05 outubro 2016

Resenha - O Livro de Memórias


Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível. E nada vai ficar em seu caminho — nem mesmo uma rara doença genética que aos poucos vai apagar sua memória e acabar com sua saúde física. Ela só precisa de um novo plano. É assim que Sammie começa a escrever o livro de memórias: anotações para ela mesma poder ler no futuro e jamais esquecer. Ali, a garota registra cada detalhe de seu primeiro encontro perfeito com Stuart, um jovem escritor por quem sempre foi apaixonada, e admite o quanto sente falta de Cooper, seu melhor amigo de infância de quem acabou se afastando. Porém, mesmo com esse registro diário, manter suas lembranças e conquistar seus sonhos pode ser mais difícil do que ela esperava.






Livro: O livro de memórias
392 páginas || Skoob || Cortesia: Cia das Letras || Onde comprar 
                                          










Sammie está no último ano do ensino médio. Ela participa do grupo de debate, é a oradora da turma e não vê a hora de entrar na faculdade de Nova York. Quando recebe o diagnóstico de que possui Niemann-Pick tipo C, uma doença muito rara que afeta a função motora, a memória e o metabolismo, sua vida muda para sempre. Tudo o que ela menos quer é perder a memória, afinal, seu futuro pelo qual tanto deseja depende fortemente disso e é por essa razão que Sam começa a escrever o seu livro de memórias, destinado para a Sam do Futuro. Dessa maneira, quando os sintomas da doença começarem a surgir, ela poderá consultar o seu livro para se lembrar das coisas e pessoas mais importantes da sua vida, para que não deixe de ser quem é. Mas será que existe um futuro para ela?

Sam já deixa claro no início do livro que essa não é uma história carregada de sentimentos. Ela está ciente, sim, de que está com uma doença grave, mas não deixa isso consumir seus pensamentos e tirar seu foco de vencer o grande torneio nacional do debate, de tirar excelentes notas na escola para manter seu posto de oradora da turma e de entrar para a faculdade. É claro que ela fica triste ao pensar que existe a possibilidade de não conseguir ser capaz de realizar seus sonhos, mas Sammie não se lamenta por isso o tempo todo e batalha com bastante determinação para conseguir atingir seus objetivos.

“Preciso que você seja a manifestação da pessoa que eu sei que vou ser. Posso vencer isso, sei que posso, porque quanto mais registro para você, menos vou esquecer. Quanto mais escrevo para você, mais real você se torna.”

Quando Stuart, sua maior paixonite que havia se mudado para Nova York com o objetivo de se tornar um escritor retorna à cidade da escola de Sam, seu coração fica balançado novamente. Ela sempre o observava na escola no ano anterior e tentava chamar sua atenção indiretamente de maneiras tão excêntricas que chegam a ser cômicas, mas eles nunca tiveram contato. Convencida pela Maddie, parceira do grupo de debate, a ir à uma festa pela primeira vez, Sam e Stuart acabam se encontrando e mesmo sendo muito difícil para ela puxar papo com alguém, ela acaba se arriscando. Afinal, se a única certeza da vida é a morte, ter medo de fazer coisas tão simples como se relacionar com alguém acaba perdendo um pouco a importância para ela. E por incrível que pareça, Sam é correspondida e os dois dão muito certo juntos, a química entre eles é inegável.

“Eu nunca fiz sexo, mas alguém já escreveu em você? Algum escritor já escreveu em você? Era quase como se ele tivesse feito aquilo com a ponta do dedo.”

Mesmo estando muito feliz com Stuart, Sam sente saudades de Cooper, seu vizinho e amigo de infância distante. Eles não se falam há um bom tempo por conta de um desentendimento na época que Cooper foi expulso do time principal de beisebol. A verdade é que a amizade deles já estava esfriando bem antes disso, afinal, ele é o cara popular que fuma maconha e vai para as festas, enquanto a Sammie é uma debatedora solitária. Os caminhos deles se cruzam e gradualmente, eles se aproximam e voltam a serem amigos. Sam jamais poderia imaginar que o seu diário não conteria páginas somente sobre si mesma e sua família, mas também sobre essas duas pessoas importantes em sua vida.


Antes de iniciar a leitura, presumi que o livro seria pesado e que exigisse uma alta carga emocional já que a personagem principal é vítima de uma doença cruel. Mas ele passa longe de ser uma história toda dramática e isso se deve a Sam, que é uma pessoa guiada mais pela lógica do que pelos sentimentos. Porém, apesar de não ser o que esperava, essa característica da personagem me fez amar ainda mais o livro. É impossível não gostar da Sam, mesmo se o leitor não tiver nada em comum com ela. Afinal, o livro é escrito em forma de diário e é necessário que o leitor se conecte a ela, à sua personalidade, inteligência e a dificuldade de socialização para que compreenda quem Sam é. E posso afirmar que a autora consegue criar esse vínculo entre o leitor e a personagem principal com muito sucesso. Sammie é uma pessoa incrível, direta, determinada e inteligente que não tem medo da morte, mas sim de não conseguir realizar seu sonho de se tornar uma mulher profissional, bem-sucedida e independente. 

Sam, apesar de todas as qualidades que tem, é uma garota de poucos amigos e com a chegada da doença, ela começa a se soltar mais, ir em festas, se esforçar para puxar assunto e dizer coisas que anteriormente, jamais teria coragem. É um desafio para ela criar vínculos sociais e quando começamos a perceber o quanto ela se esforça para sair da zona de conforto, automaticamente nos sentimos impelidos a torcer por ela. Apesar de parecer algo pequeno, nesse momento que Sam se encontra, de ter que lidar com a doença, a preocupação constante da família e as consultas aos médicos, cada pequena vitória faz a diferença. 

“Às vezes a vida é só terrível. Às vezes a vida te dá uma doença estranha. Às vezes a vida é muito boa, mas nunca de um jeito simples. E, quando eu olhar para trás, vou saber que tentei.”

Dos personagens secundários, meus preferidos são Stuart e Cooper. Stuart é um escritor muito fofo e o relacionamento entre ele e Sam é incrível, e quando ia se desenvolvendo, eu me encontrava suspirando nas cenas em que estavam juntos. Como ele é a primeira pessoa que Sam namora, as conversas, encontros, beijos e os toques têm uma importância muito mais significativa para ela e é incrível observar o quanto ela está apaixonada ao falar sobre ele em seu livro. Já o Cooper, eu imaginava que seria apenas mais um maconheiro que vive colando nas provas, mas não demora muito para ele demonstrar que é muito mais que isso. Mesmo tendo se afastado de Sam por motivos bobos, ele é um cara muito doce que a apoia e está sempre disponível nos momentos em que ela mais precisa de ajuda. Apesar de Stuart e Cooper serem bem diferentes entre si, para mim é um desafio decidir qual gostei mais pois ambos são carismáticos, tem ótimas qualidades e mesmo cientes da doença de Sam, não a abandonam. Gostei bastante da família dela também, os três pequenos irmãos são muito fofos e divertidos e os pais, apesar de sempre preocupados com a saúde de Sam, são incrivelmente adoráveis. Foi impossível para mim não ficar desejando uma família tão unida e divertida como a dela.

A diagramação está absolutamente impecável e a capa é maravilhosa, para mim é uma das melhores das prateleiras. As folhas são amareladas e não encontrei nenhum erro de revisão. A escrita da autora é maravilhosa, fluída do início ao fim. Ela soube construir e desenvolver muito bem seus personagens, de forma que eles se assemelham bastante às pessoas reais e isso é algo incrível pois nem todos os autores têm essa habilidade. Apesar do número de páginas, a diagramação foi feita de forma a deixar a leitura incrivelmente rápida, proporcionando a nós, leitores, uma leitura bastante agradável. Eu amei esse livro, os personagens e o desfecho emocionante. Recomendo fortemente para todos!

18 comentários:

  1. Olá, Amanda.
    Lendo sua resenha também estou achando que o livro é de uma grande carga emocional, mas que bom que ele não força a barra e não é clichê.
    Dá para perceber que os personagens e o enredo são bem construídos.
    A capa é realmente deslumbrante! Eu leria só por causa dela.
    Abraços.

    Papel, palavra, coração

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Confesso ter ficado apaixonada por essa capa e seu texto super positivo me motivou a querer ter meu exemplar logo. Não conhecia esse livro, mas adorei poder conferir suas impressões a respeito e realmente gostaria de poder conferir também. Deve ser uma leitura bem fluida, e não tenho dúvida de que a premissa é inovadora. Ah, fiquei bem curiosa a respeito desses personagens sabe.. Valeu mesmo pela dica! Boas leituras <3
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  3. Eu ainda não conhecia o livro e a primeira coisa que me chamou atenção foi a capa, que linda! Com a sua resenha eu percebi uma história muito atraente e que parece ser bem desenvolvida, com personagens marcantes e uma leitura bem rápida também. Achei muito legal conhecer um pouco desse livro e já fiquei curiosa para ler também.

    ResponderExcluir
  4. Oi Amanda, por mais que existam livros com o enredo baeado em enfermidades, eu ainda sigo gostando bastante desta premissa. Gostei de saber que apesar da doença, o livro não é totalmente dramático. Anotei a dica e espero poder conferir em breve.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Fiquei apaixonada por essa capa e só por ela eu compraria. Me parece ser um livro com uma carga dramática bem presente. Outro ponto positivo que achei foi ter personagens que se assemelham ao real... acho que falta muito disso nos livros. Dica anotada! Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá Amanda,
    É possível estar apaixonado por uma história sem nem ter lido?
    Eu tinha a impressão que a leitura seria pesada, como você teve, e fiquei muito contente em saber que não é. Pelo que notei a descoberta da doença não fez Sam ficar dentro de um casulo e sofrer, parece que fez ela aflorar e se sentir livre.
    Estou muito intrigada para saber o que acontece ao longo dessa trama e, com certeza, vou anotar a dica.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  7. Oi querida,
    Adorei a resenha, o livro é tão tocante e envolvente que escorreu algumas lágrimas.
    A autora soube dosar a melancolia da história e fez uma personagem alegre e que não se abateu pela doença.

    Espero ter a oportunidade de ler o livro, pois fiquei intrigada com a escrita da autora e o desfecho da personagem.

    Beijoss, Enjoy Books

    ResponderExcluir
  8. Olá!! :)

    Eu não conhecia este livro e achei a capa bonita mesmo... Não sei se lerei porque não faz muito o meu género de romance! :) ahah

    Mas ainda bem que gostaste! :) Adoro quando os personagens são bem cosntruidos e reais e quando a escrita e boa e fluida! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Eu estou muito curiosa com esse livro porque não é mais apenas um sic-lit, apesar de a protagonista ter a doença, esse não é o foco da obra. Essa capa é simplesmente apaixonante! Tenho certeza que irei me apegar muito a Sam quando fizer a leitura desse livro.
    Beijos.
    https://arsenaldeideiasblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  10. Oi Amanda!
    Eu estou louca para poder comprar e ler esse livro. Já li algumas resenhas positivas e negativas a respeito dele, mas a sua em particular me deixou mais curiosa ainda para ler.
    E quando eu li a sinopse, não sabia que a doença realmente existia. Fiquei mais interessada ainda depois disso. E gostei demais de saber que a protagonista não é levada pelos sentimentos, que ela não acha que o mundo acabou só porque ela tem essa doença. Eu penso muito igual a ela: já que ela pode perder a memória a qualquer instante, então 'bora' fazer tudo que nunca fizemos!
    Adorei a resenha.
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/2016/10/acqua-toffana-e-de-matar.html

    ResponderExcluir
  11. Oi Amanda,
    Nossa eu nunca tinha ouvido falar nesse tipo de doença, e achei a premissa do livro muito legal. Assim como você, eu também esperaria que ele fosse pesado. Que bom que a autora conseguiu passar a ideia sem que ele ficasse assim. Perder a memória deve ser algo horrível, a ideia de escrever um diário é sensacional. Fiquei curiosa, e vou acabar lendo esse livro, viu? rs. Adorei sua resenha, abraços.

    ResponderExcluir
  12. Oi, tudo bem?
    Eu não lembro de ter visto esse livro por aí, mas fiquei animada logo de cara, porque gosto de histórias que abordem algum tipo de doença. Assim como você achei que a história teria uma grande carga emocional e achei interessante ver que foi escrita de uma firma menos dramática. Também achei interessante as características da protagonista, parece ser uma personagem cativante. Enfim, vou marcar a dica para algum dia.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  13. Oiee Amanda ^^
    Esse livro é incrivelmente lindo, né? Eu não sabia bem o que esperar da história, mas fiquei encantada, e mais encantada ainda com os personagens. Devo dizer que fui #TeamCooper...haha' de início eu também achei que ele era só mais um cara bobo da escola, fazendo besteiras aqui e ali, mas vê-lo ao lado de Sammie durante os acontecimentos e o quanto a autora o aprofundou foi incrível.
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. A diagramação do livro é impecável. Amo quando o autor ou autora consegue nos deixar interligados com a personagem, é como trocassemos experiências de vida com quem faz parte do enredo.

    ResponderExcluir
  15. Oi Amanda, tudo bem? Eu adorei saber que Sam a protagonista não se deixa abater por sua doença e se mantém firme e lutando para consegui realizar seus sonhos. Acho incrível isso nas pessoas que mesmo diante se una situação assim não se deixam abater e só por isso esse livro já entrou na minha lista de leituras..
    BJ

    ResponderExcluir
  16. Olá,
    Desconhecia a obra, mas adorei a premissa. Fiquei bem curiosa para conferir como Sam começa a se soltar mais e também como foi seu primeiro encontro com sua paixonite pelo escritor Stuart.
    Pela sinopse também achei que seria uma leitura mais carregada, mas fico feliz que não seja. É bom saber que Sam não se deixa abater e quero muito saber como será o desfecho da trama.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Oi Amanda, tudo bem?
    Eu não conhecia o livro e confesso que senti muita vontade de lê-lo, achei que ele trás uma história contagiante e emocionante, quero conhecer a personagem e toda sua vida. Tenho certeza que é um livro que irá me emocionar e me fará recomendar para todos! Adorei!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  18. Desde o lançamento estou querendo ler esse livro pela capa, adorei as fotos e quero conhecer a maneira que a autora abordou a doença. Gosto de livros narrados através de cartas, concordo que assim nos conectamos melhor aos personagens. O enredo me interessa, fiquei bastante curiosa para saber os itens que ela escreveu, quero muito ler.

    ResponderExcluir