22 outubro 2018

Resenha - A Sétima Cela


Livro: A Sétima Cela
Série: Trilogia A Cela
Autora: Kerry Drewery
Cortesia: Astral Cultural
Páginas: 316
Skoob
Onde Comprar: Amazon / Saraiva

Martha Heneydew é a primeira adolescente a ser presa e condenada no novo sistema de justiça da Inglaterra. A polícia a encontrou ao lado do corpo de Jackson Paige, filantropo, milionário e uma das celebridades mais queridas do país. Nesse novo sistema de justiça, o condenado tem sete dias - cada dia em uma cela diferente - para ter seu destino determinado pelos votos dos telespectadores. Se a audiência do programa de TV "Morte é Justiça" decidir pela inocência do preso, ele será solto. Caso contrário, será morto na cadeira elétrica. Porém, algumas peças não se encaixam na história que Martha conta para a justiça. Ela se declara culpada, mas há algo por trás da cena do crime que os telespectadores ainda não sabem. Com a ajuda da consultora psicológica, Eve Stanton, de um juiz do antigo sistema jurídico, Cícero, e do seu grande amor, os sete dias que precedem sua execução serão de muita intensidade, sofrimento, descobertas inesperadas e reviravoltas de perder o fôlego.  Quem é, de verdade, Jackson Paige? Martha Heneydew é realmente culpada? Será que esse sistema jurídico é justo? Nesta distopia eletrizante, todas essas questões nos fazem refletir sobre o poder do dinheiro que, muitas vezes, prevalece sobre a justiça. E Martha, uma adolescente forte e destemida, mostra sua crença em uma sociedade verdadeiramente justa, na força da amizade e do amor. Mesmo que isso possa significar sua própria vida.


Adoro quando esperamos quase nada da leitura e ela acaba surpreendendo positivamente. Foi o que me aconteceu com A Sétima Cela, em que a curiosidade de descobrir o final e um paralelo importantíssimo notado me fez lê-lo rapidamente. Te convido a conhecer!


Na Inglaterra foi implementado um novo tipo de sistema de justiça, onde as pessoas comuns tem nas mãos o poder de julgar um condenado. A partir da contabilização dos votos delas — por telefones, sites e por mensagens de celulares — eles tomam a decisão final de absolver ou matar quem está sendo julgado.

Martha HoneyDew é a primeira adolescente a passar por este novo processo. Acusada de matar Jackson Paige — um grande ídolo local que faz caridades, que saiu da pobreza, possui um filho adotivo, entre outros feitos — ela tem o total de 7 dias de vida, onde passará por 7 celas diferentes. E através dos programas televiso a população terá maiores conhecimentos sobre o caso, votando se ela é culpada ou inocente. Será mesmo que ela é culpada? Será que todas as provas serão analisadas? Será que esse novo tipo de justiça funciona?


Sou fascinada por um universo distópico, por isso não me foi surpresa gostar dos elementos inseridos. Kerry Drewery, a autora, trouxe todas as informações necessárias para entendermos melhor sua alteração proposital neste mundo. Senti que foi algo muito bem planejado, fazendo com que nós leitores entendêssemos todas as etapas que culminaram em alguns países implantarem esse novo tipo de conduta. Foi o principal cerne que me fez conhecer a obra, o que aguçou minha curiosidade e por isso saio satisfeita com o encontrado. Não existe pontas soltas, não existe buracos e/ou pontos que não condizem.

E falando sobre esta questão de a população acabar fazendo "justiça com a próprias mãos", me veio um paralelo com o caminho que a nossa sociedade atual toma. Não somente, mas como isso afeta nossa escolha política. Sem me aprofundar muito no assunto pois acredito que cada um tem direito a sua opinião, quem optar por conhecer a obra no momento talvez sentirá essa interligação com a atualidade do Brasil, o que acho um ótimo paralelo. Faz você pensar em algo que não foge muito de uma possível realidade.

"As pessoas vão ver, vão ouvir o que eu tenho a dizer, e talvez, elas entendam. Talvez elas finalmente entendam, finalmente fiquem chocadas e tudo mais, e eu terei feito a minha parte. Depois, a bola vai estar com você, Isaac. Você vai ter que usar essa onda de choque para mudar as coisas para melhor." pág. 59

Sobre os personagens, achei todos muito bem trabalhados, desenvolvidos e colocados, nos mostrando que a conexão leitor e protagonistas irá acontecer. Martha para mim foi a maior incógnita enquanto não conseguisse entender seus reais motivos por todas as ações feitas. A partir do momento que entendemos suas escolhas, ela ganha nossa paixão e cresce em personalidade durante a narrativa. Só me incomodei um pouco com a excessiva parte romântica que ela traz nos pensamentos, e que poderia facilmente ser descartada.

E claro que com todo um desenvolvimento cheio de mistérios, verdades a serem desvendadas, peças sendo encaixadas, não poderia deixar de ter um final eletrizante. Confesso que algumas questões consegui descobrir no andamento, porém as cenas finais são cheias de surpresas. Existe uma reviravolta que não imaginaremos chegando, e por isso pode esperar maravilhamento. Prepare o coração pois a última parte deixa de queixo caído.


De uma forma geral, é um volume que cumpre seu papel de entretenimento e de pontapé inicial para uma trilogia. A mistura de fundo distópico com suspense foi excelente, caracterizando uma ótima leitura. Gostei, saio elogiando e recomendando a todos que gostam dos gêneros citados. Se equipe para entrar em um grande carrossel de emoções.

Na parte física, a capa condiz totalmente com o conteúdo — até mesmo o título do livro ter espécies de ranhuras — por isso acertada a escolha da Astral Cultura manter a capa original. Na diagramação o exemplar é separado por cada cela que a Martha passará — cela 1, cela 2, cela 3 até chegar na cela 7. A diagramação é espaçada, no entanto o fato da narrativa ser misturada — temos o ponto de vista da Martha em primeira pessoa e alguns acontecimentos e outras narrativas em terceira pessoa — foi inicialmente difícil de me adaptar. Depois acostuma e tudo flui. Não encontrei nenhum erro de revisão ou ortográfico.

"— Às vezes... — sussurra Martha — ...não fazer nada é uma maneira de fazer algo muito grande, na realidade. Você é uma engrenagem em uma máquina, aceitando tudo que acontece porque todas as outras engrenagens estão fazendo a mesma coisas, e ir contra toda essa estrutura é difícil demais." pág. 94

Estou ansiosa para ler o próximo, e desvendar um pouco mais sobre esse universo. Lembrando que ele faz parte de uma trilogia denominada A Cela. Espero que tenham gostado!


Inscrições Abertas - Participe !!


5 comentários:

  1. Puxa, estava lendo a resenha e me perguntando como agiria se tipo eu estivesse aqui do lado de fora, poder decidir se alguém é culpado ou inocente. Deve ser algo muito bom não, apesar de sermos humanos e vivermos julgando uns aos outros, infelizmente. Mas sei lá..rs talvez eu até gostaria!
    Bem, quanto ao livro, como não conhecia, adorei o que li acima, por trazer uma protagonista tão jovem, e com esse peso do ser culpada ou não e de todo este universo, criado em celas!
    Me recordei também de um filme chamado A Cela!
    Se puder, lerei com certeza.

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Não tem coisa melhor quando começamos um livro sem esperar nada e ele nos surpreende.
    Gostei muito da capa, é bem linda e chamativa.
    Não leio muita distopia, mas questão de prioridade em outros gêneros do que gosto; mas confesso que fiquei interessada.
    Essas questão das celas é intrigante, e achei bacana essa comparação com os nossos dias atuais. Acaba nos levando a refletir.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá! Eita que o livro traz muito do que eu amo em uma leitura, distopia é um dos meus gêneros favoritos e esse ainda traz também um suspense, ai é match (risos), gostei bastante da proposta da autora, deu para perceber que a história é bem dinâmica e vai fazer o leitor grudar nas páginas para terminar o mais rápido possível. Tenho certeza que esse modelo de justiça não daria muito certo aqui em terras tupiniquins, fico aqui pensando em qual maluco é deixar nas mãos de tanta gente assim o destino de uma única pessoa (#tenso).

    ResponderExcluir
  4. Encontrei esse livro em uma promoção no Submarino esses dias e ele logo me chamou atenção pela capa e pelo título. Não tinha lido a sinopse ainda, mas depois de ler a tua resenha fiquei super curiosa com a história. Além do paralelo com o nosso momento atual, a trama me parece bastante original e complexa, bem como as personagens, o que torna o livro ainda mais atrativo pra mim. O final eletrizante e as reviravoltas surpreendentes são só mais elementos que me deixam curiosa pra realizar a leitura. Não sabia que fazia parte de uma trilogia, mas com certeza vale a pena começar a acompanhá-la.

    ResponderExcluir
  5. Não gosto de distopia.Fico muito apreensiva com esses temas.
    A resenha remete mesmo ao que pode acontecer no nosso mundo atualmente.
    Gostei mais da parte de suspense, é um incentivo, o que desestimula é ser o primeiro de uma trilogia..quando chegar o outro eu já esqueci do primeiro. .
    Que bom que a autora consegue fazer a história fluir bem, pois em primeira pessoa eu acho complicado entrar no cenário e fazer parte do enredo, ainda mais uma história angustiante.
    O jeito é ler para conhecer!

    ResponderExcluir