17 novembro 2015

Resenha - A Aprendiz do Amor





Numa época medieval, Angélica é uma princesa que vive rodeada de luxo e riqueza, porém, pouco se importa com o conforto do qual desfruta em seu castelo. Sua maior preocupação é com os pobres que vivem às redondezas do castelo. Ao conhecer o humilde jardineiro Antônio, Angélica passa a questionar seus privilégios em relação ao povo que mora fora do castelo. Porém, seu pai, um rei poderoso e egoísta, não se conforma com as atitudes humanistas da filha. Ajudado pela serviçal da filha, uma jovem gananciosa, o rei se vinga, mandando prender o jardineiro e expulsando a filha do palácio. Todos pagarão um preço por suas decisões.
O que será que o destino reservará a cada um deles? 




Livro: A Aprendiz do Amor
192 páginas || Skoob || Cortesia: Petit Editora || OndeComprar ||








Angélica é uma princesa que vive em um belo castelo rodeado de muito luxo e de vários criados, praticamente tinha todo o possível para ser feliz. Porém, ela começa a perceber que tem muita coisa em excesso, ao contrário das pessoas do povoado do reino que não tinham nada. Ela então começa a se perguntar do porquê de Deus não fazer nada para reverter toda essa situação.

Ao perguntar isso ao rei (seu pai) sobre a questão, ele praticamente não dá a devida importância a pergunta da filha e acha que ela deveria esquecer do assunto, porque eles são pessoas nobres e não tem que ficar se preocupando com isso, pois de acordo com o rei, aquelas pessoas tiveram o azar de viver dessa maneira porque Deus quis que fosse assim. Mas seria isso possível? Que Deus iria querer que algumas pessoas sofressem e passassem fome? Angélica de forma alguma acreditava em tal fato.

A princesa já não concordava com o comportamento e as atitudes do seu pai, porque nunca imaginaria que ele falaria aquelas coisas e pensasse assim. Ela achava que um rei como qualquer outro deveria tentar ajudar a amenizar a dor das pessoas que vivem em seu reino, mas ela percebeu que com o seu pai não seria nunca dessa maneira, pois ele não tinha generosidade no coração e acho que nem sabia o que era isso.

Em uma manhã, a princesa resolveu dar uma volta em seu reino para olhar mais de perto o povoado e ficou bastante entristecida com tudo que via e percebeu que precisava mais do que nunca ajudar essas pessoas ou tentar fazer o seu pai enxergar como realmente eram as coisas.

Mas, ao chegar do passeio, Angélica se depara com o seu pai na entrada do castelo humilhando um pobre jardineiro e fica bastante chocada com aquela cena, pois mesmo sendo o rei, deveria ser uma pessoa humilde e tratar bem as pessoas que trabalhavam para ele, mas ao invés disso era extremamente egoísta e não se importava como se fosse o dono do mundo. Só pensava em si mesmo e em mais nada. Isso a assustava, pois como poderia um ser humano agir daquela maneira? Ou como pode uma pessoa ser assim tão diferente do que ela pensava? Estava complicado para Angélica conviver com isso.

A partir daí, a princesa começa a ter sonhos todas as noites com uma mulher muito sábia e de muita luz chamada Joanna que explica que está ali para ajuda-la em tudo que for preciso, mas que ela precisará se aproximar do jardineiro do reino para poder receber os ensinamentos para ajudar as pessoas de mais necessidade e também para começar a aprender a se doar aos que precisam de amor, carinho e atenção. Havia uma esperança para a situação e ela de qualquer maneira pretendia agarrar-se a essa mínima chance de mudança.


Ao acordar, Angélica se sente bastante animada e disposta, por isso, após o café da manhã, ela vai direto ao jardim com o pretexto de ver as belas rosas do reino e tem a chance então de se aproximar do jardineiro. Antônio, que estava no local e começa a falar sobre os cuidados que tem com as rosas, com o seu pai que fica sozinho em casa e que precisa de auxilio e principalmente com as pessoas do seu povoado que necessitam.

Todos os dias, o pai de Angélica fica incomodado observando da janela sua filha conversando com o jardineiro e depois lhe pede para não se misturar com as pessoas inferiores, de acordo com ele não é apropriado para uma pessoa da realeza se misturar com os criados. Só que Angélica não dá a menor importância em ser nobre, de alguma forma ela sabe que todas as pessoas são iguais e que não existem diferenças entre aquelas que tem bondade e amor no coração.

Então com o passar do tempo, Angélica começa a fazer passeios pelo povoado escondida de seu pai e e então começa a se encontrar com o jardineiro para ajudá-lo com as pessoas que precisam, porque fazendo o bem, ela teria um novo sentido em sua vida

Mas as coisas não param por ai, porque muitos acontecimentos vão surgindo e começamos a notar que todos nós estamos aqui no mundo para cumprir a nossa parte, seja ela qual for. Pois ajudar o próximo é uma tarefa de amor que todos deveriam fazer todos os dias, é difícil, mas se não tentarmos ou começarmos a fazer algo, jamais mudaremos a situação.

O livro é narrado em terceira pessoa e no ponto de vista da personagem Angélica, que nos faz compreender logo de inicio seus questionamentos sobre as diferenças de sua vida com as de outras pessoas. A estória no meu ponto de vista foi muito bem desenvolvida e teve um ritmo muito bom por ter uma narrativa muito bem fluida e bastante leve.

Os personagens além de serem muito cativantes, também foram muito bem utilizados, pois eles nos trazem muitos aprendizados. Aprendemos durante as páginas lições muito valiosas sobre o amor ao próximo e principalmente em como se doar e saber perdoar as pessoas.

No livro a mensagem que é passada é de que cada pessoa no mundo tem uma tarefa importante para cumprir e que devemos sempre ajudar aqueles que mais necessitam de nós. Agindo com amor, carinho e bondade, pois com certeza no fim teremos nossa recompensa divina.

Enfim...

Foi um livro que sinceramente eu gostei bastante, mas não foi um livro que classifiquei como um dos meus queridinhos da estante, pois no meu ponto de vista eu senti que faltaram algumas coisas na estória e principalmente em seu desfecho. E também faltou algo que mexesse mais comigo sabe? Acho que isso de certa forma pelo menos para mim, deixou a desejar, mas mesmo assim não desmereço a estória de forma alguma, porque o livro vale muito a pena mesmo no sentido de aprendizado. Eu o solicitei, porque eu fiquei realmente interessada e achei a sinopse do livro bastante atrativa e é por isso eu acho que cada um vai ter uma opinião e uma visão diferente dos fatos que eu tive. 

Acho que todos deveriam ler, até porque, no mundo em que vivemos HOJE, estamos precisando mais de amor e levar isso ao próximo e das pessoas que realmente precisam. É uma ótima maneira de nos fazer acordar um pouco pra vida e ver que ela não se resume apenas nos nossos interesses. Ao redor, muitas vezes bem perto de nós, há pessoas que precisam de apoio e podemos fazer a diferença.

Quanto à diagramação: Eu tenho que confessar que fiquei absolutamente apaixonada pela arte incrível da capa do livro, até porque tem tudo haver com a estória. Foi muito bem elaborada e dou os parabéns para Petit Editora. Além disso, também não encontrei erro algum durante toda minha leitura. Se tiver, passou para mim despercebido. As páginas são brancas e com uma fonte de um bom tamanho, facilitando bastante a leitura. 

Livro mais do que Recomendado sem dúvidas!

15 comentários:

  1. Adoro esses livros que trazem uma mensagem, uma moral... Principalmente uma como essa! (escolhi seguir a medicina por esse motivo: muitas pessoas no mundo precisam de ajuda).
    A história me interessou bastante, mas tem um fato que me incomoda bastante: as páginas brancas. Evito ler livros assim. Tenho uma enxaqueca dos infernos quando forço muito a vista.
    A resenha está ótima, parabéns! (o blog é lindo também)
    Beijos
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá.
    Não conhecia esse livro e nem essa Editora.
    Mas achei a história bem interessante, e tratar sobre esse assunto de humildade e um pouco complicado e refletir sobre ele nos faz pessoas melhores.
    Gostei do livro por se dar em uma época de luxo em meio a reis e rainhas.
    Beijos
    neversaynever-believe.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Silvana!
    Eu já li muitos livros espíritas, mas no momento, não estou lendo tanto quanto gostaria. Gostei muito da sua resenha, e entendo quando diz que o livro é bom, mas falta alguma emoção. É como se não tivesse apertado o "botão" certo dentro de nós para aflorar todos os sentimentos.
    A sua resenha está ótima, gostei muito.
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
  4. Olá, antes de falar sobre o livro quero dizer que amei essas fotos, lindas.
    Eu já tinha visto esse livro e mesmo não gostando do gênero esse livro me encantou, tenho curiosidade em ler. Assim como você, eu achei a sinopse muito instigante e lendo a sua resenha eu vi alguns detalhes que não conhecia sua resenha foi a primeira que leio sobre a obra e fiquei ainda mais interessada nesse livro.

    ResponderExcluir
  5. A capa é linda, mas não é um livro que me chamaria a atenção sem eu ler a resenha.
    Mesmo você dizendo que faltou algo, gostei de saber que os personagens são cativantes e que foram bem utilizados, ainda mais por trazer uma mensagem tão importante como agir com amor e bondade.
    Gostei bastante do que você disse sobre o livro e mesmo não ficando super empolgada e querendo ler ele correndo, se aparecer a oportunidade é claro que darei uma chance ao título.

    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  6. Oi flor!!!

    Nossa que resenha...quanto detalhe, que riqueza de palavras ...to apaixonada!

    Eu não leio sinopses, e não li a sua! Fui direto para a resenha e enquanto ia lendo tinha a impressão de estar sendo transportada para a história, pois da forma como tu colocou, se referindo à personagem como "a princesa" até quase a metade do teu texto, só dava mesmo pra imaginar um linda princesa lutando contra a bruxa má (nesse caso a bruxa seria a empáfia de um rei???). Não sei se é o caso, mas foi a analogia que me veio à mente, ao comparar as histórias tradicionais onde as princesas só "vivem" o que lhes é apresentado sem questionar. Aqui ela questiona e vai atrás pra resolver...

    muito diferente a proposta, mesmo sendo algo batido como reinos, reis e princesas!!!! adorei!

    Parabéns pela sua resenha, como disse antes, ela está maravilhosa!!!

    bjs,

    Eu Pratico Livroterapia


    ResponderExcluir
  7. Oiiie
    Bom, a resenha está ótima, espero poder ler em breve e gostar apesar de não ser meu gênero de leitura, é sempre bom arriscar e conhecer coisas novas, além do mais, a capa está linda

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Silvana, tudo bem?
    Não conhecia o livro, mas pelo que li em sua resenha, essa é uma daquelas leituras que nos fazem refletir e nos acrescentam algo. Fiquei interessada e também achei a capa do livro linda. Dica anotada.

    Bjs, Glaucia.
    www.maisquelivros.com

    ResponderExcluir
  9. Olá!

    Gostei muito da sua resenha! Mas eu não me interssei por essa leitura, por ter esses elementos medievais, que é um tema que não curto muito. A mensagem que ele transmite é muito real e necessária para todos os povos!

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Oi Sil... tudo bem?
    Eu acho as capas dos livros da Petit.. lindos e bem trabalhados... eles tem um cuidado maravilhoso... eu não curto essa temática de leitura... a minha resenhista Ninah que gosta... passo tudo pra ela... sua resenha focou bem escrita... você conseguiu transpor a história... e falar dos seus sentimentos no decorrer da leitura... uma pena você ter sentido que faltava algo... mas que a leitura de qualquer forma foi satisfatória... xero...

    ResponderExcluir
  11. Infelizmente não me interessei pelo livro, a capa não me chamou atenção e a estória me parece enredo de novela das seis. Mas que bom que você gostou e te trouxe algum aprendizado. Bjs

    ResponderExcluir
  12. Oi Sil ❤
    De fato essa capa tá um atraso de linda e suas fotos ficaram fantásticas. Gostei muito da sinopse do livro e se eu tivesse parceria com a editora, certamente teria pedido esse livro também.
    Adoro essas historias com reis e princesas e como um bom conto de fadas deve ser , esse livro esta cheio de lições e ensinamentos que pude perceber conforme ia lendo sua resenha.
    Impecável e rica em detalhes não deixou de dar sua opinião sincera sobre alguns fatos negativos. Adorei

    Abraço e Bons Livros,
    http://bibliotecadocoracao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Que livro lindo Sil, e ainda traz uma mensagem de amor, que é tão importante para enfrentarmos os tempos difíceis em que estamos. Que pena que o autor não soube desenvolver muito bem o desfecho da estória. Mas ainda assim parece ser uma narrativa bem cativante :)
    Gostei da resenha e das fotos!
    Beijos!!
    Gaby

    ResponderExcluir
  14. Oii!

    Só pela resenha já pude perceber qual era a lição de Moral que o autor tentou passar. Gostei dessa personagem ser bem decidida, sinto falta disso em mocinhas hoje em dia. Outra coisa que me atrai é a monarquia. Adoro reis, rainhas e afins... Mesmo faltando um Q a mais na história, acho que a leitura é totalmente válida.
    Adorei as fotos!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  15. Olá. A capa é realmente muito amor e confesso que a premissa do livro é realmente muito interessante. Amo histórias medievais e que se misturam com outros temas como caráter, bondade e enfim. Uma pena mesmo que a obra não tenha te mexido como você mesma disse kk, mas, acontece né.
    Com certeza fiquei curiosa para ler e certamente darei uma chance.
    Beijos e sucesso.

    ResponderExcluir