02 maio 2015

Resenha - Buscando a morte encontrei a vida




Este é o inicio de uma viagem que vai dos lugares mais inóspitos até os pontos mais sublimes das intenções humanas. Entre passado e presente; luz e trevas existentes nos desejos mais íntimos de cada um. Quais são as mensagens por traz de cada infortúnio? O que a vida tenta nos mostrar através de situações tão terríveis? Estas são apenas algumas das questões levantadas por Wagner Sander, um homem bem-sucedido e realizado, que, no início da década de 1980, vive um momento de completa dor e desespero após o falecimento de seu filho de apenas oito anos. Esta marcante fase o faz se envolver em um grande conflito pessoal e familiar, levando-o a uma busca incessante para suas respostas mais íntimas. Motivado a tirar a própria vida, ele acaba embarcando em uma viagem espiritual no mínimo insólita, trazendo à tona muitas verdades inesperadas.

136 páginas || Skoob  || Cortesia: Editora Novo Século ||
Classificação:   || Onde Comprar









Buscando a morte encontrei a vida é um lançamento da Editora Novo Século, que me chamou atenção assim que li a sinopse. Como o livro é bem curto, vou explicar apenas o essencial, sem soltar spoilers.

O livro já começa com uma tentativa de suicídio, onde Wagner já não enxerga mais sentido na vida, e em seu momento de fraqueza tenta se matar. Ele sempre foi um homem bem sucedido, é casado com Rafaela, com quem tem um filho, Gabriel, de apenas oito anos. Mas sua vida mudou drasticamente depois da morte de seu filho, deixando-o em uma completa escuridão.

Antes de pular do alto de uma ponte, ele escuta uma voz e alguém o puxando. Depois disso, a história começa a ficar meio doida. Ele acorda em um lugar desconhecido, chamado de H.A.R.C.A. que seria uma colônia espiritual. Neste lugar, aos poucos ele começa a lembrar o que havia acontecido, e deduz-se que havia morrido. Ele conhece diversas pessoas nessa colônia, que lhe trarão ensinamentos sobre a vida e seu sentido, além de fazer Wagner enxergar o quanto estava errado em sua visão sobre a morte. Começa então uma jornada espiritual.

''Era como em um sonho: nunca lembramos exatamente como, quando e onde ele começa, mas vivemos aquilo intensamente, e o que nos faz supor que estamos em uma realidade paralela é a estranheza dos fatos ao redor.'' (p. 24)

Devo dizer que o livro não foi o que eu esperava, pois não costumo ler livros espíritas, e este me lembrou muito o gênero. Quando li a sinopse criei muitas expectativas, pois adoro ler histórias de superação, relações familiares e crescimento espiritual, este último no sentido de amadurecimento da alma. Mas me vi diante de uma história de reencarnação, que é o que sempre evito ler (risos), pois o último que li não foi uma experiência muito boa. 

Enfim, tentei focar no crescimento espiritual de Wagner, mesmo assim, para tentar tornar a leitura produtiva, mas não foi o que aconteceu. Até certo ponto do livro não queria desmerecer a obra, e ainda daria quatro estrelas, afinal, mesmo o espiritismo sendo algo que eu não acredite, a minha crença não poderia interferir no público que gosta desse tipo de livro. Porém, essa colônia espiritual - H.A.R.C.A. - era fantasiosa demais, onde as pessoas tomavam líquidos especiais, viviam em um navio, e além disso, era um local cheio de tecnologia. E o mais importante: não me comovi tanto com os ensinamentos dado a Wagner. Diante disso, não tive como não ser o mais sincera possível. 

"Na dificuldade de melhorar nosso caráter, é sempre mais fácil o nivelamento do caráter alheio; na dificuldade de gerar atitudes benéficas, é sempre mais fácil culpar nosso carma." (p. 45)

Com uma narrativa em primeira pessoa, não tenho do que reclamar da escrita do autor. A leitura fluiu muito facilmente, e fiquei totalmente a vontade a cada virada de página, sem contar que você lê o livro muito rápido, pois é bem curtinho.

A diagramação está simples e perfeita, com folhas amareladas e fonte em tamanho confortável. A capa e contra capa me agradaram bastante, e condizem com o conteúdo do livro. A revisão está impecável e não notei nenhum erro.

"Idas e vindas, vidas e mortes...Assim é a vida, meu caro amigo, um ciclo quase sem fim - disse Giovanni com um carisma incomparável." (p. 119)

Apesar da história não ter me cativado, eu recomendo para quem gosta de livros mais ligados ao espiritismo, e uma trama que envolva reencarnação, afinal não foi uma leitura arrastada e a escrita do autor é de fato muito boa. Vale ressaltar, que o final me agradou bastante. Acredito que a sinopse que me confundiu, me fazendo imaginar ser uma história bem diferente. Sei que muitos leitores adoram esse tipo de livro, portanto, essa resenha mostra a minha opinião, e um livro que não deu certo comigo, pode dar certo com vocês.


Escrita pela colaboradora: Leticia Golz  ( já não faz mais parte da Equipe )



Nenhum comentário:

Postar um comentário