11 dezembro 2018

Resenha - Fixação


 Livro: Fixação
 Autor: Bruno Atti
 Editora: Quadrilho
 Páginas: 256
 Onde Comprar: Amazon / Submarino

O Dr. Carlos Vieira observa a garota sentada a sua frente. A calça jeans rasgada, o moletom branco e os tênis all-star pretos dão um ar de rebeldia grunge dos anos 90 a Carina Kroos. Mas, ela e seus olhos de gelo, estão ali por um motivo. Carina possui uma história para contar e decide que irá fazer do seu jeito: “Quatro sessões e nada mais” ela declara ao doutor. A princípio, ele aceita, porém quando as sessões começam, o Dr. Carlos sente que Carina possui muito mais do que uma simples história para contar. Ele começa a notar que ela exerce uma espécie de poder sobre ele, algo que ele não consegue controlar e que parece brincar com seus sentidos e gosta de trazer más lembranças. Lembranças de um passado conturbado. Quanto mais a fundo o doutor resolve se envolver mais aquilo tudo vai tomando ares de suspense até que ele se vê em um dilema: Ele deve enfrentar seus temores, assim como, confrontar Carina Kroos em busca de respostas.





Dr. Carlos Vieira é um excelente psiquiatra, dono de uma clínica, ele pode se considerar um homem de sorte dado que sua vida profissional é um sucesso; e como se não bastasse ele tem uma esposa arquiteta e uma filha (que pelo visto trouxe momentos de tensão para sua vida). Mas como tudo que é bom dura pouco, sua vida terá uma mudança drástica e as coisas nunca mais serão as mesmas.

Sua esposa decidiu pedir divórcio e o abandonou completamente, com isso ele decide seguir o caminho que para ele parece ser mais fácil: afogar as mágoas em bebidas alcoólicas e com o passar do tempo ele acaba se tornando dependente, mas não só do álcool, mas como da cocaína também e seus tormentos se tornam sem fim, porque ele desconhece o que é ser feliz e sabe que sua vida nunca mais será a mesma. E após uma overdose que poderia vir a ser fatal, um amigo dele percebe que Carlos chegou ao fundo do poço e sabe que sozinho ele não conseguirá se reerguer e com isso toma uma decisão: ele ajudará seu amigo a se reerguer e voltar a ser o profissional e um bom homem que um dia ele foi.

Com isso, Carlos pouco a pouco vai retomando controle de sua vida, pouco a pouco ele vai saindo do vicio que o aprisionou em dias e noites. Agora ele finalmente voltou a exercer sua profissão, mas ele não sabia que receberia uma paciente no mínimo peculiar e que traria momentos de dúvidas e incertezas, e acontecimentos macabros e sem explicações viriam a acontecer. 


“Vai ser como eu sempre falei, nos meus termos... Eu disse quatro sessões e nada mais...”

Carina Kross, uma jovem extremamente peculiar, com um olhar distante, meio perdido e até mesmo gélido. Ela procura Dr. Carlos para contar algo que ela cometeu, algo esse que seria exposto para ele, afinal ela precisa somente de quatro sessões e um completo desconhecido. Tratamento ou terapia poderia ser uma opção. Mas bem, ela dispensa completamente. Ela precisa de alguém para desabafar, não alguém que a queira tratar por algo que seria mais como uma confissão.


 tratamento ou terapia? Bem, ela dispensa completamente. 

A cada sessão ela expõe uma parte de sua história ao psiquiatra e cada sessão acontecimentos sem explicação começam a fazer parte do dia a dia de Carlos e de sua secretária? Seria tais acontecimentos ligados a Carina? Afinal tudo isso começou desde a primeira sessão certo? Como ela consegue estar nos mesmo locais que ele? Seria coincidência? Seria perseguição? Ele não consegue achar explicação para isso. Mas ele tem uma certeza: Carina esconde muito mais do que ela revela em suas sessões e isso é intrigante. 

Às vezes certas pessoas têm muito mais a esconder do que imaginamos, e no fim nunca nos mostrarão de fato o que aconteceram em suas vidas. E Dr. Carlos perceberá tarde demais que a frase “sem pontas soltas” terá um significado ou um fim trágico e macabro demais.


“- Sem pontas soltas, doutor... Lembra?”




Fixação é um suspense psicológico que nos deixa demasiadamente perturbados, um livro fino e de leitura bem rápida; onde Bruno Atti construiu uma trama intrigante e por vezes perturbadora. Não conseguimos distinguir a verdade por trás dos acontecimentos, não conseguimos achar um culpado de fato para poder gritar: “isso é culpa sua”; porém no fundo temos aquela certeza: a paciente de Dr. Carlos não é flor que se cheire e quem sabe não é ela a responsável? 

Inicialmente eu achei que os fatos foram desenrolados de maneira rápida e direta e ainda não consegui me decidir: isso foi um ponto positivo ou negativo? A única coisa que posso afirmar é que desde a primeira página você percebe que é um livro intrigante. 

Dr. Carlos e Carina são personagens extremamente reais, com suas falhas expostas no decorrer das páginas e a maneira como ele trabalhou ambos foi extremamente gratificante, dado que Carlos atingiu em todo o amplo sentido da palavra o fundo do poço e assim mostrou que teve forças para sair dele, que sim, faz parte tomar decisões erradas (se não, não seríamos humanos), mas que  importante é ter força para mudar, sair da vida miserável em que ele se encontrava. Já Carina eu tive várias teorias sobre quem era ela de verdade. Seria uma provável suicida? Uma depressiva? Uma psicopata? Uma sociopata? Ela foi uma verdadeira incógnita, sinceramente. Sua aparenta frieza para com as sessões me causaram arrepios e eu sabia que boa pessoa ela não era. Afinal uma pessoa que não demonstra reação alguma para descrever situações pesadas e constrangedoras não deve ser boa coisa, certo?

E no decorrer da leitura eu me via em um beco sem saída, me sentia perdida no escuro; afinal sou uma pessoa que não crê totalmente em coincidência. E os fatos macabros que começaram a se desenrolar desde a primeira sessão não podiam ser coincidência, Carina aparecer no mesmo lugar que Carlos, a sensação de estar sendo vigiado... Nada disso é coincidência. Será que Carina estaria brincando com sua sanidade? Como que uma pessoa nega terapia dado que é perceptível o quanto ela precisa? E perguntas, perguntas e mais perguntas.

E conforme me aproximava do final do livro eu já me encontrava suspeitando de todos os personagens (risos) e até pensei que todos ficariam bem, o famoso vida que segue. Qual minha surpresa com a grande reviravolta que a história teve?! Nem todas as palavras do mundo seria capaz de descrever tamanho impacto, tamanho susto e tamanha surpresa; porque sim, fui surpreendida pelo final, eu não esperava por aquilo, não imaginava a proporção do que iria acontecer. Senti que fui enganada o livro inteiro e com isso minha ansiedade foi tomando conta, eu tive que virar a noite para poder assim finalizar o livro e saciar minha curiosidade.

A leitura em si foi uma loucura total, pois o autor foi bem direto e com um ritmo rápido. Um livro que consegue te deixar angustiado, roendo as unhas. Uma protagonista que inicialmente nos faz se sentir tocado e ao mesmo tempo nos deixa receosos, se Bruno Atti queria nos deixar impactados, se seu objetivo era fazer com que nos sentíssemos presos durante a leitura, meus queridos ele conseguiu!

Como muitos já devem ter percebido, sou uma pessoa que não se surpreende fácil (afinal eu nunca errei um desfecho, sempre bolo duas teorias e sempre, sério gente, sempre é uma delas) e aqui fui completamente enganada. E hoje, ao escrever essa resenha sou remetida aquele final que não sai de minha cabeça, aquele final que eu não tenho palavras para descrever e que deixou em estado catatônico ao fechar o livro. Eu não queria acreditar, tanto é que me senti na obrigação de reler os dois últimos capítulos e percebi que o autor tem um humor negro que merece ser exaltado de pé. 

Um livro para aqueles que amam um suspense psicológico e que me vejo na obrigação de gritar: leiam, leiam; afinal não é todo dia que nos deparamos com um livro extremamente original e genial. Vocês precisam conhecer esse livro. Sinceramente, eu virei fã de carteirinha do Bruno e agora quero ler todas as suas obras. Minha única ressalva é que em alguns pontos, alguns fatos poderiam ter sido mais bem desenvolvidos; mas no geral é um livro fascinante e que super recomendo. A proposta era um suspense que tomou proporções maiores e que no fim nada é o que parece. Uma verdadeira surpresa. E a frase “sem pontas soltas” nunca foi tão macabra e horripilante.

A edição do livro é simples, mas bem bonita, a divisão dos capítulos foi algo que me chamou bastante a atenção; bem original também. Uma verdadeira obra prima.



--- // ---






Bruno Atti, nascido em 1983 em Caxias do Sul, onde ainda reside. Formado em Farmácia e apaixonado por música. Desde adolescente sempre foi um leitor assíduo. Recentemente descobriu na arte da escrita uma nova paixão na vida. Autor dos livros O Legado do Führer e Praia da Rocha, agora lança o suspense Fixação.







Inscrições Abertas - Participe !


12 comentários:

  1. Meu Deus que coincidência, tambem sou de Caxias do Sul como o autor e nunca tinha ouvido falar desse livro... Que pecado cometi. Enfim vamos lá, sem querer puxar o peixe para o meu assado, achei a essa historia muito perturbadora, até por abrir um leque imenso de possibilidades quanto a simples 4 sessões de terapia. Será que o mistério está com a Carina, com o Dr. Carlos ou a historia se mistura ao longo da leitura. Ao contrário de ti, sempre erro os finais, a menos que seja muuuito na cara, sou tri bocaberta pra isso.. Certo que já fui atrás para ter meu exemplar, que baita dica guria!!!

    ResponderExcluir
  2. Como fã incondicional da nossa literatura nacional, já quero muito poder conhecer o trabalho do autor!
    O enredo apresenta dois personagens bem distintos e com certeza também e como sou fã também de pessoas reais e problemas reais, ambos já me encantaram.
    Trazer esse passado pesado nas costas e mesmo assim, driblar o presente, é fascinante e com certeza, o livro vai para a lista de desejados.

    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Suspense psicológico não faz meu gênero.
    Mas pela sua resenha fica nítido o quanto é uma leitura tensa e intrigante.
    Achei interessante esse início de ter uma vida perfeita, passar por um momento de vício e superar; só não consegui identificar se é abordado mais profundamente.
    Me chama atenção essas seções, e o que é falado para ter tanto impacto.
    Confesso que não vou ler, mas é bom saber que há grandes livros na nossa literatura.
    A capa é simples, mas diz muito.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá, só quero deixar claro que EU PRECISO LER ESSE LIVRO O QUANTO ANTES. Fiquei muito curioso para descobrir o que que liga Carlos e Carina, e já percebi que o autor deixa algumas pistas ao longo da leitura para que possamos tentar montar o quebra-cabeça. É preciso muito cuidado para compor uma obra do gênero psicológico para não beirar o surreal, e aqui, mesmo em poucas páginas, o autor consegue convencer quem está lendo e entrega um final satisfatório, ainda que corrido. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Olá Byanca!
    Uau! Sua resenha foi bem impactante. Me surpreendi pois não imaginava que o médico teria tido todos esses problemas e que a garota fosse tão sádica. Adorei o fato do final ser tão surpreendente e vindo de você não é qualquer coisa já que acerta todas as teorias. A qualidade da história é notável, o autor está de parabéns. Já adicionei na lista de leituras.
    Beiiijos

    ResponderExcluir
  6. Olá! Mas gente, esse livro me deixou muito intrigada, ao contrário de você, eu sempre (sempre mesmo), erro meus palpites quanto ao desfecho das histórias, mas isso não me impede de continuar tentando (afinal, sou brasileira e não desisto nunca). A sinopse já me deixou aqui pensando em milhares de teorias sobre quem ou o que é Carina Kroos (eita, eita, eita).

    ResponderExcluir
  7. Oi, Byanca!!
    Nossa que resenha mais maravilhosa, adorei conhecer essa história tão cheia de suspense. Gosto bastante de livro com esse tipo de pegada e é a primeira vez que vejo uma resenha desse livro, não conhecia o autor Bruno Atti mais estou bem surpresa em descobrir uma história tão inteligente e marcante como essa. E como sou louca por livros de suspense psicológico que nos deixa com coração na mão já dei uma olhadinha no site da Amazon e vou adquiri o ebook.
    Bjos

    ResponderExcluir
  8. Oi, Byanca!
    Um suspense psicológico e ainda por cima nacional?! Já quero ler pra ontem!...
    Pelo visto Dr. Carlos se meteu em uma furada ao começar as sessões com Carina, hein?!
    A frieza da Carina nas sessões te arrepiou?! Só de ler seus comentários eu fiquei arrepiada rsrs imagine o meu estado durante a leitura kkk
    Ah, agora eu fiquei curiosíssima com esse final que te enganou e que te surpreendeu cheio de reviravoltas!
    Valeu pela dica! Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Eu sou completamente apaixonada por um suspense, principalmente se ele consegue ultrapassar todas as nossas teorias e surpreender de verdade no final, o que me parece que acontece aqui. Acho que a construção das personagens, tanto em termos de veracidade quanto de complexidade, é algo a ser destacado como positivo e fundamental para a história como um todo, e o consequente sucesso que a leitura alcança. Com certeza vou procurar conhecer o autor e a obra.

    ResponderExcluir
  10. Eu estou viciada em suspenses, também fico todo livro imaginando o final, e muitas vezes quebrando a cara.Mas acho muito bom um livro que surpreende o leitor com final surpresa. Essa resenha despertou muito minha curiosidade, se percebe a sua empolgação com a leitura. Apesar de ser um livro simples , poucas páginas parece ter uma evolução admirável para contar essa trama misteriosa.
    Eu fiquei intrigada com os motivos que levaram a jovem Carina até o consultório do Dr Carlos , um médico com um passado tão conturbado e vergonhoso, um homem que passou pelo inferno das drogas, que teve a família desfeita...só consigo pensar que Carina busca vingança, é isso que me parece.Mas só quando ler saberei.
    Gostei da capa, limpa e objetiva.
    Vou procurar sobre esse escritor. Achei muito interessante, obras psicológicas mexem com nosso interior.

    ResponderExcluir
  11. Byanca!
    A meu ver o fato do autor ter sido direto e prático, pode ser porque o livro é curto, então, acredito que não haja porque ter enrolação e para mim, isso é um fator positivo.
    Gosto muito dos thrillers psicológicos e quando mais angustiante, melhor.
    Fiquei bem interessada pela leitura.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  12. Oi Byanca.
    Gosto muito de suspense e adoro quando sou surpreendida. Eu costumo acertar os desfechos, também bolo pelo menos 2 teorias sobre o que poderia ser a explicação.
    É bom saber que o autor te surpreendeu tanto que você não conseguiu descobrir o final e, aparentemente, gostou dele.
    Gosto bastante de um humor negro bem trabalhado, pois infelizmente a vida não é sempre bela e, por mais que queiramos ser otimistas, nem sempre as coisas dão certo rsrs
    Já vai para a lista de desejados.
    Beijos

    ResponderExcluir