05 julho 2016

Resenha - A Febre



Na Escola Secundária de Dryden, Deenie, Lise e Gabby formam um trio inseparável. Filha do professor de química e irmã de um popular jogador de hóquei da escola, Deenie irradia a vulnerabilidade de uma típica adolescente de 16 anos. Quando Lise sofre uma inexplicável e violenta convulsão no meio de uma aula, ninguém sabe como reagir.Os boatos começam a se espalhar na mesma velocidade que outras meninas passam a ter desmaios, convulsões e tiques nervosos, deixando os médicos intrigados e os pais apavorados. Os ataques seriam efeito colateral de uma vacina contra HPV?Envoltos em teorias e especulações, o pânico rapidamente se alastra pela escola e pela cidade, ameaçando a frágil sensação de segurança daquelas pessoas, que não conseguem compreender a causa da doença terrível e misteriosa.
Livro: A febre
272 páginas || Skoob || Editora: Intrínseca || Onde comprar







A história é narrada em terceira pessoa pela perspectiva de três personagens, membros da mesma família: Tom, o pai e professor da escola; Eli, o filho desinteressado que faz sucesso com as garotas e Deenie, a filha que faz parte de um trio inseparável de amigas chamadas Lise e Gabby. Tudo começa na sala de aula quando, do nada, Lise é vítima de um ataque estranho e cai da cadeira. A menina é imediatamente levada ao hospital e como a história se passa numa cidade pequena onde qualquer acontecimento surpreende as pessoas, não demora muito para todos ficarem sabendo e criarem teorias sobre o ocorrido.

Como Lise é conhecida por estar sempre envolvida com garotos, começam a existir boatos como gravidez e doenças sexualmente transmissíveis, mesmo não havendo evidências disso. O problema é que o surto não para por aí e logo começam a acontecer com outras meninas da escola que passam a apresentar sintomas semelhantes, como uma doença contagiosa na qual somente meninas são afetadas. E o mais estranho de tudo é que o médico do hospital e o departamento de saúde não conseguem diagnosticar a doença e não fazem a menor ideia do que seja, o que acaba por aterrorizar os pais e alunos da escola.

“Nada nunca acontecia naquela cidade, até o dia em que aconteceu.”

Estava com as expectativas altas ao realizar a leitura pois sou fã de suspense e mistério, esse é o gênero que mais amo numa boa história e no decorrer das páginas é perceptível que o livro todo é recheado de acontecimentos estranhos que nos trazem questões conflitantes, cujas respostas são reveladas no final de maneira surpreendente. No entanto, acredito que faltaram alguns elementos essenciais para que a história se tornasse uma obra completa, então não foi uma leitura totalmente proveitosa para mim.

Vejo inúmeros casos de amor e ódio que os leitores sentem em relação a alguns livros pois é comum nos depararmos com várias histórias maravilhosas, que nos envolve a cada página, mas que infelizmente conta com um final decepcionante. Minha experiência com “A Febre” foi justamente o contrário: a história toda não conseguiu me envolver com a sua narrativa, mas o seu desfecho sim pois é nele que todas as pontas soltas vão sendo conectadas e foi algo que não consegui prever e gostei muito da forma que a autora usou para revelar os mistérios envolvidos.

Deenie é uma menina bastante apegada a suas amigas, que diferente dela, são bem descoladas e experientes na vida sexual. Ela sente esse desejo de saber mais sobre sexo e de sentir o que as amigas lhe confidencia, então em seus primeiros relatos ela nos conta que perdeu a virgindade com um cara, mas com tudo que anda acontecendo com suas amigas, não houve tempo para contar a ninguém. Esse fato parece ser insignificante, mas peço aos leitores para que não o ignorem pois é algo que tem uma certa relação aos surtos ocorridos.

“Talvez a gente não conheça ninguém de verdade, Deenie pensou. E talvez ninguém nos conheça.”

Ela é amiga das meninas que são afetadas pela doença misteriosa e começa a considerar a possibilidade de ter causado tudo aquilo, e apesar de não saber exatamente como e não apresentar nenhum sintoma, ela começa a especular sobre o que poderia ser. Inicialmente Deenie reflete a possibilidade de tudo estar relacionado ao lago assustador da cidade, pois uma semana antes de tudo acontecer, ela e as amigas haviam entrado no lago à noite, que também é conhecido por ser o local da morte de um garotinho. Mas depois também surge a teoria de que as vacinas que as meninas da escola tomaram contra HPV contém substâncias suspeitas que podem ter gerado esses sintomas colaterais. Com tantas possibilidades, o leitor acompanha os pensamentos de Deenie e também fica intrigado com os mistérios envolvidos, o que acaba gerando curiosidade sobre o que de fato poderia ser a causa de tudo aquilo, que somente é revelado no final de forma incrível e surpreendente.

Tom é o pai solteiro que ainda guarda mágoa pela ex-esposa, que abandonou a família, e professor da escola onde os filhos estudam, então quando os surtos começam a ocorrer, é claro que sua preocupação em relação a Deenie começa a se evidenciar. Ele passa a querer proteger a filha e a ajudá-la no que for preciso para descobrir o que está acontecendo com suas amigas, que de tão ligadas a Deenie, são como filhas para ele também. Tom interpreta o papel de um pai amedrontado que ama seus filhos e sente o medo de perdê-los o tempo todo, não somente para uma doença desconhecida, mas sim para os constantes riscos em que são expostos no cotidiano e que é impossível evitá-los. Não é um personagem que chama a atenção, mas que nos faz admirar pelo carisma que tem pelas pessoas ao redor e pelo amor que nutre pelos filhos, por mais que não sejam tão próximos.

Já Eli é o irmão de Deenie, um jogador de hóquei que ocasionalmente leva garotas para o quarto para se divertir. Ele também é um personagem que não nos apresenta grandes acontecimentos, mas o seu ponto de vista é essencial para que possamos compreender alguns aspectos do que está ocorrendo com as meninas da escola. É interessante visualizar a história por esse personagem pois ele é um daqueles meninos que as garotas acham bonito, mas que não está verdadeiramente interessado, se preocupa com a sua irmã e até sente ciúmes mesmo não demonstrando e sente saudades de assistir filmes junto com a família.

“Uma, duas, três meninas. Pelo jeito que a coisa estava evoluindo, igualzinho a como conjuntivite ou faringite se espalhavam pela escola, uma boca vermelha engolindo-as uma a uma, não parecia ter sido causada pela vacina. Parecia um vírus, uma peste.”

Eu amei a ideia que a autora teve ao criar essa história, mas sinto em dizer que ela pecou, e muito, na narrativa. Ao iniciarmos a leitura nada nos é explicado, os fatos vão sendo jogados de forma direta e somos obrigados a ler várias e várias páginas sem entendermos nada e sem termos ideia do que está acontecendo. Além do mais, acredito que a autora poderia ter inserido acontecimentos mais impactantes na trama pois leva um bom tempo para a história engrenar e ficar interessante.

A diagramação é boa, acredito que não poderia ter uma capa melhor que retratasse tão bem a história. A fonte é de um tamanho adequado para a leitura, o espaçamento entre linhas está ótimo e não encontrei nenhum erro de revisão. Apesar da narrativa não ser bem desenvolvida, ainda assim recomendo para todos, o livro passa uma mensagem importante que merece reflexão sobre amizades, segredos e garotos, então com certeza vale a pena a leitura.

21 comentários:

  1. Mesmo com os pontos ruins que você citou, sua resenha me deixou bastante curiosa para fazer essa leitura, então não vejo a hora de começar para ver se concordo ou não com você
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá Amanda,
    eu já conhecia a capa desse livro e a sua resenha é a primeira que leio a respeito. Confesso que não tenho vontade de conhecer essa história,e sei que as opiniões podem variar muito, mas ainda continuo sem vontade de fazer essa leitura.

    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  3. Olá!

    Estórias de suspense com uma doença desconhecida afetando a população são sempre bons, pois tem aquele mistério enorme sobre o que pode estar causando tudo isso. Uma pena que a escritora não soube trabalhar isso ao seu favor e jogou informações a ermo e deixou os leitores confusos e perdidos inicialmente. Talvez eu leria esse livro pelo bom misterios, mas as pontas solta realmente desanimam.
    Achei sua resenha muito boa e completíssima!

    Beijinhos!
    Cantinho Cult

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente, só li resenhas negativas a respeito desse livro até agora - todas se referindo à narrativa. Confesso que não tenho paciência para livros que não me prendam, então tenho quase certeza que não procurarei essa leitura.
    Gislaine | Paraíso da Leitura

    ResponderExcluir
  5. Eu acho que esta é a primeira resenha que leio do livro e claro, fiquei com um pezinho atrás em saber que você sentiu falta de alguns elementos pertinentes ao gênero. Mesmo o final te surpreendendo, o decorrer da história não te envolveu e acho isso imperdoável. Vou anotar a dica, mas não pretendo ler em breve.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi, Amanda. Tudo bem?
    Guria, estou com esse livro em ebook desde o lançamento, mas ainda não tinha pegado por achar que tinha uma pegada mais de terror - e sou muito medrosa hehe Mas saber que é mistério, um dos meus gêneros favoritos, me faz ficar ainda mais curiosa, porque essa sinopse e de matar a gente né? Ainda mais com você dizendo que começam a aparecer várias hipóteses. E é tanto personagem que já estou querendo saber de quem é a culpa, rs. Ah, e que bom que a narrativa é em terceira pessoa. Suspense pra mim só em terceira pessoa mesmo.
    Você disse que o final foi bom porque fechou as potas soltas e tal. Sabe que se o final é assim, pra mim, mesmo que o resto do livro não tenha sido tão bom, eu dou 5 estrelas? Acredito que o final compense se for bom mesmo e se o mistério era algo surpreendente e grandioso. Pois, odeio livros que até são bons, mas aí chega no final e nem eram grande coisa assim, e o mistério era aquilo que o leitor imaginou.
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  7. Oi
    Gostei muito de ler sua resenha. Legal ver que a capa combina com a história, pois sempre achei tão estranha. Adoro esses livros cercados de suspense. A única coisa que me deixa incomodada é saber que teremos que ler muitas páginas sem entender.
    Mesmo assim continua na lista.
    Adorei a resenha.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  8. Olá
    Eu estou super afim de ler esse livro, pois ele foi super elogiado pelo meu primo, mas depois de ler essa sua resenha (a primeira que li) me deixou um pouco decepcionado, esse fato da autora jogar as coisas na nossa cara e dizer par nos virar com mas informações jogadas. Espero pode ler e qu sabe, apesar dessa gafie da autora, gostar muito da obra. Tenho que concordar com você que essa idéia da autora foi bem legal. Até mais vê
    Bjks

    ResponderExcluir
  9. Oi, confesso que para mim a história tinha tudo para ser perfeita, mas não é. Além de ter vistos várias resenhas que falam que a história poderia ter sido melhor desenvolvida, que os fatos são jogados na nossa cara sem nem conhecer nada (como você mesma disse), ser narrado em terceira pessoa também não me agrada em nada. Acho que quando se é narrado pelos personagens faz com que o leitor possa se sentir mais dentro dos acontecimentos, então eu não gosto de livros que são em 3 pessoa. Mas confesso que você me deixou curiosa para saber como o desfecho torna tudo tão bom e qual o motivo dessa "febre" que tem atacado as meninas. Então me encontro nesse momento sem saber se darei ou não uma chance! Sua resenha está impecável, parabéns!!!
    Um beijo

    ResponderExcluir
  10. Olá Amanda,
    Desde o lançamento, tenho muita curiosidade de ler o livro e é uma pena que a história não tenha te agradado no desenvolver. Li algumas páginas e me senti bem perdida em relação a trama e nada atraída por ela, mas achei que era porque não havia lido o bastante, agora vejo que talvez minha impressão seja a mesma que a sua.
    Apesar disso, fico muito contente por saber que o desfecho te agradou - estou me perguntando qual foi!
    Parabéns pela incrível resenha, você ressaltou pontos importantes para a opinião do leitor.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  11. Oi Amanda, mesmo você achando que a autora pecou na narrativa fico feliz pelo final ter compensado e te surpreendido de forma positiva. Quando esse livro foi lançado não chamou tanto a minha atenção, até então não havia lido nenhuma resenha dele. Após a leitura da sua resenha me despertou a curiosidade de saber mais afundo quais são os mistérios e segredos que estão causando a febre e porque só meninas são afetadas. Gostei muito da sua resenha, vou anotar a dica aqui.
    Beijos
    Um Rascunho a Mais

    ResponderExcluir
  12. Oie, Amanda
    A capa desse livro me deixou curiosa, achei bonita e instigante. É o tipo de capa que faz a gente parar pra saber mais do livro, não acha?
    Gostei da sua resenha e mesmo com os pontos negativos destacados, fiquei com vontade de conhecer a história.
    Nunca li nada da autora e gostei da premissa, muito interessante.

    Até mais,
    Bjinhos

    ResponderExcluir
  13. OI!!!!

    Confesso que a estória nunca me atraiu e sua resenha apenas acrescentou e contribuiu para que não faça a leitura. Gosto de suspense, mas esse surto que pega somente as meninas da escola e quem ninguém sabe a causa não me parece ser um ponto inicial para uma ficção, enfim, parece que os personagens são bem construídos e mesmo Tom e Eli não chamando muito atenção creio que devam ter algo a ver com isso, apenas especulações, mas mesmo assim não me senti cativada. Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Olá!! :)

    Eu nao conheço o livro mas acho que gostaria de ler... Bem, nao faz muito o meu genero literario, confesso!! :) ahah

    Mas acho bom que passe uma mensagem importante e que tenha sido bem desenvolvida... Contudo, e muito mau mesmo quando ficamos a ler um livro sem saber a inicio o que estamos a ler... Comigo nao funciona mesmo!! :(

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  15. Oi, Amanda. Tudo bem? A premissa me interessou muito, é exatamente o meu tipo de livro. Confesso que me incomoda um pouco quando a narrativa é feita por mais de duas pessoas, pois me atrapalho um pouco. Amei os quotes que você escolheu, e gostei bastante da sua resenha. Já até adicionei esse livro na lista hahah! Beijos <3

    ResponderExcluir
  16. Oi ^^

    Apesar de ter entendido que o desfecho compensa um pouco todo o início da história, sinto que esta leitura não fluirá comigo.
    Ando sem paciência para narrativas que infelizmente não aproveitam bem os capítulos e deixam para o final todo o envolvimento que deveria ter sido construído desde o início.

    ResponderExcluir
  17. Oi Amanda, acho a capa desse livro bem interessante, apesar dessa tipografia seca do título dar a impressão de que ela foi mal feita, mas essa capa é bem estranha. Eu gosto.
    Gosto de alguns elementos que você citou sobre a narrativa e por isso eu fico curiosa, porém não posso deixar de mencionar que essa alusão que as convulsões das personagen tem a ver com a vacina de HPV que fala na sinopse, é bem infeliz, pois alimenta o medo e o preconceito por uma vacina muito importante, que já é bem perseguida aqui no Brasil, por causa da burrice disfarçada de religiosidade de algumas pessoas.
    Fiquei curiosa em relação a se a leitura faz uma critica mais profunda a isso e de que lado ela se posiciona. Beijos

    ResponderExcluir

  18. A sinopse dessa livro me deixa bastante instigada, ao mesmo tempo que fico curiosa para saber mais sobre a doença.As teorias mostradas acabaram me fazendo querer desvendar logo esse mistério. A história tinha tudo para ser perfeita, mas é uma pena que a autora tenha nos apresentado aos fatos tarde de mais, assim ficamos muito confusos ao ler o livro, mesmo assim irei colocar como desejado, pois a resenha me deixou bem agoniada

    ResponderExcluir
  19. A premissa do livro é boa, pena que faltaram alguns elementos essenciais, é muito chato quando uma obra, que tinha tudo para ser boa, nos decepciona. Eu tinha pensado em ler esse livro, pois, como disse, gosto da premissa. Mas depois de ler a sua resenha, vou pensar melhor, porque não é nada agradável lermos várias páginas com fatos jogados, dificultando nossa compreensão. Gostei da sinceridade da sua resenha!

    Tatiana

    ResponderExcluir
  20. Hahahaha, a primeira vez que li um livro como esse, também achei confuso e mal escrito, mas, hoje amo isso. Quando o au5or joga na sua cara mil informações sem te dar a mínima do que fazer isso. Gosto tbm quando é mais de um narrador nessa jogada. Pq você não percebe como uma narrativa se encaixa nos problemas da outra. Isso é maravilhoso. Enfim. Sobre o livro, HAHAHA, quero muito ler esse livro, entender o que tá se passando. Vou deixar ele aqui no Kindle e assim que acabar a MLI vou pegar nele. Beeeeijos

    ResponderExcluir
  21. Oii, tudo bem?
    Eu confesso que apesar de gostar do gênero do livro, eu estou com o pé atrás em relação a essa historia. Eu achei o tema bem diferente do que estou acostumada, e apesar das ótimas criticas, ele não me chamou a atenção. Mas eu irei recomendar para algumas amigas, pois acredito que elas iriam gostar.

    ResponderExcluir