10 outubro 2017

Resenha: O Livro Do Juízo Final

Título: O Livro Do Juízo Final
Autor: Connie Willis
Cortesia: Editora Cia das Letras / Suma de Letras
Páginas: 576
Skoob / Goodreads 
Onde comprar: Amazon / Saraiva

Para Kivrin, que se prepara para um estudo de campo em uma das eras mais mortais da história humana, viajar no tempo é tão simples quanto tomar uma vacina desde que seja uma vacina contra as doenças encontradas na Idade Média. Já para seus professores, isso significa cálculos complexos e um monitoramento constante para garantir o reencontro. No entanto, uma crise de proporções inimagináveis pode colocar o futuro de Kivrin, e de todo o Reino Unido, em perigo. Seu professor mais próximo, o sr. Dunworthy, fará de tudo para resgatá-la. Mas até que ponto é possível desafiar a morte.
De 1300 a 2050, Connie Willis faz um trabalho magnífico na construção de personagens complexos, densos e pelos quais é impossível não sentir empatia. O livro do juízo final é ao mesmo tempo uma incrível reconstrução histórica e uma aula sobre o poder da amizade.




''...às vezes a gente faz tudo por uma pessoa, mas isso não basta para salvar a vida dela.''

No ano de 2054 viajar no tempo se tornou algo comum. Utilizado por diversos historiadores de forma a conduzir pesquisas presenciais, comumente se vê a universidade utilizando de seu poder para realizá-las. No entanto, longe de ser tão simples quanto parece, é necessário que todos se atentem ao local e hora marcadas para o ponto de encontro, uma vez que as consequências para quem não os cumpre é acabar perdido no passado. Quanto mais longe se vai, mais perigoso acaba por se tornar a viagem diante de erros e desvios acabam por se acumular durante sua trajetória, principalmente em determinadas épocas como a Idade Média considerada altamente perigosa....

Kivrin, no entanto, não se abala diante do desconhecido e está determinada a viajar para 1320. Convencendo seu orientador e tomando todas as precauções para garantir sua sobrevivência, ela passa a ter aulas de inglês médio e latim, além de aprender a fiar, ordenhar, costurar e bordar; um pequeno desafio em prol de alcançar seu objetivo. Com tudo pronto e sua história já pronta, o Sr. Dunworthy, seu orientador, ainda não se sente seguro sobre isso principalmente quando problemas envolvendo a administração antecipam o salto. Mary, a médica do local e sua colega de trabalho, tenta tranquiliza-lo acerca da segurança de tudo; com os dados computados o fix logo estaria pronto para garantir que tudo iria dar certo para Kivrin. Mas será mesmo que está tudo tão bem assim?

"(...) O sujeito não tem noção de como a rede funciona, não tem noção de que existem paradoxos, não tem noção de que Kivrin está ali e de que o que acontece com ela é real e irrevogável."

Quando o técnico, Badri Chaudhuri, cai doente, as preocupações acabam por aumentar. Com a epidemia de uma misteriosa gripe tomando força muitas perguntas começam a ser feitas. Será que ela veio através de um dos fluxos do tempo? Seria Bradi o vetor da epidemia? E Kivrin teria pegado esse vírus antes de sua viagem? Como ela estaria? No meio de muitas perguntas sem respostas e muita preocupação com a jovem viajante, vamos acompanhando sua jornada em sua nova vida que se mostra não sair como planejado.

"Ela está a setecentos anos de casa, pensou Dunworthy, num século que desdenhava das mulheres a ponto de nem anotar seus nomes quando morriam."

Vivendo sua nova vida no século XIV, assumindo seu papel de donzela assaltada na estrada após ser agredida por ladrões,  Kivrin logo acaba por cair doente ali. Acordando em uma casa senhorial cercada por estranhos cujo idioma não consegue compreender, logo ela se vê perdida sem conseguir saber o porque seu tradutor havia parado de funcionar depois de tanta preparação.  Estaria sua febre alta influenciando em seu funcionamento? Sem alternativa a não ser aproveitar a situação, Kivrin então aciona seu gravador implantado em seu corpo passando a registrar a rotina da casa, as mulheres que ali vivem e estão a cuidar dela, os fatos da vida cotidiana e todos os pequenos detalhes que costumam não atrair atenção e que são desconhecidos aos estudiosos e a ela que está a observar tudo pela primeira vez... Sem se lembrar do lugar do salto - consequentemente para onde deveria retornar para sua volta, e com o responsável por ajudar com que isso acontecesse doente como eles fariam? Se Kivrin mudar o passado por conta de sua doença coisas terríveis podem acontecer; mas como impedir algo agora que o salto já aconteceu?

"O som era amedrontador, mas o silêncio é pior. É como o fim do mundo."


[ - Minhas Impressões - ]

O Livro do Juízo Final é aquela típica obra que tinha tudo pra dar errado com sua riqueza de detalhes, personagens e informações, se não fosse a maestria com que Connie Willis escreve e desenvolve suas obras. Muito bem trabalhado, a autora em nenhum momento nos deixa sentir cercados por detalhes inúteis que em nada contribuem para o enredo; sem ser cansativo e agregado de muita pesquisa, realmente é possibilitado ao leitor se sentir junto aos seus personagens tanto na Idade Media, quanto em um futuro que ainda desconhecemos. Com pessoas reais, totalmente críveis, nos deparamos com uma estória intensa, profunda que agrega história e ficção na medida certa.


Muito bem elaborado, Connie torna difícil que se foque em apenas um personagem. Transitando entre os pontos de vista, até mesmo seus personagens secundários apresentam uma presença forte impossível de ser ignorada e completamente pertinente para a história. Através de detalhes, que a um princípio poderão parecer não ter a menor importância, a autora mostra seu talento na construção do enredo ao dar informações que não são deixadas de lado por mais insignificantes que pareçam. Sem pena de ninguém, Connie não se ressente de fazer o que é preciso quando chegada a hora, portanto um conselho bom é que você não se apegue a ninguém pois na próxima página pode ser que ele já não seja mais necessário e ela não terá do de fazer o que é preciso.

Transitando através dos anos de 1320 e 2054 e as gravações feitas por Kivrin em seu Livro do Juízo Final, vamos acompanhando durante seus capítulos as mudanças e reviravoltas atribuídas a sua trama. Com uma explicação pra cada escolha, nem mesmo os nomes são escolhidos de forma aleatória, como é o caso do nome escolhido para os registros devido ao Domesday Book, um levantamento realizado em 1086 a pedido de Guilherme - o atual líder do país cuja coroa havia acabado de conquistar. Rica em detalhes, essa é uma obra que não se mostra das mais simples de acompanhar ao exigir um nível de atenção grande; no entanto, sem se tornar chata mesmo com a constante inserção de personagens secundários, ela se mostra uma obra completa e desafiadora, que leva a reflexões profundas e aprendizados intensos.


Acompanhando o avanço da epidemia e da paranoia, somos levados a perceber que mesmo sendo um futuro ainda desconhecido para nós que estamos a realizar a leitura, os seres humanos ainda apresentam as mesmas atitudes como de protestar em frente aos locais que chamem atenção. Utilizando-se de críticas sutis e através de um humor ácido característico de sua obras, somos levados a embarcar em uma narrativa gostosa de se acompanhar que torna suas mais de 500 paginas insignificantes com sua fluidez que mal deixa notar seu tamanho. Reflexivo, acompanhamos a trajetória dos personagens através de tempos que remontam a situações de dificuldades para as mulheres se expressarem e de um avanço na ciência que não se mostra algo bom por completo!

Sua edição em capa dura, com paginas em amarelo e uma diagramação que contém poucos erros é algo que atrai desde o primeiro momento ao criar uma obra que enche os olhos e é incrivelmente confortável durante sua leitura. Muito bem revisado, O livro do Juízo final quase não apresenta erros de revisão ou tradução; no entanto, em alguns pontos poderiam ter sido melhor pensadas e adaptadas, pois por não ser tão comum a visão de pssst ao invés de shhhh ao se querer pedir silêncio, é algo que cria uma certa confusão a princípio, mas não é algo que torne a obra inferior ou dificulte o entendimento a ponto de tornar impossível a leitura. Sua capa também é algo que apesar de simples, é extremamente bonita e atrai olhares; eu mesma confesso que peguei principalmente pela capa antes de conhecer sua história. Muito bem desenvolvido pela Editora Suma de Letras, essa obra veio para encantar e quebrar paradigmas em uma edição que dá até orgulho de ter na coleção.


Muito bem elaborada, O Livro do Juízo Final se mostra uma obra de ficção científica completa, capaz de levar o leitor a época em que sua narrativa se passa ao criar uma conexão desde seu primeiro contato. Sendo parte de uma série, seu final apresenta o toque certo ao encerrar o que se encontrou a ocorrer nesse primeiro contato, ao mesmo tempo que deixa um gancho para seus próximos volumes que pode ou não ser abordado em seus próximos livros da série. Tendo sido lançado pela primeira vez no ano de 1992, esse livro faz jus ao que promete e mostra porque de ter vindo a ganhar uma nova edição digna de sua grandeza.

Intenso, repleto de história, com uma fantasia na dose certa a ponto de torná-la crível, é impossível não se ver preso em suas paginas ansiando para descobrir como as problemáticas de seu enredo serão resolvidos. Willis é uma autora como poucos ao conseguir unir duas narrativas com vertentes tão diferentes sem apresentar falhas. Original, essa é uma obra que não apela para grandes batalhas, não possui vilões e nem apresenta eventos de tirar o fôlego, mas se mostra completa e muito mais instigantes do que muitas do tipo. Já tendo recebido os prêmios Hugo, Nebula e Locus em 1992, essa é uma história realmente merecedora de todo louvor e sucesso que vem atraindo a décadas. Definitivamente uma leitura mais do que recomendada!

Um beijo

Se Inscreva e Participe!!!!

13 comentários:

  1. Seria bom se pudéssemos viajar no tempo, pois como é abordado no livro, poderíamos conhecer mais dos costumes de uma determinada época, do modo de agir das pessoas, além de estudar como surgiram algumas doenças e como melhor combatê-las. Eu acho que num futuro próximo as nossas tecnologias irão se aprimorar ainda mais, quem sabe não inventam uma forma de voltar no tempo..rs. Pelo menos, tenho a esperança do que encontrem a cura para as doenças mortais, como a Aids e o Câncer!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Bruna ;)
    Já tinha visto esse livro por aí, mas não tinha me interessado tanto, até porque nem despertou meu interesse para ir procurar saber sobre o que era!
    Desde Outlander estou amando tudo relacionado a viagens no tempo, então assim que comecei a ler a resenha já fiquei interessada kkkk
    Que bom saber que a escrita da autora é boa assim, e que tem o ponto de vista de personagens, adoro saber todos os ângulos da história!
    Com certeza fiquei curiosa para saber mais sobre a jornada da Kivrin e o que aconteceu com essa suposta doença que ela tinha. Obrigada pela indicação *-*
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Bruna!
    Gosto dos detalhes, acho primordial para tudo, principalmente em livros.
    Bom ver que temos os pontos de vistas de diversos personagens e não apenas dos principais.
    E amo essa passagem de tempo da Idade Media para um futuro desconhecido para o leitor, mas que traz toda vitalidade ao enredo com a epidemia e paranóia do povo.
    Gosto de ficção onde tudo tem sua dose certa e ainda consegue envolver o leitor.
    Receio apenas por ser uma série, porém deve ser ótimo de ler.
    Desejo uma ótima semana produtiva!
    “Saber quando se deve esperar é o grande segredo do sucesso.” (Xavier Maistre)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE OUTUBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  4. Livros com viagens através do tempo são perigosos, por terem que ter uma riqueza em enredo, tem a coerência que precisa ser executada durante todo a linha do tempo da história. A capa desse livro é sensacional e sua história parece valer a pena. Livros bens escritos são raros, a jornada de Kirvrin deve ser incrível! Só pela coragem em fazer uma viagem perigosa dessas, já fala muito sobre sua personalidade. Estou intrigada, quero ler!

    ResponderExcluir
  5. Mesmo não sendo fã de ficção científica de jeito nenhum, não tem como passar despercebida a uma capa e resenha destas!
    Que capa incrível!
    Esse lance de epidemias, curas, procurar por respostas sempre foi algo que mexeu e mexe com a imaginação. Não temos como saber o futuro, como saber se nosso fim(tão próximo) também será assim.
    Vai para a lista de desejados, com certeza!
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Que capa é essa? Simplesmente sensacional. Não conhecia esse livro até ler a resenha, e vou te dizer, me despertou uma vontade enorme de ler!
    Realmente livros com muitos detalhes acabam sendo extremamente cansativos, e saber que esse apesar de ser muito bem detalhado a leitura fluir, me deixa muito curiosa para saber um pouco mais sobre a história.
    Acredito que o tema viagem no tempo, seja um assunto difícil de ser abordado, e saber através da resenha que a autora soube bem como utilizar todas as manhas da literatura, se torna muito mais interessante para outros leitores.

    Obrigada pela dica, está na minha lista de desejados com toda certeza. Belíssima resenha ♥

    ResponderExcluir
  7. Este é um livro que quero muito ler, mas é caríssimo! Vou dar um tempo para ver se o preço cai um pouco!
    Sou fascinada por estórias que trazem viagens no tempo, no estilo de "De volta para o futuro".
    É muito bom quando uma estória que tem tudo para dar errado consegue surpreender. Com certeza o autor trabalhou muito bem a questão da verossimilhança para mostrar uma realidade possível para o leitor.
    Não sabia que fazia parte de uma série, mas bom saber que termina de forma que ficaremos aguardando o segundo volume ansiosamente!

    ResponderExcluir
  8. Oi Bruna, tudo bem?
    Eu fiquei extremamente curiosa para este livro. Entretanto acho que a riqueza de detalhes me atrapalharia um pouco, porque eu sou muito desatenta e esqueço as coisas, então acho que eu ficaria perdida. Mesmo assim quero sim tentar ler o livro e conhecer esta estória que promete ser muito boa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Bruna.
    Esse é um livro que eu quero muito ler.
    Eu adorei saber que apesar da imensidão dê detalhes o livro não se tornou uma leitura chata ou massissa.
    Esse negócio de viajar no tempo sempre me chamou bastante atenção adoro que o livro deixou esse gostinho de quero mais e eu fui pega de surpresa quando eu li que se tratava de uma série eu realmente não sabia mas enfim estou ansiosa pelo livro espero muito desfrutar da leitura.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Olá! Tudo bem?
    Adoro livros que abordam vagens no tempo, é sempre bom viajar no tempo e adquiri mais informações na época/ano que você viajou.
    Gostei muito da premissa do livro e acho que leria este livro sim. Gostei muito da capa também.
    Ótima resenha, beijos.

    ResponderExcluir
  11. Esse livro parece ter todos os elementos que eu amo! Tô bem ansiosa para lê-lo. Já vi outras resenhas muito positivas dele e imediatamente ele entrou pra minha lista de desejados. Adoro essa coisa de viagem no tempo, intrigas, ciência... rs. E sua opinião só reforçou tudo de positivo que já li sobre o livro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Olá Bruna.
    Eu não tinha me interessado pra conhecer esse livro pq tinha achado a capa meio estranha, mas depois de ler a sinopse fiquei muito curiosa pra ler. Adoro estórias que tratam sobre viagem no tempo.
    Gostei de saber que a autora soube trabalhar com todos os personagens, mesmo os secundários e que a estória não ficou cansativa com o fato de se passar em anos diferentes.
    Já entrou pra minha lista.

    ResponderExcluir
  13. Oi! Esse livro possui duas coisas que eu adoro: viagens no tempo e epidemias. Adoro ver personagens viajando no tempo e sofrendo as consequências por alterá-lo (e dessa vez a consequência vai ser enorme, já que epidemias causam estrago). Adorei o livro e já quero ler. Sem contar que a autora ganhou pontos comigo por não entupir a história com detalhes inúteis. Beijoss

    ResponderExcluir