27 setembro 2015

Resenha - À procura de Audrey







Audrey, 14 anos, leva uma vida relativamente comum, até que começa a sofrer bullying na escola. Aos poucos, a menina perde completamente a vontade de estudar e conhecer novas pessoas. Sem coragem de sair de casa e escondida por um par de óculos escuros, a luz parece ter mesmo sumido de sua vida. Até que ela encontra Linus e aprende uma valiosa lição: mesmo perdida, uma pessoa pode encontrar o amor.

Livro: À Procura de Audrey
336 páginas || Skoob || Editora: Galera Record || OndeComprar ||










Nós somos o maior inimigo de nós mesmos. Nosso cérebro, coração, nossos pensamentos possuem o poder de nos destruir, se nos permitirmos. São eles quem detém o poder de aceitar ou não aquilo que o outro nos oferece de ruim, afinal, só fazem conosco aquilo que permitimos. E é nós mesmos também que temos a maior força para nos ajudar a sair de um problema. Para arranjar uma solução, mesmo que tudo seja um pouco mais difícil. É a nossa própria mão estendida que precisamos segurar antes de segurar a alheia, e é o amor a nós mesmos que temos de ter, antes de amar ao próximo.

"Não é o mundo lá fora em si. Não são as árvores, ou o ar, ou o céu. São as pessoas. Quer dizer, nem todas as pessoas. Você não seria um problema, provavelmente; eu não teria nada contra você. Algumas pessoas são um porto seguro para mim - pessoas com quem posso falar e rir e me sentir relaxada. Mas formam um grupo pequeno. Mínimo, pode-se dizer, comparado à população mundial. Ou mesmo ao número de pessoas em um ônibus. O problema está em todo mundo que resta. As pessoas na rua, à porta da frente, no telefone. Não fazemos ideia de quanta gente há no mundo até começarmos a morrer de medo delas."

Audrey é uma adolescente de quatorze anos que desenvolveu graves problemas de depressão e transtorno de ansiedade após sofrer bullying na escola onde estudava, cometido pelo grupo com quem convivia. Após o episódio, ela passou a recolher-se dentro de si mesma. Não conseguia fazer contato visual com as pessoas, não conseguia sair na rua, sequer permitir encontrar estranhos que iam na sua casa.

"- Desculpa - digo e corro em direção à cozinha como uma raposa perseguida. Subo as escadas. Sigo para o quarto. Vou para o canto mais distante. Agacho-me atrás da cortina. A respiração vem como um pistão de motor, e lágrimas escorrem pelo rosto. Preciso tomar um Rivotril, mas neste exato momento sequer sou capaz de sair de detrás da cortina para pegar o remédio. Estou agarrada ao tecido como se fosse a única coisa capaz de me salvar."

Em um dia em que estava despreparada para a presença de estranhos na casa, Audrey se depara com o rosto de Linus, um amigo de seu irmão que fora até lá para jogar no computador. Ao senti-lo invadir sua sala escura e privada onde ninguém mais entra, ela se sente em pânico e foge, assustando o menino com mais um grande ataque de pânico, mas logo descobre que terá de acostumar-se com a presença dele ali, pela frequência com que ele vai até a casa jogar com seu irmão.

A chegada de Linus vai fazer com que tudo fique pior e também melhor, a medida que Audrey precisa aprender a conviver com ele consequentemente despertando e enfrentando seus maiores medos, e fica melhor, enquanto eles se aproximam e o garoto a ajuda superar seus desafios, centímetro a centímetro.

"Quando papai trouxe o bolo, o queixo de mamãe caiu. E não foi no bom sentido. Tipo, se você pega um bolo branco e decora toda a superfície com ketchup, ele basicamente fica parecendo O massacre da serra-elétrica."

Audrey também poderá contar com presenças muito importantes e divertidas, a de toda a sua família.

Anne, a mãe viciada no Daily mail, um jornal e que tem surtos divertidos pelos mais diversos motivos que encontra no seu vício saudável. O pai que prefere seguir o que a mãe quer ao invés de discutir com toda a sua força. Frank, o irmão mais velho que adora  jogos de computador que sempre está ali, pronto para apoiar a menina nas horas que ela mais precisa, e Felix, o caçula de quatro anos, que simplesmente é uma criança muito meiga, dando segurança e estando presente em todos os momentos.

"Não precisamos dizer mais coisa alguma. E sei que me lembrarei para sempre deste momento, bem aqui, no parque, com os patos, a luz do sol e seus braços me envolvendo. Seu beijo tem gosto de chocolate, e tenho certeza de que o meu, de coco."


[- Minhas Impressões -]

Bom, eu preciso começar dizendo que amei essa história! Estava sem expectativa alguma em relação a ela, em primeiro lugar porque trata-se de uma personagem adolescente. Em segundo lugar por ser um chick-lit, gênero do qual não sou a maior fã e por último, porque minhas experiências anteriores, com os livros da Becky Bloom escritos pela mesma autora não foram interessantes. Mas só que ao contrário do que eu imaginava, o livro já começa muito divertido, com a mãe ameaçando jogar o computador do irmão de Audrey pela janela.

A partir disso, somos inseridos na vida de Audrey e dos outros personagens. Ela começa relatar como se sente e fala sobre suas crises de pânico, então surge, muito sutilmente o tema do bullying. O livro não tem divisão em capítulos, é uma narrativa seguida mas em nenhum momento fica cansativa. Em certos momentos, Audrey relembra coisas acontecidas no passado para que o leitor possa compreender sua situação atual. O  bullying e todo o problema não são o foco principal.

Audrey não passa horas falando sobre ele e sobre o que aconteceu. Somos capazes de conhecê-lo através de fragmentos de conversas ou pensamentos. Ao invés disso deixar o livro chato, torna ele misterioso, e todo o tempo queremos saber o que realmente aconteceu mas também apenas abraçar Audrey e deixar tudo no passado como ela procura fazer.

Todos os personagens principais são bastante engraçados. A família, composta por cinco pessoas, por vezes é bagunceira, cheia de pequenos e divertidos conflitos e não consigo escolher um melhor. Linus também é alguém que aparece e faz parte de tudo e é muito meigo.

Diferente de vários livros adolescentes que vemos por aí, com meninas de quatorze anos totalmente apaixonadas, divididas entre vários meninos, sexo e etc, A procura de Audrey é um livro com certa inocência. Mostra a descoberta do amor de uma forma muito singela e bonita, e uma menina desprovida de futilidades.

Senti certa semelhança com O diário da princesa, no sentido da escrita, nas partes engraçadas, no modo de a personagem refletir e por causa da família.

O título, A procura de Audrey, indica toda a busca que Audrey precisa fazer, todo o caminho que percorre com a depressão e os problemas. Os altos e baixos que enfrenta diariamente.  É um grande livro, com uma grande lição, cheio de humor, romance e até um pouquinho de mistério.

Recomendo para todos aqueles que gostam de um livro leve mas que aborda um assunto muito importante e interessante, um assunto que domina nossa sociedade e nossos adolescentes. Um livro que ao final nos deixe querendo saber mais e nos faça sentir dentro da casa dos personagens, sentados ao lado deles.


26 comentários:

  1. Fiquei muito interessada. Quero até baixar o e-book para mim, e eu tenho uma meta de vida que é ler todos os livros da Sophie Kinsella.
    Beijo
    www.fofocas-literarias.blogspot.pt

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie, que bacana que te deixei interessada. É realmente um livro muito bom.
      Eu também fiquei com vontade de conhecer outras obras da Sophie. A série Becky Bloon já comecei ler e não gostei, quem sabe dessa vez eu dando uma nova chance acabe gostando.
      Boa leitura.

      Excluir
  2. Aiiiiii! Adorei os quotes, e a resenha. A sophie é, com certeza, uma de minhas autoras favoritas, e tô muito ansiosa por esse livro. Uma coisa diferente dela...
    Como já disse, adorei a resenha. Parabéns, Tamara!
    beijão
    whoosthatgirrl.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie, Renata.
      Fico feliz que você tenha gostado da resenha. Para quem já leu outras coisas da Sophie dizem que ficou um livro bem diferente mesmo, mas adorei o resultado. :) Boa leitura!

      Excluir
  3. Preciso ler esse livro pra já...hahahaha... todas as resenhas que vejo sobre o livro são positivas..graças a deus..assim minha expectativa com relação a ele não vão por água abaixo \o/

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/2015/09/resenha-segredos-de-uma-noite-de-verao.html
    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/2015/09/resenha-feitico-da-sombra-livro-2-nora.html
    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/2015/08/resenha-o-samgue-do-cordeiro-sam-cabot.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não li outras resenhas, mas é meio impossível não gostar desse livro, é muito bom!
      Espero que goste daa leitura.

      Excluir

  4. Oie tudo bom?

    Esse é um dos livros mais fofos que li nos ultimos tempos, acho que ai, por mais que seja um pouco utopico, a autora acertou em cheio no desenvolvimento leve

    Beijos

    http://penelopeetelemaco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie
      Bacana receber uma opinião positiva.
      Porque você achou utópico?

      Excluir
  5. Oiee ^^
    Li uma resenha desse livro recentemente, e a blogueira em questão também gostou bastante. Ainda não li nada da autora, mas estou doida para conhecer sua escrita, principalmente depois de não conhecê-la na bienal...haha'
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie.
      Sinceramente acho que esse é o melhor livro para começar na Sophie. Leve, divertido e com um ótimo tema.
      Que pena que não pode conhecê-la, alguém que escreve um livro tão bom só pode ser querida, ee :)

      Excluir
  6. Olá, tudo bem?

    Eu até curto chick-lit, mas não para ler com frequência, são livros que leio de tempos em tempos. Gosto da leveza da maioria dos chick-lits. Não conhecia esse livro, mas o que mais me agradou e me fez ficar interessada, é que apesar de ser uma história envolvendo adolescentes, a mocinha não é a típica adolescente dos dias de hoje que costuma me irritar. rs Obrigada pela indicação e parabéns pela resenha.

    Beijo!
    Ana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie. Me identifico com você. Também não costumo ler o gênero, mas quando leio procuro que seja algo de qualidade, porque vamos concordar, existem vários chick lits péssimos por aí.
      Sim, achei a adolescente pouco convencional. Alguém mais ainda na inocência da quase infância para seus quatorze anos e não essas adolescentes que só querem festa. Muito bom mesmo.

      Excluir
  7. Oie Tamara! ^^
    Hoje mesmo conferi uma outra resenha desse livro que assim como a tua falava muito bem da história. Ainda não conheço a escrita da autora, mas adoro esse gênero e não posso negar que estou louca para ler esse.
    Achei a capa dele linda e estou ansiosa para conhecer essa família bagunceira. *-*

    Beijos e até logo! ;)
    https://worldofmakebelieveblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amanda.
      Que bacana, só estou ouvindo falar bem desse livro por aí. Espero que você goste muito dele.

      Excluir
  8. Oi que resenha maravilhosa , logo de inicio me interessei pelo livro pois aborda um tema que gosto muito , livros que tem o bullying como tema principal geralmente são angustiantes e comoventes, que nos toca profundamente e que sempre tem um ensinamento a nos passar, este aparenta ser mais ou menos assim, relatando o período de superação e descoberta da Audrey, o que é bem legal . Enfim entrara para minha lista com toda certeza
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico super feliz que você gostou da resenha.
      E que bom que entrou na sua lista. Espero que você goste tanto quanto eu

      Excluir
  9. Oi, Tamara! Como vai?
    Super quero PRA CARAMBA À Procura de Audrey. Essa é a segunda resenha que eu leio e, gente, quanto mais eu vejo sobre, mais eu quero. E pra ontem!!! Adoro livros mais leves desse tipo e não duvido nada da capacidade de esse se tornar um dos meus livros favoritos. Ainda não li nada da Sophie e, apresar de ter os livros, também não li O Diário da Princesa, então não sei qual o tipo de escrita. De qualquer forma, com personagens catovantes desse jeito e uma história toda amorzinho dessa, acho impossível eu não me apaixonar. E, gente, sem divisão de capítulos??? O.o Okay, posso viver com isso. Espero poder ler em breve.
    Beijinhos,
    Karol.
    www.heykarol.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, carol, vou bem, e você?
      Sim, o livro é tudo de bom, ok, estou já sendo meio suspeita para falar, já que no gênero chick lit acho que ele é o melhor que eu li nesse ano, ou nos últimos tempos.
      Espero que você goste muito muito!

      Excluir
  10. Oi Tamara, tudo bem?
    Que bom saber que tu gostou do livro!
    Estou esperando ele chegar aqui ainda, graças aos correios que estão demorando anos para vir fazer a entrega.
    Eu nunca li nenhum livro da Sophie então tô bem ansiosa por essa leitura.

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maiara, estou curiosa pela sua opinião. Acho que vai ser um ótimo começo para conhecer a Sophie.
      Aqui na torcida para que os correios andem o mais rápido possível.

      Excluir
  11. Oi Tamara, eu nunca li nada da autora e tenho muita vontade de conhecer a sua escrita, mas acredito que para começar eu iria em outro livro dela para depois ler A Procura de Audrey, mas amei a sua resenha!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie.
      Eu tenho outros dela na lista, resolvi dar uma nova chance depois que gostei tanto desse livro. Espero que eu continue gostando dela.
      E espero que você também goste desse livrinho.

      Excluir
  12. Eu amei essa leitura, inclusive quero um Linus pra mim pra ontem.
    Ps: parece que booktubers e blogueiros resolveram postar resenha desse livro no mesmo dia kkkk
    belapsicose.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Linus é totalmente fofo e um garoto nem um pouco fútil. Fofíssimo quando ele prepara a surpresa do sorvete. :)

      Excluir
  13. Oi Tamara, sua linda, tudo bem
    Adorei sua resenha!!!!!!! Que texto mais sensível, suas palavras me envolveram e me emocionaram e depois me diverti imaginando essa família toda junta. Eu não sabia que a autora escreveu um livro para esse público, essa é a segunda resenha que leio dele hoje e vejo porque todos falam tanto dela, conseguiu escrever um assunto que já está batido ultimamente, de forma diferencial, com muita sensibilidade sem deixar a história pesada, apesar de ser um assunto sério. A capa ficou perfeita, pois ainda não conhecemos ela por completo, ela está em uma jornada.
    Não vejo a hora de ler.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Cila.
      Você sempre com seus comentários especiais, adoro lê-los.
      E saiba que ficco muito feliz por saber que você gostou da resenha.
      Leia, não vai se arrepender é uma história maravilhosa.

      Excluir