25 outubro 2016

Livro x Filme: Menina Má



Garota de oito anos é a maldade em pessoa, além de egoísta e mentirosa. Somente a mãe sabe a verdade sobre essa terrível criança. Rhoda, de rosto angelical, é capaz de elaborar planos diabólicos para conseguir tudo que deseja, uma sociopata mirim em potencial. Primeiro filme, onde temos uma criança como vilã, que influenciou uma leva de filmes do gênero: A Profecia, Aldeia dos Amaldiçoados, Anjo Malvado, A Órfã, etc.

Título: The Bad Seed
Lançamento: 1958 (2h09min)
Direção: Mervyn LeRoy
Gênero: Suspense, Drama, Terror
Nota: 







Rhoda é uma linda garotinha de oito anos que encanta a todos a sua volta. A menina trança seus cabelos sozinha, nunca se suja e sempre se esforça para ser a melhor. Os adultos a amam porém as crianças a detestam, e não é por menos, Rhoda esconde um desvio de conduta terrível. Ela mente, manipula, e sempre consegue aquilo que deseja. Christine percebe que sua linda menininha não é como as outras crianças, mas jamais poderia imaginar o que estava por acontecer. Numa certa manhã Rhoda sai para o piquenique anual da escola Fern, e pouco depois Christine escuta no rádio que uma criança tinha morrido afogada. Ela se desespera por sua filha, mas logo descobre que não era Rhoda, e sim um Charles Cloude, menino que havia ganhado a medalha de caligrafia no lugar de Rhoda, e inexplicavelmente essa medalha tinha desaparecido.

Depois desse acontecimento, Christine passa a ver a filha com outros olhos, e pior, começa a perceber que todas as tragédias que aconteceram no passado, Rhoda estava por perto. Mas como ela poderia acreditar que sua linda filha de apenas oito anos pudesse matar outra pessoa? Era insano. Então, ela começa a buscar por informações sobre casos parecidos que lhe oferecessem uma saída. Christine só não estava preparada para receber tais respostas.


Antes de falar sobre o que achei do filme, gostaria de deixar alguns pontos claros. Primeiro que ele foi lançado no ano de 1958, época no qual o rádio e o teatro ainda dominavam, fato de que boa parte das atuações dos atores baseava-se nessa teatralidade, como também toda a montagem de cenas, aqui vemos cenas no qual alguns personagens estão na sala, para logo depois eles saírem e uma porta se abrir dando espaço a outro. Isso é bem comum em peças, e visando a época, é inevitável que as produções cinematográficas se basearam-se na arte do teatro pois ainda eram suas únicas referências. Outro ponto que gostaria de frisar é a falta de uma produção mais elaborada, mais uma vez, em 1958 não tinha-se efeitos especiais e os famosos retoques milagrosos. As produções contavam unicamente com o talento de seus atores e com um roteiro muito bem elaborado.


Li o livro Menina Má, publicado pela DarkSide Books, no primeiro semestre desse ano e após a leitura fiquei louca para ver o filme. A obra é relativamente igual ao livro, salvo algumas mudanças que fizeram aqui e ali, mas ao meu ver, foram feitas pensando nas pessoas que não leram o livro terem um entendimento melhor da trama, como o fato do pai de Rhoda aparecer bem ao começo indo viajar a trabalho, coisa que no livro é citado que ele já está fora. Essas alterações não tiraram a gradeza da obra, mas sim a complementaram.

A atriz que deu vida a jovem Rhoda trouxe um tom diferente do que eu imaginava. Ela deixou de ser uma menina fria para ser mimada fazendo birra quando não conseguia o que quer. Essa foi a principal razão de eu ter tirado um estrela da nota. Mas não se enganem, Rhoda é uma psicopata sim, ela manipula as pessoas para fazerem seus desejos, como também faz o que for necessário para tirar do seu caminho aqueles que desconfiem do que ela é capaz.

Já Christine senti que foi pouco explorada. No livro ela é a principal personagem, aquela que vence seus próprios medos para descobrir a razão da filha ser assim, enquanto no filme ela se demostra uma pessoa um tanto quanto desequilibrada e exagerada, principalmente depois que faz algumas descobertas do passado.

Mas temos alguns personagens que fizeram jus ao livro, como Mônica e Leroy. A senhora demonstra ser bem a frente de seu tempo e muito decidida, enquanto Leroy demonstrou toda sua obsessão pelas atitudes da menina, ele é psicopata, mas diferente de Rhoda, Leroy não tem coragem de fazer tudo o que deseja.

De todas as mudanças que o filme teve em relação ao livro, a que mais se destaca de longe foi o final.

O longa metragem apresenta uma história que vai além do final apresentando pelo livro, e digo com orgulho que adorei. O desenrolar dos fatos levam ao final que todos que leram o livro desejavam, e foi bem gratificante de se ver.


No geral a obra é tão boa quanto sua versão em livro. A história é envolvente, nos deixa apreensivos sobre quando Rhoda irá atacar novamente, mas tem o toque especial de ter um final inédito e muito esperado. Amo filmes clássicos, e para vocês que também gostam, The Bad Seed é um prato cheio de se ver.

19 comentários:

  1. Oi Stéfani
    Eu venho lendo muitos comentários sobre o filme, assim como o livro e fico realmente curiosa para assitir e ler também. É um gênero que me agrada muito, então chama bem a minha atenção. Compreendo bem referente seus comentários sobre a questão da atuação no filme, visto que se passou em uma época com outros aspectos predominantes. Confesso que não sou de assistir filmes clássicos, mas vou procurar esse logo!
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Tenho visto várias comparações entre o livro e o filme.
    Percebo que é importante frisar a época que o filme foi lançado e as características marcantes de tal.
    Fico feliz em saber que ambos são muito bons e que o longa apresenta uma história que vai além do final e que também agrada bastante.
    Estou curiosa para ver como a mãe de Rhoda irá descobrindo cada coisa e como conseguirá passar por tudo isso.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu ainda não li o livro e nem vi o filme mas tenho muita vontade de fazer os dois. O Gênero não está entre meus favoritos, na verdade, eu morro de medo e quase nunca leio. Mas esse livro, assim como alguns outros, está me deixando muito curiosa e eu quero ler e depois eu vou ver o filme porque no livro sempre tem mais detalhes. Achei legal a sua comparação e espero que eu mate logo a minha curiosidade.

    ResponderExcluir
  4. Olá amore,
    Não conhecia o livro nem o filme... achei muito interessante a comparação que você fez... muito esclarecedora.
    Tô mega curiosa pra ler o livro, há algum tempo está em minha lista de desejos... que em breve voltará a ser atendida ^.^
    Beijokas!
    www.facesdeumacapa.com.br

    ResponderExcluir
  5. Esse livro deve ser aterrorizante. Não de dar medo com monstros e tal, e sim a personalidade de uma garotinha assim tão psicopata. A premissa é muito inovadora para a época, e embora não goste muito de assistir filmes antigos acho que vou dar uma chance para esse depois de ler o livro.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Olá. Amo colunas livros x filme, mesmo quando é de filme de terror e eu sendo medrosa kkkk. Em geral gostei de você destacar a época em que o fim surgiu até porque quando eu assisto algo eu fico pensando nos efeitos que poderiam ou não estar sendo utilizado, coisa que não era possível na época. Gostei de suas considerações embora não vá ler e nem assistir. Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Ste
    Adoro ver comparações entre livros e filmes.
    Ainda não tive oportunidade de ler o livro, nem assistir o filme. Mas quero muito conferir a história nessa edição da Darkside.
    Que pena que o filme meio que muda o final né? Mas isso é coisa de cinema mesmo.
    Adorei sua análise.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  8. Olá Stefani!
    Adorei conhecer a sua opinião sobre o filme. Achei uma pena que a Rhoda tenha ficado uma menina mimada, pois ela não é assim, mas ainda tenho curiosidade de ver o filme, pois o livro me perturbou demais. Vou tentar assistir logo e depois te falo o que achei!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. O livro A menina má, foi aquele impacto que demorou um certo tempo para que eu compreendesse a sua capa, mas depois que comecei a ler mais sobre o livro, foi que entendi realmente a ligação da capa com a história, se tratando de um comparativo com o filme, não posso falar a respeito pelo fato de não ter assistido, mas acredito que seja fiel ao livro!


    Blog dos Jovens Leitores

    ResponderExcluir
  10. Oi Stefani, estou com o livro em mãos para ler porém ainda não tive tempo. Assim que ler pretendo assistir o filme é acho interessante você ter mencionado a época que o filme foi feito e como foi.. achei muito bacana esse post comparando filme e livro.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Eu ainda não li nem o livro e muito menos assisti ao filme, porque não gosto de produções antigas justamente por esses detalhes que você citou acima. Mas foi muito legal saber que a história fica praticamente igual na adaptação e a mudança que foi feita no final ficou muito legal e foi bem recebida.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E difícil para qualquer um acreditar que uma criança de 8 anos seja capaz de tanta maldade, imagine para uma mãe. O filme eu não vi, e estou louca pelo livro. Suas colocações sobre o filme, ou melhor sobre a época em que foi produzido foram bem colocadas, além de importantes.
      Bjs

      Excluir
  12. Oie!
    EU não conhecia essa trama, e achei interessante quando li a sinopse da história.
    Quanto ao filme clássico, eu assisti poucos, então não sei o que esperar dele.
    Gostei da postagem mostrando a diferença do filme com o livro, e que foi umaboa leitura.
    Uma ótima indicação.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  13. Olá =)
    O filme baseado em um livro pode ser igualmente bom, melhor ou pior. Porém costuma sempre vim mas resumido. Eu já li tanta resenha deste livro, mas em nenhuma hora lembro de ter lindo sobre o filme, não sabia que tinha. Adorei você ter trago essa analise. Tava interessada no livro, agora o filme também de despertou interesse. Beijos'

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bem?
    Eu já vi esse filme por aí e o livro também, sendo que confesso ter uma curiosidade enorme com o livro. O filme eu devo admitir que não sei se veria, não tenho o hábito de ver filmes, menos ainda antigos assim, sabe? É uma história que deve srr perturbadora, mas fiquei muito curiosa mesmo. É uma pena a atriz de Rhoda não ter sido fria, como deveria e a mãe da personagem não ter sido muito bem explorada. E um ponto que acho bacana nesse filme é o final. Enfim, espero um dia ler o livro e então tentarei ver o filme.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  15. Oi, Stefani

    Não li o livro ainda, apesar de querer muito, e também não assisti ao filme. Acho que eu iria estranhar essa dinâmica da produção, não costumo me dar muito bem com filmes antigos, mas acho que tudo é questão de costume. Acho que já disse aqui que gosto de histórias sobre crianças capirotas, pois isso torna tudo muito mais assustador.
    Que bom que o final do filme te agradou sendo diferente.
    Vou ver se assisto após fazer a leitura do livro! ;)

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Olá Stefani,
    Li uma resenha desse livro e fiquei super curiosa, mas nem imaginava que havia o filme. Foram excelentes as suas observações, queria que não tivessem colocado ela mimada no filme e que dessem mais importância a mãe. No entanto, é bom saber que teve um final diferente, porém satisfatório para quem havia lido o livro.

    Beijos,
    Anne
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
  17. Oi Stefani,
    Já vi o filme mais ainda não tive a oportunidade ainda de ler o livro, pelo que percebi os dois tem um final diferente, acredito que isso aconteceu para que o leitor se surpreendesse com o que acontecia no enredo. Adoro a maldade estampada na cara da menina do filme, ela consegue dar bastante sustos.

    ResponderExcluir
  18. Acredito que comparar os filmes com os livros é uma coisa bastante complicada, nunca são iguais. Não li o livro menina má e nem mesmo vi o filme, mas algumas mudanças realmente se fazem necessárias para complementar a obra, como o caso do pai dela estar saindo para viajar. Quanto a atuação da atriz, acho que pode se fazer condizente, uma vez que garotas de oito anos nunca são frias demais, mesmo que sejam. Sei lá. Mas gostei de ver a sua opinião.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir