14 julho 2016

Resenha - A Guardiã de Histórias




Imagine um lugar onde, como livros, os mortos repousam em prateleiras. Cada corpo tem uma história para contar, uma vida disposta em imagens que apenas os Bibliotecários podem ler. Aqui, os mortos são chamados de Histórias, e o vasto domínio em que eles descansam é o Arquivo. Mackenzie Bishop é uma implacável Guardiã, cuja tarefa é impedir Histórias geralmente violentas de acordar e fugir do Arquivo. Naqueles domínios, os mortos jamais devem ser perturbados, mas alguém parece estar, deliberadamente, alterando Histórias e apagando seus trechos essenciais. A menos que Mac consiga juntar as peças restantes, o próprio Arquivo sofrerá as consequências.






Livro: A Guardiã de Histórias
322 páginas || Skoob || Editora: Bertrand Brasil || Onde Comprar








"Neste verão tenho nove anos, você está vivo e ainda há tempo. Neste verão, quando eu te disser que não consigo ver nada, você só vai dar de ombros, acender outro cigarro e voltar a contar histórias.
Histórias sobre corredores tortuosos e portas invisíveis, sobre lugares onde os mortos ficam guardados como livros em prateleiras. Cada vez que você termina uma história, me manda contá-la de novo, como se tivesse medo de eu esquecer.

Mas nunca esqueço."

Mackenzie Bishop é uma adolescente de dezesseis anos um pouco antissocial e calada, devido aos acontecimentos recentes da sua vida. Há um ano a garota perdeu o irmão mais novo, Ben, em um acidente e há algum tempo também se tornou uma guardiã de histórias, o que a faz manter uma vida paralela secreta. Mackenzie recebeu o papel de guardiã de histórias dado pelo seu avô, a quem amava muito, e antes de morrer ele ensinou todos os ofícios e segredos dos guardiões para a garota.

O avô contou para Mac que as histórias são as pessoas quando morrem e que essas histórias vão sempre para um arquivo, onde ficam adormecidas. Mas as vezes algumas dessas histórias acordam e querem sair. Quando elas saem do arquivo ficam nos estreitos, que são os corredores de ligação com o mundo exterior, e então os guardiões recebem um chamado para irem para os estreitos, caçarem a história e colocarem-nas nos retornos, que as levam para o arquivo e então elas adormecem novamente.

"Passamos pelas portas giratórias e papai apoia a mão no meu ombro, enchendo minha cabeça com uma confusão de estática e zumbidos graves. Eu me contraio e faço força para não me afastar. Os mortos são silenciosos, e os objetos, quando guardam impressões, nada dizem até que os toquemos. Mas o toque dos vivos é ruidoso. Pessoas vivas não foram compiladas, organizadas - o que significa que são um amontoado de lembranças, pensamentos e emoções, tudo misturado e mantido a distância apenas pelo anel de prata no meu dedo. O anel ajuda, mas não é capaz de bloquear o ruído, apenas as imagens."

Quando Mac e a família se mudam para um prédio bastante antigo, a garota começa receber cada vez mais chamados para resgatar histórias que foram para os estreitos, e ao mesmo tempo ela consegue descobrir que o lugar abriga um grande segredo envolvendo muito sangue e mistério. Enquanto tenta fingir ter uma vida normal, Mac também tem de lidar com todo o desgaste de ficar o tempo todo resgatando as histórias de volta para o arquivo e se vê envolvida cada vez mais nos segredos que o prédio abriga. Além disso Mac conhece Wesley, um garoto que parece se interessar por ela e está disposto a entrar em aventuras ao seu lado e por vezes parece ser o único a entendê-la.

"Estamos indo para o norte, então estarei em casa no meu aniversário, mesmo preferindo ficar com você a soprar velas. Ben está dormindo no banco de trás, e, durante todo o caminho para casa, você me conta histórias sobre esses três lugares.
O Exterior, com o qual você não gasta muito fôlego porque é tudo que está ao nosso redor, o mundo normal, o único que a maioria das pessoas vai conhecer a vida toda.

Os Estreitos, um lugar de pesadelo, uma porção de corredores manchados, com sussurros distantes, portas e uma escuridão densa como camadas de poeira engordurada.

E o Arquivo, uma biblioteca dos mortos, vasta e acolhedora, madeira, pedra e vidro colorido e, por todo o lugar, uma sensação de paz."

Em meio a tudo isso Mack  descobre por um acaso que estão acontecendo alterações nos arquivos e que isso está fazendo com que todas as histórias comecem a despertar de forma desenfreada e assim descobre também que algum dos bibliotecários é o responsável por tudo o que está acontecendo, e enquanto não desvenda os mistérios, Mack está correndo sérios riscos de ser ferida e de perder seu posto de guardiã.

Victoria Schwab  cria nesse livro uma história inovadora, com um mundo fantástico que se mescla o tempo todo com o mundo real e nos faz querer saber mais detalhes a respeito da trama e nos faz ansiar pelas próximas páginas e para saber o que acontece no fim.

"- Não, Kenzie. Isso é história com h minúsculo. Estou falando de História com H maiúsculo. Uma História é... - Você pega um cigarro e o gira entre os dedos. - Você pode pensar nela como um fantasma, mas não se trata realmente disso. Histórias são registros.

- De quê?


- De nós. De todo mundo. Imagine um arquivo da sua vida inteira, de cada momento, cada experiência. Tudo. Agora, em vez de uma pasta ou de um livro, imagine que esses dados são guardados num corpo.


- Eles se parecem com o quê?


- Do jeito que eram quando morreram. Bem, antes de morrer. Nada de ferimentos fatais ou corpos inchados. O Arquivo não consideraria isso de bom gosto. E o corpo é só um invólucro para a vida lá dentro.


- Como a capa de um livro?


- Sim. - Você coloca o cigarro na boca, mas sabe que é melhor não acendê-lo dentro de casa. - Uma capa fala alguma coisa sobre o livro. Um corpo diz algo sobre a História."



[ - Minhas Impressões -]

Eu não costumo ler fantasias, até hoje li pouquíssimas, mas quando descobri sobre esse lançamento imediatamente fui cativada e sabia que precisava ler e tinha a impressão de que gostaria, e foi o que aconteceu, apesar de existirem os pontos que me perturbaram e não me permitiram dar cinco estrelas para o livro. O principal deles foi o fato de Mackenzie ter dezesseis anos, morar com os pais e mesmo assim conseguir esconder tudo o que acontecia deles. As vezes ela se machucava enquanto caçava as histórias, as vezes ficava horas sumidas e todas as desculpas que ela dava para os pais eram aceitas, sem questionamentos, tudo com a justificativa de que eles estavam alheios a tudo por causa da morte do outro filho, mas mesmo assim isso não me convenceu e considerei um furo na história. Também há o fato de que Mac tinha um anel que a permitia ler superfícies, até aí tudo bem, mas quando ela encostava nas pessoas podia ouvir os sons vindo delas, e eu queria uma explicação um tanto mais aprofundada a esse respeito.

Por outro lado achei os cenários muito bem construídos e todos os personagens muito importantes para a trama. Também achei o máximo a autora ter toda essa criatividade de criar uma fantasia de para onde supostamente vamos depois que morremos, e essa associação do arquivo das histórias com uma biblioteca ficou maravilhosa e é ótimo para nós, fãs de livros, porque nos permite ficar imaginando como seria se ao invés de lermos ficção, pudéssemos ler a história de pessoas reais que já se foram. Outro destaque importante é que o  livro possui o presente e também flashbacks de quando Mac era mais nova e seu avô estava passando os ensinamentos dos guardiões para ela. E é nesses flashbacks que podemos ver o amor de avô e neta e os ensinamentos que o senhor passava para a menina, foi o que mais me cativou.

Temos também um romance que na minha opinião não foi desenvolvido como poderia ter sido. Há um personagem que aparece na história e conquista Mac e o relacionamento acaba sendo muito breve e frenético, e ficamos nos perguntando como aquilo aconteceu e porque, e o personagem que está com Mac o tempo todo deveria ser realmente o protagonista de um lindo romance ficou um pouco de lado, mas como esse livro terá uma continuação acredito que o romance será melhor explorado no segundo livro. Sobre essa continuação também  estou cheia de expectativas, pois achei que a história ficou bem fechada nesse primeiro e estou curiosa sobre o que a autora abordará no enredo para prender o leitor.

Ainda cabe um breve destaque para o ritmo do livro. Inicialmente é tudo um pouco lento porque a autora vai nos inserindo àquele mundo novo e dando explicação do que significa cada expressão e cada lugar, mas depois de alguns capítulos o livro começa a ter um certo suspense e nos empolgamos na leitura.

Mac é uma adolescente razoavelmente madura para sua idade, embora ainda tenha certas atitudes típicas da adolescência e impensadas. Já Wesley foi um personagem que quando apareceu imediatamente imaginei que seria o típico garoto problemas, mas na verdade acabou se mostrando muito cativante e acabei o livro torcendo por ele e para saber mais a seu respeito no próximo livro. Outro personagem que me cativou foi Roland, um dos bibliotecários do arquivo que sempre apoiou Mac e lhe ajudava, e também o falecido avô de Mac que era um homem sábio.

O livro é dividido em 34 capítulos e a narração é feita em primeira pessoa, por Mackenzie, o que nos permite conhecer cada um de seus pensamentos e acompanhar seus passos, mas fiquei curiosa em alguns momentos para saber o que pensavam os outros personagens. A revisão da Bertrand está perfeita.

Recomendo para todos os leitores que gostam de uma fantasia inovadora e intrigante, mas que se mistura com o mundo real e não é complexa de entender. A obra é para todos que gostam de um livro infanto-juvenil leve e gostoso de ler e que prende até a última página.

22 comentários:

  1. Olá, Tamara!

    Eu também gostei bastante dessa estória, apesar de concordar com você que o começo é um pouco parado, mas serve para localizar o leitor na narrativa.
    Sobre a continuação, eu não pretendo ler, para mim, a estória já fechou e, apesar de também ter achado o romance pouco desenvolvido nesse primeiro volume, não tenho vontade nem curiosidade de ler os outros livros. Foi uma leitura muito boa para passar o tempo e só.

    Ótima resenha.

    Beijinhos, Hel - Leituras & Gatices

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante esse enredo!
    Gosto muito de literatura fantástica e torci o nariz quando você falou sobre o anel. Os autores dessa espécie literária precisam tomar muito cuidado com os itens mágicos que colocam nas estórias porque uma coisa que faz tudo por que é mágico e pronto, não tem graça nenhuma, não é? O perigo énomque deveria ser o ponto alto virar a piada do livro. Tem que ter mistério, sim, mas com descrições plausíveis.
    Ainda assim, fiquei muito curiosa com relação aos Arquivos!
    Parabéns pela resenha.
    Beijos Cy
    www.meuvicioliterario.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?
    Eu também não sou muito de ler fantasia e não sei se daria uma chance para essa. Tenho que concordar com você, ás vezes é chato encontrar nas histórias personagens que aceitam tudo ou até mesmo pais ou responsáveis que permitem o filho fazer as coisas sem explicações, eu não sei explicar, mas é algo que acaba deixando a história sem nexo.

    https://desencaixados.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá Tamara
    Eu li esse livro e adorei, mas sou suspeita para falar porque amo fantasia. E adorei a ambientação, pois é mesmo muito bem construída. Agora sobre o romance, eu preciso concordar com você e esperava mais, quem sabe na continuação algo possa acontecer. Achei o começo do livro lento sim, mas é porque somos apresentados a coisas diferentes, e no meu caso, quando compreendi mais, achei impossível não se envolver. Adorei sua resenha, especialmente por conseguir repassar sensações que eu também tive com a leitura.

    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Tamara, o livro tem sido bastante comentado e alguns fãs estão com medo de a série não ter continuidade aqui no Brasil, por isso ainda não me empolguei em ler. Mas gostei de saber que o livro te envolveu, mesmo com esse inicio lento e tal.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá Tamara,
    Eu gosto muito de ler fantasias, sempre que posso estou lendo e tenho curiosidade de ler essa, mesmo com esse ponto fraco que você apresentou. Não consigo aceitar que seus pais acreditem em tudo o que ela diz, mas alguns pais são assim.
    Um ponto que me agradou é que Mac é uma personagem razoavelmente madura para a sua idade e que Wesley não se mostrou o garoto problema, como você imaginava.
    Anotei a dica, mas já sei da ressalva.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  7. Oiii Tamara...
    Bom primeiramente gostaria de tirar uma das suas duvidas ou uma das coisas que você gostaria que fosse mais explicada no livro.... bom o anel não ajuda ela a ler superfícies, ela tem esse dom e na verdade o anel ajuda ela a não ler, se você se ater aos detalhes vai ver que o avo de Mac passou o anel para ela quando os dons começaram a se manifestar e que ela sempre tira o anel quando quer ler alguma superficial ou entrar nos estreitos, por que o anel e um tipo de inibidor para o dom que ela tem.... bom fora isso eu amei sua resenha flor, li esse livro e gostei muito dele...
    Beijocas...
    https://westfalllivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oie! Eu amo fantasia, acho que esse gênero permite que a gente sonhe com o impossível. Eu não tinha conhecimento desse livro, mas achei bastante interessante a sua premissa.Gostei bastante dos pontos que você destacou, e gostei também de saber que a história tem um cenário bem construído, fico feliz por isso. Tenho certeza que este livro me cativaria. Dica super anotada!

    Beijos,
    Dai | Blog Virando a Página

    ResponderExcluir
  9. Esse ano confesso que estou lendo bastante o gênero de fantasia, e esse em especial esta fantástico a estória proposta pela autora é fabulosa, nunca tinha lido nada com essa características e adoro descobrir novas estórias.

    ResponderExcluir
  10. Ai, adorei a premissa da história. realmente também acharia estranho ela se machucar e os pais aceitarem as desculpas dela mas no resto eu adorei, imagina sair para caçar as histórias que são pessoas mortas? Nossa, já estou colocando na minha lista de desejados. Nem sempre leio fantasias mas esta parece diferente.

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.blogandolivros.com

    ResponderExcluir
  11. Oie Tamara!!!
    A sua não é a primeira resenha que leio sobre este livto, mas é de longe a que mais detalhou sua opinião e com isso me deixou ainda mais intrigada e interessada com esta história.
    Assim como você eu fiquei mega curiosa com o fato das almas serem organizadas em um lugar como uma biblioteca. Esta parte da narrativa deve ser bem interessante e espero gostar muito do livro!
    Val3u pela dica!
    Bjinhos;)
    Elaine M. Escovedo
    Http://www.caminhandoentelivros.com.br

    ResponderExcluir
  12. Amo livros de fantasia e não tinha lido sobre ele ainda, e adorei saber que mesmo não lendo muitos livros do gênero, você gostou e até indica.
    Algumas inconsistências, como os pais não perceberem, é até "normal" nesses livros fantásticos.
    Mas mesmo assim, os personagens são bem construídos, isso e a proposta me deixaram curiosa pra ler!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  13. Oie Tamara!
    Antes de tudo, parabéns pela resenha; Ela ficou maravilhosa.
    Sobre o livro, eu já havia visto algumas fotos dele pelos instagrams de alguns blogs amigos, mas confesso que não sabia exatamente sobre o que se tratava a história. Estou muito curiosa, amo fantasia. Apesar de ter dado uma pausa nelas por um período. Ultimamente estou voltando a me aventurar mais por esse gênero. E estava justamente precisando de boas indicações;
    bjs

    ResponderExcluir
  14. Olá! Eu já havia lido algumas resenhas dessa obra, mas, apesar de ser apaixonada por fantasia, não consegui me interessar pelo enredo apresentado no livro, por mais criativo que ele seja. De um jeito ou de outro, tenho que admitir que é uma história muito inovadora, pois nunca vi algo semelhante a isso. Como a trama não me atraiu, não sei como eu reagiria diante desses fatos negativos, mas acho que vale a pena me arriscar na leitura, para ver se ela me agrada, e tentar mudar de opinião. Fico feliz em saber que tanto os personagens quanto os cenários são bem desenvolvidos. *-*

    Beijos,
    Fernanda Goulart.

    ResponderExcluir
  15. Oiii,
    Achei bem interessante a sua resenha, não conhecia a obra e deve ser bem legal mesmo. Achei que combina mais com um público mais jovem, que provavelmente vai se identificar com os pensamentos mais de adolescente da personagem.
    Depois de ler o próximo, conta o que achou!
    beijos

    ResponderExcluir
  16. Oi Tamara, tudo bem?

    Amei sua resenha, é a primeira que leio desse livro. Eu o tenho aqui em casa, mas ainda não consegui encaixá-lo nas minhas leituras do mês, mas em breve farei isso.
    Eu achei esse universo muito original, fiquei me perguntando de onde a autora tirou inspiração para criar tal coisa.
    Acho estranho mesmo essa questão que você levantou de os pais dela aceitarem tudo o que ela diz sem pedir maiores explicações. E que triste essa questão do irmão, fiquei angustiada.

    Estou muito curiosa para saber como era a relação dela com o avô e como ele passou esses ensinamentos para ela.

    Obrigada pela resenha.
    Abraço, Ingrid Cristina
    Plataforma 9 3/4

    ResponderExcluir
  17. Amo fantasias, então acho que irei me encantar mais ainda com a obra, por já estar familiarizada com o enredo, achei bem interessante a premissa do livro e fiquei curiosa para saber mais sobre esses mortos, acho que também me incomodaria com a falta de profundidade e com o fato dos pais serem enganados facilmente, parece que a autora não quis criar mais conflitos para a história e preferiu deixar assim. Por gostar de romance acho que me decepcionaria com a falta de desenvolvimento dele na trama, mesmo assim vou ler e tirar minhas próprias conclusões

    ResponderExcluir
  18. Oi, tudo bem?
    Eu nao costumo ler livros desse gênero, então não dei muita atenção para esse livro, mas venho lendo muitos comentários sobre que estão me deixando animada. Primeiro de tudo que a premissa é bem curiosa e criativa, né? Toda essa coisa de histórias serem fantasma e estarem fugindo. Enfim, parece ser um bom livro e apesar de ter alguns pontos negativos, acredito que seria uma história que me conquistaria, então marquei a dica.


    Beijos :*

    ResponderExcluir
  19. Oie!!!
    Já tinha lido uma resenha deste livro, mas você ressaltou alguns pontos que me interessaram mais ainda por esra leitura!
    Achei bem interessante isso de nossas vidas e experiências ficarem ali dispostas para as gerações futuras. Dá uma ideia bem bonita da morte ser uma continuidade útil para a comunidade e não somente o final de sua jornada!
    Valeu pela dica!
    Bjinhos ;)
    Elaine M. Escovedo
    Http://www.caminhandoentelivros.com.br

    ResponderExcluir
  20. Oi Tamara, tudo bem?
    Eu li o livro recentemente e gostei muito dele, eu adorei a proposta diferente que ele trás e o enredo cativante. Sabe que eu também fiquei presa até as últimas páginas e me surpreendi com o desfecho. Fiquei muito feliz em ver que você também gostou do livro, realmente é um infanto-juvenil dos bons e perfeito para todos. Ótima resenha!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  21. Oi Thamara,
    Olha amo fantasias e amo infantujuvenis, mas a premissa desse livro simplesmente não consegue me atrair e mesmo após ler a sua resenha favoravel e muito bem escrita ainda não me sinto impelida a fazer essa leitura. Quem sabe um dia eu mude de ideia e tente arriscar, mas por enquanto, não leria. Beijos

    ResponderExcluir
  22. Oi Tamara,
    confesso que apesar de querer ler esse livro a algum tempo, sempre tive receio, porque fantasia também não faz muito meu gênero, mas sua resenha acendeu uma nova luz no fim do meu túnel, afinal entendo sua explicação para o começo lento, faz sentido e acho que posso lidar com isso. Vou tentar lê-lo em algum momento, não agora, mas em um futuro próximo com toda a certeza.

    Abçs
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir