22 abril 2016

Resenha – O Mistério Oculto na Terra Negra





O Mistério Oculto na Terra Negra começa em 3200 a.C. quando um misterioso objeto cai do céu nas areias do Deserto do Saara, impulsionando o desenvolvimento daquela região do Egito. Uma irmandade secreta se forma para proteger os conhecimentos da ganância e de mãos erradas. Séculos depois nasce a linda e ambiciosa Zenóbia, filha do sheik das quatro tribos do deserto do Sinai. Na adolescência é atraída e manipulada por um mago praticante de magia negra, para que procure o artefato e o entregue a ele. A partir daí, a jovem empreende uma jornada épica na qual usará todos os meios – inclusive a crueldade – para alcançar seus objetivos. Até se deparar com a última barreira: o Amor. Neste romance de aventura com toques de fantasia, Clarisse Leal nos leva a percorrer oásis, tendas e palácios descrevendo ricamente esses cenários. Para redigir o livro, pesquisou sobre Zenóbia – personagem histórico que realmente existiu, reinando de 267 a 274 d.C e que chegou a tomar parte do Egito do Império Romano –, em bibliotecas, museus e livrarias de Nova York e Cairo. O Mistério Oculto na Terra Negra também contém elementos de magia e teosofia, outros dois temas caros à autora.

Livro: Os Mistérios Ocultos na Terra Negra
264 páginas || Skoob || Editora: Lura || Autora Parceira: Clarisse Leal ||  Onde Comprar








O livro começa com um jovem rapaz que carrega um nome importante. Não sabemos muita coisa sobre ele nesse primeiro momento, apenas que ele significa muito para a sua tribo, localizada no deserto do Saara. Até que o deserto é atingido por uma bola de fogo. E é assim que a história realmente começa.

Com a curiosidade aguçada, o jovem sai a procura dessa bola de fogo. É o único da tribo que se interessou por esse fato. Quando ele de fato chega lá e encontra o objeto misterioso que caiu formando a bola de fogo, ele acaba tocando-o. Quando ele faz isso adquire conhecimento sobre a formação do mundo e não sente mais fome e nem sede. Ele então, decide voltar para a sua tribo e compartilhar o que descobriu com eles, mas quando chega ele não a encontra mais.

O livro é dividido em duas partes, onde a primeira – que é bem curta – conta a história nos anos de 3.200 a.C. E na segunda parte passamos para a era 241 d.C. onde encontramos a menina em treinamento para ser a rainha do deserto Bat-Zabbai Júlia Aurélia Zenóbia, mais conhecida como Zenóbia ou Bat-Zabbai.

O que me chamou atenção nesse livro foi o assunto abordado. Como eu queria sair da zona de conforto, aceitei recebê-lo em parceria com a Autora, mas acabei me deparando com esse mundo criado por ela e inspirado em Zenóbia – um personagem que realmente existiu – uma rainha do Império Palmira. A trama é cheia de aventuras e mistérios.

Fiquei pensando em histórias que eu já conhecia que se passava nesse ambiente e além dos contos narrados por Sherazade em “As Mil e uma Noites” e porque não “Alladin” eu não sabia muito sobre isso. Foi o que mais me interessou em aceitá-lo para ler e resenhá-lo.

Apesar de estar disposta a mudar e conhecer um novo tipo de leitura, confesso que não foi uma leitura assim tão fácil de ser feita. Como não estou acostumada com o assunto abordado, demorei para pegar um ritmo de leitura confortável, mas que foi extremamente agradável. Entendi que apesar dos capítulos serem curtos e numerosos – são 153 só na segunda parte – entendi que eles eram necessários dessa forma, para que fossem mais significativos. É um livro que te deixa com raiva por causa das crueldades, mas que mesmo assim você não consegue parar de ler porque precisa saber o final.

A autora consegue descrever os acontecimentos e os cenários de forma clara, o que te faz se imaginar naquele ambiente mesmo. Isso foi um ponto positivo. Ela conseguiu nos mostrar através das páginas como funcionava o governo e como algumas pessoas poderosas daquela época agiam. É uma leitura que te instiga e mesmo com raiva de alguns acontecimentos – como citei antes – você não consegue parar de ler.

Agora, s você não está acostumado com esse assunto e sente que a leitura pode não estar fluindo tão rapidamente, só peço para que não desista! A escrita da autora é fácil e esclarecedora, os capítulos são curtos e isso ajuda a leitura fluir mais rapidamente depois que você passa das trinta primeiras páginas.

Se você é um aventureiro – como eu – indico que pegue uma carona nas páginas do livro “O Mistério Oculto na Terra Negra” da autora Clarice Leal. Mas esteja disposto a embarcar em aventuras desconhecidas. Só assim você descobrirá um novo mundo, repleto de fantasia e claro, mistérios.


******




Clarisse Leal, é fluminense, natural de Barra Mansa. Leitora de Jorge Amado, Gabriel García Marquez, Marion Zimmer Bradley e Paulo Coelho, iniciou-se como escritora em 2008. O Mistério Oculto na Terra Negra foi terminado em 2013 e lançado em 2015. Atualmente se dedica a pesquisa e redação de seu novo romance, que se passa na cidade de Nova Iorque.

21 comentários:

  1. Amo leituras desse tipo que aborda a cultura Árabe, tenho alguns livros que também tem a mesma temática, fiquei muito interessada no livro principalmente pela a história.

    sonhoseaventurasdeamor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. OI Roberta, eu não conhecia esse livro, mas achei interessante o fato de haver uma exploração maior da ambientação e da própria cultura, pelo menos é o que pude perceber através de sua resenha. Sem contar que amo uma boa fantasia e outros elementos que se conectam nessa area. Entretanto, imagino mesmo que a leitura não tenha sido fácil, ainda mais por ser algo diferente. Sinceramente, não sei se leria nesse momento, mas pode ser que haja uma oportunidade para que eu venha a me interessar pelo enredo.
    Beijos, Fer ♥

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem com você ?
    Eu não conhecia a escritora, mas ultimamente estou conhecendo novos autores e estou adorando isso. Eu achei o enredo da obra muito misterioso, isso aguça de mais a curiosidade dos leitores, acho que nunca li nada nesses estilo e com certeza eu irei me aventurar nele assim que for possível. Adorei a sua resenha, até mais vê
    Bjks

    ResponderExcluir
  4. Oi Roberta,
    nossa que interessante, amo ler livros que possuem um cunho histórico, e saber que esse trás uma personagem que realmente existiu me deixou super curiosa, mesmo esse não pertencendo ao meu estilo de leitura cotidiano acredito que daria uma chance sim, além disso que capa linda. Parabéns pela resenha e por se propor a sair da sua zona de conforto, preciso seguir seu exemplo e me arriscar em outros estilos de leitura.

    Abçs
    Sou bibliófila

    ResponderExcluir
  5. Que capa top!!!! Livro com uma capa assim, merece atenção! Também gosto de sair da zona de conforto e experimentar outros gêneros literários, mas este livro aqui, se adequaria bem ao que gosto, talvez por ser aventureiro. Anotei a dica e espero ler em breve.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Acho que nunca li uma fantasia ambientada no saara, e fiquei bem curiosa em saber que a autora consegue descrever os cenários e as lutas por poder naquela região tão bem que parece que estamos lá.
    Com certeza se eu tiver a oportunidade vou me aventurar nesse livro, pois parece bem o estilo que gosto de fantasia e muita aventura

    ResponderExcluir
  7. Olá Roberta,
    Gosto muito de me aventurar em leituras que fogem da minha zona de conforto.
    Adorei a premissa desse livro, pois ainda não li nada baseado em Zenóbia. Acho que a dificuldade na leitura é porque o livro tem, mesmo, uma temática diferente, mas que é boa.
    Já anotei a dica, pois acho que vou gostar. Vou aproveitar a oportunidade e indicar para uma amiga que só faz esse tipo de leitura.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  8. falou fantasia e mistério? È comigo mesmo. Adorei toda a trama envolvida no livro,e a capa também esta linda. Com certeza o leria! Achei sua resenha bem elaborada, ressaltando todos os pontos do livro e o que achou da leitura, o que me deixou com ainda mais vontade de ler.
    sabe onde posso comprar?
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Oi Roberta,
    É difícil mesmo sair da zona de conforto. Livros assim, mais históricos, são mais difíceis de ler mesmo, devido a quantidade de informação, além de que muitas vezes os autores apostam em uma linguagem mais rebuscada e descrições longas. Apesar da sua dificuldade. Achei a premissa bem bacana, acho essa época na história bastante fascinante. Adoro mistério, fantasia e a autora parece que escreveu tudo isso muito bem. Parabéns pela resenha!
    beijo!

    ResponderExcluir
  10. Oiee ^^
    Não sei se sou uma pessoa aventureira...hehe' acho que me encaixo mais com outros gêneros literários, então este livro não me interessou muito. Até gosto de histórias que se passam no passado, principalmente as que têm uma pitada histórica, mas mistério e fantasia não é comigo, então não sei se leria esse livro :/
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    Eu nunca li nada assim e não estou acostumada, logo acredito que iria ter algum dificuldade em me envolver com a leitura também, mas pela sua resenha vale muito a pena conhecer, né? A premissa em si é muito curiosa e interessante, além disso parece ter sido muito bem trabalhada e eu gosto muito de capítulos curtos, isso faz com que a leitura flua mais fácil.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  12. Eu achei muito interessante o livro e acho importantíssimo que às vezes nos aventuremos fora de nossa zona de conforto. É claro que não pode se ruma auto obrigação, mas um interesse mesmo. Assim você se depara com texto como essa obra, que eu achei fantástico e acho que se você não tivesse feito essa resenha eu nem teria chegado a conhecer. Amei saber que a Zenóbia realmente existiu e acho que já vou começar pesquisando um pouquinho sobre ela.

    Beijos,
    Mariana Baptista
    umavidaporlivro.wordpress.com

    ResponderExcluir
  13. Oi Roberta, eu não conhecia o livro e confesso que não senti vontade de lê-lo, talvez por ser um assunto bem diferente do que estou acostumada, talvez eu não consiga engrenar na leitura. Mas fico feliz em ver que você gostou, talvez um dia eu dê uma chance a ele.

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  14. Olá!

    Caraca quantos capítulos!!! Eu não conhecia a obra, quer dizer só li apenas uma resenha e fiquei curiosa.
    Nunca li nada do gênero e acho que por isso me senti curiosa.
    Sua resenha está linda Rob, bem explicativa e detalhada, atiça nossa curiosidade.
    Dica anotadinha!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  15. Olá!! :)

    Ainda bem que gostaste (embora nao muito, ne?).. Bem, acho que ia gostar.. A historia nao me pareceu ma e adoro quando as descriçoes nos fazem realmente visualizar os cenarios.. :)

    E adoro aventuras e que os capitulos nao sejam muito longos.. E se nos fazem nao parar de ler, melhor ainda! :) ahah

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  16. Rob, não fiquei com vontade de ler não. Gosto de capítulos curtos, mas não tão curtos assim... 153 só na segunda parte em um livro de 264 páginas acho um pouco estranho, mesmo que você tenha entendido a necessidade deles serem dessa forma. Mas eu poderia até fazer uma tentativa se você não tivesse citado a crueldade... simplesmente não tenho estômago para histórias em que ela esteja inserida.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  17. Não conhecia o livro ainda mas achei bem interessante essa premissa até porque é bem o meu estilo de leitura. Adoro quando os autores conseguem nos transportar para dentro do livro fazendo a leitura ser bem mais vivida. Creio que leria esse livro sim mas infelizmente em outro momento já que estou abarrotado de livros para serem lidos no momento.

    Everton Equipe Rillismo
    http://rillismo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Oie Roberta.
    Que legal e que bom que gostou! Adoro quando me arrisco e fico feliz com a leitura e fico feliz por você, no momento eu não leria, mas anotei a dica a dica aqui por ser de uma autora nacional.
    Bjokas

    ResponderExcluir
  19. Oi, Roberta! Autora brasileira, história boa e original. Como não querer ler? Fico imensamente feliz quando me deparo com isso, porque tenho um pequeno problema em ler livros brasileiros, mas, confesso, que esse chamou bastante a minha atenção. Já quero ter esse na minha estante. Boa resenha! Parabéns!

    HTTP://PORREDELIVROS.BLOGSPOT.COM

    ResponderExcluir
  20. Gostei bastante da capa do livro, mas confesso que a premissa não me chamou muito a atenção. Seria o tipo de livro que me deixaria confusa, ou que eu certamente abandonaria, por não ser o estilo a qual estou acostumada. É bom saber que esse tipo de leitura te tirou da zona de conforto, talvez eu tenha que me propor a algo desse tipo para me arriscar em novas aventuras.

    Biejos,

    ResponderExcluir
  21. Olá!

    Achei a história bem interessante e inusitada, me identifico com você, pois amo me aventurar em estilos diferentes, como esse da Clarisse Leal.

    Abraços, Heitor Botti
    shakedepalavras.blogspot.com

    ResponderExcluir