15 março 2015

Resenha - Como Viver Eternamente





Meu nome é Sam. Tenho onze anos. Coleciono histórias e fatos fantásticos. Quando você estiver lendo isso, provavelmente já estarei morto. Sam ama fatos. Ele é curioso sobre óvnis, filmes de terror, fantasmas, ciências e como é beijar uma garota. Como ele tem leucemia, ele quer saber fatos sobre a morte. Sam precisa de respostas das perguntas que ninguém quer responder. ”Como Viver Eternamente”, é o primeiro romance de uma extraordinária e talentosa jovem autora. Engraçado e honesto, este é um livro poderoso e comovente, que você não pode deixar de ler. A autora tem apenas 23 anos e embora seja seu primeiro livro, ele está sendo lançado em 19 países, dirigido a crianças, adolescentes e adultos.


232 páginas || Skoob || Cortesia: Geração Editorial ||
 || Classificação:  || OndeComprar ||



Sam é um garoto de onze anos que está com leucemia. Ele já foi diagnosticado com câncer duas vezes onde toda sua família teve esperanças e apostaram nos tratamentos, mas na terceira vez, tiveram de reduzir os medicamentos para deixar Sam vivo, pois ele estava ficando cada vez mais fraco devido a tantos remédios.

Sam tem aulas em casa junto com seu melhor amigo Felix, que tem treze anos e também foi diagnosticado com câncer. Em uma dessas aulas, a professora deu o dever de escreverem fatos sobre si mesmo, ou um livro. Sam fica animado com a ideia e decide que aquele será o livro que vai contar sua história, e a partir daí vemos como é a vida de um garoto de onze anos que sofre de câncer, vamos ver o mundo do ponto de vista dele e apesar da sua doença, ele prefere ver tudo pelo lado bom. Ele cria listas de coisas que quer fazer antes de morrer, de suas coisas favoritas, seus melhores momentos e seus desejos para um futuro que ele não vai estar presente.


No decorrer da história podemos perceber o quanto a amizade de Sam e Felix é verdadeira e sincera, Felix está disposto a ajudá-lo a realizar seus desejos. Sem medo eles partem para um aventura de realizações, alguns desejos de Sam são simples, mas outros são difíceis (ou não?) de realizar, juntos eles descobrem que nada é impossível para dois amigos determinados a não desistir dos sonhos.

Como viver eternamente é um livro que deve ser lido por todos, é extremamente emocionante do começo ao fim, ele vai falar sobre dor, perda, amizade, família e morte. O que mais me cativou foi a força de Sam, se para um adulto é tão difícil enfrentar o câncer, imagina para uma criança de onze anos. Ele se mostra forte, ele não fala que tem medo de morrer, apesar dele saber qual será seu destino perante a uma doença pela qual ele não pode vencer. Apesar disso, ele enxerga a vida de um ângulo tão bonito, ele valoriza cada momento. É realmente incrível e triste ao mesmo tempo.

"... Deus é como um grande médico. Faz as pessoas ficarem doentes só para depois fazê-las melhorar - do mesmo jeito que os médicos dão quimioterapia às pessoas para fazê-las melhorar. Não importa para Deus se você morrer, porque você acaba indo para o céu, que é onde Ele vive, de qualquer maneira."



Senti meu coração apertado durante toda a leitura, principalmente nos momentos em que ele fazia perguntas que não tinha respostas, como "Morrer dói?" ou "Como você sabe que morreu?". É um livro digno de nota dez, com uma leitura que flui perfeitamente deixando o leitor ansiando por mais, com personagens cativantes e uma premissa maravilhosa.

A editora está de parabéns pelo trabalho que fez com a capa e a diagramação do livro, com listas feitas por Sam, desenhos e observações que nos da a impressão de estar lendo um diário, o que deixa tudo mais bonito.