Indicações de Contos 2 – Especial Lygia Fagundes Telles


Hoje venho trazer mais uma indicação de 4 contos, mas desta vez queria trazer dicas de contos desta incrível autora brasileira que é a Lygia Fagundes Telles. Lygia acredito ser uma das minhas autoras preferidas em questão de contos. Nunca cheguei a ler nenhum romance dela, porém o pouco que conheço de sua escrita em relação aos contos, já foi o suficiente para me apaixonar por ela.  Lygia nasceu em São Paulo e além de escritora também é advogada. Hoje ainda viva e com 95 anos, já ganhou diversos prêmios em sua carreira e foi a primeira mulher brasileira a ser indicada ao Nobel de literatura. 


E agora convido vocês a se aventurarem por alguns contos desta autora incrível, que consegue transformar sutiliza em algo arrebatador!

Mas chega de delongas e vamos aos contos!



1 – A Caçada: Um conto não muito longo, que começa com um homem em uma loja de antiguidades admirando uma estranha e velha tapeçaria que retrata uma caçada em uma floresta. O homem fica muito intrigado pois desta vez em que está olhando a tapeçaria, ele percebe que suas cores parecem estar mais nítidas e que a cena parece exercer algo sobrenatural sobre ele. A imagem da cena o persegue até mesmo em seus sonhos e desperta nele uma espécie de obsessão. O final é perturbador. 









2 – O Jardim Selvagem: este conto trata e conversa muito com uma situação que estamos muito acostumados: especular sobre alguém sem nem mesmo conhecer a pessoa. No caso deste conto, a irmã acha a recém esposa de seu irmão muito estranha, e o próprio mesmo a compara com um jardim selvagem. A moça usa uma luva em uma das mãos que não tira para nada, e tudo é narrado do ponto de vista de uma menina que seria a sobrinha deles. O conto parece bem banal e simples, mas após uma conversa com uma cozinheira que trabalha na casa dos recém-casados, descobrimos que a mulher da luva é mais estranha do que pensávamos. E quando entendemos o porquê de ela ão tirar a luva, o final faz muito mais sentido.







3- Os objetos: este é um conto bem singelo e que trata de um tema bem delicado: a loucura. Um casal onde o marido apresenta problemas psicológicos e a mulher é responsável por seu cuidado, é de deixar qualquer um tocado com a situação. Todo vai se desenrolando de uma maneira bem cotidiana, da mulher explicando ao marido para que servem alguns objetos, porém quando chega no final do conto, ele se torna angustiante e ao mesmo tempo preocupante.






4 - Venha ver o pôr do sol: um conto que me enganou direitinho. Este conto começa com um casal de ex-namorados indo se encontrar a pedido do ex-namorado para uma ultima conversa. O namorado é um cara bem esquisito e que pede para ver a ex em um cemitério abandonado. Daí a gente já tem uma pequena ideia do que está por vir... Os dois se encontram e ele como argumento para o local do encontro diz que o cemitério é um lugar perfeito para se ver o pôr do sol. Porém será que é só essa mesmo a intenção deste encontro? A história a medida que vai avançando vai te prendendo e quando você pensa que algo sobrenatural esta para acontecer, percebe que os próprios humanos podem ser mais assustadores do que qualquer coisa.




Todos estes contos podem ser encontrados nesta edição: 


Título: Antes do baile verde
Autora: Lygia Fagundes Telles
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 208
Sinopse: Reunião de narrativas escritas entre 1949 e 1969, Antes do baile verde é considerado por muitos críticos o livro de contos literariamente mais bem-sucedido de Lygia Fagundes Telles.
As situações narradas são as mais diversas. Em "A caçada", um homem fica a tal ponto intrigado com uma velha tapeçaria encontrada num antiquário que acaba por mergulhar na cena retratada na peça, como se tivesse participado dela numa outra vida ou numa outra dimensão. Já no macabro "Venha ver o Pôr-do-Sol", um rapaz leva sua ex-namorada a um jazigo de família abandonado. Conflitos amorosos também são tema de "Apenas um Saxofone", "Um Chá bem Forte e Três Xícaras", "O Jardim Selvagem" e "As Pérolas". Mas o enfoque é sempre diverso e surpreendente. Em "O Menino", por exemplo, uma infidelidade conjugal é observada de modo oblíquo, pelos olhos de um garoto que vai ao cinema com a mãe.
Mas o escopo humano e literário de Lygia não se restringe aos dramas de casais. "Natal na Barca" é uma pequena parábola, com final epifânico. "Meia-noite em Ponto em Xangai" é o balanço que uma prima-dona da ópera faz de sua vida solitária e vazia. Em "O moço do Saxofone" um motorista de caminhão hesita em ir para a cama com uma mulher casada numa pensão de beira de estrada. Em "A Janela", um louco visita um bordel dizendo que é a casa onde seu filho morreu.
Com sua prosa segura e elegante, alternando com desenvoltura gêneros e vozes narrativas, a autora expõe aqui no mais alto grau sua capacidade de seduzir e emocionar o leitor.

Inscrições Abertas - Participe !!



Categorias:

5 comentários:

  1. Antes do Baile Verde!!Ah como eu amo este livro da autora! Aliás, tudo que Lygia deixou é magnífico e fica complicado dizer qual obra ou simplesmente, texto dela, que marcou uma vida inteira.
    Lygia sempre escreveu com a alma e talvez tenha sido esse o legado, a alma em cada palavra, em cada trecho.
    Por isso, que venham mais indicações nacionais e como esta!!!Meu coração fica feliz!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Esse post era o que eu precisava, para quebrar uma barreia e abrir meus horizontes, me aventurando no mundo dos contos. Não é nem questão de não gostar, foi falta de oportunidade e quem sabe de uma boa indicação. Lygia é consagrada nos contos assim como Agatha é no suspense, ou seja, todos devem em algum momento ler esses ícones da literatura (melhor ainda que Lygia é da terrinha, mais um ponto a ela). O que achei bacana nos contos apresentados é que eles não são interligados ou que falam de um mesmo tema, cada um com seu universo e assuntos independentes. Se Antes do Baile Verde é o livro mais consagrado dela, será nesse que vou me agarrar. Uma observação a parte, foram as imagens selecionadas para cada conto, isso só corrobora com minha visão de contos independentes e pq não inusitados?!

    ResponderExcluir
  3. Olá! Confesso que não tive (ainda) nenhum contato com a escrita da autora, apesar de ouvir maravilhas em relação aos seus trabalhos. Mas taí uma grande oportunidade de mudar essa situação, eu amo contos e em como essas histórias mais curtinhas conseguem nos prender, o que mais chamou minha atenção foi sem dúvida esse dos ex-namorados no cemitério (eu hein, já fiquei receosa, pois isso não vai acabar bem), gostei também de saber que o livro tem histórias com vários repertórios, acredito que isso deixa a leitura ainda mais prazerosa.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Eduardo!
    Também nunca li nenhum romance da Lygia Fagundes Telles, mas conheço seus contos, assim como acontece com você ela é pra mim a autora favorita em questão de contos.
    Já tinha ouvido falar de Antes do Baile Verde mas ainda não tive a oportunidade de ler, espero corrigir isso futuramente... Fiquei bem interessada em ler O jardim selvagem, curiosa para saber o porque da esposa usar uma luva em apenas uma das mãos.
    Venha ver o pôr do sol parece bem assustador, sinceramente eu não iria a um último encontro com um ex-namorado em um cemitério, não por causa do cenário e sim por se tratar do ex, do jeito que o mundo está hoje em dia... preferia não arriscar; mas fiquei curiosa para conhecer essa história.
    Enfim, amei o post! Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Nunca li Lygia Fagundes Telles, também nunca suspeitei que escrevesse coisas tão interessantes, essa resenha falando nesses 4 contos me fez ver como sou boba em não ler contos, histórias incríveis e cheia de detalhes e mistério em poucas páginas. Vou procurar pra ler,
    Mais um nacional entrando pra lista.

    ResponderExcluir