04 fevereiro 2019

Resenha - Stalker


Livro: Stalker
Autora: Tarryn Fisher
Cortesia: Editora Faro Editorial
Páginas: 256
Ano: 2018
Skoob
Onde Comprar: Amazon 
Deprimida após sofrer um aborto espontâneo, Fig Coxbury passa seu tempo em praças observando as crianças que poderiam ser a sua filha. Até que uma menininha brincando com a mãe desperta uma obsessão. Logo, Fig se vê mudando de casa e de bairro não por necessidade, mas porque a casa vizinha oferece tudo o que ela mais deseja: a filha, o marido e a vida que pertence a outra pessoa.



Fig encontra-se no fundo do poço, deprimida e até mesmo sozinha, após sofrer um aborto espontâneo ela vê sua vida ruir, afinal seu maior sonho era ter um filho e enfim poder ter uma família e isso não é bem o que acontece. Após tal perda, ela fica totalmente perturbada, e ao ver Mercy, filha de Jolene, ela tem extrema convicção de que talvez essa menininha possa ser a reencarnação de sua pequena que teve que se despedir antes mesmo de ver o que era a vida.

Ela começa de maneira lenta e discreta a perseguir tal criança e sua mãe, aprendendo sua rotina: vigia elas em parques, tira foto em determinados momentos e o pior acontece: ela compra uma casa próximo ao de Jolene e sua filha, afinal ela esta convencida de que não basta ao menos vigiar a família, ela quer a vida de Jolene para si. E esta disposta a tudo, porém ela só não consegue perceber que esta obcecada com tudo o que diz respeito a essa família.

Darius é psicológo, se gaba de ter a família perfeita e quando percebe que Fig estas vigiando sua esposa e filha, ele percebe que ela não é uma pessoa estável, normal e com isso começa a prestar atenção nela, analisando seu comportamento, então caba percebendo que essa mulher esta completamente obcecada por sua família e ele só não imagina que quando Fig o vê ela acaba vendo um homem perfeito, um marido exemplar mesmo ele tendo segredos obscuros.

Jolene é uma escritora, se esforça para ser uma esposa exemplar e a melhor mãe que Mercy poderia ter, porém tal fachada esconde bem quem Jolene é de verdade e ninguém percebe que ela e Darius não tem um bom relacionamento à tempos. Ela precisa exorcizar seus demônios e superar todos os seus problemas para assim poder ter uma vida mais leve e enfim poder ser feliz de verdade. Mas sua vida jamais será a mesma ao conhecer sua nova vizinha, Fig.


Stalker é um thriller psicológico que segundo a autora é baseado em fatos reais e apesar de não ler muito o gênero acabei me interessando - sempre tive fascínio por histórias reais e jurava que este livro viria me conquistar totalmente. Porém me deparei com uma trama que poderia ter sido mais elaborada, muitos pontos da história só foi jogada certas informações e as mesmas não foram trabalhadas. Por se tratar de um livro curto e sem muitas reviravoltas eu tive que me policiar para não liberar spoilers, mas vamos aos pontos principais da obra: o livro é dividido em três partes, na qual em cada uma delas iremos conhecer um poucos dos personagens.

A primeira parte somos apresentados a Fig - a Stalker que dá título ao livro, após sofrer um aborto e não ter sido amparada pelo marido acabou abalando drasticamente seu estado psicológico, afinal tudo o que ela mais queria na vida era ter uma filha e isso lhe foi arrancado. Tudo bem, achei pesado a história dela e tudo mais, porém certas atitudes drásticas dela, para mim não justificavam as coisas; a primeira parte do livro é a maior e deveria ter sido a mais importante, porém a autora se perdeu em meios a detalhes e informações que em minha opinião não tiveram grande acréscimo a obra - foi uma leitura arrastada e até mesmo cansativa.

A segunda parte do livro é narrado por Darius, o psicológo; pois bem, apesar de não ter sentido afinidade por ele, a parte em que ele conta os fatos para mim foram de extrema importância e deu uma outra visão para a história. A maneira com que ele analisa Fig nos mostra um outro lado dela que não pudemos ver na primeira parte e isso foi fascinante. Óbvio que ele tem seus demônios, segredos, mas a segunda parte foi fundamental para que tivéssemos uma visão "mais clínica" do estado mental da stalker, ouso dizer que se a maior parte do livro tivesse sido narrada por ele, a leitura teria sido mais fascinante e fluida, pois como a personagem tem claramente um distúrbio psicológico nada mais justo que um psicologo lhe atribuir as qualidades e defeitos, afinal é traçado um perfil completo dela.

A terceira parte é narrado por Jolene, onde podemos perceber que a esposa perfeita é uma fachada para encobrir a mulher quebrada e infeliz que ela é de fato, mas também podemos conhecer um pouquinho mais sobre Fig através de sua perspectiva, mas que podemos acompanhar como é a vida da pessoa que luta para manter um casamento em pé sozinha - mesmo este estando fadado ao fracasso.

Esse foi meu primeiro contato com a escrita da Tarryn e apesar de ter gostado bastante, achei bem juvenil para o gênero; porém curti bastante. Fiquei bastante curiosa para conhecer a verdadeira Fig, Darius e Jolene, pois são personagens complexos, quebrados - personagens reais, e o que acontece no livro de fato aconteceu e mesmo tendo as falhas que citei, foi uma leitura boa e que me deixou bem curiosa em determinados momentos, mas senti falta de reviravoltas e surpresas em outros momentos.

Mas enfim, o gênero thriller não é meu forte e eu sempre acabo achando defeitos no decorrer da leitura, sempre acho as coisas óbvias demais; mas se você ama o gênero, posso afirmar com toda a certeza que este livro irá agradá-lo de maneira inexplicável. Me resta dizer: leiam para tirar suas próprias conclusões, afinal ninguém tem o mesmo gosto não é mesmo?



Inscrições Abertas - Participe !!



7 comentários:

  1. Ainda bem que nem todos gostam das mesmas coisas né? Eu adoro essa diversidade!
    Ao contrário de você, sou apaixonada num bom thriler e não vejo a hora de conferir este livro, ainda mais por ser um suspense com um assunto tão atual.
    O tal verbo "stalkear" que cada vez mais adquire mais e mais adeptos é algo meio assustador.
    E pelo que li acima, os personagens do livro também trazem isso.
    Com certeza, lerei!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Também não curto thrillers, e esse livro me parece muito louco.
    Não sabia que se tratava de fatos reais, isso dá un outro tom para a história.
    Ler sobre essa complexidade e ainda saber que aconteceu é meio arrepiante.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá! Que jogue a primeira pedra, quem nunca deu uma stalkeada, por aí! Gosto do gênero e de como essas histórias acabam mexendo com a gente. Ainda não tive nenhum contato com a escrita da autora, mas seu outro livro está na minha lista há algum tempo. Acredito que os 3 pontos de vista, torna a leitura ainda mais interessante, eita que a Fig já me deixou chocada com suas ações, imagina lendo o livro hein e entendo melhor todo o contexto.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Byanca!
    Gosto de thriller psicológico mas não curto histórias baseadas em fatos reais, e lendo sua resenha e suas observações sobre os três personagens principais - Fig, Darius e Jolene - confesso que não fiquei interessada em conhecer mais profundamente nenhum dos três; concordo com você, a história de Fig é bem pesada - sofrer um aborto e não ter o marido a apoiando é bem difícil de lidar - mas isso não justifica certas atitudes dela, como perseguir uma criança e sua família...
    Enfim, dificilmente eu leria Stalker... Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Stalker me chamou muito a atenção desde que fui pesquisar algumas sinopses para escolher meu livro, ele ficou de fora da lista, mas havia gostado. Pude conhecer mais o livro pela resenha e ele me conquistou ainda mais. Adoro thrillers e Stalker me parece excelente, uma onda de tensão e mist´rio parece invadir a obra e me lembra muito "YOU", espero gostar tanto quanto. Os personagens também me cativaram pela complexidade que cada um tem e sua devida importância. Quero ler logo!

    ResponderExcluir
  6. Gosto desses trillers que deixam o leitor com raiva, aflitos, torcendo. Já conhecia esse livro por indicação de uma conhecida e como ela tem uns gostos assustadores, me chamou atenção essa indicação dela ahahahaha. A inveja desperta um sentimento muito ruim em quem está sentido e sendo atingido, imagino o quão deva ter tenso para autora contar essa historia real. Enfim, embora opiniões controversa e pontos positivos e negativos. Intercalar pontos de vista de diferentes personagens como acontece nessa narrativa, gosto muito, pois deixa a leitura super dinâmica, embora confesso que me perco bastante caso nao consiga entrar na historia. está na minha lista de desejados, pois fatos reais e thriller são os meus queridinhos.

    ResponderExcluir
  7. Li a resenha desse livro e ja gostei de primeira. Tem uma història forte e curiosa, daria um filme e tanto. Ja vi casos assim, seja por depressão ou outros fatos, mas enfim, é incrível descobri o que desencadeou e o porquê.

    ResponderExcluir