parte de alguma coisa, fico imaginando como deve ser difícil ser tratado diferente - e por muitas vezes como sem capacidade - só por causa de ter uma realidade diferente...
    Beijinhos,
    Lica
    http://amoreselivros.com.br

    ResponderExcluir
  14. Olá, tudo bem??

    Excepcional realmente é a palavra certa pra descrevê-lo! Eu já li esse livro e achei incrível como ele aborda tudo de uma forma tão cativante e envolvente. Sem falar que conseguimos entender melhor sobre o autismo com as próprias palavras de um autista! Com certeza é um livro que nos muda... Amei a resenha

    XOXO
    Umnovo-roteiro.blogspot.com

    ResponderExcluir