07 fevereiro 2019

Luz, Câmera e Ação [63] - Nada a Esconder


Título: Nada a Esconder
Data de Lançamento: 16 de Novembro de 2018 (Brasil)
Direção: Fred Cavayé
Elenco: Bérénice Bejo, Stéphane De Groodt, Suzanne Clément, Doria Tillier, Grégory Gadebois, Roschdy Zem, Vincent Elbaz
Gênero: Drama, Comédia, Comédia Dramática
Duração: 1h 30m
Durante um jantar, casais de amigos decidem brincar de um jogo: todos devem colocar seu celular no meio da mesa e cada SMS, telefone, correio, mensagem de Facebook, etc. devem ser compartilhados com os outros. Não demorará muito para que este "jogo" se torne um pesadelo.





Nada a Esconder é um filme francês que nos mostra a estória de um jantar entre amigos, aparentemente bem sucedidos financeiramente. Ao iniciar o filme, ele é entregado de uma forma que nota-se serem um grupo de amigos que fazem jantares caseiros com frequência para conversar e fazerem jogos, mesmo sendo maduros.

O que era para ser apenas mais um jantar de confraternização mostra que irá muito além disso quando eles começam com leves alfinetada, pois através da desconfiança de fidelidade de um dos casais e provocações dos outros é dada a sugestão de uma "brincadeira". 

Ela consiste em todos presentes colarem seus celulares na mesa e a cada torpedo, notificação de redes sociais, ligação entre outros recebidos deve ser mostrado a todos. No início nada parece muito surpreendente, mas com o tempo o jogo esquenta e ele se mostra uma escolha não muito boa.


Apesar do gênero de Nada a Esconder ser considerado comédia, não inicie esse filme com a intenção de dar boas gargalhadas. Você irá sentir muitas coisas como raiva, angústia e até uma leve emoção, mas rir é muito improvável. 

O filme carrega uma grande critica social que ao meu ver não se trata apenas de traição amorosa, pré-julgamento ou preconceitos, mas também sobre ter uma vida aparentemente perfeita na visão de muitas pessoas e na realidade tudo que você mostra aos outros é uma grande mentira. Pensando por esse ponto o título do filme não é apenas referente a brincadeira onde eles diziam não ter nada a esconder, mas sobre todo o resto de suas vidas não ser aquilo que aparenta.

Uma das coisas que mais me agradou aos assistir, foi conseguir construir toda uma trama e ter um grande desenvolvimento de personagens quando o filme se passa praticamente inteiro dentro de um apartamento. É um longa-metragem consideravelmente curto se comparado a outros, conseguimos conhecer a personalidade dos personagens ao ponto de sentirmos raiva ou empatia por eles.

A premissa é simples e desde um pouco antes da proposta do jogo acontecer conseguimos notar o quanto aquele jantar pode dar errado. A amizade do grupo não me pareceu muito saudável, para ser sincera. Sei que é comum algumas alfinetadas entre amigos, mas no caso deles elas me pareciam reais demais e carregadas de muita crítica.

Conseguimos perceber também um grande preconceito dos personagens. Não apenas por coisas que vemos diariamente na sociedade, infelizmente, mas também com assuntos raramente abordados ou não compartilhado por todos. Como por exemplo a reação ao tocarem no assunto sobre psiquiatra por silicone, chegando a insinuarem que uma mulher dessa profissão não precisa se preocupar com a aparência e deixaram claro que por ser uma pessoa da saúde mental deveria aceitar seu corpo como é.

Durante o decorrer do filme ele não nos mostra ser uma grande atração, porém não chegando a ser ruim ou tedioso. Com o tempo isso muda, e ao chegar no clímax, tive um turbilhão de sentimentos, porém o mais forte de todos foi uma grande aflição onde eu simplesmente não conseguia desviar os olhos da tela. Em alguns momentos senti vontade de entrar na estória e gritar para todos ouvirem os segredos de cada um.

Alguns detalhes e plot twist importantes do filme são apresentados apenas para o espectador, o que foi um grande acerto. Alguns deles ficam apenas conosco e outros são jogados no filme de uma forma que me fez saber a verdade que os outros personagens não sabiam, assim aumentou a minha angústia e a vontade de que tudo fosse esclarecido. E claro, por conta disso o filme despertou uma emoção maior. 



Nada a Perder nos apresenta três casais e um homem, Ben, que está iniciando um relacionamento depois de um divórcio e insistem em não apresentar a namorada para os amigos, sempre com desculpas esfarrapadas. Alguns personagens agem de maneira que desconfiamos deles desde o início principalmente por sua relutância em participar do jogo, já outros aparentam não ter segredo nenhum.

Porém alguns que aparentam ter segredos cabulosos não escondem nada, quando outros que parecem super abertos escondem coisas capazes de deixar quem está assistindo de queixo caído, indignado e principalmente surpreendido. Alguns tem seus segredos que apesarem de não terem o que esconder, conseguimos entender seus motivos mostrando mais um ponto de crítica social na trama. E também encontramos "segredos" que não eram exatamente algo que a pessoa que carregava queria esconder, apenas nunca havia comentado. Então faça, suas apostas, duvido que mesmo se sentindo o mais esperto você irá acertar tudo que esses personagens tem a esconder, ou a te contar.

O filme não faz jogos ou disfarces ao mostrar a personalidade dos personagens, fazendo com que o espectador tenha todo o tipo de reação diante de alguns acontecimentos onde conseguimos conhecer bem o que cada um pensa e como age sobre determinados assuntos. 

Não conhecia o elenco, por se tratar de um filme francês, então não sei se os atores já são profissionais porém não tenho como deixar de comentar sobre a atuação deles. As conversas soam muito naturais e suas expressões corporais nos dão uma realidade maior em relação ao que estão sentindo. Assim, tudo aquilo que estamos assistindo não parece apenas um filme, e sim um jantar de verdade que deu muito errado. A trama também conseguiu trazer uma profundidade do relacionamento dos personagens entre si.

Para finalizar devo dizer que gostei muito do filme, porém eu poderia ter gostado mais. No final, quando as consequências estão sendo mostradas e você percebe que o filme está chegando ao fim, eu estava com uma sensação muito boa e satisfeita com tudo que havia acontecido, porém aproximadamente nos últimos cinco minutos há uma reviravolta que era para ser surpreendente, mas se mostrou frustante. É um final muito comum em filmes, porém ele é uma finalização muito preguiçosa.

A sensação que me passou foi que acharam que para finalizar do jeito que aparentemente seria finalizado poderia ser "sem graça", mas depois de todos os acontecimentos e consequências acho que as pessoas não pensariam assim, pelo menos não eu. Porém, me atrevo a dizer que o plot twist escolhido para o final agrada os espectadores menos ainda já que tem uma reprovação muito grande quando usado em outros filmes e não tenho outra palavra para definir se não preguiçoso, visto que já estamos manjados de finais iguais.

Não estou dizendo que eu esperava um final revolucionário, longe de mim. Entretanto, se não fosse esses poucos minutos Nada a Esconder teria um final simples, mas muito mais agradável, sem uma tentativa frustada de reviravolta que mais decepciona e revolta do que surpreende.

Se não fosse por isso, minha nota teria sido um pouco maior, porém não deixem de ver o filme por conta de cinco minutinhos, ok? Sei que isso pode desanimar muitas pessoas, mas a trama valeu muito apena e eu preferi desconsiderar aquele final, pensando no alternativo, por se tratar apenas de um detalhe e ser apenas alguns minutos, quando o longa nos apresenta um suposto final anteriormente.





Inscrições Abertas - Participe !!




6 comentários:

  1. Engraçado..eu adorei o final! rs
    Acho que depois que tudo que foi acontecendo durante o longa, o final foi o mais justo possível e um final mirabolante nem iria caber no enredo!
    Ri muito, chorei, me emocionei e oh, fiquei pensando em situações bem reais caso isso acontecesse de verdade.
    Um filme super recomendado!!!!(ah, tem uma comédia na NetFlix chamada Toc Toc, assista)
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. A resenha está perfeita, eu gostei muito e como você só não achei um filme nota dez pelo finalzinho...Eu acho que sou burra, pq entendi como se nada tivesse acontecido,que todos concordaram em deixar como estava.
    Realmente o filme é uma montanha russa de emoções, à cada olhar ou comentário se espera uma reação inflamada dos outros, mostra bem a hipocrisia que existe na sociedade e entre os casais, os preconceitos de pessoas que se julgam muito esclarecidas e modernas, mas no fundo são cheias de falsos princípios. Fiquei com dó do amigo gay por ter que fingir ser heterossexual para não perder o emprego, achei conflitante a relação da mãe com a filha adolescente ..ali está um prato cheio para qualquer analista. Eu acho que é um filme para ser visto, discutido, e que como você falou está muito acima de uma simples comédia. Uma pequena pérola no meio de tantos filmes menores. Indico pra quem gosta de filme de gente!

    ResponderExcluir
  3. Ah, pena que não é comédia, amo um bom filme que me faça rir.
    Mas um filme carregado de críticas e reflexões são sempre bem-vindos.
    Por isso fiquei interessada, me parece que é um mix de sentimentos.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá! Definitivamente o filme não é uma comédia não, eu gostei bastante do desenvolver da história, que mostrou um cenário bem real, no momento em que a ideia foi sugerida, já deu para sentir que ia acabar acontecendo muita coisa e que a tendência seria ir ladeira abaixo. Foi um misto de vários sentimentos, em alguns momentos (grande parte) senti raiva de alguns personagens por tamanha “trairagem” (eu hein), mas também tem partes de pura emoção, foi surreal poder acompanhar os segredos sendo revelados, antes dos personagens, uma ótima sacada. Quanto ao final, achei que foi um pouco sem pé na cabeça, depois de tantos acontecimentos bombásticos, terminar daquele jeito não fez juz à história, foi um pouco broxante, mas acabou sendo uma boa saída, afinal foi bem diferente do que eu estava imaginando.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Aline!
    Que coisa, um filme classificado como comédia mas que não provoca vontade de rir?! Acho que focaram tanto na crítica social - essa parte me lembrou as redes sociais, onde as pessoas mostram suas vidas aparentemente perfeita quando na realidade não é... - que esqueceram a comédia...
    E esse final preguiçoso? É uma pena que finalizaram o filme desse modo... - mas confesso que fiquei curiosa para descobrir o plot twist que usaram rsrs.
    Mas realmente, conseguir construir e desenvolver as personalidades dos personagens praticamente em apenas um cenário - um apartamento - é algo surpreendente e um ponto a favor de Nada a esconder.
    Enfim, Nada a esconder é um filme que não faz parte do meu gosto, mas se eu tiver a oportunidade de assisti-lo vou arriscar sim.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Eu já tinha visto comentário sobre esse filme e embora os pontos de vista apresentados seja diferentes, tirando a essência, é claro, uma coisa é fato, a angustia do espectador para saber a m... que vai acontecer. Esse é o tipo de brincadeira, que mesmo sendo feito entre adultos e amigos não termina bem. Como tu comentou, as pessoas sempre escondem alguam coisa ou a mostram uma aparência que não é bem real e quando isso vem a tona, dá sempre muito pano pra manga. Simpatizei muito em saber que o filme é francês, essa mania de só assistir os americanos, se perde muita coisa boa. Mesmo tu já tendo preparado que o filme não arranca gargalhadas, o trailer enganam viu?? rs. Quanto ao final, isso é muito relativo, embora eu goste de finais concretos, por pior que seja, tem uns filmes que não tenho final ou desagradando é justamente seu diferencial. Adorei a dica e certamente vou a cata de assistir.

    ResponderExcluir